Home Defesa Aérea O uso estratégico de drones e mísseis pelo Irã sacode rivais do...

O uso estratégico de drones e mísseis pelo Irã sacode rivais do Oriente Médio

6164
71

Por Erin Cunningham e Rick Noack – Washington Post

ISTAMBUL – O ataque às instalações de petróleo na Arábia Saudita, no fim de semana passado, destacou o que os analistas dizem ser uma ameaça em rápida evolução, as armas fabricadas pelo Irã na região, marcando uma mudança potencialmente alarmante em relação a ataques de precisão contra infraestrutura crítica.

Autoridades dos EUA acreditam que mísseis de cruzeiro e drones foram usados ​​no ataque e que parte da operação, reivindicada pelos rebeldes houthis do Iêmen, foi lançada do território iraniano, de acordo com uma autoridade dos EUA. Teerã negou envolvimento.

“O povo iemenita tem o direito de responder” à agressão militar saudita, disse o presidente iraniano Hassan Rouhani na segunda-feira, chamando o ataque de “recíproco” e “defesa legítima”.

O Ministério das Relações Exteriores da Arábia Saudita disse em comunicado que as investigações iniciais “indicaram que as armas usadas no ataque eram armas iranianas”. A declaração dizia que as autoridades sauditas ainda estavam trabalhando para determinar a origem do ataque.

O Irã mantém programas avançados de mísseis e drones como parte de sua estratégia de defesa nacional e transferiu algumas dessas armas e tecnologias para forças aliadas na região, incluindo combatentes houthis no Iêmen, dizem autoridades dos EUA e especialistas em armas. Os arsenais de drones e mísseis de Teerã permitem deter os adversários e apoiar representantes regionais, que podem atacar em nome do Irã, dizem analistas.

“A mesma lógica estratégica que anima o programa de mísseis do Irã é evidente em seu programa de drones: permite que o Irã opere a distância, mantenha seu território seguro e atinja alvos distantes”, disse Behnam Ben Taleblu, membro sênior da Foundation for Defense of Democracies.

“Drones, mísseis e foguetes fazem parte da estratégia de segurança assimétrica do Irã e são relativamente mais baratos de produzir”, afirmou ele.

Drones e mísseis de procedência iraniana usados pelos rebeldes Houthi

De acordo com a Brookings Institution, o Irã se tornou um “exportador significativo de mísseis, capacidade de produção de mísseis e tecnologias de mísseis”, incluindo um míssil de cruzeiro de longo alcance para ataques em terra, que especialistas dizem que pode ter sido usado no ataque de sábado.

A natureza sofisticada do ataque, que teve como alvo instalações sensíveis de petróleo e retirou cerca da metade da produção da companhia estatal de petróleo, sinalizou uma saída significativa de operações anteriores reivindicadas por rebeldes houthis ou lançadas por forças iranianas ou seus representantes (proxies) na Síria.

O Irã e a Arábia Saudita são os principais rivais na região, e a liderança saudita tem sido um dos principais defensores da campanha do governo Trump de “pressão máxima” contra o Irã. Os Estados Unidos impuseram sanções à economia iraniana em uma tentativa de obrigar Teerã a negociar restrições em seus programas de mísseis e seu apoio as forças regionais de procuração.

“Se for provado que os mísseis de cruzeiro vieram do território iraniano, isso seria uma escalada acentuada e indicaria uma certa confiança de que o Irã não teme represálias cinéticas” da Arábia Saudita ou dos Estados Unidos, disse Taleblu.

Ele acrescentou: “O Irã prefere não disparar de seu território”.

A Unidade de Processamento de Óleo de Khurais na Arábia Saudita
A Unidade de Processamento de Óleo de Khurais na Arábia Saudita

O governo Trump acredita que os houthis do Iêmen também contribuíram para o ataque, de acordo com a autoridade dos EUA. Houve entre 17 e 19 ataques diretos nas instalações petrolíferas sauditas em Abqaiq e Khurais, a cerca de 800 quilômetros da fronteira com o Iêmen, disse a autoridade dos EUA.

Os sistemas de defesa saudita aparentemente falharam em detectar os mísseis de cruzeiro e os drones que sobrevoaram suas fronteiras, ressaltando a vulnerabilidade do reino à guerra assimétrica.

