Home Defesa Aérea Riqueza e armamento sauditas ainda não podem garantir a proteção do petróleo

Riqueza e armamento sauditas ainda não podem garantir a proteção do petróleo

7087
91
Lançadores de mísseis Patriot em Israel
Lançadores de mísseis Patriot

Por Marc Champion – Bloomberg

Como a Arábia Saudita, um país com o terceiro maior orçamento militar do mundo e seis batalhões de sistemas de defesa antimísseis Patriot dos EUA, não conseguiu defender o coração pulsante da indústria petrolífera da qual o reino depende?

Essa pergunta está no cerne das respostas ao ataque de sábado à Abqaiq, que reduz pela metade a produção de petróleo saudita, e é fundamental para qualquer avaliação de se os investidores terão que considerar permanentemente pressupostos de risco político mais altos no preço do petróleo.

Por mais audacioso que tenha sido o ataque, foi apenas o mais recente de uma série e não deveria surpreender. A eficácia da máquina militar saudita tem sido questionada há muito tempo, apesar de gastar US$ 83 bilhões em defesa no ano passado, em comparação com US$ 45 bilhões para a Rússia e US$ 20 bilhões para o rival regional Irã. A formidável força aérea do reino bombardeia rebeldes houthis apoiados pelo Irã no Iêmen desde 2015, mas até agora não conseguiu derrubar a guerra civil em favor dos aliados sauditas.

No entanto, qualquer resposta firme à questão da vulnerabilidade saudita terá que esperar por mais clareza sobre exatamente o que aconteceu no sábado, segundo especialistas em defesa aérea. Há relatos conflitantes sobre quais tecnologias foram usadas – um enxame de 10 veículos aéreos não tripulados armados, mísseis de cruzeiro ou uma mistura dos dois.

“Se foi um ataque misto, se você tem pequenos UAVs e mísseis de cruzeiro coordenados, chegando em um nível baixo – esse é um problema grave, mesmo para um exército ocidental capaz”, de acordo com Douglas Barrie, membro sênior aeroespacial militar no Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, um think tank do Reino Unido. “O melhor lugar para parar essas coisas é antes que elas saiam do chão.”

Avarias na infraestrutura de óleo e gás da refinaria em Abqaiq na Arábia Saudita

Desafio formidável

A defesa contra drones – seja nos aeroportos ou no campo de batalha – foi um tópico quente no maior show anual de defesa do Reino Unido na semana passada, entre as empresas que fabricam e vendem sistemas de defesa de alta qualidade para governos de todo o mundo, disse Barrie.

A natureza das instalações de petróleo – grandes, estacionárias e inflamáveis ​​– de qualquer forma torna a defesa delas um desafio formidável, de acordo com Barrie e outros. Da mesma forma, sua dispersão pelos vastos espaços vazios da Arábia Saudita e a necessidade de monitorar milhares de quilômetros de fronteiras porosas com o Iêmen, Omã, Emirados Árabes Unidos, Catar, Kuwait, Iraque e Jordânia.

Cobertura da Defesa Aérea saudita (clique na imagem para ampliar)

Até que as tensões EUA-Irã diminuam, é provável que o risco de novos ataques permaneça. Nos últimos meses, os EUA acusaram o Irã de sabotar navios-tanque que transportavam petróleo pelo Estreito de Ormuz, enquanto drones reivindicados pelos Houthi atacaram estações de bombeamento para o oleoduto Leste-Oeste da Arábia Saudita em maio e o campo de petróleo de Shaybah em agosto. Um oficial militar saudita disse na segunda-feira que armas iranianas foram usadas nos últimos ataques.

“É muito simples: os iranianos tentaram várias vezes aumentar o preço do petróleo”, disse Ram Yavne, general de brigada aposentado e ex-chefe de planejamento estratégico das Forças de Defesa de Israel, que agora trabalha no Instituto Judaico de Segurança Nacional da América, um think tank de Washington. “Eles querem mostrar ao mundo que o preço para os EUA bloquearem sua capacidade de produzir petróleo é muito alto”.

