Home Força Aérea Brasileira Caças da Marinha e da FAB realizam voo de reabastecimento

Caças da Marinha e da FAB realizam voo de reabastecimento

6374
69

fab-e-mb-1

No dia 18 de outubro, em Anápolis (GO), o Primeiro Esquadrão de Aviões de Interceptação e Ataque da Marinha do Brasil (MB), o Primeiro Grupo de Caça e o Primeiro Grupo de Defesa Aérea, ambos da Força Aérea Brasileira (FAB), realizaram uma operação de Reabastecimento em Voo (REVO) entre aeronaves de caça.

No treinamento, o objetivo era que as aeronaves AF-1 da MB provessem um apoio aéreo aplicável à tarefa de sustentação ao combate, transferindo combustível para as aeronaves de uma esquadrilha de caças F-5M da FAB e, por conseguinte, ampliando a autonomia/alcance das aeronaves recebedoras.

fab-e-mb-2

O fato, inédito no Brasil, se deu graças à capacidade de a MB atuar com aeronaves de caça como reabastecedoras, através do POD de reabastecimento Buddy Store (sistema que permite a passagem de combustível de uma aeronave para outra). Conectado à estação central das aeronaves AF-1, o Buddy Store foi projetado para permitir a realização do REVO de maneira rápida e eficaz em operações navais nucleadas em porta-aviões, assim como cumprir as funções de reabastecedor em aeródromos pequenos. Também pode ser empregado no caso de pane de reabastecedor ou em uma possível falta desse tipo de aeronave.

O exercício contribuiu para o desenvolvimento e para a otimização do emprego conjunto dos recursos materiais das Forças Armadas, bem como para aumentar o nível de padronização de doutrina e dos procedimentos. A operação demonstra o esforço da MB e da FAB para intercambiarem serviços, sem o comprometerem suas funcionalidades e consubstanciando o conceito de interoperabilidade.

fab-e-mb-3

FONTE: Marinha do Brasil

69
Deixe um comentário

avatar
69 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
25 Comment authors
BuenoRoberto F SantanaBillyRommelqeFarroupilha Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Quanto de querosene podem transferir?

Ádson Caetano Araújo
Visitante

Eu, particularmente, defendo a modernização dos AF-1 por sua versatilidade. Essa modernização deve contemplar a integração de mísseis anti navio ao caça.

Vagner
Visitante
Vagner

Boa tarde Cel Nery, Não tenho esse dado, mas tenhamos em mente que um REVO para a FAB, com reabastecedor, tem um emprego no nível mais operacional ou estratégico, enquanto para a MB, com um outro caça como reabastecedor, o nível é tático, nas proximidades do NAe. Posso adiantar que é possível transferir tanto combustível interno quanto dos subalares do AF1, pois todo o sistema é interconectado. Teoricamente vc pode manter, como exemplo, um AF1 on station, no circuito de pouso do NAe, e ele pode transferir praticamente tudo o que tem, mantendo apenas o suficiente para o próprio pouso.… Read more »

Mauricio R.
Visitante

Melhor economizar a verba e adquirir mais mísseis para os P-3.

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Acredito que a base de calculo para dos seguintes dados:
.
Combustivel interno total do A-4: 3.028 litros.
Combustivel do equipamento “Buddy”: 1.135 litros
Combustivel dos tanques externos: 2 X 1.514 litros
Total: 7.191 litros.
.
Total combustivel interno do F-5: 2.540 litros
Tanque externo: 1.041 litros.
Total: 3.581 litros
.
Com os numeros, de acordo com o tipo de missao e certas condicoes, a quatidade de combustivel que se pode transferir podera variar.

junior
Visitante
FighterBR
Visitante
FighterBR

Espero que o Gripen tenha o sistema Buddy

Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

É muito bom ver essa integração das forças, demonstra coordenação e logística séria.
E parabéns a todos aviadores pelo seu dia!!!

Marcos
Visitante
Marcos

Pegando os números acima, dá 1x 1.
Daria para fazer a mesma coisa com o A1?

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Marcos,
Sim.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Vagner, você falou mas não disse nada. Quem respondeu foi o Roberto. Até aonde sei, o REVO embarcado tem como função primária permitir que o caça decole com a carga de armamento necessária, reduzindo o combustível. O REVO ocorre praticamente na vertical do NAeL. Queria saber a quantidade do sistema buddy: 1.135 litros. Obrigado.

Bille
Visitante
Bille

Senhores, e sobre o A4 que caiu antes da olimpíada, alguma noticia do piloto e/ou da aeronave?

Não ouvi mais falarem nesse assunto…

Renato Carvalho
Visitante

Lindo nos céus do Vietnam …

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Comentário retido, porquê ?

