Home Aviação de Ataque Itália pode parar pedidos do F-35 em 13 aeronaves

Itália pode parar pedidos do F-35 em 13 aeronaves

6377
43
F-35 italiano
F-35 italiano

Giovanni de Briganti

PARIS – Se continuar com sua decisão de não comprar mais caças Lockheed F-35, a Itália poderá economizar até US$ 13 bilhões que poderia usar, como a Alemanha, para comprar Eurofighters adicionais para substituir sua aeronave de ataque Tornado e ainda teria dinheiro sobrando para gastar nos programas de bem-estar que são a prioridade de seu novo governo.

Elisabetta Trenta, a nova ministra da Defesa que tomou posse em junho, disse durante uma entrevista transmitida pela televisão “La 7” (em italiano) em 6 de julho que “Certamente, não compraremos mais F-35s – posso garantir que e estou enfatizando isso agora porque algumas pessoas escreveram o contrário”.

No entanto, Trenta também disse que a Itália estava “avaliando o que fazer em relação aos contratos já em vigor” e avaliando se deve manter suas encomendas ou esticá-las por um período mais longo. A Itália avaliará os benefícios do programa em termos de tecnologia, emprego e rotatividade antes de chegar a uma decisão, “porque pode nos custar mais para cancelar do que continuar”.

Contradição ou mal-entendido?

De fato, nenhuma penalidade é devida se a Itália deixar de encomendar o F-35 e, além disso, já recebeu dez dos doze F-35 que encomendou, e os outros dois seguirão durante o segundo tempo. Uma 13ª aeronave, encomendada como parte do lote 11, deve ser entregue em 2019.

A aparente contradição entre a garantia da ministra de que a Itália não encomendaria mais F-35s e sua declaração de que iria avaliar se manteria ou cancelaria pedidos existentes provavelmente se deve a uma má compreensão da situação contratual, especulou uma fonte sênior em 13 de julho, “porque não há outra explicação”.

O governo anterior planejou encomendar 17 F-35 adicionais entre 2020 e 2022, aumentando seu total para 28, e os incluiu em seu planejamento plurianual de DDP. Isso provavelmente levou Trenta a erroneamente supor que eles já haviam sido encomendados, disse a fonte.

Solicitado a esclarecer essa aparente contradição, o Ministério da Defesa italiano não pôde responder em nosso prazo.

Também não está claro se a Itália perderia muitos negócios se parasse de comprar F-35s. A Leonardo, a principal fornecedora italiana do programa F-35, tem contratos firmes para produzir 835 conjuntos de asa e montar 29 aeronaves F-35A para a Holanda, disse um porta-voz da empresa em 16 de julho, bem como para manutenção e suporte dos F-35A pertencentes aos operadores europeus.

A primeira aeronave chegou para manutenção no mês passado na Final Assembly and Check-Out (FACO) operada pela empresa em Cameri, perto de Milão, onde todas as suas atividades relacionadas ao F-35 estão concentradas, disse ele.

A Itália e os parceiros estrangeiros não têm obrigação de continuar

Este é um momento particularmente favorável para a Itália – ou qualquer outro parceiro – sair do programa, uma vez que o compromisso de pagar uma parte dos custos do programa irá expirar no final da fase de Desenvolvimento e Demonstração de Sistemas (SDD), atualmente planejada para final de 2019.

A fase de testes de voo do SDD já terminou, como anunciado no dia 12 de abril, e o programa deve agora concluir sua fase inicial de testes operacionais e avaliação (IOT&E), que deve começar em setembro e terminar no final de 2019.

A Itália ainda não assinou contrato para o Desenvolvimento e Entrega Continuada de Recursos Contínuos (C2D2, anteriormente conhecido como desenvolvimento Block 4) e não tem obrigação de fazê-lo. Nenhuma nação tem qualquer obrigação de encomendar qualquer aeronave adicional.

Encomendas estrangeiras atrasadas

Em meados de junho, os parceiros estrangeiros haviam encomendado apenas uma pequena parte de suas compras planejadas. Em vez das centenas de aeronaves que a Lockheed sugere já terem sido encomendadas, após 17 anos as sete nações parceiras encomendaram apenas 49 aeronaves, ou menos de 14% das 359 aeronaves F-35 encomendadas até o momento.