“Altamente vulnerável”

O Irã, alvo de sanções dos EUA, negou a responsabilidade por todos esses ataques, incluindo os de sábado. Algumas tentativas de ataque foram frustradas pelas defesas de mísseis sauditas, mas esses sucessos provavelmente serão esquecidos na sequência do ataque a Abqaiq, que retirou cerca de 5% do suprimento global de petróleo.

“Há apenas um argumento racional dos ataques de drones deste fim de semana à infraestrutura do reino”, de acordo com uma nota da análise do Citi Research. “Essa infra-estrutura é altamente vulnerável a ataques, e o mercado tem precedido persistentemente o preço do petróleo”.

O sucesso de um ataque de drones contra indiscutivelmente a peça de infraestrutura mais importante da indústria global de petróleo também pode ser um embaraço para os mísseis Patriot de alto custo da Raytheon Co.

“O que me surpreende é o que aconteceu com os sistemas antimísseis americanos?”, Disse Fawaz A. Gerges, professor de política do Oriente Médio na London School of Economics. “Isso reflete muito nos EUA e em seus sistemas de defesa. Os iranianos sabem disso agora e as lições aprendidas aqui serão aplicadas na Síria, Líbano e outras áreas no futuro.”

Recursos do S-400

S-400 Triumf

A Arábia Saudita está negociando a aquisição do mesmo sistema avançado de defesa aérea S-400 que a Turquia comprou recentemente da Rússia. A arma russa, embora pouco testada em combate, tem vantagens técnicas sobre os Patriot dos EUA. Ele tem um alcance de 400 quilômetros (250 milhas), contra os 160 quilômetros do Patriot, pode destruir alvos que se movem duas vezes mais rápido e pode ser montado para ação em cinco minutos, em comparação com uma hora para uma bateria Patriot.

A compra de S-400, no entanto, arriscaria uma grande brecha entre Washington e Riad, bem como as sanções dos EUA – e sem necessariamente fornecer a resposta para ataques de drones. Em julho, os EUA disseram ter autorizado o envio de 500 soldados para a Arábia Saudita, como um “dissuasão” fortalecida.

“A questão é que drones/mísseis de cruzeiro não podem ser tratados com defesa convencional como Patriots/Thad ou aeronaves. Esse problema que ninguém resolveu nem mesmo os EUA ”, disse Ali Shihabi, comentarista saudita próximo ao governo, em um tweet na segunda-feira. O THAAD, para Defesa de Área de Alta Altitude Terminal, é outro sistema de defesa de mísseis dos EUA de grande formato.

A Rússia combina seus S-400 com o sistema Pantsir-S1 menor, para lidar com mísseis de baixa altitude e curto alcance que passariam pelo sistema de defesa de mísseis balísticos. Embora a Rússia tenha desdobrado o S-400 no noroeste da Síria, ela usou o sistema Pantsir para combater ataques de drones.

Pantsir-S1
Pantsir-S1

“Idealmente, os sauditas precisam de defesas em camadas, incluindo sistemas de defesa de curto alcance, como o alemão Skyshield ou o russo Pantsir, para permitir o engajamento rápido de pequenas ameaças com sistemas mais baratos do que o imenso e caro Patriot”, Justin Bronk, pesquisador de poder aéreo e tecnologia do Royal United Services Institute do Reino Unido, disse em uma resposta por e-mail a perguntas.

Para os sauditas, a primeira prioridade provavelmente será determinar o ponto de partida do ataque. Dependendo do tamanho, os drones podem até ser levados para o reino e lançados a curta distância. “É verdade que esse não é o exército mais capaz”, disse Barrie, do think tank IISS (The International Institute for Strategic Studies) no Reino Unido. “Mas a oposição tem muitas vantagens.”

FONTE: Bloomberg

91
Deixe um comentário

avatar
35 Comment threads
56 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
64 Comment authors
JoséBillyLeonardo Costa da FonteleonidasANGELO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
carcara_br
Visitante
carcara_br

Os níveis de competência Iraniana foram atualizados com sucesso.
Dissuasão meus caros….

