F-35 Ejection Seat Fix Delayed to 2018. Pilot Restrictions Continue

Por Lara Seligman

WASHINGTON – A Força Aérea dos Estados Unidos não vai suspender as restrições de peso dos pilotos de F-35 até 2018 – pelo menos – pois mais testes precisam ser feitos para tratar de questões de segurança com o assento ejetável do jato, informou o site Defense News.

“O Joint Program Office (JPO) está trabalhando para acelerar o cronograma de correções e uma grande quantidade de energia será aplicada para garantir que este problema seja resolvido em 2017”, escreveu o porta-voz da Força Aérea dos EUA tenente-coronel Christopher Karns, em um e-mail em 9 de janeiro ao Defense News. “No entanto, resolver esse problema é a prioridade.”

A notícia do atraso é mais um golpe para o Programa Joint Strike Fighter do Pentágono, que está se aproximando rapidamente do prazo crítico deste ano para declarar operacional a variante F-35A da Força Aérea. A pressão também é para o jato de combate fazer a sua estreia europeia aguardada no Air Show de Farnborough, no Reino Unido neste verão. Em um embaraço para um programa com anos de aumentos de custos e atrasos no cronograma, o avião foi forçado a adiar sua apresentação em Farnborough em 2014 após um incêndio no motor groundear a frota.

Se 2014 foi o ano do motor, 2015 foi o ano do assento ejetável. A questão tem perseguido o Pentágono desde o verão passado, quando foi revelada a preocupação com o aumento do risco de lesão no pescoço de pilotos durante ejeções a baixa velocidade, o que levou os pilotos leves serem impedidos de voar. Testes do assento, construído pela empresa britânica Martin-Baker, em agosto do ano passado mostraram um risco “elevado” de danos para pilotos de F-35 com peso inferior a 165 libras (74,9 kg), e um risco “inaceitável” para os com menos de 136 libras (61,7 kg), de acordo com a Força Aérea .

O Pentágono está trabalhando com a Martin Baker e fabricante de aviões Lockheed Martin em três correções para o problema do assento ejetável: concepção de um capacete mais leve para reduzir a pressão sobre o pescoço do piloto; a instalação de um interruptor para pilotos leves que irá atrasar a abertura do paraquedas principal; e montagem de um “painel de apoio de cabeça” entre os tirantes de paraquedas que irão proteger a cabeça do piloto de se mover para trás durante a abertura do paraquedas.

A JPO disse Defense News em outubro que as três correções seriam totalmente implementadas até ao Verão de 2017, permitindo que aos serviços levantar as restrições de peso. Mas, em um e-mail de 8 de janeiro, a Força Aérea reconheceu que a data foi empurrada para trás, para o início de 2018, no mínimo.

“Mais testes foram realizados, e os resultados iniciais parecem promissores, mas ainda temos um número significativo de testes a realizar para validar e qualificar o assento com as mudanças”, escreveu o porta-voz da Força Aérea Maj. Kelley Jeter. “As três correções: o painel de apoio de cabeça, o seletor de peso e o capacete peso leve Gen III estão programados para estar prontos para implementação no início de 2018, e permitirá à chefia da Força Aérea levantar a restrição que foi posto em prática para os pilotos mais leves. ”

Parte do atraso é o aumento do número de testes necessários para o painel de suporte da cabeça, e a combinação com o interruptor leve, Jeter escreveu em um e-mail complementar. Uma vez que todas as três correções estiverem implementadas, a Força Aérea vai começar a reavaliar a restrição de peso, disse ela.

Embora a Força Aérea não tenha dado detalhes adicionais sobre quais testes específicos foram feitos no assento até à data, o chefe do JPO tenente-general Chris Bogdan disse ao Congresso durante uma audiência em outubro, que a equipe havia testado o assento em baixas velocidades usando manequins leves (136 libras ou menos) e com manequins de pesos pesados ​​acima de 245 libras. Mas no momento o escritório do programa não tinha testado o assento usando manequins médios, representando a maioria dos pilotos, entre 136 e 245 libras. O JPO estava planejando testes neste envelope de peso para logo, disse Bogdan.

FONTE: Defense News

Previous articleEmbraer entrega 221 aeronaves em 2015, maior volume em cinco anos
Next articleMais um problema no F-35: risco de sobrepressurização nos tanques de combustível
Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader

Shiiiiiiit!!!

O anão raquítico e o hobbit irão ter de adiar denovo seu curso de piloto de F-35…

🙂 🙂 🙂 🙂 🙂

Jose Souza

cara menos de 62kg… deve ser mulher e modelo…ou seja……gatíssima…rs

agora entendi porque estavam criticando a pouca potencia do motor da “jaca”… só o piloto ..equipado deve pesar 100kg …sorry não resisti a brincadeira..rs

Victor Filipe

Acho que estou dentro dos parâmetros com os meus 1,95m e 91kg

BrancoF-16

Olha eu não poderia pilotar o F-35 tenho 1.70 e 65 kg estou dentro do padrão médio de altura do brasileiro.

Nonato

Contratam-se pilotos gordos. Paga-se bem. 200 horas de trabalho por ano. Viagens para as arábias.
E se torne invisível…
Maior sucesso com a mulherada.
Em caso de morte, direito a funeral em grande estilo…

Nonato

Excluiram meu post do supertucsno…

fonseca
Carlos Campos

esse é um problema tão pequeno, eles deveriam se preocupar com outras coisas

Renato B.

Se fosse um problema tão pequeno simplesmente ninguém ficaria sabendo. Na boa, isso é muito mais relevante que o F-35 israelense que está quase pronto. Os americanos estão pagando o preço por um projeto ousado, inovador e que me parece não ter amadurecido o suficiente. Começar a produção sem essa maturação foi uma forma de compensar os atrasos e o resultado é essa quimera de custos que estamos vendo. Vai voar? Claro que vai? Vai ser um diferencial no campo de batalha? Muito provavelmente. Mas não foi exatamente um momento brilhante na história da gestão de pesquisa, desenvolimento e inovação… Read more »

Renato B.

E não estou falando só do problema do assento ejetor, mas levando em conta a última rodada de problemas.

Vader

Na boa Renato, há 25 anos se alguém (piloto) ficasse paraplégico por causa de uma ejeção ninguém falaria nada. Há 40, se a aeronave tivesse assento ejetor o piloto já estaria muito agradecido. Há 70, ele abriria a carlinga e pularia de paraquedas. Há 80 não teria paraquedas.

O mundo (e a aviação junto) está ficando muito baitola…

Renato B.

Tranquilo Vader, concordo que o conceito de perdas aceitáveis muda com o tempo. Mas como eu disse: foi esse problema, mais aquele atraso, e outro atraso e um “tá em fase final de produção”, mais aquele motor e mais um monte de outras coisas. Não esperava algo fácil ou barato, na verdade eles assumiram um empreitada muito difícil. Vai voar? Já voa

Mas, em termos de desenvolvimento de projeto. Digamos que o rei pode até não estar nu, mas essa tanga não ficou boa não.

Vader

Renato, o que quero dizer é: não é o projeto que é ruim, são os requisitos que ficaram insuperáveis nas últimas décadas, sem contar que cada vez que resolvem um problema mudam um requisito e cria-se outro problema.

Enfim, paga-se pelo pioneirismo de querer construir um super-caça com toda a melhor tecnologia disponível no mundo, inclusive esta dos assentos ejetores para hobbits, supermodelos e australopitecos, que tem até ducha de água morna com movimento de vaivém…

🙂