Home Acidente Aéreo A invisível corrida pelos destroços do F-35A japonês

A invisível corrida pelos destroços do F-35A japonês

17437
85
Primeiro F-35A do Japão, entregue em 5 de junho de 2017 em Nagoya, fabricado pela Mitsubishi Heavy Industries (MHI)

Sérgio Santana*

Às 19:27h (horário local) da noite de 9 de abril o Lockheed Martin F-35A Lightning II número de série 79-8705 e número de construção AX-05 e orgânico do 302 Hikotai (esquadrão) da Força Aérea de Autodefesa japonesa perdeu contato com o controle de tráfego aéreo da Base Aérea de Misawa de onde havia decolado 28 minutos antes instantes antes como parte de uma formação de 4 F-35A para um voo de instrução noturna.

O piloto, cuja identidade permanece em sigilo possui 3.200 horas de voo e apenas 60 horas de experiência F-35A e emitiu um sinal de emergência na frequência 243MHz, a frequência militar de emergência. A aeronave acumulava 280 horas de voo.

A perda da aeronave foi oficialmente admitida três minutos depois, sendo a partir de então desencadeada uma ampla operação de busca e salvamento, da qual participaram duas aeronaves U-125 (versão do jato civil BAe 125), três helicópteros H-60 Blackhawk (dois UH-60J e um SH-60J) e um P-3C Orion, todas japonesas, além de diversos navios da Força Marítima de Auto Defesa do Japão junto com um destroier de misseis guiados, o USS Stethem (DDG-63). Uma aeronave de patrulha naval Boeing P-8 Poseidon da Marinha norte-americana e até mesmo um bombardeiro estratégico B-52H Stratofortress participaram das buscas, que tiveram como foco uma área a 135km da costa leste da localidade de Aomori.

Apesar de terem ocorrido em alto mar e à noite as operações de busca logo deram resultado: decorridas algumas horas do seu início foi anunciada oficialmente a descoberta de destroços associados à aeronave, embora ainda não existam (ao menos oficialmente) informações sobre o seu piloto. Consta que a área em que os destroços estão localizados tem uma profundidade pouco superior a 1.5km.

O achado põe fim não apenas às especulações dignas de ficção, como a de que o F-35 sinistrado tinha sido levado por um desertor para a Rússia ou China, mas também às operações russas e chinesas por encontrar qualquer parte da aeronave. Operações estas que, embora pouco detalhadas por ora, foram deflagradas mesmo antes que autoridades japonesas relacionadas à Defesa assumissem oficialmente a queda do F-35A visto que o voo de nada menos que quatro dessas aeronaves em missão de instrução noturna por si só fatalmente provoca o interesse da inteligência das duas nações.

Esta corrida por si só já explica o desempenho notável – para dizer o mínimo – das forças de busca e salvamento japonesas e estadunidenses para encontrar qualquer destroço da aeronave, mesmo em condições de alto mar e à noite, que então estava apenas começando. E antes das forças de busca dos países já mencionados.

A história da Guerra Fria registra um episódio semelhante: o abate do voo KAL 007 pelo então Major Gennadi Osipovich em setembro de 1983, que a bordo do interceptador Sukhoi Su-15TM “Flagon-F” disparou dois mísseis ar-ar Kaliningrad K-8/R-8 (denominados AA-3 “Anab” pela OTAN) contra um Boeing 747-230B, pondo fim às vidas de 269 passageiros e tripulantes. Assim que o abate foi confirmado, iniciou-se uma corrida para encontrar os gravadores de voo e dados (popularmente conhecidos como caixas-pretas, embora sejam vermelhas), bem como destroços do Jumbo. Buscas essas que à época evoluíram para escaramuças entre aeronaves soviéticas, norte-americanas e japonesas, que perduraram até o ano seguinte.

Talvez estejamos vivendo tempos semelhantes.


