quarta-feira, julho 6, 2022

Gripen para o Brasil

Há 100 anos, piloto italiano realizava o primeiro ataque aéreo. Alvo foi a Líbia

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

RIO – Aquela estranha máquina voadora deve ter deixado incrédulos os soldados do Exército turco acantonados no pequeno oásis de Ain Zara, a leste de Trípoli, na manhã de 1 de novembro de 1911. Zumbindo a uma velocidade de cerca de 100 km/h, ela sobrevoou duas vezes o campo militar antes de iniciar sua verdadeira missão. Na cabine da primitiva geringonça de madeira e lona, lá em cima, a 180 metros de altitude, o jovem tenente italiano Giulio Gavotti, de 29 anos, preparava-se para escrever seu nome na posteridade. Na terceira passagem, pegou uma granada de 1,5 quilo, tirou o pino com os dentes e deixou cair sobre os inimigos, dando início ao primeiro ataque aéreo da História.

Por uma dessas estranhas coincidências do destino, exato um século depois pilotos italianos, sob o comando da Otan, novamente bombardearam do céu a Líbia. E, como em 1911, quando o ataque significou o encerramento de séculos de domínio otomano no então território da Tripolitânia, a intervenção internacional da qual a Itália fez parte em 2011 marcou o fim de décadas da ditadura de Muamar Kadafi. E se, no primeiro, o poder aéreo ainda engatinhava, no segundo foi a principal arma de guerra da Aliança Atlântica.

– Meu avô tinha consciência da importância histórica do que estava fazendo – contou ao GLOBO, de Roma, Paolo de Vecchi, de 73 anos, neto de Gavotti. – No próprio dia 1º de novembro de 1911, ele escreveu a seu pai dizendo que ia tentar lançar bombas do avião, na primeira tentativa de se fazer algo do gênero, e que, se tivesse sucesso, ficaria feliz de ser o pioneiro.

Nascido em 1882 em Gênova, Gavotti estudou engenharia e tirou seu brevê em 1910. Quando estourou a guerra turco-italiana no ano seguinte, foi enviado ao Norte da África como um dos 11 pilotos do Batalhão de Aviadores. No comando de uma das aeronaves que compunham o poderio aéreo da expedição militar italiana, Gavotti ficaria surpreso se soubesse que, 100 anos depois, mais de 250 aviões seriam enviados contra as forças do sultão de plantão em Trípoli. E mais ainda se pudesse imaginar que as quatro granadas lançadas em seu ataque aéreo inaugural – uma delas tirada do bolso de sua jaqueta – pareceriam inofensivos estalinhos se comparadas aos 110 mísseis Tomahawk que caíram sobre alvos líbios apenas no primeiro dia da ofensiva contra Kadafi.

– Na época, três anos antes da Primeira Guerra Mundial, a aviação era vista com muita suspeita em relação à sua possível eficácia como arma de guerra – explica Alexandre Galante, especialista militar e editor da revista “Forças de Defesa” e do site “Poder Aéreo”. – O avião ainda era muito rudimentar e mais perigoso para os aviadores do que para os inimigos. Muitos pilotos morriam em acidentes.

Tal desconfiança era de se esperar – apenas oito anos haviam se passado do pioneiro voo dos Irmãos Wright nos Estados Unidos, e cinco do de Santos Dumont na França. De fato, mais do que arma de combate, pensava-se no avião naqueles primeiros dias da aviação como instrumento de reconhecimento das linhas inimigas, um substituto para os balões. E coube a outro membro do Batalhão de Aviadores, o capitão Carlo Piazza, a primazia de fazer o voo inédito para bisbilhotar as posições adversárias, apenas nove dias antes da estreia do Taube de Gavotti como arma de guerra. E de novo ao jovem genovês, em 4 de março de 1912, a ousadia de fazer a primeira missão noturna.

– A Itália foi precursora no desenvolvimento das estratégias de poder aéreo – diz Galante.

Uso militar ou não, para a família de Gavotti é o pioneirismo daqueles primeiros e corajosos homens que arriscavam suas vidas para dominar os ares que deve ser ressaltado.

– O fato de que os bombardeios depois tenham sido causa de matança de civis não pode ser debitado ao meu avô. Mais cedo ou mais tarde isso aconteceria – pondera de Vecchi.

FONTE: O Globo

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

6 Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Franco Ferreira

O leitor não deixara de perceber que o responsável pelo Poder Aéreo aparece citado entre aspas! Mérito… Só isso!

Edgar

Parabéns ae Galante, merecido reconhecimento e boa matéria do Globo (desconhecia essa história).

ivanildotavares

Parabéns Galante. Bela história e boa divulgação da Revista e deste Site.

Abraços do GUPPY

Renato Oliveira

Parabéns, Galante e Trilogia. Um reconhecimento mais que merecido.

DrCockroach

Prova que a imprensa tb publica materias muito boas e com excelentes fontes… Parabens Galante!

[]s!

Ivan

Parabéns Galante, pelo reconhecimento.

Parabéns ao Globo, por fazer o que todos os veículos de comunicação de massa já deviam fazer a mais tempo: consultar os especialistas.

Afinal, temos jornalistas especializados em aviação e defesa.
Falta apenas que estes sejam consultados regularmente.

Sds,
Ivan.

P.s.:
Quem sabe teremos em breve o Alexandre Galante no Globo News como convidado do William Waack… este eu não vou perder.

Últimas Notícias

Base Aérea de Anápolis inaugura prédio do Primeiro Grupo de Defesa Aérea

O prédio simboliza um marco na operação do novo vetor da FAB, o F-39 Gripen A Base Aérea de Anápolis...
- Advertisement -
- Advertisement -