terça-feira, dezembro 7, 2021

Gripen para o Brasil

Dassault acena com montagem do Rafale na Malásia, se país escolher o caça

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Meteor em Rafale - foto Dassault

Diretor executivo da empresa diz que linha de montagem na Malásia é uma opção e lembra que a França tem forte apoio político no país, que já adquiriu navios e submarinos franceses

 –

Nesta terça-feira, 26 de março, a AFP noticiou que a fabricante do caça Rafale afirmou que poderia montá-lo na Malásia, caso este país selecione a aeronave como seu novo jato de combate. A informação foi dada numa entrevista por telefone pelo diretor executivo da Dassault Aviation, Eric Trappier, que está participando do LIMA 2013 (Langkawi International Maritime and Aerospace Exhibition) na Malásia. Dois caças Rafale estão sendo exibidos no evento.

Trappier afirmou: “Estamos considerando uma linha de montagem na Malásia, esta é uma opção.” O país busca adquirir 18 caças para substituir seus MiG-29 de origem russa. Na disputa, além do Rafale da Dassault francesa estão o consórcio europeu Eurofighter, o norte-americano F-18 da Boeing e o Gripen da sueca Saab. A Malásia deseja que empresas locais estejam envolvidas na fabricação, e Trappier disse que a Dassault já investiu considerável esforço junto a fornecedores locais, para o caso do Rafale ser selecionado. Acordos com as empresas malaias CTRM (especialista em materiais compostos), Zetro Aerospace e Sapura (parceira de longa data da Thales na área eletrônica) já foram assinados, segundo o executivo, que visita o país pela terceira vez desde dezembro de 2011.

linha de montagem do Rafale - foto Dassault

Porém, deve-se destacar que a fase RFP (pedido de propostas) da competição malaia, denominada MRCA (Multi-Role Combat Aircraft – avião de combate multitarefa) ainda não foi lançada pela Força Aérea Real da Malásia, que por hora conduz análises técnicas sobre os caças, baseada num pedido de informações (RFI) emitido em 2011. Ainda assim, a delegação francesa no LIMA 2013 é grande, com muitos integrantes da Direção Geral de Armamento (DGA), afinal trata-se de um evento que também envolve a área naval e a Malásia já adquiriu submarinos e corvetas da francesa DCNS. Nesse sentido, Trappier afirma que os franceses se beneficiam de “um forte apoio político” no país.

A França busca uma primeira venda internacional do Rafale, que vem lutando bastante para encontrar compradores, de modo a apioar um projeto que custou dezenas de bilhões de euros. A Índia selecionou o caça e a maioria dos 126 jatos que pretende adquirir deverão ser fabricados pelos indianos, caso o contrato final seja assinado neste ano, como se espera. A Malásia vem acompanhando de perto o desenrolar da negociação indiana.

Rafale C 137 equipado com RBE2 AESA em frente a instalação da Dassault-  foto A Février - Dassault

FONTE: Globalpost e La Tribune, com informações da AFP(tradução e edição do Poder Aéreo a partir de originais em inglês e francês)

FOTOS: Dassault

NOTA DO EDITOR: o estabelecimento de linhas de montagem final de aeronaves militares normalmente é um componente muito valorizado em concorrências internacionais. Por exemplo, os concorrentes da disputa brasileira F-X2 acenam com o estabelecimento de uma linha de montagem no país, confiando que o programa eventualmente ultrapasse as 36 aeronaves iniciais. Para o programa LAS da USAF, que escolheu o Super Tucano da Embraer / Sierra Nevada, o estabelecimento de uma linha de montagem local também era um ponto fundamental.

Como exemplo de que nem tudo segue o figurino inicial está a Suíça. Originariamente, os suíços desejavam beneficiar  sua indústria aeronáutica com uma linha de montagem para o caça a ser escolhido no programa TTE, de substituição parcial do F-5. Após o anúncio da seleção do Gripen e com a negociação sobre os custos finais, a Suíça decidiu economizar o que seria gasto para estabelecer uma linha de montagem local de apenas 22 jatos, e buscou focar em formas de participação industrial mais compensadoras.

Fica então uma pergunta para o debate dos leitores. Levando em conta que o programa MRCA da Malásia visa apenas 18 caças (lembrando que o país vem adquirindo Su-30 da Rússia e também possui jatos F-18 Hornet relativamente novos), comparado ao programa indiano MMRCA de 126 jatos que selecionou o Rafale, na sua opinião o que traria mais custo-benefício para a Malásia no caso de selecionar o caça francês: estabelecer uma linha de montagem no país para apenas 18 jatos ou, já que empresas locais possuem acordos com o consórcio Rafale visando produção local de componentes, eventualmente enviar as partes fabricadas localmente para montagem final na Índia (caso esta assine o contrato com a Dassault), que fica praticamente ali do lado?

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

19 Comments

Subscribe
Notify of
guest
19 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nick

Será que vai ter ToT irrestrita também??

