Home Aviação de Ataque Apenas 4 dos 128 Eurofighter da Alemanha estão prontos para combate

Apenas 4 dos 128 Eurofighter da Alemanha estão prontos para combate

8399
133
Eurofighter Typhoon da Luftwaffe
Eurofighter Typhoon da Luftwaffe

Apenas um punhado dos jatos Eurofighter da Força Aérea Alemã está pronto para o combate, de acordo com uma reportagem da revista Der Spiegel publicada nesta quarta-feira.

Devido a um problema técnico com o sistema de defesa do avião de combate, apenas 10 dos 128 Eurofighters da Luftwaffe estão prontos para a missão, de acordo com a reportagem.

O problema decorre de um vazamento de líquido de resfriamento nos sensores do pod de asa da aeronave, que são usados ​​para reconhecer jatos hostis ou ataques de mísseis. Sem o sistema de defesa, os jatos Eurofighter não estão prontos para o combate.

A escassez de aeronaves significa que a Alemanha é incapaz de cumprir suas obrigações com a OTAN de ter 82 jatos prontos para combate em situações de crise.

A questão dos pod de asa é apenas um problema enfrentado pela Luftwaffe. O Der Spiegel informou que há apenas mísseis suficientes para tornar apenas quatro jatos Eurofighter prontos para o combate.

Os militares alemães confirmaram à Der Spiegel os problemas técnicos com o Eurofighter, mas não comentaram o número de aeronaves prontas para combate, uma vez que essa informação é confidencial.

A revelação na Der Spiegel é a mais reportagem a lançar dúvidas sobre a capacidade militar e as capacidades da Alemanha. Isso levanta questões sobre se a Alemanha realmente está cumprindo seus compromissos com a OTAN.

Truques de contabilidade

Em um documento do Bundeswehr fornecido ao parlamento alemão no ano passado, os militares classificaram 39 dos 128 jatos prontos para o combate.

Um porta-voz do Bundeswehr disse à Der Spiegel que a “disponibilidade real diária” do Eurofighter agora é melhor que no ano passado.

No entanto, a Der Spiegel disse que os militares pareciam contar qualquer Eurofighter que pudesse voar como pronto, mesmo se eles estivessem disponíveis apenas para treinamento ou para manobras sem mísseis ou sistemas de defesa.

“Esses jatos estão impedidos de participar de desdobramentos reais, como as patrulhas aéreas no lado leste da OTAN”, escreveu a Der Spiegel.

FONTE: Deutsche Welle

Subscribe
Notify of
guest
133 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 anos atrás

Pelo menos nossos F-5 estão prontos para briga (até onde eu sei). kkkkkkkkk

João Augusto
João Augusto
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 anos atrás

7×2!

AEHUAAEHUEAHUAEHAUAEUHEAU

Cbamaral
Cbamaral
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 anos atrás

Agora sim, fomos surpreendidos novamente, antes 45 f-5em no ar, do que 4 ef-2000. O que me faz pensar, se a Alemanha está assim, imagine a Venezuela com os Sukoy

Eduardo von Tongel
Eduardo von Tongel
Reply to  Cbamaral
2 anos atrás

hahaha, tu que pensas que temos 45 F5-M prontos e armados para combate.

Cbamaral
Cbamaral
Reply to  Eduardo von Tongel
2 anos atrás

Eduardo von Tongel 2 de Maio de 2018 at 12:34

Depende meu caro, se for uma guerra contra a bolivia por exemplo, uns 4 são mais que suficientes.

Ramon Grigio
Ramon Grigio
Reply to  Eduardo von Tongel
2 anos atrás

Os exercícios com a US navy em 2015 serviram bem para mostrar a disponibilidade de caças da FAB. Na ocasião foram disponibilizados 17 F-5EM e 05 AMX (A1A e A1M). Foi noticiado que 22 caças participaram dos exercícios. Devemos entender que a FAB conta com 43 F-5EM (monopostos) e que sempre alguns estão em manutenção (podendo ser em diversos estágios) e alguns ficam alocados ao alerta em suas respectivas bases. Possívelmente os números seriam de 15-20 F-5EM disponíveis em qualquer tempo (a não ser que a disponibilidade de recursos e o aumento do número de horas já estejam afetando a… Read more »

mf
mf
Reply to  Eduardo von Tongel
2 anos atrás

23 F-5M estão prontos para combate e 10 AMX.

Roberto Dias
Roberto Dias
2 anos atrás

A Alemanha está “baixando a guarda”… e não é apenas na área militar, socialmente o país também está perdendo sua identidade.

Leonardo Araújo
Leonardo Araújo
Reply to  Roberto Dias
2 anos atrás

Concordo plenamente.
Ainda mais com liberação de entrada de refugiados

Adriano L
Adriano L
Reply to  Leonardo Araújo
2 anos atrás

Esse talvez seja o maior problema por lá Leonardo!

Thiago
Thiago
2 anos atrás

Jesus….. Incrível

RicardoNB
RicardoNB
2 anos atrás

F-35 só está com 50% de disponibilidade e cheio de problemas mi mi mi … Um pouco do mundo real e a realidade do Typhoon junto a seu maior operador faz as coisas tornarem-se mais claras :).

ODST
ODST
Reply to  RicardoNB
2 anos atrás

Se o Typhoon está assim, não quero nem imaginar as REAIS condições do Natimorto-35….