Outros 32 deverão ser encomendados pelos países parceiros no Lote 11, que também inclui 22 para os três clientes do FMS, conforme detalhado nesta tabela:

Partilha de trabalho em atraso

Quanto ao desempenho e custos do F-35, a Lockheed superestimou e entregou menos em termos de carga de trabalho para a indústria italiana. O governo italiano gastou quase 796 milhões de euros para construir a FACO da Cameri, que originalmente deveria fornecer pelo menos 1.800 empregos com altos salários, enquanto a Lockheed deveria conceder bilhões de euros em contratos de produção para empresas italianas.

Isso não aconteceu, no entanto, levando o chefe do sindicato italiano de defesa e indústria aeroespacial, AIAD, a reclamar que os EUA “não honraram as promessas” feitas desde que a Itália aderiu ao programa, prejudicando as firmas italianas, bem como ameaçando a carga de trabalho no centro F-35 MRO. Guido Crosetto disse ao Defense News que a Itália tinha a promessa de que seu negócio provavelmente atingiria cerca de 65% de seu investimento, mas que “hoje, estamos em menos de 20%”.

A nossa própria análise do trabalho do F-35 italiano encontrou um deficit entre um terço e metade comparado com as promessas iniciais feitas pela Lockheed e pelo JPO.

Compreensivelmente, a Lockheed começou a informar a mídia selecionada sobre os benefícios que a Itália supostamente recebeu do programa F-35.

Um funcionário anônimo da Lockheed Martin disse ao Jane’s em 12 de julho que, junto com seus parceiros, a empresa concedeu mais de 100 contratos para empresas italianas. “Até o momento, a indústria italiana garantiu US$ 1,8 bilhão em contratos de produção de F-35 e espera-se que ultrapasse US$ 9,9 bilhões ao longo da vida do programa. Além disso, a fabricação de motores resultou em US$ 45 milhões em contratos para empresas italianas, com um valor total do programa que deverá exceder US$ 4 bilhões”.

Esses números não podem ser verificados independentemente, e o fato de o funcionário da Lockheed permanecer anônimo lança algumas dúvidas sobre sua credibilidade.

As deficiências de compartilhamento de trabalho não são exclusivas da Itália. Em seu Relatório de Programas Majoritários de 2017, o Escritório Nacional de Auditoria da Austrália descobriu que, ao contrário do que os ministros afirmaram, “os benefícios econômicos esperados (retorno sobre o investimento, participação de mercado/participação regional) da Indústria Australiana no Programa JSF global não foram atingidos.”

Por outro lado, a Dinamarca, a Noruega e a Holanda parecem satisfeitas com o trabalho do F-35 que receberam, muitas vezes proporcionalmente mais do que o número de aquisições parece garantir. A Dinamarca, por exemplo, vem há anos recebendo contratos de produção de F-35, embora ainda não tenha encomendado nenhuma aeronave.

O primeiro F-35B produzido na FACO da Cameri, Itália. Foto: Aeronautica Militare/Lockheed Martin
O primeiro F-35B produzido na FACO da Cameri, Itália. Foto: Aeronautica Militare/Lockheed Martin

Contrato do Lote 11 muito atrasado

A partir de hoje, a Lockheed só recebeu pedidos para os primeiros dez lotes de Produção Inicial de Baixa Cadência (LRIP), ou lotes anuais. O contrato para o lote 11 está em negociação há quase um ano, já que o Pentágono se recusa a pagar o que a Lockheed solicita, e não é esperado antes do outono. O Pentágono anunciou no dia 15 de julho que havia concluído um “acordo de aperto de mãos” para o contrato do lote 11, mas não forneceu outros detalhes.

O programa F-35 não atingirá o Milestone C, que marca a transição para a produção com cadência total, até outubro de 2019, e, portanto, não pode legalmente receber um contrato plurianual. Para contornar este obstáculo legal, a Lockheed e o JPO inventaram o Block Buy Contract, que é um contrato plurianual com outro nome.

Usando esse “truque”, eles planejam conceder um único contrato cobrindo os Lotes 12, 13 e 14 e, assim, garantir pedidos para cerca de 440 aeronaves F-35, tanto para os Estados Unidos quanto para os operadoras estrangeiros. No entanto, isso requer a aprovação de parceiros estrangeiros, bem como do Congresso, que eles ainda não obtiveram.

Não é grande demais para falhar – ainda

A Lockheed Martin há anos tenta convencer o Congresso de que o programa do F-35 é grande demais para fracassar, mas esse não é o caso.

