Home Aviação Comercial Portugal: Boeing quer mais 500 engenheiros nas fábricas da Embraer em Évora

Portugal: Boeing quer mais 500 engenheiros nas fábricas da Embraer em Évora

16995
100
Embraer KC-390
Embraer KC-390

O ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, disse ao Jornal Económico que abordou com o vice-presidente da Boeing, Marc Allen, no Paris Air Show, os projetos norte-americanos para as fábricas alentejanas.”Querem mais 500 engenheiros”, diz

A compra da brasileira Embraer pelos norte-americanos na Boeing trará novos projetos e uma maior dinâmica às fábricas de Évora que produzem componentes para aviões. Esta foi a perspetiva transmitida ao ministro da Defesa, João Gomes Cravinho, no encontro que manteve com o vice-presidente da Boeing, Marc Allen, na 53ª edição do certame Paris Air Show, o salão internacional da aeronáutica que se realiza no aeroporto de Le Bourget entre 17 e 23 de junho. Se os reguladores não colocarem objeções à compra da Embraer pela Boeing, as fábricas portuguesas deverão aumentar a intensidade de laboração, o que inclui a reavaliação do futuro das OGMA. O próprio projeto das fábricas de Évora poderá ter um reforço a pensar no aumento da produção de componentes destinados a novos modelos.

“Isto significará um aumento da faturação, maior volume de investimento e o reforço das contratações de pessoal, cujas perspetivas de curto prazo implicarão a contratação de mais 100 engenheiros”, admitiu o ministro ao Jornal Económico. “Mas no horizonte de quatro anos a Embraer-Boeing deverá contratar mais 500 engenheiros”, adianta João Gomes Cravinho.

O atual enquadramento industrial português “é adequado à captação de novos projetos do cluster aeronáutico, embora o processo de decisão de um novo investimento não seja imediato, pois implica sempre decisões que levam algum tempo a maturar”, refere o ministro.

Mesmo assim, as perspetivas de negócios são muito boas porque a fileira existente em Portugal permite ganhos de escala entre os vários fornecedores instalados no mercado nacional. De imediato, Portugal tem o conforto de saber que os maiores construtores mundiais, a Airbus e a Embraer, compram componentes para os seus aviões às unidades fabris do sector existentes em Portugal. Além disso, se os reguladores derem luz verde à operação Boeing-Embraer, antes do fim do ano a Embraer passará a ser Boeing.

Instalações da Embraer OGMA em Portugal

Portugal tem todas as condições para aumentar a sua importância no cluster aeronáutico – atualmente fornece componentes para aviões executivos, para a unidades da aviação comercial de médio curso e para projetos da aviação militar, como o recente KC390.

O contributo da indústria portuguesa para os aviões da Embraer centra-se no fabrico de componentes para o jato bimotor E2, com 140 lugares. Tratam-se de “expectativas favoráveis”, como explica o ministro, recordando que a regulação ainda não se pronunciou sobre o negócio de compra da Embraer pela Boeing.

O mais relevante, segundo João Gomes Cravinho é que “Portugal não existia no radar da Boeing e agora, de repente, a Boeing começa a pensar no futuro das fábricas que passa a ter na Europa”, num momento em que a única fábrica direta que montou foi a do Reino Unido, que agora está debaixo do fogo do Brexit.

Isto significa que “Portugal será o único país europeu onde a Boeing deverá apostar forte na produção industrial – nas unidades da Embraer em Évora e nas oficinas das OGMA – assim que tenha a aprovação da compra da Embraer pelo regulador”, admite o ministro, porque “já há indícios muito positivos que permitem prever um aumento da produção e do número de postos de trabalho, e isso será esclarecido ainda antes do fim do ano”.

Estas perspetivas positivas abarcam igualmente os fornecedores das fábricas de Évora da Embraer. O JE sabe que o novo presidente da Embraer, Francisco Gomes, tem agendada uma deslocação a Portugal, para visitar as unidades de Évora e as instalações das OGMA, em Alverca.

FONTE: Jornal Económico – Portugal

Subscribe
Notify of
guest
100 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos10
Marcos10
1 ano atrás

Falando em KC390…
Agora sabe-se o que o KC390 foi fazer em sua última viagem aos EUA: concluir certificação para lançamentos de cargas pesadas.