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  ODST
2 anos atrás

O F-35 está operando muito bem obrigada! Parece que estão havendo alguns problemas nos exemplares do USMC implantados no Japão mas segundo o GAO a maioria dos problemas são de natureza logística visto que a cadeia de suprimentos do avião ainda não está totalmente implantada. Ademais cumpre lembrar que os israelenses não reclamam dos seus exemplares. Aliás no último ataque desferido contra a Síria que segundo a Prensa Latina (agência estatal de notícias de Cuba) teria matado dezenas de militares (ao que tudo indica iranianos) teriam sido usadas as GBU-39 SDB, arma primária dos Lightning II. Será que tivemos a… Read more »

Doug385
Doug385
2 anos atrás

São esses os outros 90% em que o Eurofighter é melhor que o F-35, segundo o pessoal da Airbus? E esse caça que eles propõem para substituir os Tornados? Não gosto dos franceses, mas me parece que fizeram muito bem em ter desembarcado desse programa e tocado o Rafale sozinhos.

pangloss
pangloss
Reply to  Doug385
2 anos atrás

Acho que os 90% em que o Typhoon é melhor que o F-35 concernem à permanência da aeronave no hangar. Nisso, o Typhoon é realmente muito bom.

Augusto L
Augusto L
2 anos atrás

Essas reportagens são meio ‘vagas’, por exemplo não fica certo se essa taxa de prontidão/disponibilidade/preparo é para missões da Otan ou se são para a defesa aerea da propria Alemanha, o que em tese não requereria o mesmo nivel de preparo e especificações de uma missão da Otan fora da Alemanha. “O Der Spiegel informou que há apenas mísseis suficientes para tornar apenas quatro jatos Eurofighter prontos para o combate” Isso é preocupante se for os estoques de misseis no total, contando os IRIS-T e AIM-120, pq digo isso, pq os AIM-120 há enormes estoques nos EUA, que num conflito… Read more »

Agnelo Moreira
Agnelo Moreira
Reply to  Augusto L
2 anos atrás

Pelo q sei, de um comentário de um colega piloto, quando se fala assim, é q a aeronave está ECD voar, com radar, RWR, IFF, ECM, tudo podendo ser utilizado.
Sds

MARIO
MARIO
2 anos atrás

Só para lembrar, estamos falando de um dos cinco operadores do mundo real (tirando a Áustria fora). Enquanto os alemães estão com estes problemas, os ingleses estão mantendo a vigilância aérea nas Malvinas/Falkland, no Reino Unido propriamente dito, em missões de combate real com base pelo menos no Chipre (não sei se alguma outra)… Os italianos participaram muito recentemente da proteção do espaço aéreo das repúblicas do Báltico e da Islândia, e acho que estão contribuindo com algum dos países dos Balcãs Os sauditas estão em missão, inclusive pelo que me consta com o Typhoon/Eurofighter no Iêmen Não sei, mas… Read more »

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  MARIO
2 anos atrás

Não é um problema mais do avião do que da Luftwaffe mas sim um problema que é totalmente da Luftwaffe pois, como você bem lembrou, os jatos britânicos voam nas Falklands e em Chipre, interceptam Bombardeiros russos no Mar do Norte e ainda visitam o Extremo-Oriente.

Barras Dias
Barras Dias
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

E podemos olhar a França, com um Rafale Bi motor que também não é barato de operar, e quando é chamada a trabalhar, (Líbia, Mali, Síria) faz acontecer, tem como responder aquilo que é necessário.
Realmente a Luftwaffe está em uma penúria gigante.

Gustavo
Gustavo
2 anos atrás

se comprar F-35 então vão ter força aérea de desfile só. hahaha
Noticia dessa, em meio as ofertas, tem cara de lobby rolando.

Matheus Vinicius
Matheus Vinicius
Reply to  Gustavo
2 anos atrás

Não entendi exatamente o que você quis sugerir com o primeiro parágrafo.
Caças chipados que só voam quando os EUA querem?

Dan01
Dan01
2 anos atrás

Se for verdade mesmo a coisa la ta e feia, estao jogando a responsabilidade da defesa em cima de outros paises da otan. Talvez seja por isso que o Trump fica cutucando eles

Groo_SP
Groo_SP
2 anos atrás

Truques de contabilidade? Que irônico. Será que tem ToT grego aí?

Victor Filipe
Victor Filipe
2 anos atrás

Jesus cristo… Oque a Luftwaffe se tornou…

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Victor Filipe
2 anos atrás

Acho que é fé excessiva nos F-16 baseados em Spanghalen

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Bota fé nisso… com 10 aeronaves operacionais… eles não tem defesa aérea… agora sabemos porque a Alemanha não se juntou ao ataque a síria

Mk48
Mk48
Reply to  Victor Filipe
2 anos atrás

Por falar em se juntar a ataques, alguem saberia me dizer por que a Itália, membro da Otan, bem armada e tals , nunca participa deste tipo de ofensiva ? Geralmente são os mesmos que atacam : EUA, França e Inglaterra. Itália, nada.

Ivan
Ivan
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Olha o mapa.
.
Itália no meio do Mar Mediterrâneo faz negócio com todo mundo mediterrâneo, bem como tem uma posição geográfica mais exposta à todo tipo de guerra, inclusive assimétrica.

MARIO
MARIO
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Política interna, nada mais, nada menos. Creio que algo com ser um governo de coalizões frágeis em que uma derrota no Parlamento poderia levaria a dissolução do governo…
Mais estranho do que França e Inglaterra atuarem sempre é pensar que Bélgica e Holanda têm feito um rodízio na Síria quase que contínuo desde 2014.

Mk48
Mk48
Reply to  Mk48
2 anos atrás

Mario,

Obrigado pela resposta.

Abs.