*Bacharel em Ciências Aeronáuticas (Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL). Pesquisador do Núcleo de Estudos Sociedade, Segurança e Cidadania (NESC-UNISUL). Pós-graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG). Autor de livros sobre aeronaves de Inteligência/Vigilância/Reconhecimento. Único colaborador brasileiro regular da Shephard Media, referência em Inteligência de Defesa.

Subscribe
Notify of
guest
85 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Artur Castro
Artur Castro
1 ano atrás

Tanto tempo depois de procurado, não tê-lo achado ainda, em oceano aberto… muito triste. Que Deus conforte a família.

Quanto ao F-35, sei que é uma aeronave MUITO produzida, em diversas versões e que é normal haverem acidentes (aliás, há muitos vôos). Mas a taxa não está muito elevada não? Não faz nem 6 meses de diferença entre uma (nos EUA) e a outra.

JPC3
JPC3
Reply to  Artur Castro
1 ano atrás

Primeiro tem que saber o que aconteceu. A taxa parece alta, mas é menor que de outros caças famosos que existem hoje em operação.

Kemen
Kemen
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Para termos uma idéia, acredito que teriamos que comparar: por modelo de aeronave, ((somatorio de todos os tempos de vôo de todas as aeronaves do modelo divididos pelo numero de aeronaves (tempo medio de vôo do modelo) comparando com o número de acidentes desse modelo de aeronave)), a relação correta seria essa, intuitivamente por não dispormos desses dados, os F-35 não devem ter muitas horas de vôo, por exemplo, se comparados com F-16 / F-18 / Eurofigther e outros, o numero de horas de vôo dos F-35 dividido pelo numero de aeronaves, deve ser muito pequena.

JPC3
JPC3
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Mas até chegarem as primeiras 140.000 horas de voo em que o F-35 se encontra hoje, outras aeronaves tiveram diversas perdas. De alguns modelos caíram 3 ou 4 unidades mesmo antes deles entrarem em produção. O F-16, por exemplo, teve muitos acidentes, fizeram até um filme sobre as viúvas dos pilotos lutando na justiça.

nereu
nereu
Reply to  JPC3
1 ano atrás

“menor” tipo o F16 ???? aham entendemos……

JPC3
JPC3
Reply to  nereu
1 ano atrás

Não parece…

É que eu não quis falar dos três ou quatro Mig-29 que caíram antes de iniciar a produção.

Denis
Denis
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Antes de iniciar a produção não conta: é protótipo.

Chris
Chris
Reply to  Artur Castro
1 ano atrás

Aqui na imprensa japonesa comenta-se que o piloto tinha 40 anos e que pode não ter conseguido se ejetar.

pangloss
pangloss
1 ano atrás

Creio que há significativas diferenças entre o caso do vôo KAL 007 e o episódio atual.
O local do abate do 747 coreano fica no espaço aéreo da Rússia (então URSS), e o local da perda do F-35 fica a leste do arquipélago japonês, distante de Rússia, China e Coreia do Norte.
Outro diferencial é que, na época do abate do 747, estávamos durante a Guerra Fria, sob tensões bem mais intensas do que as atuais.

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  pangloss
1 ano atrás

pangloss, o local da queda do KAL 007 não impediu que os EUA e os aliados na área buscassem os gravadores e destroços do 747. Há imagens e vídeos disso por aí…Sobre tensões menos intensas hoje, eu diria que estão diferenciadas…

Jacinto
Jacinto
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Na época, a marinha dos EUA tinha muita experiência em localizar e recuperar objetos no fundo do mar. Alguns submarinos, como o USS Parche, eram especialmente modificados para este tipo de missão e consta que os EUA costumavam recolher destroços de misseis soviéticos do fundo do mar de Okhotsk.

Mauricio R.
Reply to  Jacinto
1 ano atrás

Blindman’s Bluff

Claudio Melo
Claudio Melo
Reply to  Mauricio R.
1 ano atrás

I have this book.

