Home Aviação de Caça Índia encomenda 300 mísseis ar-ar R-73 e 400 R-77 da Rússia

Índia encomenda 300 mísseis ar-ar R-73 e 400 R-77 da Rússia

2558
52
Míssil R-77
Míssil ar-ar R-77, apelidado de Amraamski, por ser equivalente ao AMRAAM dos EUA

De acordo com o informativo indiano The Print, a Força Aérea da Índia (IAF) encomendou mais mísseis da Rússia no valor de US$ 700 milhões . O pedido inclui cerca de 300 mísseis ar-ar de curto alcance R-73 e 400 mísseis guiados ar-ar de médio alcance, do mesmo míssil RVV-AE que foi exposto durante o recente combate aéreo entre Índia e Paquistão.

O R-77 é o equivalente russo do míssil de médio alcance AIM-120 AMRAAM dos EUA.

Esses mísseis são projetados para armar as aeronaves MiG e Sukhoi feitas na Rússia.

O pedido, destinado a aumentar a capacidade da IAF, também de acordo com a Russian Tactical Missiles Corporation, desenvolvedora e produtora da maioria dos mísseis ar-ar russos, o alcance do R-73 é de 30 km. O alcance da sua última versão, a RVV-MD, é de 40 km.

É o mesmo caso do R-77, que pode atingir alvos a uma distância de até 80 km, enquanto sua versão mais recente, o RVV-SD, pode ir até 110 km.

A Rússia oferece atualmente a seus parceiros globalmente mísseis de curto alcance RVV-MD, mísseis ar-ar RVV-SD de médio alcance, mísseis ar-ar RVV-BD de longo alcance e  mísseis ar-ar de médio alcance RVV-AE (R-77).

Integrar outros mísseis – por exemplo, os mísseis ar-ar israelenses Derby – ao Su-30 exigirá permissão da Rússia, disseram as fontes.

“A Rússia e a Índia podem implementar em conjunto o programa de modernização dos mísseis ar-ar da IAF. Todos os requisitos da Força Aérea podem ser discutidos e atendidos. O trabalho pode começar assim que possível após a solicitação formal”, acrescentaram as fontes.

Em 26 de fevereiro de 2019, a Força Aérea da Índia realizou um ataque aéreo em Balakot. Aviões de guerra indianos atravessaram a fronteira de fato na região disputada da Caxemira e lançaram bombas nas proximidades da cidade de Balakot, na província de Khyber Pakhtunkhwa, no Paquistão.

Buscador do míssil Vympel-R-77
Buscador do míssil Vympel-R-77
Flanker lançando um míssil R-77

COLABOROU: Rustam Bogaudinov

52
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
41 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
29 Comment authors
CésarAlexandre FontouraEvgeniy (RF).NostraGustavo Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Alessandro
Visitante

Ue, e aquele pessoal que falava que a india migrou pro derby pq o RVV não prestava? Como ficam eles? Hahahahaha outra fake news que cai por terra

Humberto
Visitante
Humberto

Não fui eu que falei isto, mas o próprio artigo já dá uma pista
“Integrar outros mísseis – por exemplo, os mísseis ar-ar israelenses Derby – ao Su-30 exigirá permissão da Rússia, disseram as fontes.”
Então de repente não é tão fake news.
No mais, foca claro que não são só os malvados gringos que colocam areia no caminhãozinho dos outros..

João Borges Queiroz Júnior
Visitante
João Borges Queiroz Júnior

Creio que a permissão da Rússia não seria problema, ainda mais pra Índia. Afinal, o Su-30MKI já é recheado com aviônicos franceses e subsistemas israelenses.

JPC3
Visitante
JPC3

O problema da permissão é que outros países teriam maior acesso à eletrônica dos caças feita na Rússia. Isso se já não tiveram. Talvez não queiram os israelenses conhecendo ainda mais os radares deles.

Outro ponto seria: Por que a Rússia vai ajudar a Índia a comprar mísseis dos concorrentes?

Mas pagando o suficiente eles podem permitir, quem sabe…

Alessandro
Visitante

Os russos geralmente nao são nada chatos nessas permissoes

Brunow Basillio
Visitante

Pois é Alessandro, igual aquela notícia que a Rússia tinha cancelado o Su-57….
O Brasileiro curte muito um “chutomêtro ou Boatometro”…
Mas tudo isso é torcida, baseado em ideologias…

nonato
Visitante
nonato

Ainda bem que temos pessoas “isentas”.