MARIO
MARIO
Reply to  Victor Filipe
2 anos atrás

Victor, a constituição alemã simplesmente não permite atuação deste tipo, até onde me consta…

Manuel Souza
Manuel Souza
Reply to  MARIO
2 anos atrás

Os alemães atuaram no Afeganistão com tropas em terra. Inclusive na Síria no começo do conflito vários membros do ISIS e de forças curdas portavam G-36. E se não me engano houveram tropas alemãs na Síria tb. Eu acho que o ISIS conseguiram essas armas roubando estoques iraquianos. https://www.thelocal.de/20151208/amnesty-isis-using-german-weapons-for-terror

Bryan
Bryan
2 anos atrás

Manter o EF-2000 é muito caro; mas também é uma jogada para que a Alemanha deixe-o de lado e opte pelo F-35.

Paulo Maffi
Paulo Maffi
Reply to  Bryan
2 anos atrás

Caro pelo caro, o F-35 não resolveria muito… Eu tiraria os Tranche 1 e 2 e compraria F-16 block 62 de emergência! Ou se bobear até o grippen…

Victor Filipe
Victor Filipe
2 anos atrás

A Angela Merkel realmente foi o fim para as forças armadas alemãs… fez oque duas guerras mundiais não conseguiram fazer… imagina a situação dos outros setores das forças armadas alemãs…

Leonardo Gama Souza
Leonardo Gama Souza
Reply to  Victor Filipe
2 anos atrás

Muitos não sabem, mas a maioria da população alemã hoje é contra aumento de gastos na área militar. O trauma da segunda guerra gerou esse sentimento antimilitarista nas famílias e acabou por se refletir na política dos partidos e consequentemente da chanceler Merkel.

Bruno w souza
2 anos atrás

E ainda tem gente que fala que a OTAN não precisa dos EUA para esmagar a Rússia…piada…
Enquanto tiver tropa americana na Alemanha eles vão ficar relaxado..

pangloss
pangloss
Reply to  Bruno w souza
2 anos atrás

Sinceramente, se a Rússia atacar a Alemanha, para quem eles vão vender gás?
E se a Alemanha atacar a Rússia, de quem eles vão comprar gás?
Tais relações econômicas servem para minimizar o risco de uma guerra entre esses países – pelo menos para o caso de guerras súbitas.

Mazzeo
Mazzeo
Reply to  pangloss
2 anos atrás

O maior parceiro comercial da Alemanha em 1940 era a … Russia !

pangloss
pangloss
Reply to  Mazzeo
2 anos atrás

OK, mas nesse caso foi o cabo austríaco que resolveu atacar, e não o assaltante georgiano.

Julio
Julio
Reply to  pangloss
2 anos atrás

Mas foi o “Assaltante Georgiano” quem financiou o partido o “Cabo Austríaco”.

Mazzeo
Mazzeo
Reply to  pangloss
2 anos atrás

Mas o assaltante georgiano tinha os seus planos tbem depois de recolher os dividendos na Polônia e tentar na Finlândia, além do que fez nos países bálticos.
Comércio e realmente um poder moderador, mas não definitivo.

Leigo
Leigo
2 anos atrás

Prezado Galante, Até onde é verdade a noticia abaixo. Intervindo, a 24 de Abril de 2018, no Simpósio GEOINT 2018, o General Raymond A. Thomas III (Comandante-em-chefe das Operações Especiais – USSOCOM), revelou a amplitude da guerra electrónica entre os Estados Unidos e o «inimigo» (ver a Rússia). Segundo ele, «o inimigo» empastela ou inibe sistematicamente os sistemas dos EUA na Síria, tornando impossível para o Pentágono vigiar a zona de combate. Durante o ataque tripartido de 14 de Abril, o Exército russo conseguiu “hackear” as transmissões de GPS de tal modo que alguns mísseis foram desviados. Pior, os sistemas… Read more »

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Leigo
2 anos atrás

Desconfie pela fonte amigo! essa “voltairenet”, com viés claramente antiocidente e pró-Rússia/China/ Irã e demais regimes totalitários orientais, é dada a publicar Fake News e não raro repercute as bobagens da malfadada Sputnik.

Outrossim, caso isso fosse realmente verdade (acho pouco provável que seja) ele jamais teria feito tal declaração em um evento público.

Tallguiese
Tallguiese
2 anos atrás

Não é desmerecer não, mas nesse quesito mesmo com essa de que o Brasil não teria munição pra x horas ou dias de combate, pelo menos sei que a qualquer hora do dia ou da noite a FAB está pronta pro combate, o EB também só não sei a marinha! Tenho fé que se a FAB precisar seloca rapidinho uma patrulha aérea de combate em qualquer fronteira com quatro MIKEs armados com dois derbys dois Sidewinder um tanque central e um E-99 junto. Quem encara?

Flávio Henrique
Flávio Henrique
2 anos atrás

Para completa só falta os Leo’s 2, estarem quase todos inoperantes!!!
Marinha sem Sub’s.
Força Aérea quase sem Caças.
Exercito [?] (considerando as duas primeiras, a coisa deve tá feias também).

ODST
ODST
Reply to  Flávio Henrique
2 anos atrás

Se as noticias de que o exército deles estava usando cabos de madeira pintados de preto para simular armas de fogo forem verdadeiras, então eles também não devem estar muito bem não.

Ivan BC
Ivan BC
2 anos atrás

É por isso que o Trump mete pressão, faz isso com razão. Um país com 3 ou 4 maior PIB do mundo estagnado no setor da defesa, isso sobrecarrega outros países como França, Itália e reino unido. Vão criar vergonha na cara, tirem essa Merkel, retirem progressivamente essa onda imigratória que gera caos sociais e bora investir nas pessoas que trabalham e no país.
Eu não gosto dessa aeronave…nunca gostei.