Johnny
Johnny
Reply to  Marcos10
1 ano atrás

Um dos protótipos ou o primeiro de série que estava na feira aeronáutica da França??

Camargoer
Camargoer
1 ano atrás

Correção. A Boeing quer mais 500 engenheiros na fábrica…. da Boeing.

Meireles
Meireles
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Oh my god!

Meireles
Meireles
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Camargoer

Disseram que a Embraer possui 51% da área de defesa, não sei se isso é verdade, mas vou entender que seja, então acho que a matéria está correta! rsrsrsrsrs…

Marcelo Dalla Cort
Marcelo Dalla Cort
Reply to  Meireles
1 ano atrás

A área de defesa é 100% da embraer, o que tem 51% é nas vendas que a Boeing fizer do KC-390. 49% da Boeing e 51% para a embraer.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Meireles
1 ano atrás

A Embraer possui 100% da área de defesa.

Meireles
Meireles
Reply to  Marcos10
1 ano atrás

Marcos10

Se a Embraer possui 100% da área de defesa, porquê que a Boeing é que está dando as ordens, e as cartas do jogo?

Jorge Augusto
Jorge Augusto
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Porque a fábrica de Evora não faz apenas partes de aviões militares. Não é exclusiva da EDS.

Agora que a Boeing e a Embraer estão juntas na área comercial, no caso a Boeing com mais participação, ela também manda na fábrica.

LeonZ
LeonZ
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Simplesmente porque existe uma Joint Venture no KC-390 que é 51% Embraer e 49% Boeing.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Se bobear, será para aproveitar uns 500 engenheiros que serão mandados embora aqui.

João Rodrigues Dos Santos
João Rodrigues Dos Santos
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Se não me engano, está assim:

Segmento comercial: Joint Venture – 80% Boing e 20% Embraer.

Segmento de Defesa: KC 390 – Parceria na montagem, promoção
e venda – 51% Embraer, 49% Boing.

Super Tucano – Montagem, promoção e venda sob licença – A FAB leva 1% sobre vendas.

Bom, acho que é isso…Se não for isso, me ajudem ai…
Sds

Chris
Chris
Reply to  João Rodrigues Dos Santos
1 ano atrás

Que eu saiba… Uma empresa foi criada para “vender” o KC390 apenas !

JT8D
JT8D
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Por que nesse caso estão se referindo a fábricas da área de aviação comercial, que serão 80% da Boeing após o fechamento do acordo de fusão/aquisição

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Meireles
VC está desinformado

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Meireles
1 ano atrás

No texto diz bem claro que se trata dos E-J que são aviões de transporte civil que e o no que entraram de socios.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Olá Meireles. História mal contada, né? A Boeing comprou a aviação regional mas vai vender o KC797.. digo KC390, além disso manda na folha de pagamento da fábrica de Portugal.. riso. Lá do outro lado, na costa do Pacifico, tem tanto engenheiro que fica até difícil de decolar o 737. Parece cunhado dando pitaco na quitanda da sogra.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Tudo dentro do previsto nos termos do acordo … Mas somente será implementado caso o negócio se confirme.

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  Meireles
1 ano atrás

Leia a matéria de novo. E interprete o texto. Partes dos E2 é fabricada em Évora. E 51% da fuselagem central do KC-390, que é objeto de uma joint-venture com a Embraer, onde a Boeing tem 49%.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Meireles
1 ano atrás

As fábricas de Évora não são do sector de aviação militar mas sim civil, ou seja, passarão para a Boeing, o que não passará para a Boeing serão as OGMA.
As OGMA, com 65% de ações brasileiras, mantém se como uma empresa de bandeira e sede lusa.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Peter nine nine
1 ano atrás

As fábricas da Embraer não são de um setor específico… Na sua maioria. As fábricas de Portugal atendem as três áreas de negócio.