O programa só entregou sua 300ª aeronave em 11 de junho, de uma meta de produção atual de mais de 3.000 aeronaves: cerca de 2.450 para os Estados Unidos e, segundo a estimativa otimista da Lockheed, mais de 500 para parceiros estrangeiros e clientes de Vendas Militares Estrangeiras (FMS).

Mas as encomendas estrangeiras estão ficando para trás, já que os parceiros estrangeiros preferem esperar até que a Lockheed conserte as muitas falhas da aeronave, enquanto Israel declarou abertamente que compraria um esquadrão extra de F-15Is em vez de mais F-35s.

Essas falhas são numerosas, variadas e sérias.

Em 5 de junho, o Government Accountability Office (GAO) informou que “em janeiro de 2018, o programa F-35 tinha 966 deficiências em aberto — 111 categoria 1 e 855 categoria 2. Pelo menos 25 deficiências de categoria 1 e 165 de categoria 2 não ser resolvido antes da produção de cadência total. ”

O GAO define deficiências de Categoria 1 como “aquelas que poderiam colocar em risco a segurança, ou outro requisito crítico”, enquanto as deficiências de Categoria 2 são “aquelas que poderiam impedir ou restringir o sucesso da missão”. Em qualquer um dos casos, 966 falhas não resolvidas não são um bom sinal em um programa que quase completou seu desenvolvimento.

Também deve ser notado que, no mesmo relatório, o GAO informou que:

  • As 213 aeronaves que o programa já adquiriu e entregou precisarão de reformas para corrigir os problemas encontrados durante os testes;
  • Mais de 270 aeronaves foram identificadas como carecendo do “primer” necessário a partir de fevereiro de 2018, para o qual os reparos podem levar entre 30 a 40 dias por aeronave a um custo ainda a ser determinado;
  • Cada uma das 66 aeronaves entregues em 2017 exigiu, em média, 6.237 horas de trabalho para “substituição, retrabalho e reparo”, que deve ser pago extra.

FONTE: Defense-Aerospace.com

43
Deixe um comentário

avatar
23 Comment threads
20 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
Marcelo Silveira MichelucciAndreGustavotassiosRicardo da Silva Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Caramba estes países clientes retardando compras esperando o fabricante corrigir estas “poucas” falhas para continuar comprando as aeronaves sendo que aqui no PA tá cheio de especialistas dizendo que F35 é o supra sumo da aviação de caça. Estes clientes não entendem de nada.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Imagine se fosse o caso no Brasil. Você confiaria que o Ministro da Defesa e/ou Presidente tomasse alguma decisão baseada nas reais capacidades de determinado tipo de equipamento militar, ou você acha que ele estaria tomando essa decisão baseada em algum fator de pressão política ou popular acerca de algum tópico controverso? A Itália é bem parecida com o Brasil em determinados aspectos. Eles estão com um problemão político por lá e ao mesmo tempo tem que lidar com hordas e hordas de imigrantes vindos do norte da África e Oriente Médio. Garanto que a população não está contente em… Read more »

Augusto L
Visitante
Augusto L

Estão é esperando o custo do F-35 cair.
Agora 30 F-35 para a Itália, ta bom, não precisa de mais q isso.
Uma compra adicional de Typhoons pode substituir os Tornados.
Hoje a força aérea italiana, tem 77 Typhoons, 60 Tornados e 34 AMX e a marinha tem 14 Harriers. O que da, 187 aeronaves.
Acho que no futuro ter 120 Typhoons e 30 F-35, seria o ideal.

Everton Matheus
Visitante
Everton Matheus

Muitos F-35 foram vendidos no papel ou em “versão BETA”. Obviamente uma aeronave tão complexa precisaria de mais garantias e conforto financeiro que a Lockheed ainda não ofereceu. Mas muitos “ispicialistas” aqui condenam uma aeronave/projeto de preço exorbitante pelo fato de alguns clientes não pagarem o preço, mas a verdade só saberemos quando definitivamente entrar em batalha. Até o momento eu acredito que só Israel estreou seu fogo. O Mesmo vale para o SU-57. E e ao que tudo indica os clientes não estão reclamando TANTO do desempenho, mas sim do preço e dos problemas ainda não solucionados. Para saber… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