Helio Eduardo
Helio Eduardo
2 anos atrás

Meus caros, Reportagens assim, ainda mais em meio a um embate EF-2000 x F-35, devem ser lidas e relidas com cuidado. Mas, sendo o que há para hoje, vamos aos comentários. Primeiro, vê-se que no mundo real, deu bobeira, leva chumbo. Já discutimos aqui na Triologia, por inúmeras vezes, os problemas das FFAAs alemãs e os Typhoon são mais um capítulo. A reportagem não deixa claro, como muito bem observou o Augusto L 2 de Maio de 2018 at 8:59, se os números são para a Defesa Aérea ou para a prontidão da OTAN. Se for da Defesa Aérea, a… Read more »

Guizmo
Guizmo
2 anos atrás

Para mim, ironicamente, o grande problema é a tecnologia. Quanto mais modernos os caças se tornaram, mais difícil é mantê-los plenamente operacionais e os custos são exorbitantes.

A última geração de jatos, digamos, sem mimimi, foram os F15/16, M2000, Jaguar, etc.

Voltemos aos ME-109!! A disponibilidade seria de 100%, rsrs

Heitor
Heitor
Reply to  Guizmo
2 anos atrás

Não só gasta-se muito com aviões hoje, mas também com mísseis.. se antigamente fazer guerra já era uma gastança, imagina hoje… por isso que guerras entre países não convém mais, é mais barato sentar na mesa para negociar.

Sobre os mísseis, muitos na faixa do milhão e que nem sempre acertam…

Guizmo
Guizmo
Reply to  Heitor
2 anos atrás

Pois eh, exatamente

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
2 anos atrás

A Der Spiegel é uma revista sensacionalista sem muito valor jornalistico, mas é engraçado como pegam no pé do Trump.
. https://encrypted-tbn2.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQwgeiP6oYW5epmkSIobfKh9LgOZoDYIXxPU42OF_KnyYg10XPJ
.
.comment image

Ricardo
Ricardo
2 anos atrás

Como a Alemanha não tem grandes inimigos não dão importância alguma para os meios militares. Mas, que ninguém se iluda. Ingleses e franceses hoje mal se aguenta nas pernas. Isso explica, em parte, a ira do Trump com a OTAN que os EUA praticamente carregam sozinhos nas costas.

Mario
Mario
Reply to  Ricardo
2 anos atrás

Ricardo, se pensar em atividade de forças armadas em relação ao tamanho do país (população ou economia, tanto faz) em analogia com um esporte qualquer de combate, Reino Unido e França estão batendo MUITO acima de seu peso…
Estes dois, junto com a Austrália, são os países mais ativos em operações multilaterais de combate…

Marcos Paulo
Marcos Paulo
2 anos atrás

4 ou 39? Chamada e matéria estranha…

J-20
J-20
Reply to  Marcos Paulo
2 anos atrás

Eles tem 39 que podem ser colocados no ar para o combate, mas só conseguiriam armar 4 com todos os seus equipamentos, mísseis WVR, BVR, pods para guerra eletrônica e droptank, os outros lutariam apenas com seu radar, IRST e canhão. Pelo menos foi isso que deu para entender. Os

Lucas Senna
Lucas Senna
Reply to  J-20
2 anos atrás

39 capazes de voar, 10 efetivamente capazes de combate, e armamento só pra 4.

Flanker
Flanker
2 anos atrás

Ao colega que falou aí pra cima, de que mais vale 45 F-5M do que 4 Typhoon, quero lembrar que possuímos 46 F-5M (o 4806, acidentado em SC não foi dado baixa e está no PAMASP passando por manutenção e deverá voltar a operar. Ainda temos os 3 FM ex-jordanianos, que estão emtrando em serviço. Fala-se que o primeiro destes (4810) já foi entregue à FAB. Mas, desse total de 49, NUNCA, em momento algum, todos estão operacionais. Em torno de 10 (pouco mais, pouco menos), estão sempre passando por inspeção nível Parque, o que deixa em torno de 36… Read more »

Ramon Grigio
Ramon Grigio
Reply to  Flanker
2 anos atrás

A FAB disponibilizou 17 F-5EM para combate dissimilar contra a US NAVY em 2015. Dá para ter uma idéia.

Fabio Aguiar
Fabio Aguiar
2 anos atrás

What? Tá ruim pra todo mundo heim!

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
2 anos atrás

Nesta hora me lembro das pauladas no “Le Jaca” do Rafale…
Rainha do Hangar e muitas outras críticas…

Pois é… O Rafale está por aí voando e vai bem obrigado…

Pena que a SAAB não faz vídeos do desenvolvimento do Gripen E como a Embraer faz do KC-390…

Ivan
Ivan
Reply to  Gilberto Rezende
2 anos atrás

O problema em tela está com a Força Aérea da Alemanha.
No Reino Unido os Typhoon estão voando e cumprindo suas missões, tanto no extremo norte do Atlântico cobrindo a falha GIUK, como no sul do Atlântico cobrindo as Malvinas/Falklands, ou no leste do Mar Mediterrâneo a partir de Akrotiri, no Chipre.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Bem lembrado mestre Ivan! E cabe acrescentar que os Typhoons italianos estão executando a missão de policiamento do Báltico e os exemplares sauditas estão bem ativos na campanha contra o Iêmen.

Outrossim, também é de bom alvitre lembrar ao nosso colega que recentemente os alemães simplesmente ficaram sem submarinos operativos ante ao fato de todos os seus Type 212 estarem “groundeados”

Mercenário
Mercenário
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Tireless,

Acrescente-se que os Typhoons britânicos, salvo engano, estão sendo desdobrados também na Romênia, em missão de policiamento no mar negro.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Pois então

Antonio
Antonio
2 anos atrás

Isso só demonstra a IMENSA preocupação da Alemanha com um ataque da Rússia.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Antonio
2 anos atrás

Está mais para desleixo mesmo, e fé excessiva nos contingentes norte-americanos ali baseados.