Rui Campos
Rui Campos
Reply to  Meireles
1 ano atrás

A Embraer tem 100% da área de defesa (KC390, Tucano, aero radar) e caça Gripen (junto com a Saab sueca).
Além disso, está montando nova empresa com a Boeing (51% Embraer e 49% Boeing) para comercializar o KC-390

Jamir
Jamir
Reply to  Rui Campos
1 ano atrás

A Saab não é Sueca, ela já foi, hoje apenas está sediada na Suécia, a maioria do capital é Britânico. Tal como a Embraer não é Brasileira, o seu capital está pulverizado em Bolsa, não existem brasileiros com mais de 1% do capital (provavelmente nem isso, eu não vi um único) apenas a Golden Share que suspeito que não representa propriamente capital mas representa um acionista que tem poder de decisão.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

É uma choradeira sem fim… Desencana

Camargoer
Camargoer
Reply to  Sagaz
1 ano atrás

Olá Sagaz. Acho improvável que eu sinta algum dia um pouco de carinho pela Boeing, mas também não vou me esforçar para isso.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

É que ainda tem um pessoal iludido achando que ainda existe Embraer…

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Se não existe… Preciso saber que lugar é aquele com um grande letreiro escrito Embraer onde vou trabalhar todo dia ..

Camargoer
Camargoer
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Caro Fernando. Torço por você, mas fico pensando qual seria o sentimento de um ex-funcionário da Embraer colocar uma camisa com o logo da Boeing bordado no peito.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Fernando EMB, você está indo trabalhar todo dia numa empresa que um dia para alguns brasileiros foi motivo de orgulho, espera que logo logo o letreiro será alterado, não só o letreiro mas o uniforme, o crachá e por aí vai.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Mas não vai não meu caro… Continuará Embraer. Para alguns amigos o letreiro vai mudar, para mim e outros amigos não vai.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Caro Fernando. Saiu no G1 “Boeing Brasil-Commercial é o nome de nova empresa de aviação em fusão com Embraer”. Inclusive com erro de português.

andre
andre
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

o Fernando explicou direitinho, e quem ta em SJK sabe: PARTE DOS FUNCIONÁRIOS DA EMBRAER FOI DESIGNADA PARA A BOEING E PARTE VAI FICAR NA EMBRAER, EM OUTRO PREDIO!!! PRECISA DESENHAR???

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Antes Commercio em português era assim , depois da reforma a mais ou menos 80 anos , tiraram um M , esta reforma foi para que o português não parecesse demais com o espanhol ! Trocaram os Z por Ss e usando acento agudo como em Gás , tiraram o h de prohibido , ptiraram o n de conmigo , etc . Hoje o português escrito e falado no Brasil , em especial no Rio de Janeiro , chegou em um estágio crítico e vergonhoso , sai do assunto desculpem .

Lucas Pirajá
Lucas Pirajá
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

A Fabrica de Evora irá para a Boeing Brasil Commercial, já a OGMA ficará com a New Embraer..
Está no acordo

Mauro
Mauro
1 ano atrás

Só fabricam partes prontas, que foram projetadas pela Embraer no Brasil. Parece mais ouro de tolo para comprarem o KC-390 sem chiar muito.
Li também que o OGMA ficou de fora desse negócio com a Boeing.

jair
jair
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Pelo contrário, grande parte do KC-390 foi desenhado em Portugal (vi isso nas notícias, inclusivamente com entrevistas aos projetistas), aliás muito pouco do KC-390 foi desenhado no Brasil, a maior parte foi desenhado por gabinetes de projeto do mundo inteiro, como é normal hoje em dia.

Diego.
Diego.
1 ano atrás

Ual!! Em Portugal os ministros estão preocupados em gerar empregos para engenheiros, estão desesperados para que a compra seja regulada e gere emprego lá, que diferença com o Brasil, aqui nem existe a preocupação de perda de empregos da venda. Brasil sil sil, potência futebolística e só.

Cavalo-do-Cão
Cavalo-do-Cão
Reply to  Diego.
1 ano atrás

É dramático o que esta camisa representa..A decadência, injustiça, parcialidade, desemprego e etc…Toda a falta de conduta política e ética na condução da coisa pública…Lacaios dos eua…

Marcos
Marcos
1 ano atrás

500 engenheiros é muita coisa

E no Brasil? Boeing safadinha

JT8D
JT8D
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Aqui eles tem mais de dez mil engenheiros

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Marcos
1 ano atrás

Portugal está de parabéns, agora que a taxa de desemprego é de 6,7% é muito importante, captar investimento que gere emprego de qualidade .
Pode ser que alguns dos estudantes universítários Brasileiros que se formam nas melhores universidades Portugueses arranjem colocação por uns anos e depois caso queiram, voltem ao Brasil e se tornem novos empreendedores e alavancadores de novas tecnologias aeronaúticas.
Agora que existe acordo entre Mercosul e UE depois de 20 anos de negociação, é normal algumas empresa eficiêntes e produtivas crescam muito e outras fiquem pelo caminho .caso não saibam tirar partido desta nova oportunidade.