Alessandro
Visitante

Sim Bruno, ou aquela noticia fake dos Ka-52 com problemas no Egito, o Egito usou o credito americano pra comprar 10 apaches, e algumas mentes não perdem a chance de inventar fake falando q estão insatisfeitos com o Jamor, a russia diz q vai mudar o cronograma do Su-57, e as mesmas mentes inventam que cancelaram, (quero deixar claro que quando digo “mentes” me refiro as materias vindas de canais dos eua, nd a ver com o blog aqui). Mas tem gente que leva a serio noticias como essas…..

Alessandro
Visitante

Kamov* corretor chato! Kk

Gustavo
Visitante
Gustavo

hahahahah exatamente!

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Eu nunca vi de uma só vez, uma encomenda tão grande de misseis ar-ar Para completar o texto (e evitar comentários como o de pessoas que afirmaram que o Meteor é de curto alcance) O AIM-120C-5 está para o R-77 assim como o AIM-120C-7 está para o R-77-1 digo isso unica e exclusivamente se referindo ao alcance, já que o recheio dos misseis é completamente diferente. ambos são misseis de médio alcance sendo que: AIM-120C-5 e R-77 tem cerca de 80km de alcance e o AIM-120C-7 e R-77-1 tem cerca de 110km de alcance em alcance ambos os modelos são… Read more »

Gabriel Luis da Silva
Visitante
Gabriel Luis da Silva

Minha nossa, teve alguém que disse que o Meteor era de curto alcance? Meu Deus!

Só a ZNE do Meteor tem o mesmo alcance que o R-77-1, imagine o que o R-77-1 seria kkkkkk.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Sim, teve, e ele ainda discutiu com quase todos os comentaristas e ainda achava que tinha razão.

Brunow Basillio
Visitante

Ainda tem o novo K-77, creio que será o míssil ar ar russo de maior alcance, excluindo é claro os que seria usado contra “plataformas” maiores , o R-37M e o KS-172..

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Aham. A versão do AIM-120 mais próxima dele é a D. Como não foram citados eu não coloquei. Mas sim, o K-77 tem um alcance bem maior 180km +- salvo engano.

Bosco
Visitante
Bosco

Eu estava agora num site russo lendo sobre os mísseis ar-ar de ultra longo alcance como o PL-15, o R37 e o KS172. Os russos são muito viscerais. Nós latinos somos conhecidos por sermos sentimentais mas os russos ganham de nós de lavada. Os textos “técnicos” deles são recheados de adjetivos, verdadeiramente histriônicos e o pior é que relatam a reação do “inimigo” com a maior desenvoltura. Eles elogiam o produto deles e não demoram em dizer que os americanos estão apavorados. Que logo que souberam da existência de tal míssil com tal capacidade eles (os americanos) entraram em pânico.… Read more »

PauloSollo
Visitante

Esta necessidade desesperada de querer demonstrar uma superioridade irreal, esta necessidade de tentar vender uma realidade fantasiosa é um indicativo de que na verdade eles devem estar dem distantes disto.
É um comportamento infantil.

Evgeniy (RF).
Visitante
Evgeniy (RF).

Bosco, você lê um artigo absolutamente não profissional de um site que não é especializado em tópicos técnico-militares. E sim, depois que o F-117 foi derrubado na Iugoslávia, a retirada laudatória para os aviões “invisíveis” não enfraquece, para dizer o mínimo, mas só aumenta, o que é bastante engraçado. Pois se você levar em conta a retórica dos fãs dos “invisíveis”, o cálculo que controlava o complexo “arqueológico” C-125 só poderia ver o F-117 visualmente. Mas a realidade acabou por ser diferente. Ninguém na Rússia é uma realidade “furtiva”. não desacredita. No SU-57 é bastante aplicável quase uma gama completa… Read more »

Alessandro
Visitante

Interessante Bosco, eu tbm acompanho blogs e foruns russos, e noto coisas ao contrario de você, eu acho que a diferença é, q tu ve aquilo que quer…..

