Legacy 650 - imagem Embraer

Suíça, Genebra, 24 de maio de 2016 – A Embraer Aviação Executiva e a Air Hamburg, operadora alemã de fretamento de aeronaves, assinaram acordo de compra para mais um Legacy 650. O acordo foi anunciado hoje durante a abertura da 16ª Convenção Europeia de Aviação Executiva (EBACE), em Genebra, na Suíça. A entrega desta aeronave está prevista para o terceiro trimestre de 2016.
Esta nova aquisição aumenta para nove o número de jatos executivos da Embraer na frota da Air Hamburg, atualmente composta por sete Legacy 600/650 e um Phenom 300, que atendem as viagens de seus clientes para destinos na Europa, Rússia, e Oriente Médio.

“Acreditamos que a lealdade dos clientes é conquistada ao assegurar sua total satisfação, e pela construção de relacionamentos fortes e duradouros. Parcerias são estabelecidas com base em compromisso real, e temos o prazer de apoiar o crescimento contínuo da Air Hamburg”, disse Marco Túlio Pellegrini, Presidente & CEO da Embraer Aviação Executiva. “Entendemos que jatos executivos são poderosas ferramentas para executivos de sucesso no mundo inteiro, que valorizam velocidade, flexibilidade, eficiência, e produtividade em suas parcerias de negócios, bem como para viagens a lazer com os familiares. O Legacy 650 oferece todos estes valores, incluindo um conforto de cabine superior em uma plataforma com mais de 25 milhões de horas de voo.”

“Nossos clientes têm consistentemente ficado impressionados com a experiência de voo sem paralelo do Legacy 600/650. Com três zonas de cabine distintas, e a maior cabine de passageiro e compartimento de bagagem de suas categorias, estas aeronaves contém tudo que precisamos para suportar nosso compromisso firme de oferecer um serviço exclusivo”, disse Simon Ebert, Sócio-Diretor da Air Hamburg. “A alta confiabilidade dos jatos executivos da Embraer também são fundamentais para a nossa estratégia de crescimento assim como para a manutenção da disponibilidade dos nossos serviços 24/7 todos os dias do ano.

FONTE: Embraer

Previous articleVoo supersônico no Vale do Paraíba?
Next articleExonerada a secretária de Produtos de Defesa
Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Bardo

Embraer está firme e forte.

kfir

meu sonho é o phenon 100 é não o acho tão caro assim, só queria que ele tive-se alcance maior
mas 3 milhões não acho caro.

tobyaps

Com o risco de atentados em aviões na europa, se tivesse a mordomia de escolher entre voar por uma companhia aérea e uma executiva, iria pela segunda, rs. A embraer é uma das poucas coisas atualmente que me traz orgulho de ser brasileiro.

Aéreo

As notícias estão acontecendo em “avalanche”, porque os departamentos de marketing dos fabricantes trabalham assim de modo a maximizar suas campanhas de comunicação. A Embraer (assim como os concorrentes) aguardam eventos como o European Business Aviation Convention & Exhibition que vai até depois de amanhã na suíça para divulgar as encomendas. A principal notícia da aviação comercial até agora em 2016 foi a compra de 125 C Series (75 firmes + 50 opções). Isto ressuscitou o programa C Series e é tão importante para a Bombardier quando a compra de mais de 100 ERJ-145 há 20 anos atrás pela Continental,… Read more »

