quarta-feira, outubro 20, 2021

Gripen para o Brasil

Vídeo: Saab True Collaboration – 6º episódio

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A Saab e a Indústria Aeronáutica Brasileira por meio da cooperação industrial vão tornar o Brasil capaz de desenvolver, montar e manter uma aeronave supersônica – o Gripen.

A enorme competência da Embraer, adquirida ao longo dos últimos anos, e sua posição no mercado internacional neste setor, fez da empresa o parceiro ideal para desenvolver e montar o Gripen aqui no Brasil.

Outra empresa brasileira de alta tecnologia envolvida no programa Gripen da FAB é a AEL Sistemas, que é a fornecedora de importantes equipamentos da cabine do caça Gripen, desenvolvendo três sistemas distintos: o Wide Area Display (WAD), o Head Up Display (HUD) e o capacete Targo (Helmet Mounted Display – HMD).

Entre outubro de 2015 e 2024, mais de 350 engenheiros e técnicos brasileiros das empresas parceiras da Saab irão à Suécia para participar de cursos e treinamentos presenciais, o que representará uma década de aprendizado e parceria intensa.

Assista aos outros vídeos da série clicando aqui.

- Advertisement -

15 Comments

Subscribe
Notify of
guest
15 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
GengisDu

Show, baita cooperação.

Marcelo Andrade

Interessante que muitos aqui comentam que as empresas estrangeiras compram as nacionais e levam o know-how embora. Esta aí um exemplo de que uma empresa estrangeira utiliza e capacita mão de obra especializada brasileira.

Robsonmkt

Geralmente quando uma empresa estrangeira compra uma nacional o que ela leva para fora é a tomada de decisões – ela agora está subordinada à uma matriz no exterior que a fará agir dentro de uma lógica de grupo onde nem sempre o que é melhor par o grupo é o melhor para ela. Muitas vezes, projetos são abandonados para que produtos da matriz sejam lançados no mercado interno com o selo da empresa outrora nacional, agora limitada a uma revendedora – com alguma capacidade de adaptação de produtos da matriz estrangeira. Outra coisa que vai embora é dinheiro –… Read more »

Lucas

Robsonmkt, tem lógica. Tive um professor que é Software Engineer na AEL até hoje que há alguns anos atrás informalmente me falou sobre, dentre outras coisas, esse Head Up Display (HUD), que pelo visto é um produto antigo e consolidado.

Marcelo Andrade

Não me importo com esse negócio de remessa de lucros para a matriz! Faz parte do jogo capitalista, desde que mantendo uma mão de obra nacional especializada, pagando impostos e gerando riquezas , empregos diretos e indiretos, melhorando a economia local e girando uma cadeia produtiva, pode ser empresa de qualquer lugar!!! Melhor isso do que aplicar na bolsa com capital especulativo.

Lucas

Marcelo Andrade, é a velha história do mercado aberto e da economia que se regula e a vida que segue… também não vejo com bons olhos certos protecionismos.

Washington Menezes

Povo sério os Suecos.

Nonato

Treina o pessoal da Embraer… Que depois vai trabalhar para a Boeing.
A culpa não é da Saab, claro…

Rommelqe

Mesmo que se considerado um mero programa de preparo de mao de obra desqualificada ja valeria a pena. Treinar para a Boeing? Oras, mesmo que fosse “apenas isso” seria algo extraordinario diante da indigencia brasileira, em qualquer aspecto que envolva um pouco mais de tecnologia. Ocorre que é nuito mais que isso. Ha um desenvolvimento enorme em curso e o Brasil esta colhendo frutos hoje e muito mais colhera no futuro proximo. É so acompanhar as noticias aqui mesmo, no Aereo.

Rommelqe

O programa do Gripen E e, principalmente, da versao F, biposta, não é algo pontual, centrado na Embraer e limitado a. Por exemplo, sem emtrar no merito politico partidario -aí é um terreno no qual nao quero aqui trilhar – tem havido criticas à escolha de Sao Bernardo. Quem nao conhece essa cidade – incluindo instalações de subsidiarias suecas, como a Scania e outras – nao deveria esquecer que uma fabrica depende fundalmentamente de pessoas; disso eu posso falar com propriedade. Alguem pode questionar se a melhor soluçao seria SJC ou Sao Carlos (com o devido perdao do Camarger, sede… Read more »

Fresney

AEl foi ou não vendida para a Elbit????Se sim poderíamos discutir os benefícios e os malefícios disso!!!

Robsonmkt

Sim, foi. Este foi a “transferência de tecnologia” do projeto Supertucano acordada na época do governo FHC. A Elbit ganhou a concorrência para fornecer os aviônicos do Supertucano mas teria de transferir tecnologia para a brasileira Aeroeletrônica. Ela fez isto, mas depois de ter comprado a Aeroletrônica e a renomeado para AEL. Ou seja, a Elbit transferiu tecnologia dela para ela mesma.

Paulo Maranhão

Quem está na Suécia sendo treinado, recebendo conhecimento e transferência de tecnologia são todos brasileiros, ainda não te contaram isso?

Marcelo Andrade

A Aeroeletrônica estava em regime pré-falimentar, a Elbit foi a salvação da lavoura para muitos empregos especializados!

Gustavo

Esse programa prometia ser bom e só tem melhorado. Que decisão acertada foi da FAB em escolher o Gripen.
Cada dia que passa, vemos as coisas caminharem melhores que o esperado… Que venham logo, que venha o segundo lote, que voem muito e que participem dos exercícios dos países utilizadores do Gripen e demais exercícios estrangeiros.
VOA F-39

Últimas Notícias

FAB realiza enlaces de dados entre aeronaves usando o LINK-BR2 pela primeira vez

Os voos foram realizados durante a execução da Operação Íris, como foi denominada a segunda fase de ensaios de...
- Advertisement -
- Advertisement -