Bosco
Visitante
Bosco

Alessandro,
Fique a vontade para me dar um exemplo de propaganda megalomaníaca e histriônica dos americanos sobre os equipamentos militares americanos, onde eles tecem comparação com os equipamentos russos e chineses e relatam a reação deles.

César
Visitante
César

Uma criança que lê o texto de outra acreditará piamente na infantilidade da sua realidade.

Augusto L
Visitante
Augusto L

O c-5 tem 105 km de alcance.
O C-7 120 km.

Kemen
Visitante
Kemen

Parece que a India gosta desses misseis e tudo indica que são bons, todavia se examinarmos com detalhe a micro eletrônica utilizada pelos russos não é tão “micro” assim.

Ricardo
Visitante
Ricardo

A India comprou 700 mísseis novos. E aqui soltamos fogos com a compra de 100.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

A questão é a total diferença entre misseis. o único míssil dessa compra que devem ser “comparado” com o Meteor dessa é o R-77 e ainda assim seria uma comparação injusta com o míssil Russo. o meteor tem mais que o dobro do alcance que o míssil russo e é mais moderno eletronicamente. ele está em um outro patamar. fora que: A índia tem mais de 240 Su-30 e quase 70 MiG-29 ambas as aeronaves usam o R-77. faça as contas, coloque 4 deles em cada aeronave e verá que os 400 não cobre todas elas. As compras são proporcionais.… Read more »

Sequim
Visitante
Sequim

Compare nossa vizinhança com a deles: se tivéssemos Paquistão (inimigo declarado) e China (potência em ascensão e expansionista) também compraríamos mísseis às pencas.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Esqueça de uma vez por todas essa desavença entre China e Índia.
A China, a Índia e a Rússia estão para anunciar um grande acordo de cooperação em diversas áreas.
E justamente para isolar de vez a política protecionista dos EUA.
Não fique sonhando.

Sequim
Visitante
Sequim

Antonio… estou apenas relatando fatos. Quanto a esse acordo, quando e se for anunciado, veremos a cor que esse gato terá.

Fabio Mayer
Visitante
Fabio Mayer

Para entender porque o número 7 vezes maior, basta comparar o tamanho das forças aéreas pelo número de aeronaves de combate.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

A Índia possui quase 300 Su-30 Mki e quase 150 MiG-29.

Para 36 Gripen, 100 Metros está de bom tamanho.

Fabio
Visitante
Fabio

Que comparação….o cenário operacional e totalmente diferente…a aquisição de 100 missel meteor e mais do que suficiente para FAB.

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

Natural que a compra de 100 mísseis Meteor pela FAB seja comemorada. Dentro dos padrões de aquisições deste tipo de arma na América Latina, é algo acima do comum. Principalmente se tratando de uma arma com a qualidade do Meteor. Não significa que no futuro outros lotes não possam vir a ser adquiridos.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

A quantidade é grande, mas se for pensar em quantos cacas a Índia tem, talvez ainda assim não dê pra armar a todos.

JPC3
Visitante
JPC3

Serão somados aos que eles ainda tem dentro da validade.

JPC3
Visitante
JPC3

Imaginem, futuramente modernizam os MKIs com AESAs de última geração russas e na primeira semana tem engenheiros israelenses aprendendo como o radar funciona para instalar os Derby….

Certo os russos se não permitirem.

Nostra
Visitante
Nostra

Your understanding of missile integration is flawed , the is no requirement of Israeli access to SU30MKI radar , it is handled by Indians solely.

Integration and certification is done by Indians both SW and HW if required , Israelis will limit themselves with their own system at their end to ensure compatibility as per requirements within the restricted need to know limits , rest will be handled by the Indians including the sensitive ones.

PauloSollo
Visitante

Este buscador do R-77 se parece com as placas de circuitos eletrônicos de equipamentos dos anos 70. Será que tem alguma válvula escondida alí dentro? Rs…

nonato
Visitante
nonato

Não. Só transistores, capacitores, resistores, bobinas, potenciômetros.
E circuitos integrados amplificadores de RF, osciloscópios, reatores de impedância variável…

Oséias
Visitante
Oséias

Como dizem, não se deve colocar todos os ovos na mesma cesta. Mesmo que o missíl russo seja pior que o Aim-120 e o Meteor, os indianos precisam variar os fornecedores. A FAB, guardada as devidas proporções, também deveria ter um segundo BVR para o gripen, israelense ou em parceria com os sul africanos, para não ficar nas mãos de um só fornecedor.