“Estou surpreso por terem sido apanhados sem calças”, disse um empreiteiro que trabalhava no Pentágono em defesa contra drones sobre os serviços de segurança sauditas. Ele falou sob condição de anonimato, porque não estava autorizado a falar com a mídia.

“Eles deveriam ter previsto isso”, disse ele.

De acordo com um painel de especialistas da ONU sobre o Iêmen, os combatentes houthis usaram no passado o que é conhecido como drones “suicidas” ou “kamikaze”, alguns dos quais são semelhantes aos modelos iranianos. Os Houthis “mantiveram o acesso aos componentes críticos, como motores, sistemas de orientação, do exterior, necessários para montá-los e desdobrá-los”, afirmou o relatório do painel.

Um ataque combinado usando drones e mísseis de cruzeiro poderia, em teoria, “ajudar confundido e saturando sistemas de defesa”, oferecendo vantagem estratégica ao atacante, disse Justin Bronk, pesquisador do Royal United Services Institute, com sede em Londres.

De acordo com Markus Mueller, analista do Grupo Fraunhofer de Defesa e Segurança da Alemanha, os sistemas de radar são normalmente capazes de identificar drones voando sobre vastas extensões de terra, especialmente em superfícies planas e fora das cidades ou áreas montanhosas.

O desafio, disse Mueller, cuja pesquisa se concentra em veículos aéreos não tripulados, ou drones, é ser capaz de responder aos alvos detectados e proteger imediatamente a infraestrutura sensível.

Mas analistas apontaram o suposto uso de mísseis de cruzeiro no ataque, que os especialistas dizem que são de baixa altitude e mais difíceis de detectar, como um desenvolvimento preocupante. Os mísseis podem ser guiados com precisão e permitir ataques mais devastadores em alvos específicos.

Um míssil Kh-55 (acima) e seu pequeno propulsor turbofan R-95-300 (abaixo)

O Irã fez a engenharia reversa de um míssil de cruzeiro de ataque terrestre soviético, o Kh-55, e também usou a tecnologia chinesa de mísseis antinavio para reforçar suas próprias capacidades e as de seus proxies, dizem analistas de armas. Durante a guerra de 2006 no Líbano, militantes do Hezbollah, apoiados pelo Irã, atacaram um navio israelense com o que especialistas em armas dizem que provavelmente era um míssil antinavio chinês C-802 fornecido pelo Irã.

Míssil Soumar iraniano, cópia do Kh-55

Em sua Avaliação Mundial de Ameaças de 2018, o Escritório do Diretor de Inteligência Nacional disse que os rebeldes Houthi tentaram um ataque de míssil de cruzeiro a um reator nuclear inacabado em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos.

Esses mísseis são “mais difíceis de detectar e defender do que os drones”, disse Rawan Shaif, investigador do Bellingcat, um site especializado em inteligência de open source. “Eles podem ser incrivelmente precisos se a pessoa que os guia sabe o que está fazendo”.

“Foi um ataque de precisão”, disse ele sobre o ataque às instalações de petróleo sauditas. “Era preciso um ‘T’ se o objetivo deles era atingir” infraestrutura específica no local, disse Shaif.

Henry Rome, analista do Eurasia Group, empresa de risco político de Nova York, disse que se o Irã for responsável, sua estratégia é “criar alavancagem para eventuais negociações com Washington”.

O Irã quer “obrigar o governo Trump a pisar no freio das sanções e pressionar outros países a defendê-los”, disse Rome. Os ataques às instalações de petróleo serviriam para “forçar os limites”, disse ele. “Mas é muito cedo para dizer que os guardrails foram removidos.”

FONTE: Washington Post

71
Deixe um comentário

avatar
23 Comment threads
48 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
42 Comment authors
Paulo NevesWagnerleonidasDelfimmarcelo baptista Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rui Chapéu
Visitante
Rui Chapéu

Na boa…. o Irã tá cavando a própria cova.

Já era inimigo de Israel, agora vira inimigo de outros muçulmanos….

Daqui a pouco perde o resto de apoio que tem e deixam ele a própria sorte contra uma Arábia Saudita com seus + de 200 F-15 e seus 50 Typhoons….

Além de Israel tb querer tirar uma casquinha provavelmente.

Não vá existir F-14 que aguente !

Ah, a não ser que os Iranianos usem os seus Qaher-313, ai sim teria chances!(ironia tá!)