Maria do Carmo Lacoste

Aéreo 24 de maio de 2016 at 18:03 Pelo que andei lendo foi uma venda com prática de “dumping”, ou seja, uma venda criminosa, com prejuízo de 500 milhões de dólares, ao mesmo tempo o governo do Canadá vai repassar 2 bilhões de dólares a fundo perdido para a empresa. Boeing e Embraer aguardam, mas tudo indica que irão entrar com uma ação na OMC por esta prática ilegal. Lhe pergunto, quem vai confiar em uma empresa assim? esse é o risco que se corre, mal das pernas, deu um passo maior do que podia, a agora está no sal,… Read more »

fonseca

Quanto à crítica e resposta, acredito que cada um tem sua razão. Explico. Muitas das notícias relacionadas à embraer devem ser press releases. Há algum tempo a trilogia informou que somente publicaria press releases de anunciantes. Afinal, se alguma empresa não considera o espaço digno de receber publicidade, também não se importaria se seus press releases não fossem publicados (não foram essas as palavras). Além disso, a embraer é uma empresa brasileira, que nos traz orgulho. assim, seria natural destacar seus feitos. Certamente a imprensa canadense faz o mesmo com a Bombardier. Talvez muitas notícias importantes, como essa do EC… Read more »

fonseca

Air Hamburg?
Seu sanduíche entregue com rapidez. rs.

Marcos

Já foi colocado que o Poder Aéreo evita colocar noticias de acidentes.

Marcos

A linha Legacy 600/650 merecia uma repaginada: fly-by-wire e aviônica igual ao Legacy 450/500; novo desenho para o cone de nariz e janelas da cabine; e nova saída do APU.

Marcos

Já foi noticiado que a Embraer estuda desenvolver um jato executivo maior, totalmente novo, para concorrer com a família Gulfstream e Global Express. Pode sair dai o primeiro jato em fibra de carbono da Embraer, seguindo o caminho do B-787 e A-350.

JT8D

Parece que o Legacy 650 é o executivo em que a Embraer tem a menor margem de lucro, por ser um avião de projeto relativamente antigo, derivado do ERJ135. A Embraer foi populando sua linha de executivos aos poucos e hoje atende a praticamente todos os segmentos. Mas faltam jatos maiores e de maior performance, da classe dos Falcon e Gulfstream. Provavelmente o próximo movimento da empresa será para preencher essa lacuna

Maria do Carmo Lacoste

JT8D 24 de maio de 2016 at 21:24
Já não começaram a fazer isso? ou ainda, por que não fizeram isso antes?

JT8D

Maria do Carmo Lacoste 24 de maio de 2016 at 22:06
Não sei se já começaram, nunca li nada sobre isso. Mas é claro que a Embraer não fica divulgando para a concorrência quais serão seus próximos passos.
Porque não fizeram antes? Provavelmente porque isso demanda investimentos e a Embraer, como qualquer outra empresa, tem um número limitado de projetos que consegue desenvolver simultaneamente

Mauricio R.

OFF TOPIC…, mas nem tanto!!!!
.
EBACE: G500 fica em casa, de olho em entrega antecipada.
.
“The G500 and G600 are designed with Gulfstream’s widest cabin, Pratt & Whitney Canada PW800 engines, fly-by-wire controls and an industry-first application of active control sidesticks in a commercial aircraft. Despite the injection of new technology, the programme is running ahead of schedule, with the G500 already compiling more than 1,000 flight hours on 250 flights.”
.
(https://www.flightglobal.com/news/articles/ebace-g500-stays-home-with-eye-on-early-delivery-425637/)

Mauricio R.

OFF TOPIC…, mas nem tanto!!!!
.
EBACE: Gulfstream antecipa o primeiro voo do G600:
.
“Gulfstream announced today that the scheduled first flight of the G600 business jet should take place a few months early in the fourth quarter of 2016.”
.
(https://www.flightglobal.com/news/articles/ebace-gulfstream-accelerates-first-flight-of-g600-425630/)

Luiz Fernando

Espero que não sofram outro acidente… com a irreparável perda de vidas.

Se um dia a Embraer entrar neste segmento, estes são os caras a serem bastidos…

Anselmo Fukuciro

Fora do tópico, mas dentro do tema, alguém poderia me esclarecer uma dúvida que carrego faz tempo:
O Falcon 7X é um trimotor. Com certeza, poderia voar bimotor.
Mas a dúvida é se ele teria capacidade de voar monomotor, obviamente estando dentro do envelope de vôo.
Saudações!