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Bille 24 de outubro de 2016 at 0:14
Vai pro PN.

Diogo de Araujo
Visitante

Deus do céu, cadê o Gripen

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

P.S.
A Douglas Aircraft, fabriacante desse Buddy, dizia na época que o equipamento era “self contained”, ou seja, muito provavelmente não pode transferir o combustível da aeronave, somente o que nele contem, 1.135 litros.

Glasquis 7
Visitante

Bille 24 de outubro de 2016 at 0:14
As buscas foram abandonadas a semana passada sem sucesso.

Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

Diogo de Araujo 24 de outubro de 2016 at 6:58 Deus do céu, cadê o Gripen . Amigo, acho que nem a SAAB sabe. Prometeram o voo do “E” para este ano, e até agora nem sinal de fumaça. Desse jeito só sendo muito otimista para acreditar em Gripen por aqui em 2019. Muita enrolação… . Gostei muito da nova versão com todas suas melhorias, e acredito que tenha sido mesmo a melhor opção por custo-beneficio, mas tendo em vista a morosidade do programa, começo a achar que o barato vai acabar saindo caro.. Fossemos de SH ou mesmo Rafale,… Read more »

Glasquis 7
Visitante

Só uma dúvida de leigo,

O A 4 na função de reabastecedor perde as suas caraterísticas de combate? ele precisaria de outras aeronaves pra dar cobertura ou mesmo com tanques externos cheios consegue combater?

Glasquis 7
Visitante

Rodrigo M 24 de outubro de 2016 at 9:54

“…acredito que tenha sido mesmo a melhor opção por custo-benefício…”

Só se for o custo de operação pois os custos de compra foram exorbitantes.

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Acredito que o A-4, mesmo como reabastecedor, possa ainda levar seus canhões carregados e um par de Sidewinders, além de seus tanques externos. Ele, em uma situação de ameaça poderia alijar os tanques e ir para o combate.
Entretanto, na pratica isso seria diferente, nessa função, como reabastecedor, a aeronave serve como uma reserva próxima à base ou em algum ponto determinado da rota de aeronaves que estariam no retorno de alguma missão, preferencialmente em alguma área segura, não necessitando combater.

Gustavo
Visitante
Gustavo

Por isso acho interessante o A4 modernizado, mesmo que em pequena quantidade, permanecer na ativa, para se um dia, com os Sea Gripen farão uma ótima dupla para nossa realidade. ($$$)
Imaginem nosso opalão com 6 A-4, 12 Sea Gripen, 2 SH60 SeaHawk, 1 esquilo e 2 S-2 Turbo Tracker? Um sonho para nós meros mortais. (haja dinheiro e sonho)
Abraços!

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Vale lembrar o Buddy do Rafale, que muito provavelmente é o mesmo que o Super Étendard usava. Não saberia dizer se ele já carrega algum combustível próprio ou drena do avião.

Mauricio R.
Visitante

Essa aeronave não agrega nada, melhor destinar a verba para o upgrade do maior número possível de A-1.
Porta-aviões e aviação naval de asa fixa não nos fazem falta, fazem falta as escoltas paradas.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Glasquis7,

Os custos de aquisição do Super Hornet e do Rafale seriam ainda mais exorbitantes – vide Rafale na Índia.

Glasquis 7
Visitante

Rafael Oliveira 24 de outubro de 2016 at 13:47 O custo de cada SH em 2013 era de aproximadamente 55 milhões de dólares americanos a unidade. Hoje acho que não deveria ultrapassar os 75 Milhões mas na época do fechamento do FX deve ter estado em torno dos 60 Milhões. (chutando ne?) Mas a questão não está no custo do vetor mas sim na negociação imposta pelo Brasil. Aquela coisa que conhecemos como TOT. Isso é o que fez os preços dispararem. Comprou-se um caça que ainda não existia, pra custear o desenvolvimento da modernização do JAS 39 pra ver… Read more »

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel
Negrão
Visitante
Negrão

Hipoteticamente falando, quais os custos de aquisição, manutenção e operação dos seguintes caças, novos e usados:
SU 30;
Su35;
MIG 29 e 35;
Mirrage 2000;
F16;
F15;
F18.

Agradeço desde já!

Bardini
Visitante

Glasquis 7
.
Você realmente acompanhou todos os capítulos da novela chamada “FX-2”?
.
Quem acompanhou sabe que, o Gripen E, mesmo “não existindo”, “sendo um protótipo”, e toda aquela conversa, era o que entregava tudo o que a FAB exigia, e ao menor custo depois de passada a régua na compra.