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

A guerra se encontra no sangue das nações daquela região. Quem late para eles, eles latem de volta, mesmo que seja inferior militarmente. Acho que o Irã vai ser mais uma Coreia do Norte, onde os EUA vão latir muito e nada fazer.

leonidas
Visitante
leonidas

Americanos não fazem nada contra a Coreia do Norte devido a China, ou você pensa realmente que eles estão imoveis por medo somente dela?
O Irã não tem nenhum pais seja China ou Russia que esteja disposto a intervir militarmente para segurar seu governo pois ao atacar a Arabia Saudita ele mexe no sistema nervoso econômico mundial e a China não tem interesse nisso, a Russia defende o Irã até certo ponto pois mantida estas condições a coisa ainda tem saldo positivo para os russos que jogam no quanto pior melhor devido estarem na geladeira com as sanções.

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

DOUGLAS TARGINO Estou de acordo,acho que se um pais tem capacidade de causar um grande dano ao inimigo,este inimigo pensara muitas vezes antes de atacar,e assim com a coreia do norte e iran,os eua seriam capazes de derrotar a coreia do norte começando com bombardeios ininterruptos 24 horas por dia ao estilo blitzkrieg ao mesmo tempo que invadem massivamente a coreia do norte tanto por vias terrestre e naval,mais basta os militares americanos pensar que a coreia do norte pode enviar uma nuk em cima de nova york causando pelo menos 3 milhoes de mortes em alguns minutos,e eles pensam… Read more »

Lúcio Sátiro
Visitante
Lúcio Sátiro

Mas, pensar que a Coréia do Norte pode lançar uma nuk sobre os EUA não tornaria toda e qualquer área de lançamento de mísseis o alvo absolutamente prioritário antes de qualquer outro alvo ? Não precisa ser estrategista para pensar essa obviedade. É claro que a Coréia do Norte sabe disso e também sabe que os militares americanos também sabem que os coreanos sabem. A questão é estar um ou dois passos à frente. E já que todo mundo sabe que as plataformas de lançamento espalhadas pelo país são os alvos prioritários, cabe saber que outros meios a Coréia poderia… Read more »

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

As relações Irã e Arábia Saudita já eram complicadas por questões políticas e religiosas, o que tem acontecido nos últimos anos é que por conta do Irã a Arábia Saudita e Israel estão começando a se aproximar o que era impensável no passado. E coincidência ou não ontem houve um ataque a posições de milícias pró-Irã na fronteira Iraque-Síria e segundo a imprensa iraquiana o ataque teria sido feito por Israel! Seria uma retaliação ao ataque na Arábia Saudita ou só Israel dando um recado ao Irã que esta atento ao que ocorre na região?

carcara_br
Visitante
carcara_br

Israel pode ta pagando pra ver.
Sinceramente nada contra Israel, mas não vejo proporcionalidade nestes ataques, eles podem acabar pecando pelo excesso.
Pra mim os esforços deveriam ser no sentido de estabilizar a região. Está claro que se o Irã quisesse mesmo sair da retórica e partir pro ataque israel ia ter sérios problemas. Muito sérios talvez teriam que de fato pedir ajuda militar americana pra contenção de danos.
Outro fator a ser analisado é que haverá eleições em israel, e quem se beneficiaria se em retaliação algum grupo guerrilheiro daqueles mandasse uma dúzia de foguetes burros em direção ao deserto?

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

A estratégia do Irã não é atacar diretamente Israel.
Pelo menos por enquanto, visto que certamente os EUA socorreriam os israelenses, em caso extremo, até com o envio de tropas.
A tática atual é pressão na fronteira, através de efetivos na Síria e através do Hezbollah no Líbano.
É fazer Israel gastar recursos que são escassos para ele (claro, sem considerar a polpuda ajuda americana).

carcara_br
Visitante
carcara_br

Se as pretensões do Irã são atacar israel eles vão falhar. A crítica a israel vai até o ponto em que o estado e o povo não é colocado de fato em risco, se forem não vai ser apenas os americanos a ajudarem e eles sabem se defender muito bem, só não podem cair na soberba…

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Nisso vc tem razão, até o ponto em que Israel puxar a corda com atitudes estapafúrdias com anexar mais territórios na Cisjordânia.
Israel está brincando com a sorte.

Wagner
Visitante
Wagner

Kings, concordo com você.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Rui Chapéu.
Subestimar o inimigo é o começo de um fracasso militar. Isto vale para os dois lados. A economia mundial é interdependente. Ela não aguenta uma guerra cara e de resultados imprevisíveis. Precisamos fazer negócios.

