segunda-feira, junho 27, 2022

Gripen para o Brasil

Setor aeronáutico vive nova fase de expansão

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

KC-390 - imagem 2 Embraer

ClippingNEWS-PAO desenvolvimento de programas de grande porte na indústria aeronáutica brasileira, como o da aeronave militar KC-390, a nova geração de jatos comerciais da Embraer e os caças F-X2, trouxe nova carga de trabalho para a cadeia aeroespacial e de defesa do país.

Juntos esses três programas somam investimentos de cerca de US$ 11 bilhões. Só o contrato de produção de 28 aeronaves KC-390, assinado mês passado com a Força Aérea Brasileira (FAB), representa um aporte adicional de R$ 7,2 bilhões para a Embraer.

O grande desafio das empresas do setor, no entanto, ainda passa pelo aumento da competitividade para que possam não só atender à Embraer, mas também aproveitar as oportunidades para evoluir tecnologicamente, diversificar a produção e, assim, atingir o mercado externo, afirma o coordenador do Grupo de Trabalho do Setor Aeroespacial e Defesa (Gtaero), José Wilmar de Mello, diretor da ThyssenKrupp Autômata.

“A cadeia de suprimentos do setor aeronáutico é global e, para participar dela, as empresas precisam ser competitivas perante concorrentes de classe mundial”, diz o vice-presidente financeiro e de relações com investidores da Embraer, José Antônio Filippo.

Segundo o executivo, o Programa de Desenvolvimento de Fornecedores (PDF) coordenado pela Embraer, assim como o FIP Aeroespacial, fundo que vai investir no setor, são as mais novas iniciativas apoiadas pela empresa para fomentar o fortalecimento da cadeia de base tecnológica. “Com isso estaremos impulsionando as empresas para crescer e, ao mesmo tempo, estreitando o relacionamento de inovação no Brasil.”

E-Jets E2 - imagem 1800x1200 Embraer

O vice-presidente de Engenharia e Manufatura da Embraer, Francisco Soares, afirma que a Embraer procura de forma contínua aumentar a participação dos fornecedores locais e inserir a cadeia produtiva nacional em seus projetos. Para os novos programas em desenvolvimento e que entrarão em produção nos próximos anos, segundo o executivo, a Embraer fez uma verticalização da produção, trazendo itens e componentes estruturais que eram fabricados no exterior para serem produzidos em suas fábricas no Brasil.

O chefe do Departamento de Fundos do BNDES, Leonardo Pereira, explica que o Fip foi uma iniciativa da Embraer para incentivar as empresas da cadeia a investirem em tecnologias úteis ao seu plano de negócios. “São tecnologias de difícil acesso, nas áreas de segurança de sistemas, transmissão de dados, óptica, monitoramento via GPS, aviônica e integração de sistemas.”

Pereira diz que já estão sendo avaliadas de 50 a 100 empresas com potencial para agregar valor e receber os investimentos do Fip, que terá patrimônio inicial de R$ 131,3 milhões. A Embraer, como empresa âncora do fundo, entrará com R$ 40 milhões e o restante será aportado pelo BNDES, Finep, Agência de Desenvolvimento Paulista (Desenvolve SP) e a Portbank, gestora do fundo. “O nosso objetivo é investir em sete a nove empresas num período de quatro anos”, afirma.

A Apex (Agência Brasileira de Promoções de Exportações e Investimentos) deve fechar, nos próximos dias, um novo convênio com o Cecompi (Centro para Inovação e Competitividade do Cone Leste Paulista), no valor de R$ 3,8 milhões para ajudar a promover as empresas da cadeia no exterior. Atualmente, segundo o gerente executivo do Cecompi, Marcelo Sáfadi, das 70 empresas que compõem a cadeia, 15 exportam produtos e 18 serviços.

Para o presidente da Akaer, especializada em engenharia de aeroestruturas, Cesar Augusto da Silva, investir na vocação do setor aeronáutico brasileiro para a concepção e desenvolvimento de bons projetos, especialmente na área de estruturas, é o caminho ideal para promover a evolução da cadeia aeronáutica do país. “Esse mercado cresce mais de 4% ao ano e movimentou US$ 43,6 bilhões em 2011”, diz.

Gripen NG Akaer - 1

Em 2012 a indústria aeroespacial e de defesa brasileira exportou o equivalente a US$ 6 bilhões, mas pouco mais de 85% desse valor veio da Embraer. A cadeia aeroespacial do México, que não abriga nenhum fabricante de aviões, mas possui vários fornecedores de nível 1 (Tear 1), exportou US$ 7,5 bilhões no ano passado.

“É fundamental que tenhamos uma política de incentivos para ajudar as pequenas empresas a se estruturarem para atender melhor a Embraer em termos de custos”. Alguns programas já em curso, como o KC-390, segundo ele, não contemplaram essas empresas no que diz respeito ao desenvolvimento de novas tecnologias, mas existem outras oportunidades de projetos estruturantes, como o Sisgaaz, Sisfron e o Satélite Geoestacionário que não podem ser perdidas.

“Não adianta reduzir imposto e ter financiamento se não temos programas”, afirma o presidente da Akaer. Este é o caso, por exemplo, das empresas do setor espacial brasileiro, que estão desmobilizando suas equipes porque não têm mais contratos. Algumas, inclusive, segundo o diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Leonel Perondi, correm o risco de fechar as portas.

Segundo o Valor apurou, os recursos que estavam alocados no orçamento para projeto do Pese (Programa Estratégico de Sistemas Espaciais), coordenado pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), no valor de R$ 130 milhões, foram redirecionados para pagar os contratos do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), gerenciado pela Visiona, controlada pela Embraer.

KC-390 - protótipo em construção - foto via Embraer

FONTE: Valor Econômico, via Investe São Paulo

IMAGENS: Embraer e Akaer

COLABOROU: Henrique C. O.

- Advertisement -

1 Comment

Subscribe
Notify of
guest
1 Comentário
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Últimas Notícias

Rússia lança barragem de mísseis na Ucrânia

As forças russas lançaram um ataque de mísseis de cruzeiro em larga escala em locais em toda a Ucrânia...
- Advertisement -
- Advertisement -