Chris
Visitante
Chris

Temos que reconhecer… Mandar drones, ao invés de mísseis que seriam facilmente interceptados pelos Patriot… Foi uma jogada de mestre !

Como uma militar frances, que pediu pra não ser identificado disse….

“É o poder nivelador da tecnologia, que permite aos mendigos poderem ameaçar grandes potências”

“Nos vemos derrotados por artefatos de 250 quilos, como nos vimos derrotados por minas em Mali”, afirmou !

Chris
Visitante
Chris

Alias… Pantsir-S1 poderia ser uma solução contra o Irã….

Mas não contra um potência militar…. Tem vários videos no youtube… De Israel destruindo todos os Pantsir-S1 que acha pela Síria… heheh

rdx
Visitante
rdx

Os Pantsir que a Força Aérea Israelense destruiu estavam desligados

Chris
Visitante
Chris

Pq esses Pantsir, que estavam até posicionados em locais estratégicos, estariam desligados ?

Bom… É o que eu diria tbem, se destruíssem uma arma minha.

francisco Farias
Visitante
francisco Farias

Após uma a bateria de disparos, todos os sistemas de defesa (Tanto russos quanto americanos) precisam ser municiados. Israel só atingiu 1 (UM} pantsir, justamente o que se encontrava no momento sem munição.

José
Visitante
José

Pelo visto e dito o viés ideológico funciona muito bem!

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

então eles são incríveis,atiram desligados, pq tem vídeos deles atirando.

tony
Visitante
tony

isso mesmo Carlos , u ultimo sistema pantsir destruído por israel, estava plenamente operacional, como tb podemos ver no vídeo fez disparos antes de ser neutralizado.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Como ?

Faziam o quê lá então ?

Felipe
Visitante
Felipe

Varios videos de todos os “1” sistema que Israel destruiu (que estava desligado e desarmado)

Joelson
Visitante
Joelson

Mendigos, Franceses e sua soberba, esquecem que foram humilhados na segunda guerra mundial e no conflito na indochina pelos Vietnamitas, tiveram que correr pro colinho do Tio Sam.

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

Chris,eles enviaram misseis e drones,sao misseis de cruzeiro que viajam abaixo de 300 pes,ou seja abaixo de 100 metros,contornando os radares que nao conseguem rastrear este tipo de misseis.

Ricardo
Visitante
Ricardo

Sauditas tomaram uma porretada tão forte que estão levando dias apra entender só o que houve.

Vinicius Momesso
Visitante
Vinicius Momesso

So eu que estou enganado, ou o Iran usou a mesma tática que israel usou na Síria?

nonato
Visitante
nonato

A solução é atacar o Irã.
Claro que isso tem preço e risco.
Mas o Irã já passou dos limites.
Já derrubaram drone americano, já apreenderam navio britânico, já sabotaram navios, mesmo se forem os outros, usam armas iranianas.
Seria uma boa a Arábia saudita contratar ou chamar especialistas israelenses, americanos, coreanos.
Japoneses.
Alemães.
Talvez a Arábia saudita largar o Iêmen de mão…
Mas a tendência é os iranianos tomarem outros países.

francisco Farias
Visitante
francisco Farias

Partindo deste seu princípio, a mesma solução, então, serviria contra os USA, pois eles fomentam a guerra em toda a parte do mundo. Já derrubaram governos, ajudam terroristas, atacaram paises indefesos e se intrometem em toda a parte pretendendo dominar o mundo civilizado.

leonidas
Visitante
leonidas

Complicado pessoas acharem que uma superpotência não teria histórico de interferência, peloamordedeus…rs
É impossível na condição de superpotência não ter este histórico, é uma visão de mundo tão ingênua que custa crer que alguém chegue na idade adulta e continue vivendo de “conceitos moralistas” isso na vida diária de uma pessoa física já é algo extremamente difícil de se observar, querer transportar esta pauta comportamental para uma nação e ainda na condição de super potencial é de uma gravidade atroz…rs

Leonardo Costa da Fonte
Visitante
Leonardo Costa da Fonte

O interessante é que se faz uma estardalhaço incrível porque o Irã apreendeu um navio britânico. Mas ninguém fala nada sobre o fato que isto foi uma retaliação a apreensão de navio iraniano pelos britânicos em Gibraltar. Os britânicos alegaram que o navio iraniano iria para a Siria e estava rompendo o boicote da ONU.