Ricros
Ricros
Reply to  Vitor Silva
1 ano atrás

Ainda não temos o acordo, pois deve demorar mais dois anos até ser ratificado, e tão pouco conhecimento do conteudo de todos os termos.

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Ricros
1 ano atrás

Falta a retificação pelo parlamentos nacionais depois de ser assinado o mesmo, mas se as taxas alfandegárias vão ficar muito reduzidas, isso é bom para os dois lados e claro que vai de certeza absoluta alavancar o comércio entre estes dois blocos comerciais.
Penso que não levará assim tanto tempo, até entrar em vigor.

Camargoeri
Camargoeri
Reply to  Vitor Silva
1 ano atrás

Caro Vitor. 6% de desemprego e praticamente pleno emprego, geralmente ocorre com redução da capacidade ociosa das empresas, pressionando por novos investimentos. Por outro lado, 13% de desocupação é a linha que divide a crise do desastre. Em 1929, a taxa chegou a 20%nos EUA. 13% de desemprego significa retração do consumo, estagnação do PIB, aumento da capacidade ociosa das empresas e suspensão ou adiamento de investimento.

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Camargoeri
1 ano atrás

Então o que diria da Alemnha que tem 4% , com a globalização muitos empresa se dedicaram-se ao mercado global.No caso da Agricultora Alentejana têm vindo muita gente da India, Paquistão, Nepal, Bangladesh, Roménia e mesmo do Brasil, em 2018 entraram 93 000 novos imigrantes ( trabalham na apanha morango,mirtilos, na vindima, no Olival e nas amendoeiras e na construção civil) no total acumulado de quase 500 000 imigrantes . Na indústria existe falta carpinteiros, serralheiros, soldadores,canalizadores em tb muito mesmo no setor do turismo. Podesse aumentar aumentar a produtividade, automatizando processos produtivos, mais formação de pessoal, novos formas de… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Vitor Silva
1 ano atrás

Caro Vitor. Esse cenário que você comentou é característico de pleno emprego. Os trabalhadores procuram atividades melhor remuneradas e o empregos menos qualificados são preenchidos por imigrantes. A taxa de desemprego no Japão é menor que 3%.

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Eu não concordo inteiramente. O pleno emprego é atingido aos 4,5 ou menos %. Na era do digital, da inteligência artificial, o trabalho repetitivo é substituído pela robótica e tal como em economia, no mercado de trabalho rege-se pela lei da oferta e da procura, se a oferta é muita é normal que os ordenados subam e o contrario tb é verdade, menos oferta menos de ordenado. O importante é que o R Minima não se aproxime da R média e parece que esse perigo já foi possível evitar. Os imigrantes têm direito de procurar melhores condições vida, se o… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Vitor Silva
1 ano atrás

Caro colega, desde o início do séc XX foi observado que uma economia de mercado com pouca regulamentação resulta em exclusão social, pobreza disseminada e depressão (econômica e mental). Por outro lado, regimes não democráticos, de direita ou esquerda, evoluem para ditaduras autoritárias. o sucesso das países escandinavos é o resultado da combinacao de democracia com mercado regulamentado,. mas vamos lá… Talvez nossos filhos e netos aproveitem os erros da nossa geração para viverem melhor e mais felizes.