A Itália é pobre para padrões europeus. Vai se fiar em EF-2000 e F-35 caríssimos ?
A Itália precisa é de caças baratos, até para substituir os AMX. Como os F-16 que operou entre a saída do F-104 e a chegada dos EF-2000.
Mas como Trump anda agressivo com a UE, podem ficar de fora. Aliás, este pode ser um motivo não-declarado pela recusa do F-35.
.
Elisabetta Trenta é experiente em assuntos militares, mas pertence ao partido M5S, que é uma incógnita.
.
Se o número de encomendas do F-35 cair, aí que o custo não cai mesmo.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Delfim, a indústria militar da Itália é forte, se for analisar eles são donos ou parceiros em diversos projetos. Constroem porta-aviões, destróier, fragatas, submarinos, submarinos são parceiros no tornado, eurofighter, F-35, Alenia Aermacchi M-346 Master e tem a Leonardo (sócios em vários projetos: Telespazio (satélites), Thales Alenia Space , MBDA, Oto Melara, AgustaWestland , Alenia Aermacchi…grupo Iveco (blindados), Beretta (ARX1600. Ou seja, trabalham em diversas frentes, desde satélites até fuzis. Além disso o PIB é o 4 maior da Europa… Tendo essas empresas e projetos importantes, que geram empregos, receita e conhecimento, não faz muito sentido pensar pequeno (avião barato),… Read more »

Thiago
Visitante
Thiago

É exatamente o contrário a Itália é um dos países mais ricos da Europa, e foi justamente essa riqueza acumulada ( e o QE da Banca Central Européia) que permitiu ao país resistir tanto tempo nessas péssimas condições econômicas, aos ataques e especulações financeiras. Baseando-se sobre dados do Istat ( o IBGE italiano) os activos financeiros das famílias registrados pela Banca d’Italia , em 2016, foram 5,268 bilhões. Sem contar o imenso e patrimônio imobiliário cultural histórico artístico e arqueológico , incomparável, lembro que 80% dos italianos possuem um imóvel de propriedade. Outro dado interessante a fim de comparação para… Read more »

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Interessante! Eu acho que a Itália vai acabar ficando apenas com F-35 de decolagem vertical para os seus 2 navios multipropósito – mini porta-aviões (o cavour e outro que está sendo construído). Se for analisar esse avião é perfeito para esse tipo de embarcação, de resto a Itália da conta do recado com seus caças. O Cavour tem 8 AV-8 Harrier II, o navio multipropósito sendo construído possivelmente terá a mesma capacidade. Ou seja, 8+8 = 16 F-35 de pouso vertical, talvez mais uns 6 de reserva e modernização (caso algum caia) e 2 treinamento = 6 F-35 de pouso… Read more »

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

E queriam que o Brasil tivesse embarcado neste projeto…….
Viva o Gripen…

Thiago Telles
Visitante
Thiago Telles

Virou uma grande confusão de proporções épicas. E na esteira vem um custo difícil de carregar.

Antonio
Visitante
Antonio

Parece que a Europa está muito mais comedida em fazer gastos militares. Está todo mundo lá cortando o orçamento.
Exceto algumas compras marginais de Bulgária, Romênia e outros menos cotados.

Daniel Ricardo Alves
Visitante
Daniel Ricardo Alves

Acho que o grande problema desse avião é a falta de confiança. Os americanos prometeram muito e ainda não cumpriram, deixando todos os aliados e compradores com o “pé atrás”, esperando se eles realmente poderiam entregar o caça revolucionário que prometeram. Agora, se está difícil para os americanos que tem uma tecnologia “anos luz” à frente dos russos, imagina a dificuldade que eles estão passando para desenvolver o SU-57. Não é pra menos que adiaram o programa.

Everton Matheus
Visitante
Everton Matheus

Aproposito, vamos contextualizar com o cenário atual e lembrar que EUA e Europa vicem praticamente em uma Guerra Comercial.