Pedro Bó
Visitante
Pedro Bó

Além disso os iranianos são persas, enquanto os sauditas são árabes. Essa diferença étnica também é preponderante no estranhamento entre os dois países. O mais interessante é que mesmo sendo uma teocracia, o Irã é mais ocidentalizado e com mais liberdades civis do que a Arabia Saudita, Emirados Árabes Unidos e outros países da região. Existe liberdade religiosa para judeus, cristãos, zoroastristas e budistas (ainda que a conversão e o proselitismo religioso seja proibido) e mulheres podem estudar, trabalhar e se divorciarem (ainda que não possam entrar em ambientes eminentemente masculinos, como bares e estádios esportivos) e uma indústria até… Read more »

leonidas
Visitante
leonidas

Verdade é uma grande pena este pais ter sido tomado por esse fanatismo. O Irã é uma nação muito jovem, alias grande parte da conquista feminina se deve a maciça perda de homens na guerra Irã x Iraque.
O povo é amável mas a maioria nunca serviu para impedir atos de um governo totalitário uma vez que este esteja no comando, e pagarão literalmente com suas vidas por isso…

Wagner
Visitante
Wagner

Irã é uma nação jovem? Pelo que eu saiba os persas estão bem estabelecidos ali há mais de 2500 anos.

leonidas
Visitante
leonidas

Falo da média etária colega…rs

Wagner
Visitante
Wagner

Entendi! Uma nação de jovens.

francisco Farias
Visitante
francisco Farias

Segundo a Unesco, a taxa de alfabetização entre os jovens iranianos (15 a 24 anos) aproxima-se dos 100%: em 2012, foi de 98,01%. Nos últimos 36 anos, seu valor mais baixo foi de 56,45% (1976), e o mais alto foi de 98,66% (2008). Entre os adultos (pessoas de 15 anos ou mais), a taxa foi de 83,63%, em 2012, o valor mais alto nos últimos 36 anos. O valor mais baixo desse período foi 36.52% (1976).(https://pt.wikipedia.org/wiki/Demografia_do_Irão) Pelo que se observa, até 1979, ano da revolução o Irã era um pais com alta taxa de analfabetismo: 56% entre os jovens e… Read more »

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Forçou a barra na conclusão. Simples correlação não indica causalidade.

Wagner
Visitante
Wagner

Irã forte não interessa para EUA nem Israel.

leonidas
Visitante
leonidas

Não interessa a ninguém que tenha juízo…rs

MÁRIO FILHO
Visitante
MÁRIO FILHO

Uma coisa é certa , quando é para lançar um míssil eles usam a palavra secreta ” vai kh ” e os caras sabem que é para atacar .

zézão
Visitante
zézão

A melhor defesa é o ataque.

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Sim, no caso do Brasil é ter armas primeiro kkkkk

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

Dissuaçao e a palavra correta
Ou seja,ter armas e capacidade suficiente para causar tanta dor e danos ao inimigo que ele nao ousara nos atacar.

Maurício Siqueira
Visitante
Maurício Siqueira

Os EUA não farão nada contra o Irã enquanto não solucionar a situação da Venezuela, eles precisam de um mercado forte de fornecimento de petróleo.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Nem precisam, basta dar um sinal que Israel pode fazer!

nonato
Visitante
nonato

É o que deveria ter feito.
Estão esperando mais o que?
O Irã destruir Israel e Riad?
Quanto mais o tempo passa, a tendência é piorar.
O Irã já derrubou drone americano, já apreendeu navios, já fez disparos contra navios.
Acho que o Irã é Proxy da Rússia e China.

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

Mauricio,

Os EUA nao precisam de petroleo da venezuela.

Ricardo
Visitante
Ricardo

Precisam para equilibrar o mercado. Não resolve nada os EUA produzirem seu petróleo se ele é absurdo de caro!

Leo Neves
Visitante
Leo Neves

Como conseguiram uma precisão tão boa ?

Vinicius Momesso
Visitante
Vinicius Momesso

Se você não tem tecnologia para tal, basta arrumar alguém que esteja interessado/disposto em ajudar a consegui-la e ter um corpo mínimo de engenheiros qualificados nas áreas em que se deseja evoluir. O Iran possui os dois: China e Rússia.