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Acho que cometes-te uma gaffe. Todas as ditaduras são autoritárias, que eu saiba. Em relação aos Paises Escandinávos, o sucesso deve-se a um estado social, isto é o ensino,saúde e outros do setor social são 100% gratuitos. As pessoas não se importam de ter uma elevada carga fiscal, inclusive quem foge ao fisco não é visto como um esperto, mas sim uma pessoa que não cumpre o seu dever como cidadão e é censurada e condenada na praça pública por ter essa atitude. Por outro lado como no Inverno p.exemplo ás 16 horas é de noite. A vida que levam… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Vitor Silva
1 ano atrás

Caro Vitor. Um estado democrático é caracterizado pela “estado de direito” (o rigoroso cumprimento da lei), “eleições livres e periódicas” (a livre manifestação política) e pela “defesa e garantida dos direitos humanos”. O contrário de uma democracia seria uma ditadura. Um regime sustentado por um “estado de direito” e possuir eleições livres e periódicas mas sem defender os direitos humanos (o melhor exemplo foi o apartheid da África do Sul). Não é uma democracia, mas também não é um estado autoritário. Por isso é importante lembrar que todo regime autoritário é uma ditadura, mas nem toda ditadura é um regime… Read more »

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Por outro lado , quando chegam as férias, a maior parte vai para o estrangeiro apanhar sol. Outro coisa boa é o reduzido nível de corrupção, penso que seja da cultura ou do ADN desses povos. O reverso da moeda é o elevado custo de vida e principalmente da alimentação, tb é compreensível sendo Países com climas muitos frios é muito difícil fazer plantios agrícolas, excetuando a Holanda Pais das tulipas e das estufas.

CLAUDIO A R PINHO
CLAUDIO A R PINHO
1 ano atrás

Sendo Brasil, com certeza tem gente levando algum para liberar essa venda. Ainda não entendi qual vantagem de dar uma empresa que está no azul a preço de banana. O E2 é superior ao A220. Embraer não está falida como a Bombardier.
A Natura pagou mais pela Avon que a Boeing pela Embraer…estranho!!
Quanto a festa do ministro de Portugal…é um fanfarrão que joga pro público interno.

jair
jair
Reply to  CLAUDIO A R PINHO
1 ano atrás

E2 melhor que A220 … meh!; a Avon é uma empresa global com 25000 empregados directos e milhões vendendo os seus produtos (6,5 milhões de representantes), é a segunda maior empresa de vendas do mundo, foi comprada por 3,7B$ (barato).
Por falar em fanfarronice…
Deixa o ministro fazer o trabalho dele o melhor que puder.

Oiseau de Proie
Oiseau de Proie
1 ano atrás

É só estrangeiros no Brasil se apossando de nossas empresas e estatais mais estratégicas…mas vejam se os países desenvolvidos leiloam suas empresas estratégicas como a Qualcomm ou se permitem domínio de estrangeiros em seus países…se privatização resolvesse os nossos problemas a era fhc teria sido a melhor fase de nossa economia e não teríamos estatais de peso nos países nórdicos como Noruega e Dinamarca que estão no topo do IDH global...de fato as privatizações são um bom negocio neste país…para quem compra a empresa…principalmente quando é financiada pelo BNDES e não precisa pagar a dívida!…

Silvedte
Silvedte
1 ano atrás

Mais emprego pra quem se preparou para a vida.

Silvedte
Silvedte
1 ano atrás

Até onde se sabe a Embraer ficou com 100% da produção de defesa.O que foi comprado pelo Boeing foi a produção de 80% da linha comercial.A Embraer produz aviões executivos e aviões de defesa,no Brasil e exterior.

Nilson
Nilson
Reply to  Silvedte
1 ano atrás

Da área de defesa, o único projeto que entrou na negociação com a Boeing foi o KC 390. Embraer 51%, Boeing 49%. É uma joint-venture específica, não faz parte da área de jatos comerciais, que ficou 80% Boeing-20% Embraer.

Fernando EMB
Fernando EMB
1 ano atrás

E por aqui, no Brasil, serão bem mais que 500 novos engenheiros.

Jorge Marques
Jorge Marques
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Pois prove.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Jorge Marques
1 ano atrás

Vai se catar… Não preciso nada aqui

Jorge Marques
Jorge Marques
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Não precisa se alterar por um simples questionamento. Só acredito que a Embraer vai gerar novos postos de trabalho…Na Europa e nos EUA como a construção dos ST apenas nos EUA. Geração de emprego aqui…acredito mais em demissões. e fulga de mão de obra qualificada.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Jorge Marques
1 ano atrás

Acredite no que quiser…. Mas me pedir para provat algo num fórum… Não né. De qualquer forma é esperar e ver.
Minha opinião (porque não sou dono de nenhuma verdade), é que serão cobrados muitos engenheiros no Brasil. Falo isso pelo que vejo lá dentro.
Claro que poderão existir demissões pontuais… Mas o saldo geral será muito positivo.