Davi
Visitante
Davi

Acho que a segunda opção será o A Darter

JT8D
Visitante
JT8D

O A Darter não é BVR

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

O A-Darter é WVR e a FAB já tem o a segunda opção para ele, na forma do Diehl IRIST-T, um excelente míssil WVR, que coloco entre os três melhores do mercado, ao lado do R73 russo e do AIM9X americano. Como segunda opção ao MBDA Meteor, como arma BVR, eu colocaria o i-Derby, ou Derby ER, versão mais avançada do Derby que a FAB usa. Só que, enquanto o atual Derby tem alcance na faixa de 50km, o i-Derby chega aos 100km.

RENAN
Visitante
RENAN

Sei que não tem como comparar o meteor a está compra mas em termos de capacidade de sustentar treinamento e volume de surtidas em uma guerra onde a economia pesa muito para definir o vendedor
Vamos aos preços.

100 meteor= 200M€ *4,31= 862MR$ / 100 = 8,62 milhões de reais por míssel.

700 mísseis russos= 700M$*3,85= 2695MR$/700= 3,85 milhões de reais por míssel.

Espero que a FAB compre mísseis mais baratos para com bate próximo a 80 km e mísseis ainda mais baratos para combates de 30 a 50Km.

JPC3
Visitante
JPC3

Colocar R-73 e Meteor na mesma comparação é complicado.

nonato
Visitante
nonato

Mesmo assim está muito caro.
Cobrar um milhão de dólares por um Tomahawk com 1.000 km de alcance tudo bem, mas por um pequeno míssil ar-ar, que já é disparado em alta velocidade.
Mísseis ar ar costumam ser muito baratos em comparação a mísseis de cruzeiro.
Tanto é que mísseis ar ar existem aos milhares, diferentes de mísseis de cruzeiro que poucos países têm.

Bosco
Visitante
Bosco
RENAN
Visitante
RENAN

Obrigado pelo POST mas você acredita que um míssel seja efetivo lançado a 300 ou 400 km de distância?

Eu duvido

nonato
Visitante
nonato

Por que não seria?
Para mim a única diferença é ter um tanque maior para voar mais distante.
Quanto a atingir o alvo acredito que seja guiado pelo awacs ou pelo radar do próprio míssil, não há porque não atingir.
E se a velocidade for elevada fica mais difícil o alvo se evadir.

Bosco
Visitante
Bosco

Nonato, Um míssil ar-ar , mesmo esses grandalhões, tem um seeker de curto alcance. Ele tem que se aproximar muito do alvo para trancar seu seeker radar nele. Sendo muito otimista, um míssil ar-ar com 400 km de alcance teria que chegar a cerca de 30 a 40 km para poder trancar num alvo do tamanho de um AWACS, que se move a 900 km/h. E mesmo que um míssil desses atinja Mach 5 ou 6 (2 km/s) essa velocidade ocorre nos segundos iniciais quando ele sobe para grandes altitudes implementando uma trajetória parabólica onde é guiado por um sistema… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Renan, Pois é! A gente fica na dúvida. Os mesmo que desacreditam nos stealths americanos e na prevalência do combate BVR e acham que tudo se resolve com caças supermanobráveis com mísseis de curto alcance e dogfight com canhões são os que se inebriam com esses super mísseis ar-ar russos. Criticam o Amraam que em combate real a no máximo a 50 km teve rendimento de 80% contra caças que não tinham ECM mas acreditam piamente que esses mísseis lograrão êxito contra um AWACS (escoltado por caças) a 400 km de distância num voo que demora mais de 8 minutos… Read more »

RENAN
Visitante
RENAN

Bosco exatamente
É muito tempo para traça medidas contra o agressor e seu míssel.
Tem milhares de ações que podem ser tomadas.

Resumindo
Se for um alvo estático em terra ou no mar concordo que o míssel terá êxito.
Agora , um alvo que se mova a 900 km/h é ruim de ter 20% de sucesso

Nostra
Visitante
Nostra

My sources tell me Indians have opted for the K77M 200 km range AESA seeker based BVRAAM.

I cannot verify it though

Anyways yesterday IAF had flight tested a new Russian AAM from SU30MKI, though they did not mention which one.