Sergio
Sergio
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Perfeito Sérgio. Hoje aquela região é muito mais tensa que 30 anos atrás. As preocupações hoje são maiores e diferentes. Os atores continuam, o poder destes mudou muito, principalmente Coréia do Norte e China.

Sérgio
Sérgio
Reply to  pangloss
1 ano atrás

As tensões hoje na região são muito maiores que na guerra fria. O fato do abate do 747 da Korean ter se dado sobre território russo não se justifica, pois o piloto russo sabia que era uma aeronave civil, pior, comercial e o que os russos fizeram foi um ato de assassinato de pessoas inocentes. Geograficamente falando, a província japonesa de Aomori é a província mais ao norte da Ilha principal do arquipélago, logo ao sul de Hokkaido.

HSJ
HSJ
Reply to  Sérgio
1 ano atrás

Para o ataque ao vôo 007 da Korean Airlines, em 1983, não há desculpa. Isto posto, deve-se lembrar do RC-135 da USAF que, simulando uma aeronave comercial em vôo naquela rota padrão, invadiu o espaço aéreo soviético algumas horas antes. Não há mocinhos nesta história. Naquela época o planeta todo estava à sombra do apocalipse, tudo por causa da queda de braço entre os donos do mundo.

Charles Mattioda
Charles Mattioda
1 ano atrás

Boa tarde senhores.
Realmente voltamos a guerra fria com novos players no mundo.
Senhores todo projeto demanda de um tempo de amadurecimento mas os F35 quando vai melhorar a reputação ?
Vida do piloto, só por um milagre de Deus.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Charles Mattioda
1 ano atrás

Sim voltamos a guerra fria só que novos players. Mas lembro que isso foi provocado pelo próprios EUA que começaram a movimentar a OTAN para as portas da Rússia. A Rússia reagiu estupidamente à pressão dos EUA e eles se fazendo de santinho colocou sanções na Rússia de novo. A Rússia tava certo quando invadiu a Criméia? Como eu disse agiu de modo estupido. Agora vemos o que vemos hoje.

André
André
1 ano atrás

É sério que alguém considerou a possibilidade de um piloto japonês ter desertado para a Rússia ou para a China??

Essa deve ter sido uma consideração divulgada pela Tass….

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  André
1 ano atrás

André, eu vi isso aqui ontem no Poder Aéreo…

André
André
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Sérgio, como todo o respeito, mas deve ter sido alguém que comeu cogumelos estragados.

É muito diferente um espião conseguir informações relevantes, como o caso citado pelo Jacinto, de um piloto japonês, altamente treinado e selecionado, desertar para a China ou para a Rússia.

Nem um nem outro pode alguma coisa que esse piloto não teria no Japão, sem contar as desavenças históricas do Japão com os dois países. É tão absurdo que já mostrou falso, em menos de 24h.

Nem o Antôniokings considerou isso provável e você usa em seu artigo…

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  André
1 ano atrás

André, veja que eu escrevi: “O achado põe fim não apenas às especulações dignas de ficção, como a de que o F-35 sinistrado tinha sido levado por um desertor para a Rússia ou China”. Veja o que você escreveu: “Nem um nem outro pode alguma coisa que esse piloto não teria no Japão, sem contar as desavenças históricas do Japão com os dois países.” O fato de Rússia e China terem desavenças com o Japão não impediria que um desertor sumisse com o F-35 pro Japão. Viktor Belenko, com o MiG-25 em 1976, fugiu pro Japão. E Aleksandr Zuyev, com… Read more »

André
André
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

O principal ponto que fez essa história de deserção ser absurda é o fato de um piloto de um país com um dos maiores IDHs do mundo, um dos melhores sistemas politico-sociais da atualidade, desertar para dois países mais atrasados socialmente.

Desculpe mas esse caso não se compara em nada ao de dois pilotos vivendo em uma das mais cruéis ditaduras do séc XX, em um império em pleno declínio.