Precisamos avaliar um pouco melhor a guerra de propagandas. A mesma estratégia será usada contra o Brasil, para tentar nos tomar a Amazônia, impedir o desenvolvimento da industria nuclear no Brasil, etc…

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Talvez esse debate acabe com todo o super trunfo em relação à defesa anti-aérea. Diferentes equipamentos para diferentes cenários. Não duvido que os sauditas mandem instalar defesa de ponto para alvos voando baixo ao redor das refinarias.

Brunow Basillio
Visitante

“Algo assim, como esse sistema anti-aéreo de Israel”
Isso é um jogo jovem, não é real rsrs..
“Arma-3”

Augusto L
Visitante
Augusto L

Ah varias maneiras de ser proteger de um ataque de mísseis e mísseis. 1- a primeira e mais óbvia é colocar defesas aéreas bem próximas das instalações na qual se elimina o feito da curvatura da terra. 2- o segundo é criar um rede de sistemas com engajamento cooperativo. 3- pode-se também comprar mais defesas aéreas para cobrir os gaps e criar uma defesa de camadas. No meu ver a AS só precisa criar um sistema de engajamento cooperativo de seus sistemas Hawk, Patriot, AWACS e caças, isso aliado a inteligência militar reduziria o efeito de não se poder proteger… Read more »

Augusto L
Visitante
Augusto L

Pronto problema resolvido simples e pratico

carcara_br
Visitante
carcara_br

A gente, e me incluo nessa, parece “mulher de malandro”. É sempre a mesma coisa ocorre um ataque fazemos uma análise técnica superficial dos sistemas e temos a solução pro problema “miraculosamente”. Eu proponho um desafio mental, o nível de sofisticação apresentado nos permite tentar imaginar o seguinte: Dada uma condição de defesa qualquer, qual seria a vulnerabilidade explorada que permitiria o sucesso da força atacante? Ou seja, o nível de inteligência foi suficiente para que, seja pressuposto, haveria adequações tais que permitiriam o sucesso da empreitada. Em fim tudo custa dinheiro, nada é infalível. Ficar brincando de supertrunfo após… Read more »

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

Eu acho que os sauditas precisam comprar inteligência isso sim🤔🤔😂😂🇸🇦

Régis Athayde
Visitante
Régis Athayde

Sobre os sauditas: “É verdade que esse não é o exército mais capaz”.

Creio que essa frase resume tudo.

Italo Souza
Visitante
Italo Souza

Interferir sinal no vai ajudar com drones pré programados, os drones que atacaram nesses últimos ataques, eles não usam sinal de rádio para se auto localizar, eles estão ao nível de um Tomahawk com menor poder de destruição.

Carlos Eduardo
Visitante
Carlos Eduardo

O problema da Arabia Saudita não é o seu quantitativo ou o qualitativo de seus equipamentos. O grande problema deles é que o o regime saudita não tem apoio popular de fato. Suas tropas e população em geral não tem interesse em uma guerra com o Irã, mas grande parcela enxerga os EUA e ISRAEL como inimigos. Li algum tempo atrás, uma reportagem em que diziam que os comandantes sauditas além de serem presunsosos, também estão mais preocupados em aparências do que na real operacionalidade da força. Se este realmente é o caso, então (e não estou dizendo que seja,… Read more »