Jorge Marques
Jorge Marques
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Tranquilo. Deus lhe ouça.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Jorge Marques
1 ano atrás

Olá Jorge. sempre que ouço alguém depositar a confiança em Deus, imagino alguém fazendo uma ultrapassagem proibida.

Jorge Marques
Jorge Marques
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

podemos considerar essa transação como uma ultrapassagem proibida para o progresso da industrial nacional.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Jorge Marques
1 ano atrás

Olá Jorge. Imagina o resultado de uma caminhão betoneira carregado descendo a ladeira e um celtinha ultrapassando na subida um ônibus velho de turismo cheio de sacoleiros.

Kemen
Kemen
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Sim muito positivo para a Boeing e para os USA, não condeno os norte americanos ou suas empresas por perseguirem o que é melhor para eles, nós e que não sabemos perseguir o que é melhor para nós. Lembra-se dos investimentos da Petrobras na Bolivia? E financiamentos do BNDES em Cuba? O que o pais ganhou com isso?

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

A coisa não é assim tão linear. Com brexit e o consequênte isolamento do RU a Boing vai ficar sem acesso ao mercado único Europeu, daí a possíbilidade de está investir nas fábricas ( sim porque são duas) da Embraer/Boing de Èvora, cidade reconhecida pela ONU, como património da humanidade. Está última carateristica só importante como destino cultural e turístico.

Ricros
Ricros
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Espero que a Boeing diga amém, pois aí poderemos ter uma indústria aeronáutica robusta, mas devemos lembrar que por mais que a Boeing seja uma empresa pública (não estatal), o Governo de lá tem um peso gigantesco em sua decisões.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Olá Fernando. Pelo dados de desocupação e capacidade ociosa das empresas, o risco é que sejam mais de 500 novos engenheiros desempregados.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Ahh é…. E a que dados você se refere? Que eu saiba estas 500 vagas são para o que está por vir.
E quando a está ociosidade toda… Queria saber onde ela está, pra não a vejo. Muito pelo contrário.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Segundo o IBGE são 13% de desocupação, segundo a FIESP a capacidade ociosa da indústria é maior que 33% e segundo o Banco Central a previsão do PIB de 2019 será entre 0,8 e 0,9%.

Jmgboston
Jmgboston
1 ano atrás

Se parte da Embraer tivesse sido vendida para chineses possivelmente não leriamos tantos comentários depreciativos

Canarinho
Canarinho
Reply to  Jmgboston
1 ano atrás

Nada a ver. Se fosse qualquer pais estrangeiro querendo nos condenar a ser uma colônia te garanto que haveriam os mesmo comentários.

Jagderband#44
Jagderband#44
Reply to  Jmgboston
1 ano atrás

A verdade dói.
Sensato seu comentário, parabéns.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Jmgboston
1 ano atrás

Caro colega. Eu tenho certeza que teria a mesma sensação, já que fico bastante incomodado quando fico sabendo que qualquer grupo estrangeiro comprando uma empresa brasileira ao invés de construir uma empresa nova.

Hélio
Hélio
Reply to  Jmgboston
1 ano atrás

Muito pelo contrário, se a Embraer tivesse sido dado de graça para os chineses, os mesmos que defendem a entrega estariam fazendo um auê. A questão aqui é que tem muita gente que quer ser mais Americana que os próprios americanos. O porquê deles já não terem imigrado para os EUA ninguém sabe explicar.

Jmgboston
Jmgboston
Reply to  Hélio
1 ano atrás

Mas eu ja emigrei, em 6 de maio fe 1998 quando 1 dollar custa 1 real. Em 1970 no grupo escolar me falavam que o Brasil era o país do futuro. Mais de 40 anos depois continua sendo.

Jorge Marques
Jorge Marques
1 ano atrás

Essa venda está obscura. Embraer defesa só entrou o KC…entrou nada então…kkkkkkkk…se é o carro chefe. Super Tucano nem se ouve mais falar. Ficar só com bananas, laranja, caju e destruir mais vegetação nativa para ampliar o rebanho se o Bolsonaro deixar. Os defensores do desmanche entram já em ação.