Mas tudo bem, um comentário de um qualquer (me incluo no grupo) em um fórum e digno de nota. Os resultados mostraram isso …

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  André
1 ano atrás

André, Kim Philby era do MI6, educado em Cambridge e desertou pra URSS…

marcelo baptista
marcelo baptista
Reply to  André
1 ano atrás

André, isto não tem nada haver com o IDH dos países, ou se são ditaduras em declínio. Tem haver com dinheiro e o caráter da pessoa. Devemos sempre lembrar que tudo se resume a money. A Coreia do Norte é um lixo, mas pagam uma baba para engenheiros e cientistas estrangeiros trabalharem lá no projeto nuclear deles.

Victor F.
Victor F.
Reply to  André
1 ano atrás

Cara, acontece que hoje em dia há quem defenda até o Maduro. Não duvido nada que alguém com tal convicção ideológica não pudesse tomar uma atitude dessas. Uma das coisas que já aprendi nessa vida é que não se pode descartar nenhuma hipótese até ela ser abatida.

Mauro Cambuquira
Reply to  André
1 ano atrás

Com o novo Ministro da Educação, o Bolso disse que as novas gerações terão melhora na interpretação de texto, tá OK!
Perdão, não podia perder a piada! Tá OK!
Só descontração!
Que o piloto seja encontrado bem de saúde!

André
André
Reply to  Mauro Cambuquira
1 ano atrás

Mauro, vamos torcer para que haja aulas de história também.

JPC3
JPC3
Reply to  André
1 ano atrás

Consideram, mas é pouco provável além da China ficar do outro lado do Japão.

Qualquer coisa para ganhar likes.

Fila
Fila
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Ganhando likes ou não, é uma hipótese factível e seria ingênuo descartar antes de achar a aeronave

Rui Chapéu
Rui Chapéu
Reply to  André
1 ano atrás

A primeira coisa que me veio na cabeça foi isso.

Até pq um japonês no meio de um monte de chinês dá pra se esconder facinho! aeoiheaioe

E pensa na bolada que um cara desses ganharia….

marcelo baptista
marcelo baptista
Reply to  Rui Chapéu
1 ano atrás

É isto Rui, normalmente o pessoal acha que um traidor faz isto por ideologia, não, nunca, sempre será por dinheiro.

Jacinto
Jacinto
Reply to  marcelo baptista
1 ano atrás

Depende. Um dos principais espiões da Guerra Fria (espionava a URSS em favor dos EUA) foi General Dmitri Polyakov. Não aceitava dinheiro, só umas bugigangas como ferramentas elétricas da black & Decker (nem para ser makita) que ele usava por ser um carpinteiro amador. Acabou executado.

Pangloss
Pangloss
Reply to  Rui Chapéu
1 ano atrás

Olha, recentemente o Estado policial chinês divulgou que conseguiu prender um foragido da justiça, em meio a 50.000 outros chineses, durante um show de rock, onde o sujeito achava que conseguiria ficar incógnito, em meio a tantos “gêmeos univitelinos”.
A polícia usou programas de reconhecimento facial.
Orwell estava certo. 2019 é “1984”.

Sergio
Sergio
Reply to  Pangloss
1 ano atrás

Vivi de 1995 a 2002 no Japão, em Yonezawa, Niigata e Shizuoka. Depois que tu acostuma lá, se consegue diferenciar chineses, jjaponeses e coreanos pelo rosto. Podem parecer muito iguais aqui, mas são de fato extremamente diferentes.

André Sávio Craveiro Bueno
André Sávio Craveiro Bueno
Reply to  André
1 ano atrás

Li certa vez, possivelmente aqui mesmo no Poder Aéreo, que os EUA não consideravam fornecer um material bélico, não me lembro qual, talvez o F-22, por conta de japoneses [também não me lembro se militares ou funcionários de empresas] terem entregue alguma informação para Rússia ou China. Lembro de algo mas está nebuloso na minha mente. Todavia, mesmo se o que escrevi está correto, soa esquisito por conta dos EUA compartilharem o F-35 com o Japão. Por fim, sempre haverá a possibilidade de pessoas de um dado país quererem fornecer informação sigilosa para outro país adversário, seja por conta de… Read more »