Everton Matheus
Visitante
Everton Matheus

vivem ‘

Thiago Telles
Visitante
Thiago Telles

Trump vai voltar com europa. Ele nao tem escolha.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Isso não tem nada a ver com Trump, até porque os maiores partidos e figuras politicas italianas são favoráveis e próximas a Trump. Itália e EUA querem a volta da Rússia para o G8, andam votando junto em várias questões, ambos defendem controles comerciais e controle de fronteiras. Há fortes movimentos dentro da Itália para conter descontroles comerciais em relação a China, no mesmo caminho que nos EUA, curiosamente EUA e Itália vem tendo crescimentos maiores com essas políticas. Tudo é culpa do Trump, quando era Obama nada era culpa do Obama, o desemprego não era Obama, aumento de impostos,… Read more »

Thiago Telles
Visitante
Thiago Telles

Comentei sobre o comentário de q “eua e europa vivem praticamente uma guerra comercial”. Nao comentei nada sobre alinhamento italiano às ideias do trump. Tao pouco sobre obama.

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

Thiago 28 de julho de 2018 at 17:35
Desculpa se eu desvirtuei o seu comentário, realmente você não disse o que eu escrevi, eu que expandi o meu comentário. Abraço!

Gabriel
Visitante
Gabriel

Concordo totalmente com a decisão, a Itália está cheia de desempregados e com a economia capenga
portanto devem ter outra prioridade.

Gabriel Henrique

Antonio
Visitante
Antonio

Sem contar que não existe a menor perspectiva de começar alguma guerra que a Itália possa se envolver.
Se os EUA querem se meter em confusão, o problema é deles e não da OTAN.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Todos pensavam assim em 2010, ate em 2011 serem forcados a intervir na Líbia, e não me venham com lorotas que foi os EUA, isso ou aquilo, pq foi a França o pais que liderou a intervenção.
Sem contar que a Itália tem compromissos à defender com a Otan e UE, que os russos querem destruir.

Antonio
Visitante
Antonio

E ao que parece, foi uma intervenção desastrada, tendo em vista que todas as notícias vindas da Líbia dizem respeito a uma próxima vitória de um General aliado de Moscou.
Inclusive, existem relatos da possibilidade de construção de uma base russa lá.

https://www.dw.com/pt-br/depois-da-s%C3%ADria-a-l%C3%ADbia-r%C3%BAssia-amplia-presen%C3%A7a-no-oriente-m%C3%A9dio/a-37973488

Augusto L
Visitante
Augusto L

E dai se foi desastrada, o assunto não era esse.

Antonio
Visitante
Antonio

Nada. Só que ‘bem feito’. Talvez aprendam a não se meterem onde não foram chamados. E a Itália, sabiamente, quer ficar de fora dessas furadas. E economizando bilhões com armas inúteis.

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

Acontece que a Itália tem uma linha de produção do F-35, parar os pedidos sim que vai gerar desemprego.
Quanto a matéria, parei de ler em “ministra da defesa”, é uma daquelas ministras da defesa da Europa, com jeito de patricinha que não entende absolutamente nada de assuntos militares hehe
comment image

MARCOV
Visitante
MARCOV

Saiu no último dia 24, na AW, a matéria “Will The F-35 Program Meet Its Cost Target?” Interessante que o CAPE (Cost Assessment and Program Evaluation) office, do Pentágono, apresentou um relatório bem menos otimista do que o JPO (Joint Program Office) e a LM (óbvio). A Lockheed Martin tem o objetivo de alcançar um valor unitário, para o F-35A, de US$ 80 milhões até 2020, mas a análise do CAPE demonstrou não ser factível (neste prazo). Especula-se também que não somente a Itália, mas o Reino Unido poderá reduzir as aquisições do modelo. Como o congresso americano pode ainda… Read more »

MGNVS
Visitante
MGNVS

No meu ponto de vista a melhor opçao de aeronave para os europeus seria o Grippen, principalmente qndo se trata de países com menores dimensoes iguais Dinamarca, Noruega, Islandia, Finlandia, Austria, Suíca, Republica Checa, Eslovaquia, Holanda, Belgica e ate a propria Italia.

O Grippen é um vetor moderno de custo administravel e poderia ser comprado em maiores quantidades que o F35, Eurofighter ou Rafalle.

João Bosco
Visitante
João Bosco

É um programa caro, complicado em uma época de crises econômicas na maioria dos países europeus, sem contar o problema de migração em massa para o velho continente. Claro que muitos países que participam do consórcio, com um pé atrás devido a variados problemas não solucionados até o momento, aliado a crise econômica e migratória, vão para ou diminuir suas encomendas. a LM quis abraçar o mundo com as pernas e agora está pagando a conta por isso. DE certa forma a Boeing e outras empresas aeroespaciais agradecem.