Luiz Guilherme Menezes Di Calaça
Luiz Guilherme Menezes Di Calaça
2 anos atrás

Off-topic: Um C-130 de Porto Rico caiu na Georgia.

https://edition.cnn.com/videos/us/2018/05/02/savannah-military-cargo-plane-crash.cnn

Sei que o site tem a política de não mostrar acidentes, mas só esse ano teve um F-16 da USAF e um F-18 da USNavy e o incidente do F-22 pousando de barriga.

MARIO
MARIO
Reply to  Luiz Guilherme Menezes Di Calaça
2 anos atrás

Luiz Guilherme, se voa muito, em condições de treinamento realista, infelizmente vão acontecer acidentes. A razão acidente/hora de vôo para as forças armadas americanas é relativamente pequena, embora muito distante de 0. Na verdade se você olhar uma das páginas de descrição de acidentes em revistas de aviação, sempre têm vários americanos, raramente um brasileiro. Isto é porque nossos equipamentos e pilotos são tão melhores, ou porque voamos muito menos, em condições menos pesadas? Antes que alguém me acuse de vira-latismo, não é por aí de jeito algum. Eu diria que nas nossas condições o pessoal da FAB faz milagres,… Read more »

Luiz Guilherme Menezes Di Calaça
Luiz Guilherme Menezes Di Calaça
Reply to  MARIO
2 anos atrás

Entendi. Valeu pela explicação.

Mattos
Mattos
2 anos atrás

E a Merkel e sua turma acabando com a Alemanha. Imaginem o resto.

Ivan
Ivan
2 anos atrás

Parece que não fazem mais alemães como antigamente… 😉 . A situação de defesa na Alemanha está complicada. O atual governo, que está no puder faz um tempinho, parece ter um discurso de que vai assumir suas responsabilidades militares na OTAN e realiza outra coisa, bem menor. Talvez o obstáculo esteja nas coalizões, talvez seja ‘malandragem’ mesmo, ou não… . Uma matéria curta da DW pode ser interessante: http://www.dw.com/pt-br/ministra-da-defesa-da-alemanha-quer-12-bilh%C3%B5es-de-euros-extras/a-43582204 . Título e subtítulo: “Ministra da Defesa da Alemanha quer 12 bilhões de euros extras.” “Valor está muito acima do previsto pela pasta responsável pelo orçamento. Segundo jornal, ministra pode interromper… Read more »

Ivan
Ivan
2 anos atrás

A matéria que referenciei foi da agência DW, com citações do jornal Bild am Sonntag.
A revista Der Spiegel também está repercutindo o assunto.
.
Parece haver uma quebra de braço entre o Ministério da Defesa (Ursula von der Leyen) e o Ministério das Finanças (Olaf Scholz) sobre os gastos alemães com suas forças armadas.
.
Defesa pede 12,0 bilhões de Euros a mais até 2021;
Finanças promete 5,5 bilhões de euros pelos próximos quatro anos.
.
Apenas 4 (quatro) Typhoons em condição de combate?
Será “uma cilada, Bino!”
.
Saudações,
Ivan, o Antigo.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 anos atrás

E nós a reclamar da FAB…

Brincadeiras a parte, acho que existe muito sensacionalismo nesse tipo de matéria. Com todo o respeito, não dá para considerar isso como tendo o minimo fundo de verdade.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Ricardo Bigliazzi
2 anos atrás

A Der Spiegel é muito “conceituada”, veja matéria publicada hoje:

http://www.spiegel.de/einestages/projekt-blue-peacock-als-england-die-huehner-atombombe-erfand-a-951093.html

“Arma nuclear de frango
Bomba nuclear de cacareja da Inglaterra
Ele era a arma mais estranha de destruição em massa na história: O militar britânico tem trabalhado nos anos cinquenta em uma mina nuclear, que deve ser equipado com frangos vivos. Sim, com galinhas vivas!

E por aí vai… segue o jogo.

Wellington Góes
Wellington Góes
2 anos atrás

Como era de se esperar, a grande maioria não entenderam patavinas da real situação, muito menos as comparações estafurdias com o caso brasileiro. Em primeiro lugar, é um único problema, se comparado ao F-35, por exemplo, que são diversos problemas de operacionalidade, isto daí não é nada. Em segundo lugar, o problema é concentrado apenas na força aérea alemã, nos demais operadores do Typhoon, não há nenhum relato. Em terceiro e último, mostra quanto é temerário colocar toda sua força aérea dependente de uma única aeronave, daí porque a maioria das forças aéreas sérias no mundo, se apoiam em pelo… Read more »

Ivan
Ivan
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

High and Low Mix… 😉

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Eu prefiro o sistema new and old mix francês, em que o hi é uma nova geração de caças e o low é a geração anterior.

Por exemplo, os mix de caças franceses das últimas cinco décadas e pouco, ainda que simplificados por haver outras aeronaves e sobreposições temporais:

Hi/new Mirage III – Low/old Super Mystère
Hi/new Mirage F1 – Low/old Mirage III
Hi/new Mirage 2000 – Low/old Mirage F1
Hi/new Rafale – Low/old Mirage 2000

GripenBR
GripenBR
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Brasil Hi/Gripen E/F – Low/ old, very very old F-5M vulgo Forever Mike. 😂

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  GripenBR
2 anos atrás

🤦🏻‍♂️

Ivan
Ivan
Reply to  GripenBR
2 anos atrás

Prezado GripenBR,
.
No caso brasileiro meu sonho seria operar o Gripen E/F como High e os A-1M – umas 4 (quatro) dezenas – devidamente modernizados como Low.
.
Sonhando ainda mais, com uma desejada – mas não sei se possível – compra de um segundo lote de Gripens, pensar em retirar os A-1M para comprar um lote menor de caça-bombardeiros furtivos F-35A Lightning II.
Novamente HiLoMix, só que invertido em capacidades e com diferentes missões.
.
Apenas um sonho!!! …Eu sei. 😉
Mas ainda assim HiLoMix, como sempre será.
.
Forte abraço,
Ivan, um antigo gripeiro.