Jacinto
Jacinto
Reply to  André Sávio Craveiro Bueno
1 ano atrás

Andre
Os soviéticos descobriram, a partir de uma rede de espiões formada por John Anthony Walker, que os americanos conseguiam rastrear os submarinos soviéticos em virtude da cavitação gerada pelas hélices. Na época os soviéticos tinham dificuldades em usinar as hélices com a precisão necessária para eliminar/reduzir a cavitação e aí a Toshiba vendeu aos soviéticos equipamentos de alta precisão com os quais os soviéticos conseguiram reduzir significativamente o ruído de seus submarinos. Isso ocorreu em 1983.

André Sávio Craveiro Bueno
André Sávio Craveiro Bueno
Reply to  Jacinto
1 ano atrás

Obrigado, deve ter sido essa a informação que pensei.

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  Jacinto
1 ano atrás

Jacinto, dois fatos curiosos sobre o episódio envolvendo o espião da US Navy que você mencionou: ele atraiu o irmão e o filho (também da Marinha norte-americana) para a espionagem. E todos foram denunciados pela esposa dele, numa bebedeira…

Jacinto
Jacinto
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Sim. A chamada “Walker spy ring” foi desastrosa para os EUA porque ele fornecia à URSS os códigos de comunicação da Marinha dos EUA. Juntamente com os equipamentos de criptografia que os soviéticos obtiveram junto ao norte coreanos após o incidente do USS Pueblo, os soviéticos conseguiam ler parte das comunicações da Marinha dos EUA. Há, inclusive, a suspeita de que todo o incidente USS Pueblo foi especificamente armado pelos soviéticos em parceria com os norte coreanos para obter estes equipamentos de criptografia.

Phacsantos
Phacsantos
1 ano atrás

“Operações estas que, embora pouco detalhadas por ora, foram deflagradas mesmo antes que autoridades japonesas relacionadas à Defesa assumissem oficialmente a queda do F-35A visto que o voo de nada menos que quatro dessas aeronaves em missão de instrução noturna por si só fatalmente provoca o interesse da inteligência das duas nações.”

Como China e Russia sabiam que 4 F-35 (Stealth) estavam em missão?

Maia
Maia
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Acho que diz respeito a buscas feitas pelo próprio Japão, ou seja, antes mesmo de divulgar oficialmente a queda, já estavam procurando. Em relação à Russia e China, todos partem do pressuposto que nações rivais detém informações sigilosas, esse é um princípio da inteligência, prepara-se para o pior sempre e espera-se o melhor.

Phacsantos
Phacsantos
Reply to  Maia
1 ano atrás

Não! O autor refere-se à China e Rússia:
“…,mas também às operações russas e chinesas por encontrar qualquer parte da aeronave. “

Maia
Maia
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Certo, mas quando diz “mas também” significa dizer que o Japão teria iniciado as buscas. Só o fato de uma operação SAR (sobretudo noturna) iniciar-se, chama a atenção de outros países, principalmente lá onde qualquer movimentação não usual é rapidamente detectada.

Phacsantos
Phacsantos
Reply to  Maia
1 ano atrás

Você está equivocado. Por favor, leia todo o parágrafo. “Mas também” está fazendo referência à teoria de que o piloto teria desertado. Interpretação básica de texto.

Enfim, aguardo um especialista dizer se é possível saber por onde voam os F-35 dos outros…

Maia
Maia
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Tens razão. Três minutos depois do desaparecimento, o Japão, antes mesmo de assumir publicamente, inicia as buscas. Ou seja, foram os primeiros. O achado (destroços), põem fim tanto às especulações de deserção como também encerram as operações de buscas de destroços por parte da China e da Rússia. Errei na interpretação.

Maia
Maia
Reply to  Maia
1 ano atrás

Em relação à inteligência, mantenho a posição, só o fato de haver uma decolagem já desencadeia monitoramento por parte de outros Estados. Espiões é o que não deve faltar.