leonidas
Visitante
leonidas

O Povo Saudita é Wahabita não Xiita, e o Irã é um agressivo agente de expansão sectária naquela região. Logo o fato da Casa Al Saud não ter apoio popular não significa necessária mente que o povo Saudita tenha simpatia com o Irã. O ódio sectário naquela região é tamanho que Muçulmanos de segmentos diversos da fé islâmica (Salafistas, Wahabitas, Xiitas, Sunitas, Alauitas etc) conseguem aceitar a ideia de realizar atentando terrorista dentro de Mesquitas!!! Jogando na lata do lixo um dos mandamentos principais do tal profeta que diz não ser aceitável muçulmanos derramar sangue de irmãos de fé. Por… Read more »

pangloss
Visitante
pangloss

Prezado Leônidas, sua afirmação de que “(…) um dos mandamentos principais do tal profeta que diz não ser aceitável muçulmanos derramar sangue de irmãos de fé” deve ser contextualizada.
O radicalismo de certas correntes do Islã só reconhece como fiel aquele que pertence à mesma vertente do Islamismo. Os demais seriam infiéis, não reconhecidos por eles como muçulmanos.
É uma situação extremamente conflituosa.

leonidas
Visitante
leonidas

Mas é este mesmo o ponto, o Islã não é e nunca foi pacífico e jamais o será enquanto não renegar coisas como a Sharia por exemplo.
Logo quando o assunto for Islã não se deve acrescer o termo ” Radicalismo” pois seria um pleonasmo…

Nilton Reis Jr
Visitante
Nilton Reis Jr

Comentário raso. Sob mesmas condições, a humanidade vai guerrear entre si, não importa se é cristão, muçulmano ou pai x filho. O problema é a bagunça inacreditável que a Inglaterra e França fizeram no oriente médio, brincando de xadrez com o império otomano.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Assim como a repartição da Africa sem nenhum critério tribal! Agora estão recebendo o que plantaram na forma de hordas de imigrantes fugindo das guerras e fome!

leonidas
Visitante
leonidas

Ah sim o problema é a Inglaterra ou a malvada Europa, que até onde sei não criaram a religião islâmica. Alias os pacíficos e bondosos islâmicos já tinham invadido a Europa criando o Califado de Córdoba por volta do Séc. VII !!! Ou seja quando houve a primeira Cruzada (que certos tipos gostam de usar para justificar a birra islâmica contra o ocidente) eles já estavam em terras ocidentais a pelo menos 250 anos! Então esta mania de transferir a responsabilidade de um povo em relação a sua incapacidade de criar sociedades civis minimamente democráticas e pacificas em termos de… Read more »

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Pensei que o conceito de irmão de fé era só para todas religiões, estranho.

α Tau
Visitante
α Tau

“leonidas O ódio sectário naquela região é tamanho que Muçulmanos de segmentos diversos da fé islâmica (Salafistas, Wahabitas, Xiitas, Sunitas, Alauitas etc) conseguem aceitar a ideia de realizar atentando terrorista dentro de Mesquitas!!! Jogando na lata do lixo um dos mandamentos principais do tal profeta que diz não ser aceitável muçulmanos derramar sangue de irmãos de fé.” O sectarismo se constitui como um dos principais instrumentos para se desconstruir e destruir a religião hoje…Quando alguém profere o sectarismo ele não prega a palavra de Deus mas sim a palavra do anticristo…Porque coloca uma religião contra a outra…Todo pensamento sectarista é… Read more »

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Não basta ter, tem que saber usar! Naquela região quem tem equipamentos e competência comprovada é Turquia, Israel e Irã e talvez o Egito, os outros ficam a desejar!

Plinio Carvalho
Visitante
Plinio Carvalho

Não esqueça dos Leopards 2A4 da turquia sendo nocauteados na Siria aparentemente por incompetência dos próprios militares turcos.

Billy
Visitante
Billy

Não basta ter e saber usar, é preciso determinação pra usar, certo?

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Acho que eles se sentiram humilhados, pois as defesas deles são bastantes robustas! Acho que próximo ano sai uma nova compra de defesa anti-aérea para aquele país, só esperem!

