domingo, fevereiro 28, 2021

Gripen para o Brasil

Enquanto aguarda entrega de Gripens novos, Suíça poderá receber usados

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Oferta foi feita nesta sexta-feira pela ministra da Defesa da Suécia

Segundo a versão em inglês do Swiss Info, a Suécia ofereceu à Suíça o aluguel de um esquadrão de caças Gripen usados, modelos C/D, até que sejam entregues os novos jatos Gripen escolhidos pelos suíços no final do ano passado.

Em visita à Berna, aministra da Defesa da Suécia, Karin Enström, disse ao chefe do Departamento de Defesa, Proteção Civil e Esportes da Suíça, Ueli Maurer, que aproximadamente uma dúzia de jatos C/D  poderiam estar disponíveis para preencher a lacuna até que a Saab forneça o último modelo do caça. Ela disse que “isso parece ser uma oferta bastante atrativa para a Suíça.”

Por seu lado, Maurer disse que estudaria cuidadosamente a oferta: “Isso traz inegáveis vantagens e permitiria que nós pudéssemos dar baixa nas aeronaves F-5 antes. Permitira que nos preparássemos para o Gripen, treinando os pilotos, pessoal de terra, mecânicos, além de estabelecer a infraestrutura necessária nos aeroportos”, disse Maurer, que acrescentou: “Essa é uma ideia que já discutimos anteriormente e que agora foi refinada pela Suécia.”

A Suíça não compraria os jatos, segundo Maurer, mas detalhes de um acordo como esse ainda precisariam ser esclarecidos: “Está claro que não os teríamos de graça.” Eleitores possivelmente teriam algo a dizer sobre o plano, assim que o Parlamento decida a respeito da compra dos caças.

FONTE: Swiss Info (com agências internacionais) – tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo

FOTOS: Força Aérea Suíça (voos de avaliação do Gripen)

- Advertisement -

21 Comments

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
daniell.filho

Com a baixa dos F-5 suiços será a “grande oportunidade” de adquirirem o caça tampão brasileiro.

Observador

Preferia o leasing de 12 Gripens C/D para Anápolis.

Embora mais caro, a FAB teria um caçador decente AGORA, e não mais F-5 que, embora em bom estado (porque suíços), teriam que ser modernizados para o padrão “M”, demorando mais uns anos para voar.

Sim, porque o calendário que interessa (e não aquele do FX) é o da baixa dos F-2000.

Nick

Péssima notícia. Isso significa mais F-5Es disponíveis.

[]’s

Giordani RS

Não lembro aonde li, mas se não me engano, os Forevis-5 suíços já estão ou estaríam negociados com a USN…e rezemos para que isso seja verdade, mais nenhum Forevis pra FAB…

Mauricio R.

Olha aí, nós ficando sem o melhor tampax, disponível até o momento.

Marcos

Negócio é o seguinte:

O Sub-Distrito de Banarnia Meridional ainda não fechou o negócio dos caças por conta que nosso Líder Supremo, Chapolin Colorado, não quer equipamentos americanos, suecos, tão pouco os franceses, embora o representante local, Dom Lula I, tenha fortes preferencias pelos franceses.

Groo
Groo

Ops, me precipitei, deve ser um L-15 .

Mauricio R.

Nunão,

A vantagem dos Gripens é que não precisaríamos fazer update by Embraer.
As células são quase novas.
Agora F-5, já viu só o update, são 10 milhões USD p/ célula.

Marcos

Tem opção de leasing de F-18.

Corsario137

Sobre o preço da modernização dos F-5: DOU – 24/12/2010 Dispensa de licitação números 4/2010 e 5/2010 referentes a modernização da frota de caças Embraer A-1 A/B e F-5E/F. Este prevê a revitalização de 43 aeronaves A-1, sendo 33 A-1A e 10 A-1B, pela Embraer Aviation International, ao valor de 55.372.860,54 de Euros, aproximadamente 1,29 milhões de Euros por aeronave. A mesma Embraer realizará a revitalização dos 11 jordanianos, 3 F e 8 E , ao custo de US$ 107.519.244,09, que perfaz um custo por célula (11) de US$ 9,77 milhões. Ou seja: 1. Nenhuma modernização custa 10 milhões de… Read more »

Corsario137

Os Mirage dos EAU já foram confirmados para a Líbia? Morro de medo disso vir parar aqui.

No mais ainda acredito no FX esse ano e aposto todas as minhas fichas na Boeing.

In Dilma we (have to) trust!

Marcos

O FX era um programa da era FHC

O FX2 era uma programa da era Lulla

Só resta agora um FX3 e alguns usados

Mauricio R.

A modernização dos F-5 ex-jordânianos não custará 10 milhões USD, mas exatamente 9,77 milhões USD por célula, c/ a FAB fazendo a parte do leão, a manutenção parque; que aliás somente a força aérea tem condições de faze-lo no Brasil.

PS: Será que se fosse licitado, no mercado, o update destas células ex-jordânianas, na configuração definida pela FAB; não sairia mais barato???
Vai saber, aqui a 1ª providência qndo se trata de compras de materiais e serviços relacionados a Defesa, é justamente dispensar a licitação.

Corsario137

Caro Maurício R. Concordo plenamente! Agora fica mais claro para os leitores menos informados no assunto que apenas os F-5 jordanianos tiveram a modernização mais cara, não a frota toda. E sim, concordo com a pergunta. Será que não teria saído mais barato? Eu acredito que não visto que se o upgrade tivesse sido feito no exterior não haveria recolhimento de impostos sobre o serviço nem dividendos do lucro na operação, e se fosse feito no Brasil, não teria apenas esse último. Mas realmente não sei, é só uma hipótese. O que é diferente de insinuar que a Embraer está… Read more »

Giordani RS

Tem um outro perigo de se conseguir mais Forevis-5 no mercado; Os Tigers III chilenos estão estocados…só à espera de um comprador…é desempacotar e voar…levei medo agora…

Corsario137

É a estratégia do inseto…
Superioridade numérica. Será um enxame de F-5 sobre o inimigo. Vai faltar míssil para abater tanto avião.

Q’horror! Não dá nem pra brincar sem sentir um calafrio.

Chega de F-5! E chega de Mirage 2000 também.

Sonho com o dia em que o “mix hi-low” será Super Hornet e ALX. É o cúmulo do hi-low, eu sei. Mas é isso aí, temos que simplificar, reduzir, potencializar. Ou a ameaça é alta ou é baixa, sem meios termos.

Vader

Fernando “Nunão” De Martini disse:
29 de junho de 2012 às 20:02

“mas o futuro da FAB a médio e longo prazo é outra”

De fato Nunão. O futuro da FAB a médio e longo prazo é outro: Super Tucano.

- Advertisement -

Combates Aéreos

O último voo da ‘Águia da África’

Traduções inéditas por Roberto F.Santana Na manhã de 30 de setembro de 1942 , às 10h47, o 3º Staffel decolou,...
- Advertisement -
- Advertisement -