Maia
Maia
Reply to  Maia
1 ano atrás

*espião.

Kavi kove
Kavi kove
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Na de colagem o F35 é detectável, pós de colagem não. Dai se deduz que foi um F35 que decolou! Voltando a ser detectado a partir do momento que inicia seus ataques. Mas potência como a Rússia, sendo possível que pode detectar o F35 em voo, visto que dispõe de material do F117 ou é F111 de qual o F35 Foi projetado que fou abatido na youguslavia em 1998.
Por isso se tem evitado voos dos F35 em zonas cbertas pelos S300 na siria. É minha analise!.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Não sabiam!

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Phacsantos, sério que você duvida que a partir do momento em que o F-35 foi incorporado à JASDF ele tem sido monitorado de perto ?

Fila
Fila
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Os stealth não operam “invisíveis” o tempo todo. Eles possuem um dispositivo, cujo nome não me lembro, que aumenta o RCS e os torna visíveis. Querer ser visto pelos radares tem várias utilidades, inclusive para fins de segurança da tripulação e para operar em exercícios e demonstrações no exterior sem que os anfitriões fiquem pesquisando uma forma de burlar a tecnologia.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Fila
1 ano atrás

Não sei se no F35, F22 ou era o F-117 na qual eles parafusavam pequenas estruturas no corpo do avião, afim de facilitar aparecer no radar

Jacinto
Jacinto
Reply to  carvalho2008
1 ano atrás

E um dispositivo chamado Luneburg lens. Ele aumenta o RCS de forma quase exponencial.

Phacsantos
Phacsantos
Reply to  Fila
1 ano atrás

Era ISSO que eu queria saber! Valeu

Humberto
Humberto
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Sim é possível que os Chineses, Coreanos (principalmente do Sul), Russos saibam exatamente quando os aviões saem das suas bases, pois é só colocar gente verificando (perto dos aeroportos) as decolagens. Mas dai dizer que foram para qual destino beira a ilação (que não foi o caso). Particularmente não acredito que estejam fazendo isto, mas que é possível, é sim. Existe várias reportagens deste procedimento nas guerras das Malvinas, militares (entre outros) observavam a decolagem dos aviões, tentando verificar os armamentos e tanques de combustíveis que os mesmos estavam levando. Isto tomou muito mais importância depois do afundamento do Shefield.… Read more »

Sergio
Sergio
Reply to  Phacsantos
1 ano atrás

Não sabiam. Iriam saber a partir da divulgação do acidente.

teropode
1 ano atrás

Falta de ar senhores , o F35 matou o primeiro piloto sufocado.

JPC3
JPC3
Reply to  teropode
1 ano atrás

Sério?

Possivelmente não, a matéria diz que ele emitiu um sinal de emergência. Aparentemente estava consciente quando os problemas começaram.

JPC3
JPC3
Reply to  teropode
1 ano atrás

Nem o Kings largou essa….

Pangloss
Pangloss
Reply to  JPC3
1 ano atrás

O Kings vai dizer que o F-35 japonês foi abatido por um MiG-15 nortecoreano. A canhão.

JPC3
JPC3
Reply to  Pangloss
1 ano atrás

Errou os mísseis e depois perdeu no Dogfight…..

FERNANDO
FERNANDO
1 ano atrás

Eles já sabem o que ocorreu!!
O que eles querem é achar os destroços, pq, senão a correnteza leva tudo para CHINA!!
hahahha

JPC3
JPC3
1 ano atrás

Tudo indica?

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Sim, pois até eu ter certeza, possa ser que seja mais algum boato.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 ano atrás

Vamos aguardar as investigações e quem sabe o conteúdo possa ser divulgado.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
1 ano atrás

Eu já vi no Sputnik, por isso eu falei “tudo indica”. kkk

André Sávio Craveiro Bueno
André Sávio Craveiro Bueno
Reply to  DOUGLAS TARGINO
1 ano atrás

Sim, barbas de molho…

Jonildo
Jonildo
1 ano atrás

Acho que o F35 ainda tem muito a provar. São muitos problemas associados a esse caça, que deveria ser barato e está entre os mais caros; tanto quanto à aquisição como, principalmente, à manutenção.