Adriano Madureira
Visitante
Adriano Madureira

“A compra de S-400, no entanto, arriscaria uma grande brecha entre Washington e Riad, bem como as sanções dos EUA”

😂😂😂😂😂😂‼️

Washington sancionar Riad por comprar alguns armamentos russos🤔😂⁉️

Duvido muito que isso aconteça, os americanos iriam engolir calados.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Fora que pra situação que demonstraram fragilidade pode ter S-400, S-300, Patriot e o escambau a quatro que não mudaria (quase) nada. Eles precisam reforçar as defesas de curto alcance. Pantsir faz sentido, S-400 é só ter mais do que eles já tem.

rdx
Visitante
rdx

Pois é. O sistema SAM russo contra drones e munições é o Pantsir e não o S400.

Papan
Visitante
Papan

Pois é! O Brasil deveria comprar o sistema Pantsir de médio alcance, depois pensar no S 400, mas infelizmente não fecharam a compra, agora vimos que não basta ter um sistema de longo alcance.

Márcio
Visitante
Márcio

Se o Brasil tivesse que comprar, acho que nossa estratégia seria o s400 ou s500. O Brasil não tem pontos nevrálgico perto da fronteira. Exceção de Itaipu!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Na verdade o Brasil precisa mais do sistema de longo alcance que do curto pra médio. Temos algumas opções para defesa aproximada, não temos é literalmente nenhuma pra longo alcance.
Eu ignoraria no momento o pantsir e pensaria num s-400, ou como agora estamos mais alinhados aos EUA, talvez um patriot no cartão em 48x sem juros.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980
wwolf22
Membro
Noble Member
wwolf22

a Russia tem o melhor “pacote” em defesa antiaérea disponível no mercado a todos…

Andre
Visitante
Andre

E já faz muito tempo…desde que a URSS percebeu que não conseguiria enfrentar o ocidente no combate ar-ar, ela se especializou em defesa antiaérea. Isso ficou muito claro no Vietnam e na guerra do Yom Kippur. Apesar de todos os aviões Soviéticos terem sido mais abatidos do que abateram, em combates contra aviões ocidentais, as defesas antiaérea soviética desempenharam bem seu papel.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

me diz aí ja usou todos os disponíveis? eu acho que os russos tem um dos melhores, mas não o melhor.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

A utilidade dos sistemas de defesa aproximada nunca deve ser subestimada. Uma meia dúzia de CIWS teria segurado os drones com certa facilidade.

carcara_br
Visitante
carcara_br

E se nos 5km finais os iranianos tivessem programado o Drone/Míssil pra adotar uma trajetória parabólica?

Augusto L
Visitante
Augusto L

Da no mesmo, o CIWS acompanha.

TeoB
Visitante
TeoB

Exatamente, comente algo parecido no Forte, armamentos de tubo e um bom sistema de detecção e direção para o tiro e pronto.
eu criaria uma bolha de exclusão aérea sobre uma área dessas, num raio de km a volta das instalações ou seja no raio de um CIWS seja drone, míssil ou urubu não voa…
fora o questão do custo que seria muitíssimo mais barato, que um sistema baseado em misseis.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

É uma coisa razoavelmente comum na guerra. Escalam as tecnologias, os tamanhos, os alcances e se esquecem daqueles que estão no 1-1 da guerra, tacando pedra em avião.
Na situação de drones suicidas é provável que os nossos antiquados guepards do exército lograriam mais êxito do que os patriot.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Expectativa (armas modernas ) x Realidade (rebeldes eficientes)

rdx
Visitante
rdx

Exército incompetente com armas modernas x Rebeldes eficientes

Pedro Bó
Visitante
Pedro Bó

O problema não é a eficiência e eficácia dos equipamentos, que são incontestáveis. O problema é a competência militar saudita, a qual parece não ser das melhores.