EduardoSP

Aéreo, Se não estou enganado, já li por aqui que entre as diretrizes desse blog está a não divulgação de notícias da aviação comercial. Evidentemente isso não é uma regra absoluta, mas normalmente só vemos aqui notícias de aviação comercial da Embraer, por ser a maior empresa do ramo no país. De vez em quando saem noticias de outros fabricantes. Outra diretriz é não divulgar acidentes, exceto de aeronaves militares. Dê novo isso não é absoluto. O acidente com o Super Puma que há algum tempo levou à proibição de vôo do aparelho e à identificação da falha na transmissão… Read more »

Rinaldo Nery

E parece que aquela solução proposta pelo fabricante não deu resultado. Trágico.

Marcos

Algum diretor da Embraer comentou em entrevista que a Embraer estuda sim um novo jato executivo. Qual motivo ainda não levou a coisa para frente? Muito provável a inadimplência do Governo Federal sorveu grande parte do caixa da empresa. E qual motivo a empresa simplesmente não paralisou o projeto do KC-390? Entende a empresa que se de um lado não há por hora pedidos – e nem haveria de ter, já que é um mercado diferenciado -, pelos contatos e pesquisas há de fato um mercado para sua aeronave. Quanto a nova aeronave, que entraria em um mercado dominado pela… Read more »

Marcos

Excelente matéria do Lineage 1000 na AviationWeek.

Aéreo

Sobre o novo jato executivo da Embraer é o que falta para a empresa possuir produtos para todos os seguimentos do mercado de aviação executiva. Se for considerada a seguinte segmentação de mercado: Very Light, Entry, Light, Midlight, Midsize, Supermidsize, Large, Utra-Long Range e Bizliners A Gulfstream e Dassault atuam na parte de cima: Midsize, Supermidsize, Large, Ultra-Long Range. A Cessna e Embraer na parte de baixo e central, presentes em todas as categorias porem ainda ambas sem um Ultra-Long. A Bombardier atual em todos os segmentos a exceção de Very Light, Entry, mas com uma ressalva, precisou comprar a… Read more »

Marcos

Aéreo: Bem colocado seus pontos. Porém os pontos críticos do B-787 não estão na estrutura da aeronave, mas na sua parte elétrica e eletrônica, não a toa que apelidaram de avião elétrico. A Embraer pode avançar aos poucos, como fez com o Legacy 450/500, que não utiliza um sistema fly-by-wire 100% puro. No caso da estrutura, pode fazer como o Premier da Beech, fabricado em fibra de carbono, mas com uma aviônica conservadora. Duas coisas que a Embraer já declarou em passado não tão distante: primeiro que ela tem base tecnológica para fabricar uma aeronave de grande porte em estrutura… Read more »

Jr

O próximo passo da Embraer depois de certificados a família E2 será um novo jato de longo alcance para competir com Bombardier, Gulfstream e quem sabe tomar o lugar da Dassault como terceira grande nesse mercado em um primeiro momento. Para conseguir isso ela terá que fazer um jato revolucionário/diferente, algo que chame a atenção desse público restrito que são os compradores de jatos de longo alcance, essa gente costuma ser bastante conservadora e fiel as três grandes do mercado. A parte boa é que ela provavelmente vai aprender bastante participando do programa Gripen NG, lembrando que ela vai ser… Read more »

Aéreo

Olá Marcos Também acredito que o futuro jato se longo alcance (se ele vier a existir) será revolucionário apenas em estrutura, fuselagem e asas com grande uso de carbono e mais conservadores em sistemas. Os ganhos de uma fuselagem em carbono são interessantes. Maior altitude de cabine, menor massa que pode significar alcance, teto de serviço, economia de combustível. Já a segunda revolução, que seria uma arquitetura, bleedless, como no 787, onde o ar sangrado dos sistemas de pressurização, degelo e ar condicionado é substituido por eletricidade em sistemas individuais não depende apenas da Embraer e sim de fornecedores como… Read more »