JPC3
JPC3
Reply to  Jonildo
1 ano atrás

Sim tem muito a provar, mas outros também porque só são usados contra terroristas sem defesa ou países de terceiro mundo.

Quanto a ser barato não está muito longe, a manutenção sim é caríssima.

Fica difícil comparar com aviões feitos na Rússia, em rublos e com mão de obra russa. Se o Su-35 fosse fabricado nos EUA ou na Europa custaria muito mais que os 60 milhões que custa hoje.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Jonildo
1 ano atrás

Nos explique, por favor, por que um avião furtivo com enorme tecnologia embarcada e um motor de 190kn “deveria ser barato”.

Victor Filipe
Victor Filipe
1 ano atrás

caso tenha caido eu acho mais fácil ele ter caído por uma falha estrutural catastrófica kkkk

Leandro Costa
Leandro Costa
1 ano atrás

Jimmy Carter deve estar indo para lá…

Leonardo
Leonardo
1 ano atrás

Todo boato tem um fundo de verdade e rapidez em tê-lo encontrado um caça com baixa assinatura de radar e além do mais ao fundo de um oceano me induz supor em possível abate intencional, visto que se o piloto quis sair fora do plano de vôo previsto… Já deve existir algum protocolo nesse sentido, até pq isso já aconteceu no passado… Ou até mesmo já exista algum dispositivo eletrônico nesse sentido do piloto perder o controle manual do caça.. melhor deixar um cair doque entregar o ouro pro bandido.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

A aeronave que caiu era fabricada nos Estados Unidos ou no Japão?

Kavi kove
Kavi kove
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Nos EUA!

Ademir
Ademir
1 ano atrás

Com certeza deve ter o ocorrido um probleminha no Gicle…

Bispo
Bispo
1 ano atrás

Quanto será que vale um “pedacinho”do F-35 no …”mercado livre”… 3:)

Obviamente em algum momento alguma parte chegara as praias…resta saber se chinesa..russa..filipina…havaiana…rs

Jacinto
Jacinto
Reply to  Bispo
1 ano atrás

Ali atua a corrente Kuroshio, que vai em direção aos EUA.

Alex
Alex
1 ano atrás

Por que a China iria procurar destroços do F-35? Veja os caças chineses de ultima geração. São copias dos aviões americanos. Pra que destroços se a China espiona os americanos?

Marcos
Marcos
1 ano atrás

Lembro de caso semelhante ocorrido com um F-14 que caiu de um porta aviões no auge da guerra fria e que a Russia estava seguindo a esquadra americana e houve um jogo de xadrez incrível para ver quem botava a mão primeiro no F-14. História sensacional.

Sergio
Sergio
1 ano atrás

Os gravadores de dados e voz são vermelhos? Desde quando?

Material Arquivo
Material Arquivo
1 ano atrás

O pessoal aqui da página, pessoal anti-ocidente, anti-conservadores, anti-usa e anti-Brasil aqui no forum, os antonios kings da vida, pessoal que sempre fala mal do F-35, falam mal do Brasil e babam ovo para estrangeiros (especialmente russos e chineses), precisam me responder o porquê de russos, chineses e companhia correrem atrás dos destroços de um caça TÃO RUIM! Até ontem esse caça era uma porcaria, caiu um deles e todos foram atrás das sobras!!!

Josué Trindade
Josué Trindade
1 ano atrás

Blefe. Não encontraram ainda. Isso é uma tentativa de dissuadir Russia e China de botarem a mão nos destroços e avisar que estão antenados na questão. Mas nem precisava, já que esses países não tem tecnologias para recuperação discreta, mas guindastes do tamanho de ginásios.