Eduardo dos Anjos
Visitante
Eduardo dos Anjos

Isso me lembra aquele vídeo do F15 da AS sendo abatido, o piloto acionou as contra medidas cedo demais e ainda depois tentou acionar o pós combustor! Um caça de 75 milhões sendo abatido por um míssil de alguns milhares de dólares… sem querer desmerecer os Houthis, mas se estiverem sendo treinados pelo Irã, este ultimo esta muito eficiente na doutrina militar… ou seja, Irã é osso duro de roer, uma guerra com este país significaria muitas baixas de equipamentos e de pessoal a níveis inaceitáveis… isso que é dissuasão…

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

os Iranianos são bons em táticas não convencionais, vide a guerra no líbano contra o Hezbollah, eles deixaram os israelenses entrarem com seus Merkava, e depois atiraram neles com Kornet-E, versão mais moderna do Kornet, tinham túneis em locais que sabiam que os Israelenses entrariam com carros, MBT e outros blindados, mas numa guerra de larga escala com a ajuda dos EUA que entrariam no país com aviões stealth não sei como se sairiam.

Eduardo dos Anjos
Visitante
Eduardo dos Anjos

Concordo, porém desde que o Irã abateu o drone com características furtivas RQ4 Global Hawk de 100MM de dólares, demonstrou que mesmo um ataque americano teria muitas baixas, talvez por isso os EUA até o momento não tomaram nenhuma atitude, inclusive pressionados por Israel que não esta disposto a assumir o risco da quantidade de misseis iranianos que possam cair em sua cabeça em um eventual conflito. Dissuasão meu caro, é isso que o Irã possui hoje e nenhum pais incluindo AS estão dispostos a retaliar sem ajuda, penso mais que seria uma coalizão para dar cabo do Irã com… Read more »

FANTASMA
Visitante
FANTASMA

É fácil, é só fazer assim, etc… Poupem-me das suas arrogâncias, nada no mundo militar é fácil ou uma receita de bolo, quem dera!
Chegou a hora do oba oba, todo vendedor de armas quer se dar bem na lacuna ou falha do concorrente. Comprar baterias russas, pra quê? As mesma que foram abatidas pelos israelenses na síria ou mesmo que falharam diante desses ataques de Israel?
Como falei anteriormente nada é fácil, deixem de inocência e preparem seus bolsos porque nós também pagaremos essa conta, visto que a lei de mercado é clara, “quanto menor a oferta, maior o preço”.

TJLopes
Visitante
TJLopes

O Ideal para a Arábia Saudita seria o Centurion C-RAM, mas cada um custa aproximadamente US$ 15 milhões, fica bem caro proteger cada refinaria.

rdx
Visitante
rdx

Esse valor é esmola para o reino saudita. O problema talvez seja outro: a ineficácia do C-RAM. A compra do Iron Dome pelos EUA reforça essa suspeita. O ideal é o Iron Dome mas os saudistas jamais comprariam um armamento israelense.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

vende uns rolls royce e tá pago

Gustavo
Visitante
Gustavo

estes sistemas e seus custos quase que proibitivos ao Brasil… Mas que bom seria poder contar com alguns S-400/pantsir por aqui. Ainda que não haja uma real necessidade no curto prazo.

Ramsés
Visitante
Ramsés
JPC3
Visitante
JPC3

Mas isso existe e já foi usado.

JPC3
Visitante
JPC3
Alexandre
Visitante
Alexandre

Simples é mesma coisa de um sujeito ter uma Ferrari na garagem e não saber dirigir …

TeoB
Visitante
TeoB

Vou levar bastante deslike, mas enfim. Na minha humilde opinião de um mero entusiasta, analisando os ataques tando na Síria como agora nos Sauditas a impressão que tenho é que essas armas baseadas em misseis de longo alcance não tem tanta efetividade assim, olhando para um pais como o nosso de tamanho gigantesco e que carece de uma defesa aérea digna de sua importância, como escolher algo ?! na minha opinião por mais que um pais tenha varias baterias de misseis, colocaria armamentos como os novos sistemas com canhão bofors L70, ou qualquer CWIS que tenha competência para criar uma… Read more »

Marcos
Visitante
Marcos

Parece que o jogo virou, né? Armas de tubo e de curto alcance agora são a solução. E vocês criticando o EB (sarcasmo)

Marcos
Visitante
Marcos

Phalanx CIWS é eficiente nesses casos? Posicionar unidades ao longo das refinarias para defesa de ponto.