Jorge
Visitante
Jorge

Verdade, me lembro que foi um professor iraniano que veio aqui no Rio Na CEFET dá uma palestra sobre drones é sistema guia o cara era muito bom.

nonato
Visitante
nonato

Fora isso, suspeito da participação de gente dentro do território saudita e talvez de sauditas mesmo, caso tenham sido utilizados drones.
Hora de fazer o serviço dentro do Irã…
Como armas chegam no Iêmen?

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

Deve ter dedo da Rússia até porque para usar mísseis de cruzeiro com uma precisão assim teriam que usar um sistema de posicionamento global, coisa que o Irã não possui.

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

eu tambem pensei nisso @SmikingSnake, acho que a inteligencia russa pode ter fornecido um para completo das defesas aereas dos sauditas,embora eu ache que os iranianos poderiam fazer o mesmo,mapeamento das defesas do reino,mais acho que os russos poderiam oferecer uma melhor resoluçao e tornar o ataque mais preciso,apenas especulaçao claro,mais nao e possivel nao deixar de pensar nesta possibilidade.

Paulo Neves
Visitante
Paulo Neves

Como o Irã mirou com precisão as instalações de petróleo sauditas Uma operação logística maciça e falha de inteligência permitiram que 19 ogivas atacassem com precisão Por STEPHEN BRYEN O Irã atacou com sucesso duas instalações de petróleo na Arábia Saudita, não os rebeldes houthis que reivindicaram crédito falsamente. Minha avaliação é a seguinte: o ataque iraniano veio de dois locais de lançamento diferentes e empregou dois sistemas de armas diferentes. Drones (provavelmente do tipo Abalil 2 / T) foram lançados a partir de bases xiitas controladas pelo Irã no sul do Iraque, e mísseis de cruzeiro do tipo Quds-1… Read more »

Vinicius Momesso
Visitante
Vinicius Momesso

Não basta apenas estar “bem aparelhado” para se defender; é necessário também aliado a isso, um ótimo sistema de contra inteligência, semelhante ao que Israel, EUA e Rússia fazem para previnir(ou tentar ao menos) ataques provindos de seus inimigos. Talves agora a opinião pública/Senado para de pressionar o Pentágono e os EUA voltem a auxiliar os sauditas em suas empreitadas em solo yemenita.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Os caras sabem o que estão fazendo…tacada de mestre!

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

Sim,e talvez com ajuda da inteligencia russa
Apenas especulaçao,claro.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Su-57? F-35? B-2? B-21? F-22? J-20?
Que nada, chama o mohamed que ele resolve seu problema!
Tá todo mundo batendo cabeça até agora e aposto que não somos apenas nós meros civis e entusiastas. É a definição de furtividade este ataque….

Marcelo Machado
Visitante
Marcelo Machado

Uma coisa fica clara. Não adianta ter F-15 em grandes quantidades e pilotos treinados. Nem Gripen!. Sem um iron dome pra se proteger dessas ameaças de baixo custo, não haverá defesa antiaerea adequada para os tempos atuais.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Existem soluções mais baratas que o Iron dome para o cenário latino-americano. ex: MANTIS 35 mm fabricado e desenvolvido pelos alemães , do qual eu sou fã

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

Marcelo,

O Iron Dome seria uma boa opcao. Mas tambem os sitemas CIWS.

Carlos Eduardo
Visitante
Carlos Eduardo

Falem oque quiser das capacidades dos equipamentos Iranianos, mas a verdade que em alguns campos eles conseguem estar muito a frente do Brasil. Mísseis e drones iranianos a alguns tempo já vem sendo levados em preocupação por analistas militares dos EUA e Europa, e a guerra no Iêmen e na Síria tem sido um excelente campo de testes para seus meios, que estão exponencialmente evoluindo e aperfeiçoando. Eles já possuem drones de ataque e vigilância, mísseis navais e antiaereos, missal de cruzeiro, em pleno uso e capacidades testadas e aprovadas na Guerra do Iêmem, muito a frente do que o… Read more »

Diogo Luiz Bizatto
Visitante
Diogo Luiz Bizatto

Interessante que o embargo de armas fez com que desenvolvessem muita coisa com tecnologia nacional e estudando o que tem disponível.
Sem entrar em política, religião ou ideologia, sinto inveja das capacidades que eles desenvolveram sem abundância de recursos.
Falta comprometimento com a nossa defesa, nossas forças. em um país com tantas riquezas e território tão extenso deveria ser melhor equipadas.
Pergunta de Leigo: Porque de um efetivo gigantesco de soldados?Não seria melhor reduzir o número de soldados e investir em mísseis, defesas, aviões, equipamentos e mais unidades de elite?

