domingo, maio 16, 2021

Gripen para o Brasil

Alvo QF-4 Phantom II da USAF voa última missão não tripulada

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

QF-4 last unmanned mission

A Força Aérea dos EUA (USAF) voou sua última missão com um drone QF-4 Full Scale Aerial Target (FSAT), à medida que continua sua transição para o mais recente QF-16, divulgou o serviço em 29 de agosto.

O QF-4 decolou da Holloman Air Force Base, no Novo México, e exerceu a função-alvo para um Lockheed Martin F-35 Lightning II Joint Strike Fighter sobre o White Sands Missile Range, em 17 de agosto, durante a surtida não tripulada final do tipo.

Missões tripuladas do McDonnell Douglas F-4 Phantom II continuarão até o fim do programa QF-4 de 15 anos, em dezembro. Com a entrega do último QF-4 pela BAE Systems para a USAF em novembro de 2013, a Boeing irá converter 126 Lockheed Martin F-16 Fighting Falcons para drone QF-16 ao longo dos próximos anos.

- Advertisement -

11 Comments

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rodrigo Silveira

Quem pode, pode…

Tomcat

Triste fim para um modelo de avião com tanta história, mas é um fim digno

Dieter

O avião bonitão virou sucatão??? Quando chega a FAB, então???

Rodrigo Maçolla

Mais do que usar o F-4 o “loco” mesmo é eles agora a partir de Dezembro usarem o F-16 !!! É só casco, o motor deve estar com poucas horas disponíveis … Mais é um F-4 e um F-16…

Mais o que é mais digno para o fim da vida de um avião ? servir de alvo de treinamento ou ser desmontado, picado e virar sucata, como o que foi feito coma as últimas células de F-14 que estavam no deserto, pra impedir que partes acabassem na mão de contrabandistas de peças destinadas aos Tomcat do IRÃ

kfir

Por isso que temos de comprar o f35… precisamos treinar contra eles…

Franco Ferreira

Mas não foi derrubado… A foto é do pouso, não da decolagem!

Guizmo

Já havia visto essa configuração e sempre me espanta pela engenharia de terem feito um F-4 versão drone, remotamente controlada, há anos…..

Outra coisa que me chamou atenção foi o que o Franco disse: A aeronave conseguiu voltar inteira de sua última missão Kamikaze, contra o F-35, rsrsrs

JT

Franco e Guizmo:

“Você pode até imaginar como seria estar voando naquele assento, com um míssil se aproximando, mas não espere nenhuma explosão: basta que o míssil atinja determinadas coordenadas em relação ao alvo, sem destruí-lo, para que os sistemas embarcados do QF-16 validem o disparo como correto, podendo trazer todos os dados para terra e ser reutilizado como alvo numa nova missão”

Retirada do link citado na reportagem sobre o QF-16.

Guizmo

Meu caro JT, vc conhece o significado da expressão: “rsrsrsrs”, que eu usei no meu comentário?

Diogo

Já vi um documentário sobre eles. O míssil é programado para passar perto do aviao, se for onde foi programado, foi um acerto. Mas nesse documentário falaram que as vezes o míssil é tão preciso que acaba acertando a aeronave, e foi o que aconteceu.

JT

“Guizmo 3 de setembro de 2016 at 10:36

Meu caro JT, vc conhece o significado da expressão: “rsrsrsrs”, que eu usei no meu comentário?”

Meu caro, me pareceu riso de deboche do coitado do F-35. É a falta de entonação do texto escrito.

De qualquer forma, fica o esclarecimento aos futuros leitores sobre o funcionamento desses “pegas”.

Reportagens especiais

Viggen, I’m your son! – parte 2

Em 3 de junho de 1992, o Parlamento Sueco concedeu à FMV a aprovação para a encomenda do segundo...
- Advertisement -
- Advertisement -