MGNVS
Visitante
MGNVS

No meu ponto de vista a melhor opçao de aeronave para os europeus seria o Grippen, principalmente qndo se trata de países com menores dimensoes iguais Dinamarca, Noruega, Islandia, Finlandia, Austria, Suíca, Republica Checa, Eslovaquia, Holanda, Belgica e ate a propria Italia.

O Grippen é um vetor moderno de custo administravel e poderia ser comprado em maiores quantidades que o F35, Eurofighter ou Rafalle.

No caso do Brasil foi a melhor escolha custo beneficio.

José
Visitante
José

A paixão cega a razão! Para aqueles que são,por seu viés ideológico,anti-americano,eles nunca,jamais reconhecerão os méritos do mesmo. O mesmo é válido para com o atual presidente americano,pois muitos foram cooptados pela mídia,que é radicalmente contra ele,independente de seus erros e acertos,eles sempre serão do contra. A aeronave americana denominada de F-35,apesar de seus altos custos,tem muito mais mérito que demérito,não há nada que iguale a ela no mercado.Atravessa problemas como todo projeto de engenharia tem os seus percalços,nada é obra do acaso,tem planejamento,pesquisa,investimento e resultados que nem sempre são os planejados e desejados.Esses críticos medíocres incapazes de equacionar os… Read more »

Antonio
Visitante
Antonio

O fato é que Rússia, Índia, Israel, Itália, Bélgica e Inglaterra (que eu me lembre) não estão muito interessados nesta tecnologia. Algum coisa há.

JPC3
Visitante
JPC3

O que há é torcida contra por ideologia.

Israel não vai reduzir o número programado de F-35, nem a Inglaterra. O que a Inglaterra pretende é construir um caça, também furtivo, mais adequado para suas necessidades e comparticipação maior de sua industria.

O que há é torcida contra, porque o país favorito de alguns está bem atrás nessa área.

Antonio
Visitante
Antonio

Não convenceu.

JPC3
Visitante
JPC3

Você é quem não convence ninguém e nenhum dos blogs.

É uma infantilidade querer provar que as coisas não prestam só porque a Rússia tem igual.

A Rússia não faz um caça verdadeiramente furtivo porque não tem dinheiro para projetar e manter, por isso essas suas tentativas de diminuir o F-35 e as tecnologias envolvidas.

Não apenas o F-35, mas outras que a Rússia não pode pagar.

E você sabe disso, só não admite.

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

JPC3,

Quero só acrescentar algo. Os EUA projetaram e fábricam o JSF-35 porque possuem a capacidade tecnológica, a inteligência, experiência e o dinheiro para manufaturar o jato de combate mais avançado a história da aviação.

Já a Russia não possui nenhum desses requisites. A China possui capital, mas não domina a tecnologia exigida para fabricar jatos de 5 geração.

Antonio
Visitante
Antonio

Não convenceu, de novo.

AVISO DOS EDITORES. A DISCUSSÃO ESTÁ VIRANDO MERA PROVOCAÇÃO PESSOAL, SEM ARGUMENTOS. O ESPAÇO É PARA DEBATE, NÃO PARA PROVOCAR SEUS DESAFETOS. LEIA AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

JPC3
Visitante
JPC3

E como convencer um cara chamado de ___________em todos os blogs?

Que não faz um comentário técnico porque não entende de nada.

COMENTÁRIO EDITADO. AVISO DOS EDITORES: A DISCUSSÃO DE VOCÊS DOIS ESTÁ VIRANDO MERA BRIGA PESSOAL. LEIAM AS REGRAS DO BLOG.

https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Ricardo da Silva
Visitante
Ricardo da Silva

Xiii,
O F-35 Aardvark II italiano, subiu no telhado !

Ricardo da Silva
Visitante
Ricardo da Silva

corrigindo :
Xiii,
O F-35 Aardvark II italiano subiu no telhado !

tassios
Visitante
tassios

“…para ajudar nos programas de Bem-Estar” — choro de Populista. Tomara que o Typhoon capado como está seja o suficiente.

Gustavo
Visitante
Gustavo

só não vê quem não quer….

Andre
Visitante
Andre

Tá certo a Itália. Sai fora com este avião!

Marcelo Silveira Michelucci
Visitante
Marcelo Silveira Michelucci

Comprar uma aeronave tão cara e com tantos problemas realmente não é uma boa idéia