Bardini
Bardini
Reply to  GripenBR
2 anos atrás

Quem sabe: 5 Esquadrões de Gripen E/F na Força Aérea e 1 Esquadrão de F-35B na Marinha. Seriam dois coelhos com uma paulada só.

Bardini
Bardini
Reply to  GripenBR
2 anos atrás

No caso, os coelhos seriam a necessidade de outro caça para um “HiLoMix” e a necessidade de um caça naval.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  GripenBR
2 anos atrás

kkkkkkkkkkkkk

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Nunão, o sistema francês poderia ser aplicado tranquilamente na RAF pois os Tornado F.3 ainda estavam em plena e segundo os próprios pilotos estava no auge das suas capacidades quando foi retirado de serviço. Contudo, a Luftwaffe teria que estender ainda mais a vida útil dos seus F-4F Phantom II e a AMI teria que se virar com seus vetustos F-104S

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Sim, HMS Tireless, o exemplo que mostrei é um de vários possíveis de se enquadrar no que os franceses praticam.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

O problema é que no caso alemão, mesmo sendo uma aeronave mais nova e outra mais antiga, tanto o Tyhoon quanto o Tornando não tem nada de Low, ambos são aeronaves Hi cost. Então, seguindo o raciocínio do Nunão, seria Hi New and Hi Old, não tem nada de Low.

Ivan
Ivan
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Kkkkk… . Ok! Mais ainda haverá um vetor High e outro vetor Low. . Dr. “Nunão”, Sou defensor do HiLoMix… desde sempre. . Acredito que haverá missões para aeronaves de maior custo e de menor custo, entendendo custo como de aquisição e operação. Pode haver várias combinações: – mais atual e mais antiga, vide Rafale e Mirage 2000; – bimotor e monomotor, vide F-15 e F-16; – maior e menor, vide SU-27 e MiG-29; – mais e menos sofisticada, vide F-4 e A-4. Será sempre um ‘tipo’ de High and Low Mix. . Tudo bem, posso aceitar um “new and… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Multirole e Ataque Leve/Treinamento, vide Gripen E/F e Super Tucano.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Ivan
2 anos atrás

Ivan, nosso Hi-low mix será, de qualquer forma, menos “new / old” e mais “hi / low” mesmo:
F-39 / A-29.
Noves fora e coincidências de noves idem, aviões novos, ou quase novos. Ou novos noves.
E fechemos em noventa e nove cada um.

GripenBR
GripenBR
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Sendo realista, se houver outro lote de Gripens já estará totalmente excelente.

Delfim
Delfim
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
2 anos atrás

Data Vênia, esqueceu do F-1 que voou até a pouco.
Enquanto houver condições para manter um esquadrão voando, não vejo porque retirar da linha de batalha.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Delfim
2 anos atrás

Não esqueci, está na lista. E, como escrevi, é um resumo bem esquemático, pois há sobreposições etc que formam exceções, mas o principal está descrito.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Ivan
2 anos atrás

E aqui eu vejo uma possibilidade de tentarem algo com o Gripen E/F. Nada como uma conversa ao pé do ouvido tipo “Você substituem alguns dos Tornados por Typhoons mais novos, os outros de repente, poderíamos trabalhar algo com os Gripens E/F”, detalhe, com o Brasil podendo fazer uma triangulação nisso. Tanto a Suécia, quanto o Brasil, são clientes de muitos equipamentos militares alemães, então…….

Bardini
Bardini
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

Tu mesmo se contradiz no teu argumento.
.
“Em primeiro lugar, é um único problema…”
“Em segundo lugar, o problema é concentrado apenas na força aérea alemã…”
.
Segundo você, o problema são os alemães, não o caça. Logo, poderiam ser 5 modelos diferentes, o problema iria persistir.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Oi?!?! Pelo visto tu não entendeu! O problema do Typhoon, no caso do pessoal que quer fazer qualquer paralelo com o problemático F-35, é que é apenas um único problema. Mesmo assim, especificando ainda mais a questão, o problema é circunscrito à força aérea alemã, ou seja, é um problema onde a possibilidade maior é de origem na manutenção dele e não uma coisa generalizada. Então, qualquer comparativo ao caça dos EUA, que entrou na celeuma para substituir os Tornados, não tem amparo em argumentos sólidos, pois não é um problema de projeto, ou desenvolvimento, e sim circunstancial/manutenção. Eu quero… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

Em momento algum falei de F-35…
.
Tu diz que o problema não reside na aeronave, o problema está na força, é coisa circunstancial de manutenção. Disso eu entendo que não adianta ter 1, 2, 3 ou mais tipos de aeronaves. HiLowMix não é uma solução para problema de manutenção…

Mario
Mario
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Muito pelo contrário. Quanto maior a mistura, mais complicada a manutenção, em particular considerando o número total de células como mais ou menos fixo. Em nenhuma força aérea do mundo, nenhum modelo tem 100% de disponibilidade, por isto que têm numeros adicionais no próprio esquadrão para permitir a manutenção programada, e por aí vai. De quebra, em quase todos os casos, a força precisa dedicar uma parceladas células para treinamento, outra para pesquisa, desenvolvimento e avaliação, etc… Em outras palavras, admitindo um número total de células mais ou menos fixo, diluir em mais tipos reduz a proporção que fica dedicada… Read more »

Mario
Mario
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

Se o problema fosse do avião, tudo bem. Como já falei, está com mais cara de problema do operador, e aí, maks tipos só costumam au,entar o problema… mais cadeias logisticas, diferentes trilhas de treinamento do pessoal de manutenção, etc, etc
Vejam que a USAF estava dando a desculpa esfarrapada de transferir pessoal de supports do A10 para o F35 como a desvulpa da vezara matar o patinho feio

Jair
Jair
2 anos atrás

Tudologia. Somos especialistas.