Glasquis 7
Visitante

Bardini 24 de outubro de 2016 at 15:02 Sei sim. A minha crítica é justamente essa. Devido à exigência da TOT, os custos dispararam e os prazos foram se dilatando. Se o FX apenas compra-se os caças o custo seria (no caso do SH 18) esses que mencionei e já teríamos alguns voando por estas bandas. Acredito que a SAAB insistiu por que pra ela foi um ótimo negócio, eles desenvolvem a próxima serie do JAS 39 e o Brasil ajuda a pagar a conta. Eu sei, o Brasil vai receber a transferência de tecnologia que o fará um produtor… Read more »

Glasquis 7
Visitante

Bardini…

Onde se lê “ra FAB fica com os risos do projeto” leia-se “a FAB fica com os riscos do projeto “.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Glasquis7, segundo reportagem da Istoé de dezembro de 2012: “O documento da FAB mostra, por exemplo, que o F-18 tem um custo de US$ 5,4 bilhões para o pacote de 36 aeronaves. É quase a metade dos US$ 8,2 bilhões orçados no Rafale. O Gripen NG, oferecido a US$ 4,3 bilhões, é o mais barato dos três.” . O valor do Gripen, ao fechar o contrato, foi de US$ 4,5 bi. Não duvido que o tal documento fosse verídico e apenas houve uma correção de valores, dada a demora e outros pormenores. . Essa exigência de ToT e fabricação parcial… Read more »

Clésio Luiz
Visitante

Roberto, acho que a expressão “self contained”, nesse contexto, significa que o casulo não precisa de ajuda (força elétrica ou hidráulica) do caça para funcionar, por causa da pequena hélice no nariz que gira o compressor/alternador do casulo.
.
Dia desses estava vendo um documentário sobre o A-4 que dizia que o casulo pode transferir quase todo o conteúdo interno e externo (os tanques das asas) do A-4 para a aeronave reabastecida.
.
A Cobham, provavelmente a única fabricante desses casulos hoje, diz que ele pode transferir combustível interno da aeronave reabastecedora para a aeronave receptora:
.
http://www.cobham.com/mission-systems/air-to-air-refuelling/hose-and-drogue-systems/buddy-refuelling-pods/31-300-buddy-store-datasheet/

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Os custos do F-18 mencionados são “fly away cost” em MYP “multi year procurenent contract” para a US Navy. Nenhum outro país compra F-18 nesses preços.
O mesmo com o Rafale. O preço do Rafale para a França está na ordem de 140 milhões de Euros.

Glasquis 7
Visitante

Rafael Oliveira 24 de outubro de 2016 at 16:08 Justamente, assim com você mencionou, eu não critico a aeronave nem a opção que a FAB fez por ela. O que eu critico é o negocio em si. Se não tivesse a TOT, o Brasil teria hoje uma boa parte da sua nova frota de caças voando e a custos muito mais baixos, seja ele (o caça) qual for que tivesse sido escolhido. O SH 18 apenas serve como referência de valor. Imagina que o Br5sil optasse pelo SH, seria US$ 227 milhões por cada SH contra US$ 50/60 milhões na… Read more »

Petardo
Visitante
Petardo

O SH é vendido, na média, por 90 milhões, o Rafale 135 na versão C e 145 na versão N (naval), e o Gripen a 75. Considerando que o ToT dobrou o valor do nosso contrato, calculem o preço de qualquer uma das opções se fôssemos incorporar a tecnologia.

Agora que já fizemos a compra da tecnologia, o governo tem que trabalhar para manter aberta a linha de produção aqui, assim o conhecimento não se perde. O AMX nos trouxe várias coisas positivas, mas poderia ter sido muito melhor se a linha tivesse se mantido por mais tempo.

Bardini
Visitante

Creio que nem faria muito sentido contar com o sistema Buddy, se não houver possibilidade de transferir o combustível interno e externo dos outros tanques.
.
O Gripen E, com três tanques externos e a capacidade interna, contará com algo entorno de 7.000kg de combustível.
.
Qual o fator usado para converter o kg de JP-5 para Litros?
~0,81 kg/l?