Kemen
Kemen
1 ano atrás

Mais 500 engenheiros lá, menos 500 engenheiros possiveis aqui. Essa é a realidade.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
1 ano atrás

O que a Boeing tem a ver com a OGMA?

Camargoer
Camargoer
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Olá Walfrido. A Embrer(a) era dona da OGMA. Vai ver, então a Boeing é dona da dona.

FernandoEMB
FernandoEMB
Reply to  Camargoer
1 ano atrás

Como seria possível se a Boeing não comprou a Embraer? Comprou sua divisão de aeronaves comerciais… e no acordo algumas unidades fabris, outras não… e entre estas a OGMA. Mas talvez o não querer entender faça parte da estratégia daqueles, como você, que pregam a desinformação.

Camargoer
Camargoer
Reply to  FernandoEMB
1 ano atrás

Caro Fernando. Para ser um pregador é necessário ter fé e com a fé a certeza. Nenhum pregador afirma com incerteza. Tanto a informação quanto a desinformação são sustentadas pela certeza. Como eu disse, “vai ver” a Dona é dona da Dona (isso é uma dúvida, ou o contrário de uma certeza).

Junior
Junior
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Nada, até aonde se sabe, a OGMA vai ficar com a Embraer

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Junior
1 ano atrás

A OGMA vai ficar com a mesma estrutura acionista, 65% Embraer e 35% do estado Português. Caso contrário o estado Português tinha direito de voto ,já que a sede das OGMA fica em território luso e têm o ditos 35%.

leonidas
leonidas
1 ano atrás

A Embraer ficou com 100% da área de defesa, mas como esta área é notadamente sabotada pelo próprio governo brasileiro (alias isso foi feito por todos s/ exceção) e levando em conta que venda militar só ocorre com apoio do governo, o que implica em adquirir o matéria que produz em quantidade minimamente razoável, fica claro que a Embraer é coisa que ficou no passado. Impressionante como tem Judas neste pais independentemente de linha ideológica. Reconheço que no contexto em que foi colocada (Airbus comprando a Bombardier) a Embraer não teria como se manter no mercado sozinha, ao menos que… Read more »

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  leonidas
1 ano atrás

Na minha opinião o governo deveria ter reestatizado a EMB, mesmo que em parte. Não se entrega um patrimonio desse.

Victor F.
Victor F.
1 ano atrás

“O contributo da indústria portuguesa para os aviões da Embraer centra-se no fabrico de componentes para o jato bimotor E2″…. Mas a foto principal do post é de um KC-390… Vai entender…

Camargoer
Camargoer
Reply to  Victor F.
1 ano atrás

Olá Victor. Talvez seja mesmo para confundir.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Victor F.
1 ano atrás

E os componentes para os KC390 e para os jatos executivos, que também são produzidos em Portugal?

Kemen
Kemen
Reply to  Fernando EMB
1 ano atrás

Segundo consta sim, em Portugal e na Argentina.

Coutinho
Coutinho
Reply to  Victor F.
1 ano atrás

Copiado e colado do texto da matéria: “Portugal tem todas as condições para aumentar a sua importância no cluster aeronáutico – atualmente fornece componentes para aviões executivos, para a unidades da aviação comercial de médio curso e para projetos da aviação militar, como o recente KC390.”

Adriano RA
Adriano RA
1 ano atrás

Se for verdade, fico feliz por Portugal, que possui engenheiros muitíssimo bem qualificados, mas que ainda sofrem (os engenheiros) com um mercado de trabalho ingrato, que emprega e paga pouco aos jovens recém formados, ao menos em comparação com outros países europeus.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
1 ano atrás

Logo fecha a no Brasil !

FernandoEMB
FernandoEMB
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Vamos ver então…

Valdez de Araujo
Valdez de Araujo
1 ano atrás

Parabéns PORTUGAL e BOEING.

Paulotd
Paulotd
1 ano atrás

Gerando bastante empregos. Lá fora…

FernandoEMB
FernandoEMB
Reply to  Paulotd
1 ano atrás

E muitos mais aqui mesmo… no Brasil.

jose luiz esposito
jose luiz esposito
1 ano atrás

Queria entender uma coisa . como pode um site como este repetir por diversas vezes que a Boeing comprou a Embraer ?