sábado, julho 2, 2022

Gripen para o Brasil

Firmado acordo entre a Boeing e o Pentágono sobre peças
defeituosas do F-15

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A Boeing concordou em fornecer US$ 1 milhão em peças de reposição para caças F-15 em um acordo confidencial depois que um avião se partiu em pleno ar, em 2007, de acordo com o inspetor geral do Pentágono.

Uma investigação conjunta entre o inspetor-geral e a Força Aérea concluiu que a Boeing forneceu peças defeituosas ou fora de especificação.

O acordo, feito quase cinco anos após o acidente, foi divulgado em uma passagem do relatório do inspetor-geral encaminhad ao Congresso no mês passado. O escritório de investigações especiais da Força Aérea e o serviço de investigações criminais do Pentágono realizaram a avaliação.

“Os produtos fora de especificação não só interromperam a prontidão e geraram desperdício de recursos econômicos, mas também ameaçaram a segurança dos militares e do governo”, disse o inspetor-geral em relatório.

O piloto no acidente do dia 02 de novembro de 2007, um membro da Guarda Nacional Aérea do Missouri, deslocou um ombro e teve um braço ferido enquanto ejetava após a secção dianteira do jato se desprender do restante da fuselagem.

A investigação conjunta “revelou que a Boeing forneceu peças defeituosas ou não conformes com a Força Aérea para o F-15”, de acordo com o relatório ao Congresso.

Uma longeron  falhou, fazendo com que a aeronave se partisse em pleno ae, durante uma missão de treinamento de vôo básico, de acordo com o relatório.

“O acordo entre a Boeing e a Força Aérea é coberto por cláusulas de confidencialidade que nos impedem de comentar, além de dizer que ele não inclui uma admissão de responsabilidade pela Boeing,” informou Patricia Frost, porta-voz da Boeing, em comunicado enviado por email.

Citando o acordo de confidencialidade, Frost recusou a dizer se as peças de reposição já foram entregues. Cada F-15 possui dois upper longeron e dois lower longeron que correm ao longo do comprimento da aeronave.

Todos os 441 caças F-15 da USAF foram “groundeados” após o acidente e as avaliações mostraram que 182 deles possuíam componentes estruturais importantes que não atendiam às especificações de fabricação originais.

A maioria dos F-15 retomaram o voo em fevereiro de 2008 depois de passar por inspeções adicionais enquanto as investigações eram iniciadas.

“A causa do acidente foi determinada por falha no upper longeron direito”, segundo o resumo do inspetor-geral da investigação.

As especificações do contrato determinam que os longerons devam ter 0,10 polegadas de espessura (0,25 centímetros), de acordo com o relatório.

A investigação revelou que os longarons fornecidos pela Boeing variaram de 0,039-0,073 polegada de espessura”, disse o inspetor-geral.

FONTE: Bloomberg (tradução e adaptação, Poder Aéreo a partir do original em inglês)

- Advertisement -

9 Comments

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

E eu falando mal de nosso Matusalém dos Ares.

Clésio Luiz

Não pode traduzir longeron por longarina não? É incorreto?

Hamadjr

Não jurá, a Boeing utilizando peça defeituosa, quem diria que eles se igualaria aos meros mortais

Giordani

“Soltou pecinha”????

glaison

A qualidade do principal caça americano.
Não da nada, não, na pior das hipóteses ele só se desmancha no ar. hehehe

Vader

Também acho que chamar de longarina seria mais correto.

Últimas Notícias

Marinha e Força Aérea dos EUA testam novo míssil de microondas de alta potência

ALBUQUERQUE, N.M. - Os laboratórios de pesquisa da Marinha e da Força Aérea dos EUA estão encerrando um esforço...
- Advertisement -
- Advertisement -