Quanto a terra de Friedrich Wilhelm von Steuben, está tudo bem.
Tio Sam ajuda em caso de necessidade.

Adriano R.A.
Adriano R.A.
Reply to  Jair
2 anos atrás

Só que não… ao menos enquanto Trump estiver por alí.
Enorme descaso alemão… nada justifica esse tipo de atitude. Os gregos, em pior situação financeira, fazem a parte deles.

William
William
2 anos atrás

Deve ser horrível viver em um pais como a Alemanha, nem aviões de guerra tem, imagina o básico como emprego, moradia, transporte, lá deve ser uma bagunça, ainda bem que moro no Brasil, aqui não falta quase nada, se eles precisarem de ajuda basta pedir, temos tantos navios de combate que até para o Libano a gente manda, basta pedir que a gente mando uns trocentos F-5 Mega Ultra Power para Alemanha capazes de até atingir Ufos de Marte e Jupiter. Como somos felizes por sermos brasileiros, aqui não nos falta quase nada, somente a vergonha na cara.

Daglian
Daglian
Reply to  William
2 anos atrás

Seu comentário não faz sentido algum. O que o Brasil tem a ver com tudo isso? A Luftwaffe está sendo incompetente sim, quer o senhor queira, quer não, e isso não quer dizer que a Alemanha é um país ruim de se viver ou que o Brasil é ótimo. Na verdade, isso nem foi colocado em questão, tendo em vista que estamos em um blog sobre defesa, e este é o aspecto analisado no momento: o estado de prontidão da Força Aérea Alemã. Sim, assusta o fato de uma potência econômica como a Alemanha possuir forças armadas em estado tão… Read more »

Groo_SP
Groo_SP
2 anos atrás

Tava olhando na wikipedia e fiquei surpreso com a pequena quantidade e variedade de aeronaves atualmente na Luftwaffe.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
2 anos atrás

A situação de precariedade das Bundeswehr no geral não nada boa:
Na deutsche Marine poucos Kriegsschiffe e só um U-Boot disponível;
No deutsche Armee pouco de 20 e poucos Leopard 2A5 em condições de uso;
Na Luftwaffe apenas 4 Eurofighters typhoon.
Nem após o Tratado de Versalhes e nem após a rendição em 1945 a situação era tão crítica…

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
2 anos atrás

Ricardo, o referido artigo é sobre um projeto da época da querra fria em que se considerou a hipótese de se usar frangos para manter aquecido Minas nucleares que teriam a função de evitar a invasão russa. Se quiser saber mais sobre o assunto busque no History Channel acho até que o documentário sobre o assunto foi disponibilizado na Netflix, o mesmo pode ser encontrado também no YouTube.

Manuel Flávio
Manuel Flávio
2 anos atrás

Pessoal,

Os problemas, queixas ou dispensa com o Typhoon não está ocorrendo apenas com os Typhoons da Luftwaffe.
Pôde-se ver isso por parte do governo austríaco.
A RAF está aposentando precocemente 1/3 da frota.
E a Força Aérea espanhola está tentando vender 1 esquadrão de tranche 2 sem encomendas do T3 suplementares.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Manuel Flávio
2 anos atrás

Mas nestes os fatores são outros, Manuel, ou seja, custo e, quem tem Typhoons e Tornados a sua disposição, a coisa começa a apertar mesmo. No caso britânico então…. que estão substituindo Tornados por Lightining II, ai é que apertará mesmo. No caso espanhol, acho que a questão é de outra ordem, mas acabarão por ficar com eles, na medida em que os Honets forem dando baixa. Já no caso austríaco, o problema foi o apoio que os alemães disseram que iriam dar, mas deixaram os caras, acostumados com F-5, chupando o dedo, mas acabarão por ser contornados, ainda mais… Read more »

Mario
Mario
Reply to  Manuel Flávio
2 anos atrás

Manuel, acredito que você esteja pensando na reitrada dos Tranche 1, que foi revertida a partir do plano estratégico de 2015. Na verdade a RAF está aumentando o número de esquadrões de Typhoon para deixar os tranche1 dedicados a defesa aérea e treinamento e os tranche 2 e 3 priorizados para multimissão. Vai haver retirada e canibalização maciça dos biplace

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
2 anos atrás

Guizamo Teu comentário sobre a tecnologia tem embasamento técnico. É sabido que, na tecnologia de Manutenção que as probabilidades de falha crescem com a comnplexidade dos sistemas envolvidos, dpendendo da qualidade do projeto e da execução. O F-35 com um motor é uma coisa. O F-35 B, com dois motores e os sistemas que possibilitam a decolagem vertical é bem diferente. A probabilidade de falha é muito maior no F- 35 B, chegando mesmo a ser classificado noutro patamar de risco. Assim, tb com os demais meios. Quanto mais sistemas embarcam, seja de armas seja de avionicos, mais aumentam as… Read more »

Manuel Flávio
Manuel Flávio
Reply to  Luiz Floriano Alves
2 anos atrás

Apenas uma correção:

A RAF está aposentando precocemente 16 unidades do Typhoon.