Augusto L
Visitante
Augusto L

A ameaça dos mísseis não é isso tudo não, problema muito exacerbado.
É claro que para países que não dinheiro para montar uma defesa aérea é um problema já que a tecnologia de mísseis esta em rápida proliferação e não apresenta tanto custo como uma AAE.

Sobre a questão de que há muitos alvos para se defender e não há como se defender 24h por dia 7 dias por semana, se resolve com inteligência militar + resiliência/moral/vontade de lutar + garantia do contra-ataque.
Pronto problema resolvido.

Henrique de Freitas
Visitante
Henrique de Freitas

Phalanx – by definition: The phalanx was a rectangular mass military formation, usually composed entirely of heavy infantry armed with spears, pikes, sarissas, or similar pole weapons. Wikipedia

Isso resolve muito bem na defesa pontual. Mega sistema, enorme poder de fogo.

Abracos, Henrique

Caravaggio
Visitante
Caravaggio

Pelo visto e pela manchete o Poder Aéreo já decidiu que quem bombardeou os sauditas foi o Irã.

Nilton Reis Jr
Visitante
Nilton Reis Jr

Achei interessante isto, também. O Irã não tem motivação nenhuma para atacar, a resposta mais simples por enquanto é de um ataque houthi cabra-omi, no máximo com equipamento iraniano, o que não há problema nenhum. Se for um ataque iraniano, é uma medida tão inacreditavelmente absurda quanto os pretensos ataques químicos do governo sírio. O pior é que, pelo viés de confirmação, uma cambada de gente compra a narrativa sem nenhum pudor! Hahahahahahaahabah

Diogo Luiz Bizatto
Visitante
Diogo Luiz Bizatto

Realmente pode não ter sido o Irã, diretamente.
Mas alegar que eles não possuem motivos? Isso sim é comprar narrativa sem nenhum pudor.

smichtt
Visitante
smichtt

Senhores, o que significa esta frase:“Era preciso um ‘T’ se o objetivo deles era atingir” ?
Obrigado.

Delfim
Visitante
Delfim

T de target, alvo ?

leonidas
Visitante
leonidas

O provável é que os americanos não ataquem devido interesses eleitorais do Trump, pois seria uma catástrofe se envolver em uma guerra agora. Porem muito possivelmente os americanos darão carta branca para Israel fazer o que achar que deva, e garantir a ela uma retaguarda via apoio de todo tipo de inteligencia que dispõem, fornecimento de equipamentos e se for o caso apoio militar via ataques de precisão contra os Iranianos e seus aliados na região. Os Americanos dificilmente considerarão envolver infantaria e acho que de certo modo não seria necessário, pois eles via Israel e seu imenso poder militar… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

Israel se envolver diretamente numa treta entre muslims para garantir o petróleo do Ocidente Cristão?
Acho que não.

leonidas
Visitante
leonidas

Garantir petróleo para o Ocidente? nada disso, e sim para garantir sua existência física.
E veja bem Israel jamais iria inciar agressão via invasão terrestre pois neste campo ela esta em clara desvantagem, mas poderá considerar seriamente atacar atacar as instalações militares e a infra estrutura Iraniana, ainda mais tendo o respaldo norte americano em caso de evolução das hostilidades…

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

O fator surpresa combinado com a incompetência do sistema de defesa saudita já foi usado pelo Irã. Entendo que foi um ataque infantil. Agora terão que mostrar que possuem garrafas vazias para vender, pois o chumbo mais dia menos dia virá de volta e com mais força. Não aprenderam com a História.

Kemen
Visitante
Kemen

Esta provado que foi o Iran? Por enquanto em relação a matéria apenas tenho lido suposições e acusações daqueles que são inimigos do Iran, pela rede, mas em concreto nada ainda que prove apesar da probabilidade ser muito alta. Acho que subestimaram a capacidade dos houtis, tal como aconteceu com o ataque fatidico de 11 de setembro às torres gemeas e ao Pentágono, um tal de Bin Laden que vivia refugiado em meio às cavernas nas montanhas, só que desta vez são rebeldes com força militar, não exatamente terroristas.