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Agora quem sabe o conceito de camadas possa ser revisto.

Heinz Guderian
Visitante
Heinz Guderian

Esperando os especialistas que diziam que o S-300 e pantsir eram ruins pq israel conseguia atacar o território sírio, quero vê agr se esses mesmos irão dizer que os Patriots são ruins pq tomaram um sacode de drones…

Corcel
Visitante

Dinheiro não compra competência.
A Arábia saudita ainda opera o astros?

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Parece que meteram uma salva dias atras nos Houthis

Mauro
Visitante
Mauro

Melhor defesa contra esses drones chama-se B-52 e suas trinta toneladas de trotil na barriga. Fim de papo.

zézão
Visitante
zézão

O “bombardeiro” sempre vai passar.

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

kkkkk esse S-400 é só propaganda, como a própria matéria diz ele e nem o S-300 são testados em combate, vão usar um míssil gigante para destruir um drone pequeninho voando baixo? O Patriot pac3 já é testado e se mostra bem eficaz contra mísseis balísticos (que é a função dele).

Formiga
Visitante
Formiga

Teve um ataque a uma base russa na Siria com vários drones que foram derrubados com sistemas eletrônicos+Pantsir. Era bem similar a esses e os russos ficaram p da vida e dariam o troco (quem enviou tinha sido financiado pela AS).

Se o preço do petróleo aumenta:
China: Perde
Irã: indiferente – está embargado
EUA: economia perde pessoal do Texas ganha
Russia: feliz da vida.

O Irã é o maior concorrente da Russia pelos seus maiores clientes (Europa e China), tanto em gás quanto em petróleo….

Assim analisando sobre quem ganharia com esse ataque não há duvidas…
De quebra ainda vendem uns S400.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Caramba, oa patriot levam uma hora para entrar e posição de tiro e tem misseis mais lentos e de alcance menor. Agora entendo mais a Turquia.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

E isso dito por uma analista militar ingles.

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

As vezes eu acho o Irã não teria tal ousadia…

Plinio Jr
Visitante
Plinio Jr

Aquisição de S-400 é trocar seis por meia dúzia, assim como os Patriots, serão ineficientes para engajar pequenos drones, o interessante para eles seria a aquisição de Pantsir ou TOR….ou equivalentes ocidentais…armamento israelense é carta fora do baralho…

Ph4nt0m
Visitante
Ph4nt0m

O que diz a matéria: ““Eles querem mostrar ao mundo que o preço para os EUA bloquearem sua capacidade de produzir petróleo é muito alto”” O que comentei em uma matéria anterior “O Irã provavelmente de fato está por trás do ataque. A queda na produção de petroleo mundial, fruto desta ataque, torna PROIBITIVO um ataque americano ao Irã, que é outro grande produtor de petroleo. Os preços já subiram a 70USD o barril, hoje. Somando um possível ataque ao Irã, os preços passariam de 100USD o Brent. O que freiaria a economia mundial. Não gosto do Irá, mas ele… Read more »

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Coloquem os Ingleses para treina los, depois conversamos.

Mário Leite
Visitante
Mário Leite

Sei não… mas, eu acho que o medo geral dos EUA, é seus aliados (vide India, Turquia e…) começarem a entender, corretamente, que os S-400 são bem melhores que os Patriot. Esta é a verdade!
O desespero americano vai aumentar com a entrada em cena dos S-500.
Eu não sou analista de estratégia militar (e nem muçulmano, apesar do bonezinho) mas, acho que tem uma certa lógica neste meu pensamento…

Delfim
Visitante
Delfim

O Guepard atualizado seria uma boa opção contra drones ?

ANGELO
Visitante

Pelo fato da área ser muito grande me parece que está mais para o IRON DOME ao redor das instalações ou TOR M2 em relação ao PANTSIR.