Manuel Flávio
Manuel Flávio
2 anos atrás

“Áustria: hora de voo do Eurofighter é de 80 mil euros”

https://www.aereo.jor.br/2017/07/06/austria-hora-de-voo-do-eurofighter-e-de-80-mil-euros/

mf
mf
2 anos atrás

A Alemanha conta com a proteção dos EUA por ser a maior economia da Europa e seu aliado mais forte economicamente depois do Japão.

Existem 90 ogivas nucleares americanas em solo alemão inclusive.

Em outras palavras os alemães se acomodaram, relaxaram com a sua defesa mesmo.

A FAB, bem ou mal, ainda consegue manter 23 F-5M e 10 AMX em plenas condições de combate, aproximadamente 50% da frota ativa de caças atual.

Flanker
Flanker
Reply to  mf
2 anos atrás

mf, de onde você tirou esses números exatos de 23 F-5M e 10 A-1 prontos para combate???

mf
mf
Reply to  Flanker
2 anos atrás

Da própria trilogia, a disponibilidades dos caças já foi divulgada aqui em uma matéria, ao menos as do F-5.

Flanker
Flanker
Reply to  mf
2 anos atrás

Quando?

mf
mf
2 anos atrás

O problema da FAB é o estoque de misseis e bombas modernas para seus caças modernizados, apesar de que o SIPRI meio que contraria isso. – 38 Misseis DERBY (Documentos da SIPRI confirmam 200 comprados em 2006) – Python 4 (uma boa quantidade, porém desconhecida, no lugar dos velhos PYTHON III). Pods: – 14 Litening III. – 6 RecceLite. – 3 Skyshield Bombas guiadas: – 370 Elbit Lizard, um lote de 250 e outro de 120 (segundo o SIPRI seriam 600) Ressaltasse que no fim dos anos 90 compramos 120 misseis Python 3 e que pela idade já não seriam… Read more »

Glasquis7
2 anos atrás

Off Toppic, Caiu um C 130 com Bandeira de Porto Rico nos EEUU.

Russian Bear
Russian Bear
2 anos atrás

Reforçando, a Alemanha ainda hoje é um país ocupado militarmente e ideologicamente. Sem forças de defesa, e com a entrada absurda de terroristas em seu território, é o reflexo de terem se afastado dos valores tradicionais germânicos. A Alemanha não suporta 2 semanas de guerra com Rússia. A OTAN somente são nos Estados unidos, Inglaterra e França. Hoje a única coisa que eles sabem fazer é carros (e dos bons).

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Russian Bear
2 anos atrás

E quando haviam tropas soviéticas na Alemanha Oriental e demais países do leste europeu, esses países estavam sob ocupação militar e ideológica?

ScudB
ScudB
2 anos atrás

Off: Caiu Su-30SM russo na Siria.Pilotos morreram..

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  ScudB
2 anos atrás

Eu vi! Lamentável acidente, tem até fotos da coluna de água levantada pelo choque da aeronave com o Mar Mediterrâneo. Segundo informações preliminares a causa do acidente teria sido a ingestão de aves pelo motor.

Que a brava tripulação, que até o último instante lutou para trazer a aeronave de volta, descanse em paz.

Gabriel
Gabriel
2 anos atrás

Eles se aproveitam do contribuinte americano

Juvenal Santos
Juvenal Santos
2 anos atrás

E ainda acham que esse caça canhestro pode substituir o Tornado, o Typhoon é uma bizarrice, com certeza os projetistas estavam com diarréia na hora que foram conceber essa excrescência; hoje em dia só existe um caça com futuro para ser o melhor do mundo: F-35. O resto é conversa fiada.

Fábio Mayer
Fábio Mayer
2 anos atrás

A Alemanha continua sendo a maior economia da Europa.

Um dos melhores IDH.

Um país com baixíssimos índices de violência.

Se ela negligencia as FFAA, é porque é um país seguro. Fronteiras definidas, sem inimigos externos e mesmo sem intenção de atacar quem quer que seja. Considerar a Rússia como uma ameaça potencial, é bobagem, a Rússia só causa problemas nos antigos quintais da URSS, que ela ainda tem como seus.

pgusmao
pgusmao
2 anos atrás

Será que o Brasil não devia adquirir alguns T-38 dos EUA para serem usados na AFA??? Seria uma transição boa para jatos, pois os americanos estão aposentando vários.

MARIO
MARIO
Reply to  pgusmao
2 anos atrás

pgusmao, o custo de vôo do T-38 é quase igual ao do F-5, e os americanos estão sendo retirados porque estão no osso, ou pelo menos, com muita dificuldade de manutenção. Além disto, mesmo com algumas modernizações de aviônica.
Não creio que valha a pena.
Se fosse para pegar alguma coisa nesta categoria (que não sei se é realmente necessário) seria melhor pensar nos Hawk T1 do Reino Unido, que estão sendo substituídos pelo T2, e talvez alguns dos modelos anteriores de outros usuários do Hawk

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  pgusmao
2 anos atrás

pgusmao, O emprego do treinador a jato T-38, de capacidade para voo supersônico e empregado no treinamento de aspirantes a pilotos de caça da USAF (Força Aérea dos EUA), não tem nada a ver com o treinamento realizado na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga – SP. Na AFA se faz o treinamento primário (T-25) e básico/avançado (T-27), para formar aspirantes a oficial aviador que depois se especializarão nas aviações específicas: caça, transporte/patrulha e asas rotativas, em três esquadrões baseados em Natal (RN) de instrução especializada equipados com A-29 Super Tucano (Esquadrão Joker – 2º/5º GAv), C-95 Bandeirante (Esquadrão… Read more »