[]’s

HMS TIRELESS

Conversa fiada…

Fabio ASC

Não quero voltar para a política do Café por aviões, ou navios, mas daqui a pouco é quase isso que alguns vão propor.

eduardo pereira

Bacana Nunao, mas nao creio mais em Rafale no Brasil (embora o ache lindo visualmente )mas, montar Gripens aqui sera tao gratificante quanto montar SH por ser um caça leve e creio eu ter menos restriçoes na escolha de clientes na AL. Mas o que vier, claro,é lucro!

Nick

Caro Nunão,

Acredito que investir em uma linha de montagem valeria a pena para pelo menos uns 8/10 anos. Por exemplo, montar uma linha para ficar aberta durante 3 anos? E depois? Se não houver encomendas adicionais já era.

No caso do FX-2: Pelo menos deve estar nos planos da FAB um segundo lote do caça vencedor do FX-2. Ou seja uma encomenda de 72/96 caças. Ae já dá conversa. Se ficar nos 36, já fica complicado….

[]’s

Corsario137

Off Topic: Governo do estado PE vai firmar parceria com a Boeing para transferência de tecnologia.
Fonte: Diário de Pernambuco.

Marcos

Os únicos com bom senso são os suíços.

Baschera

Eu estava justamente pensando nisto ao ler uma matéria sobre o corte simbólico da fita de inauguração das instalações da Embraer em Jacksonville na Flórida. Tudo é uma questão matemática que envolve muitos números oriundos de avaliações prévias sob aspectos reais e alguns futurísticos, digamos assim, mas não nos enganemos, não há almoço grátis. Mesmo que seja uma simples “fabrica” ou “linha de produção” para montagem CDK…. há sim um custo, um valor embutido na negociação. Eu, pela minha experiência, não vejo sentido econômico em se construir uma linha de produção pra tão poucas unidades sejam para o ST no… Read more »

Vader

Linha de montagem nacional não serve para nada, só para encarecer o preço.

A Dassault só está querendo subir o preço final, ou justificar porque que ele já é tão alto.

No mais eu me pergunto: será que os sindicatos franceses sabem disso? Será que eles foram informados que a linha de montagem do Rafale, que já está no mínimo necessário para não ter prejuízo, será dividia com a Malásia?

Duvido. E se eu fosse sindicalista do setor, ficaria bem fulo com a Dassault.

Justin Case

Vader, boa noite.

Interessante essa sua preocupação com os sindicatos franceses.
Você deve ter conceito semelhante com relação aos empregados suecos, não?
Por outro lado, não vejo muitos brasileiros preocupados com a montagem dos Super Tucanos nos Estados Unidos e com os empregos gerados lá.
Será que vender o avião não é mais importante do ter exclusividade na sua produção?
Afinal, sempre há o aumento de escala e uma boa quantidade de partes, armas e equipamentos que continuarão sendo produzidos na origem.
Abraço,

Justin

Vader

Hehehe Justin, os sindicatos franceses sabem se virar muito bem sem minha “preocupação”… 😉

Mauricio R.

Trappier só se esqueceu de mencionar as propinas pagas, pela aquisição dos submarinos Scórpene.
Bem mas isto é c/ a DCNS, não c/ a Dassault.
No mais não vejo os sindicatos franceses renunciarem a mais de ano e meio de trabalho, na exígua cadência atual de produção, assim tão facilmente.
É somente uma artimanha, p/ justificar o absurdo custo de Le Jaca, nada mais.

Almeida

Esses ga-ga-ga-gauleses sao uns lo-lo-loucos! Hahahaha!!!!

Linha de montagem para 18 aeronaves? Visando exportar peças pra India, que ta comprando 126 quiçá 180 aeronaves pra produzir o maximo possivel em casa? Além da linha de montagem na Francia?

Querer seguir sozinho e desenvolver um caça do zero para atender uma demanda de 286 unidades ja era loucura. Abrir quatro linhas de montagem final e produção de peças em quatro países (FR, BR, IN e MY) para pouco mais de 300 unidades é PIADA!

Justin Case

Amigos, Há vários níveis de “linha de montagem”, o que não quer dizer obrigatoriamente que tenha que haver produção local. Praticamente todos aqueles países que queiram realizar revisão geral das aeronaves sem enviá-las ao exterior devem adquirir essa capacidade de montá-los e testá-los antes do voo. A “linha de montagem” nesse caso, seria a confirmação dessa condição. Pode até haver uma capacitação mais simples, equivalente à realização de uma inspeção média, que permite que os aviões sejam remontados depois de terem sido trasladados como carga. Não há grande ganho tecnológico em trazer linha de montagem. A Embraer faz isso desde… Read more »

Mauricio R.

Ter extensas capacidades de manutenção de uma aeronave, não significa ter capacidade de fabricá-la.

Últimas Notícias

Alto oficial da Força Espacial diz que a China está desenvolvendo capacidades ‘duas vezes mais rápido’ que os EUA

Para o general David Thompson, China pode ultrapassar os EUA em capacidades espaciais em 2030 O vice-chefe de Operações Espaciais...
- Advertisement -
- Advertisement -