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

Desculpe, mas esse assunto de “provar” é um pouco infantil. Alguem espera que o Irã declare oficialmente com todas as letras que foi o responsável pelo ataque? É o mesmo que as tais “provas não mostradas” dos corruptos no Brasil. Esperam que o cara que aceitou propinas emita recibos delas? Ah..para!

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

Este ataque do iran e seus proxys so mostra uma pequena parte se for deflagrado uma guerra contra o iran na regiao
O iran perdera a guerra,mais causara muitas dores e danos aos paises da regiao,e por isso que os eua ainda nao atacaram o Iran
Com este ataque o iran manda o recado,eu posso perder a guerra,mais vou causar tanta dor e danos que voces se arrenderao de ter me atacado,simples assim.
Isso se chama dissuaçao…coisa que deveria ser parte da estrategia de defesa do brasil a muito tempo.

Márcio
Visitante
Márcio

O Irã avisou a pouco tempo atrás que se ele não exportasse o seu petróleo, ninguém mais o faria. O recado foi dado e ninguém acreditou, tá aí a prova. PARABÉNS IRÃ!!!

Bosco
Visitante
Bosco

Quer dizer que a retórica de que o Irã não estava ajudando os houthis e que essa alegação era desculpa da AS e dos EUA já caiu por terra. Então os rebeldes houthis não são nada daquilo que apregoavam de serem guerreiros de havaiana. O Irã está mesmo enfiada até o pescoço.
Bem , em sendo assim os EUA tem que entrar logo do lado do seu aliado saudita e atacar o Irã e os rebeldes e colocar o legítimo governante do Iêmen no poder, assim como é na Síria.

Alexandre
Visitante
Alexandre

Caro Bosco
Não seria os iemenitas quem por direito podem e devem estabelecer um governante legítimo?
Seguindo sua lógica todos os que forneceram armas e financiaram o estado islâmico deveriam ser atacados?

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

EUA colocar governantes legítimos no poder… Ah sim, tá bom

Wagner
Visitante
Wagner

EUA querem só o petroleo. Pessoal la que se lasque.

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

DUSSUAÇAO… Este ataque foi muito inteligente e bem planejado Mais porque a arabia saudita ou eua nao contra atacam o iran? Porque o iran com este ataque indireto esta mandando uma mensagem Se voces contra atacarem sera guerra,ou seja os danos que eu vou causar sera muito pior do que este ataque,ou seja dissuaçao O iran,eua,arabia saudita,israel e outros paises da regiao estao em uma guerra secreta de dissuaçao,sabotagem e ataques terrorristas,e o iran esta se arriscando mais,ou seja esta dissuadindo como podem,isso tem causado medo de que qualquer contra ataque americano ou da arabia saudita contra o iran possa… Read more »

Nacionalista
Visitante
Nacionalista

Este foi um ataque sofisticado e bem planejado,contornar as defesas de um pais muito bem armado como a arabia saudita,alem de ter passado despercebido pelo territorio do kwaite tem que ter muita informaçao,inteligencia e ousadia e um pouco de sorte tambem

Concerteza os iranianos fizeram o mapeamento das defesas dos sauditas para poder realizar este tipo de ataque,eu vejo apenas americanos,russos,reino unido,frança e china tendo esta capacidade,mapear as defesas adversarias,lancar o vetor de ataque,contornar estas defesas e atingir o alvo.

marcelo baptista
Visitante
marcelo baptista

E além de tudo isto que vc expos, também devem estar levando em conta o quanto o mercado consegue absorver do aumento do preço do petróleo com uma possível guerra de grandes proporções na região, pois diferente da especulação da OPEP nos anos 70, agora dependerá da quantidade perdida da capacidade produtiva. E supondo que o Irã distribuiu misseis e drones para outros atores, o nível de incerteza só aumenta.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Fato é que o Irã mostrou que pode, também, atacar com precisão quem quiser. A Arábia Saudita, mesmo que forças armadas não tão profissionais assim, não é qualquer besteira. Este fato mostra que é bom reavaliar os conceitos sobre o Irã.

Delfim
Visitante
Delfim

O fato é que, se o ataque não foi detectado, então não se sabe de onde veio, por conseguinte quem o lançou.
Golpe de mestre.

Wagner
Visitante
Wagner

Touché!