sexta-feira, junho 18, 2021

Gripen para o Brasil

Lockheed está desenvolvendo míssil AIM-260 para conter o PL-15 chinês

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Concepção do míssil ar-ar chinês PL-15 em versão ramjet

A Lockheed Martin está desenvolvendo um novo míssil de domínio aéreo denominado AIM-260 para a Força Aérea e Marinha dos Estados Unidos.

A arma terá um alcance significativamente maior que o AIM-120 AMRAAM para ser um contendor da novo míssil chinês PL-15, disse um alto funcionário da Força Aérea dos EUA.

O AIM-260 está programado para começar os testes de voo em 2021 e atingir a capacidade operacional inicial em 2022, disse Brig. Gen. Anthony Genatempo, diretor executivo de armas da USAF.

As primeiras aeronaves a receber serão o F-22 e F/A-18E/F.

O PL-15 é um míssil guiado por radar ativo, capaz de destruir alvos a uma distância de pelo menos 150 km. O míssil equipa os caças J-10, J-16 e J-20.

Mísseis BVR PL-15 no caça J-10C
Mísseis BVR PL-15 no caça J-10C

Mísseis PL-15 no compartimento interno de um caça J-20

Na imagem abaixo, os principais mísseis chineses atuais e em desenvolvimento.

- Advertisement -

47 Comments

Subscribe
Notify of
guest
47 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rui chapéu

Ele será hipersônico?

Bosco!

Bosco

Rui,
Não sei. Nunca tinha ouvido falar dele.

Bosco

Vamos ver como será esse míssil no futuro, mas ele deve seguir algumas tendências:
Motorização: motor foguete expandido com dual pulse ou multi pulse; motor “ramjet” (sólido ou líquido); míssil com dois estágios (booster destacável)
Ogiva: fragmentação direcional
Orientação de médio curso: inercial /GPS com data link bidirecional
Orientação terminal: radar centimétrico AESA (GaN ?) + milimétrico ou centimétrico + IIR
TVC?
etc…

Overandout

Boa noite, Bosco

Pergunta de leigo em mísseis: o que seria fragmentação direcional?

Bosco

Overandout, O que causa dano num alvo aéreo são os “fragmentos” e não o explosivo. Uma ogiva pré-fragmentada convencional, de explosão anelar, é constituída de uma disposição onde o explosivo fica no centro e os fragmentos ficam dispostos em volta. Quando a espoleta de proximidade é acionada quando o míssil passa ao lado do alvo, o explosivo no centro detona e os fragmentos são lançados em 360º, numa configuração esférica (anelar). Como o alvo está só de um lado do míssil (claro) , no máximo 1/4 dos fragmentos atingem o alvo e causam dano. Os restantes 3/4 são peso morto… Read more »

Pedro Rocha

Mestre Bosco saudações! Sempre nos abrilhantando! O mestre não acha que esse projeto não foi “inspirado” no Meteor? Por outro lado não seria um upgrade interessante uma ogiva direcional para o Meter?

Bosco

Pedro,
O Meteor não tem, mas tudo indica que é uma tendência para mísseis antiaéreos (ar-ar e sup-ar).
Alguns dos mísseis ar-ar que são ditos terem ogivas de fragmentação direcional são os AAM-4 japonês ,o Astra indiano, o R37 russo. Diziam que o AIM-120 D teria mas não se confirmou.
O Meteor terá uma versão aperfeiçoado com uma parceria com os japoneses, mas não sei se inclui uma ogiva de fragmentação direcional.

Bosco

Só como curiosidade, a ogiva de fragmentação direcional também é nomeada de “Selectively Aimable Warhead”

Walfrido Strobel

Bosco, fui acionar o “read more” e sem querer negativei seu comentário, desconsidere.

Coutinho

Bastava dar um like positivo para anular o deslike.

Luís Henrique

Sim. Na entrevista o militar disse que o AIM-260 Não será Ranjet. E que terá tamanho muito próximo do AIM-120. Foi perguntado como terá muito mais alcance com quase o mesmo tamanho. Foi respondido que será através de motor mais eficiente e redução do peso da ogiva para acomodar mais combustível.