Roberto F Santana
Visitante
Roberto F Santana

Prezado Clésio Luiz, Fazendo uma melhor pesquisa, realmente o equipamento é capaz de transferir o combustível da aeronave que o transporta, porém, a expressão “self contained” indica não só o maquinário, assim como o combustível, ao que parece, a Douglas quando ofereceu o equipamento, ele só transferia o próprio combustível, entretanto, já usava a mesma expressão, o equipamento era usado principalmente pelo Douglas A-1 Skyraider. Houve um aperfeiçoamento nas versões seguintes, possibilitando então a transferência de combustível interno. Sem embargo, nos primeiros desenhos desse tipo de Buddy, ele não tinha nenhuma tubulação acima dele para a transferência, entretanto, nos mais… Read more »

Glasquis 7
Visitante

Petardo 24 de outubro de 2016 at 17:00

“O SH é vendido, na média, por 90 milhões,…”

Tudo isso??? Em 2013 eram US$ 55 Milhões por unidade.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Recordar é viver… Anos 70, Vietnam nos céus do Brasil em 2016, serão cenas de algum filme que estão filmando? Ops! Me enganei. É nossa Defesa, com equipamento antigo e limitado, tirando leite de pedra. – Caramba, o contrato dos Gripens já foi assinado, tudo já foi encaminhado e está andando. Mas tem uma turma que ainda está parada no FX, e outra no FX2, e outra ainda em ambas as passadas concorrências. Que saco isto! Outros com preguiça de pesquisarem coisas básicas, na cara dura, entram aqui querendo que se lhes informe custos e diferenças entre caças. Tira a… Read more »

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Farroupilha,
A 4 retrofitado pelos Israeli fica muito bom, ainda mais que nossas células não estão no osso.
Radar Elta, Derby, Python V, AIM 120, Harpoon e bombas “inteligentes” o tornam ainda uma boa arma em nosso TO.
Por isso defendo esse retrofit em todas as células disponíveis a ser realizada pelos Israelenses,
função principal Ar-Sup. Com capacidade REVO o tema-tópico amplia nossas variáveis para ataque/defesa. Basta raciocinar.
Operando a partir da BANT e BAeNSPA.
KC’s são bem vindos.
http://www.naval.com.br/blog/2009/04/29/o-novo-radar-dos-af-1/

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel

Comentário retido, papo normal, não me dirigi a ninguém ….. Qualé que é ?

Carlos Alberto Soares-Israel
Visitante
Carlos Alberto Soares-Israel
Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Boa noite, Glaquis. Antes de mais nada quero te dizer que tenho extremo respeito pelo Chile, incluindo certamente seu povo, a ENAER, etc. Mas quero fazer um comentario: não seria mais adequado, então, não desviar dinheiro da venda de minerio de cobre para asforças armadas, mas sim para outras finalidades? Me parece que sem a aquisição de meios pelas respectivas forças armadas, as industrias belicas de paises como EUA, UK, Russia, simplesmente seriam suprimidas. Assim, a FAB prover recursos diretamente à industria nacional não somente é uma forma adequada para sua operacionalização, como tambem é uma contribuição enorme e indiscutivel… Read more »

Glasquis 7
Visitante

Rommelqe 24 de outubro de 2016 at 20:35 “não seria mais adequado, então, não desviar dinheiro da venda de minério de cobre para as forças armadas, mas sim para outras finalidades?” A lei de reserva do cobre está implementada no Chile através de poder Constitucional desde 1958. Não se desvia dinheiro pras FFAA do Chile, apenas se destina um 10% dos lucros, apenas dos lucros líquidos, da venta de cobre como reserva pra compra e modernização do material das FFAA. Não vejo como possa ser considerado como “desvio” . As FFAA do Chile, neste caso específico, a FACh faz seu… Read more »

Glasquis 7
Visitante

“a FAB prover recursos diretamente à indústria nacional não somente é uma forma adequada para sua operacionalização, como também é uma contribuição enorme e indiscutível para o desenvolvimento tecnológico e econômico. E mais clara.” A função da FAB é prover ao Brasil segurança na parte aérea. Desenvolvimento tecnológico e econômico, assim como empregos e ventas de material pro estrangeiro, são funções de outros ministérios que poderiam sem dúvida ser em auxiliados pela FAB sempre que esta tenha as suas obrigações de segurança completamente cobertas. Acho que não é o caso da FAB. Negligenciar a função de defesa pra ir atrás… Read more »

Billy
Visitante
Billy

Todos os A4/podem realizar esta missão? Para missões em áreas desprovidas de muitas pistas que operam o F5 é de grande importância, não?

Glasquis 7
Visitante

Rommelqe 24 de outubro de 2016 at 20:35

“Concordo que com segurança e defesa nacional não se deve absolutamente titubear, questão essa muito mais critica sob a ótica chilena do que a brasileira. Concorda?”

Por favor se explique melhor, não entendi aonde quer chegar.

Bardini
Visitante

Glasquis 7 24 de outubro de 2016 at 21:44
.
“Art. 16. Cabe às Forças Armadas, como atribuição subsidiária geral, cooperar
com o desenvolvimento nacional e a defesa civil, na forma determinada
pelo Presidente da República.”
.
A FAB cumpre a missão, que vai muito além de: “A função da FAB é prover ao Brasil segurança na parte aérea”.
.
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp97.htm