Augusto L

Provavelmente terá estagio duplo.
No meu ver vai ser um missil terra-ar sendo transformado em ar-ar.

JOSE PEREIRA DE MORAES JR

Mach 5, com alcance de 250 km.

Ricardo

Estes mísseis Chineses não devem ser tão ruins assim, ao menos são de respeito para fazerem o velho Sam se preocupar.

Denis

Bom, a China pousou uma sonda no lado escuro da Lua. Sei que as tecnologias são diferentes, mas ninguém tinha feito antes. A turma do contra fala da falta de qualidade da indústria chinesa, mas esquece que aquilo é uma estratégia de mercado: muitos produtos são fabricados na intenção de serem extremamente baratos, para o mercado externo. Eles não fazem o projeto e dizem quanto custa; eles definem um preço unitário para o produto, e nêgo que desenrole o rabo pra fazer naquele preço; Assim, a vítima é a qualidade. Mas, para o mercado interno, a estratégia é totalmente diferente:… Read more »

Neves João

Interessante o seu coment, eu acho todos os produtos chineses um lixo, mas a gente tem que refletir sobre tudo, valeu pelo post.

Nilton L Junior

Isso mesmo, só quem tem mentalidade de vira latas acha que bom e barato significa alta tecnologia.

Gabriel

Que coisa mais engraçada esse PL-15 em versão ramjet, parece um meteor genérico e simplificado. Como um produto Polishop que parece incrível na frente da TV mas quando o correio entrega, atrasado como sempre, a pessoa se decepciona abrindo o pacote. Esperando encontrar um meteor e acabando com um negócio que é só parecido com um.

Não criticando o produto chinês, que talvez seja bom. Só não pude perder a piada pronta.

Bosco

Gabriel,
O PL15 não é “ramjet”. Há especulações de que há uma versão ramjet mas como tudo que vem do Oriente a gente não sabe se estão contando com o ovo no forebis do dragão ou se é só um sonho numa noite de verão. Fato é que há uma sopa de letrinhas e a cada dia aumenta mais, com variadas versões e com os mais diversos desempenhos. Aí fica difícil competir.rsrsss

Alfredo Araujo

Piada ruim

RENAN

Quem tem P&D tem
Quem não tem olha, aplaude, baba, inveja, torce e sonha
O tristeza

Antoniokings

Oxe!!!!!
Armas chinesas não são cópias mal feitas e de efetividade duvidosa?
Não entendi.
Mas, mesmo assim, quando o míssil da L.M. estiver pronto, os chineses já terão os PL-16, 17, 18, 19 e já estarão desenvolvendo o PL-20.

Agnelo

Para um país q já operou o AIM-54 Phoenix, não deve ser um desenvolvimento tão difícil.

Neves João

Pensei a mesma coisa q vc. Sinceramente na época do F-14, armado com mísseis Phoenix, e se tivesse um radar AESA do tipo q o F22 possui, acho que estavam melhor do que estão hoje.

Renato B.

É até interessante ver como as coisas evoluíram. O Phoenix era um monstro, mais de 450 kg e alcance inicial de 130km. Agora já temos o AIM-120 de 150 kg e alcance de 160km. Os americanos realmente tem uma excelente experiência no assunto, ainda mais considerando que foram testados em combate.

Augusto L

Meio estranho, os araam da versão D já atinge distanciais de 160-180 km

Augusto L

É realmente muito estranho até porque o PL-15 é um missil similar ao R-37, o PL-21 que é o missil do projeto PL-XX que entrara em operação ano que vêem, é o que é comparavel ao AIM-120D e Meteor.

Augusto L

Vale ressaltar que o R-37 não é apto há abater aeronaves de caça e sim alvos menos manobraveis como por exemplo AWACS.
Acho que confundiram os PL-15 com os PL-21 nas fotos

Bosco

Augusto,
Por isso não existe “ispicialista” em tecnologia militar chinesa e russa. Todo dia eles lançam mísseis com letrinhas a mais e não há como acompanhar. Nem eles mesmos se entendem.
Pra mim também o BVR padrão chinês era o PL12 e o PL15 era um míssil de alcance muito longo da linha do R37 .
Mas cada dia uma novidade no reino de Nárnia.
Não queira entender não que você endoida.

Luís Henrique

Augusto, a preocupação maior é com o PL-15 mesmo.
São 300 km de alcance. Um radar AESA 300 a 400% maior que o utilizado na maioria dos mísseis BVR, e capacidade de manobra na fase terminal, o que lhe confere capacidade de engajar até caças a distâncias extremamente longas.

Os EUA querem um míssil similar ou superior.

Augusto L

Não Luis, o R-37 tanto quanto PL-15 não consegue engajar alvos que manobram mais de 7 Gs.
Talvez consigam ter algum Pk bom contra caças em missões de ataque ja que estando carregados de bombas sua capacidade de manobra cai.

Rene Dos Reis

Caramba olha Taiwan são cerca de 160km de largura por 380km de comprimento.

Rene Dos Reis

A china esta tornando a supremacia aérea cada vez mais cara para o tio sam.

Mauro

Você acredita mesmo que eles acham isso ruim?

JPC3

E para ela mesma também. Ou melhor, para todos.

Rene Dos Reis

concordo plenamente

Tiago Silva

Não encontrei nada de muito expressivo sobre o PL-15 mas para quem tiver interesse:

http://chinese-military-aviation.blogspot.com/p/missiles-iii.html

Bardini

Já li que o PL-10 é uma cópia do A-Darter…

J-20

Só se algum chinês viesse do futuro e tivesse dado a informação para o governo.

Sérgio Luís

Meteor, descaradamente!

Bosco

Sérgio,
A foto parecida com o Meteor é do míssil chinês.

Sérgio Luís

Isso é óbvio!

Arariboia

Video de 2018 em uma unidade operacional
De MIG-31BM/BMS armados com todos seus misseis. R-74,R-77-1,R-33/M e o R-37

https://youtu.be/VARVdpXXh70

Augusto L

O infográfico da foto está errado, o do PL-15 é a do missil, sem atletas com 6 metros de comprimento. O missil PL-15 não passa de um KS-172 melhorado com estagio duplo e outras melhorias para reducao de peso e na eletronica embarcada. Há tambem um desenvolvimento de uma versão do mesmo com alcance superior, que dizem que usará tecnologia scramjet e terá 300-400km. Mas o missil em si não é feito para combate ar-ar, como alguns dizem, mas sim, para destruir alvos de alto valor no ar, como AWECS, reabastecedores e aeronaves ELINT, ou seja, o AIM-260 não irá… Read more »

Galileu

BOSCO, Eu sei que tem várias variáveis para o alcance do míssil e o alcance real é sigiloso, mas o AIM120-D não é dito por fontes sérias, ter em torno de 150Km?

Outra dúvida, o AIM120-D e Meteor, emfim mísseis dessa nova geração, conseguem abater outros mísseis BVR e se sim sabe-se qual a % de sucesso de acertos?

Bosco

Galileu, Do AIM-120D é dito ter alcance nominal de 160 km . Algumas fontes citam 180 km. O que seria cerca de 50% maior que a versão anterior, o C7 , dito ter alcance de 110/120 km. Esse alcance é de ponto a ponto, na melhor situação possível de altitude e velocidade do lançador, que geralmente é supersônica e em grande altitude. O AIM-120D usa o modo “loft” contra alvos muito distantes, que o faz subir até 10 km acima do caça lançador onde o ar é mais rarefeito e o arrasto é menor. Supondo que o míssil seja lançado… Read more »

Galileu

Muito obrigado Bosco!

Reportagens especiais

Poder Aéreo no Cavanaugh Flight Museum

Visitamos recentemente o Cavanaugh Flight Museum (CFM) no norte de Dallas, no Texas, para conhecer um pouco mais da história da...
- Advertisement -
- Advertisement -