Home Aeroportos O fim (literalmente) da VASP

O fim (literalmente) da VASP

1055
11

Nove aviões abandonados da Vasp, parados há seis anos no Aeroporto de Congonhas, começaram a ser desmontados nesta terça-feira (23). As partes das aeronaves serão leiloadas e o dinheiro será destinado para os credores da companhia.

A empresa parou de operar em 2004 e acumulou uma série de dívidas. Em 2008, foi decretada a falência da Vasp.

Em Congonhas, são nove aviões, sete Boeings 737-200 e dois Airbus A-300.

Existem 27 aeronaves da companhia paradas em aeroportos brasileiros. No prazo de 20 dias o restante dos aviões da Vasp em Congonhas será desmontado e, em cerca de 60 dias, haverá o primeiro leilão.

A iniciativa faz parte do Programa Espaço Livre, implantado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em março deste ano, em parceria com o Comando da Aeronáutica (Comar) e a Secretaria de Aviação Civil (SAC), por meio da Infraero e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

FONTE/FOTOS: UOL

11
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
Mauricio R.LuisGrifoAndré Faria MendonçaAntonio M Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Corsario137
Visitante
Member
Corsario137

Muito triste. Nunca imaginei ver o Brasil passar o que está passando na sua aviação comercial. O colapso da Varig e da Vasp são o marco desse processo tenebroso pelo qual passamos e ainda vivemos. Uma rápida síntese: TAM – Venderam o sonho do Cmte. Rolim. A famiglia entregou nossa companhia de maior qualidade na mão dos chilenos. Sem comentários. GOL – É a única ainda verde-amarela. A famiglia controladora envolvida em escândalos de assassinato, na vontade de ter um “sobrenome” compraram a massa falida da Varig, o que descapitalizou a empresa, que tinha tudo para ter dado um salto… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

A Varig não tem uma história muito limpa não. Ela esteve em conluio com o governo da ditadura para destruir a Panair.

Antonio M
Visitante
Member
Antonio M

Triste fim.

E bem lembrado sobre a Panair.

André Faria Mendonça
Visitante
André Faria Mendonça

Pena não ter um museu de aviação civil. Mas muito mais pena é o Canhedo não ter sido preso ou qualquer coisa parecida.
Abraço e tomara q os próximos sejam os 767 da transbrasil q estão entulhando o aeroporto aqui de Brasília.
Abs

Grifo
Visitante
Grifo

Caro Clésio, não teve conluio nenhum. A Panair simplesmente quebrou. Tinha uma dívida várias vezes maior do que os seus ativos, aviões em cacarecos, e um histórico de acidentes de dar medo. Em 1965 pediu concordata, o pedido foi negado, faliu. As concessões internacionais foram repassadas então para a VARIG, a única empresa aérea em condições de assumí-las.

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

Não foi o que eu ouvi Grifo.Quando o governo cancelou a concessão da Panair, a Varig estava prontinha para assumir os voos. Ouve uma antecipação por parte dela, pois comprou aeronaves para assumir as rotas da Panair. Vou dar uma olhada por aí e depois posto aqui algum link sobre isso.

Luis
Visitante
Luis

História Até 1942, 100% de suas ações estiveram em poder dos controladores Norte-Americanos, que então começaram a vendê-las para empresários brasileiros. Em 10 de fevereiro de 1965 a empresa foi comunicada pelo Governo Federal através de um ato assinado pelo ministro da Aeronáutica Eduardo Gomes da cassação de seu certificado de operação, ao mesmo tempo que repassava suas linhas internacionais para a Cruzeiro e para a Varig. A alegação das autoridades governamentais era que a companhia era “devedora da União e de diversos fornecedores”. Muitos de seus ex-funcionários e mesmo autoridades consideram tal ato uma arbitrariedade, comum em regimes de… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Active Member
Clésio Luiz

“Quatro anos depois, essa história até então impecável maculou-se: a empresa urdiu, junto ao autoritário governo militar, um golpe contra a Panair do Brasil. A empresa carioca teve sua concessão cassada em fevereiro de 1965. Parte de sua frota e rotas de longo curso passaram para a Varig, no episódio mais vergonhoso da história do capitalismo brasileiro. ” Quem escreveu isso foi o Giafranco Beting, do Jetsite: http://www.jetsite.com.br/2008_v35/DestaqueConteudo.aspx?DestaqueID=14 Eu creio que a revista Asas do Cláudio Luchesi também publicou a história da Panair comentou sobre a forma como ela foi fechada. A Panair não foi a única empresa de capital… Read more »

Corsario137
Visitante
Member
Corsario137

Ok meu amigos mas vilã ou não, a Varig era um símbolo nacional. E deixando o ufanismo de lado, ela prestava um serviço excelente. Durante anos foi o melhor catering do mundo. Olhemos agora para a aviação comercial de hoje, é de lamentar. Não desconsidero que o tempo passou e o mercado mudou, não precisamos mais de um transatlântico dos ares mas nem por isso precisamos perder tanto em qualidade. Vejamos a Qatar, a Emirates e mesmo a SAA, companhias que adequam tarifas possíveis a um serviço premium. Pagar 15 reais por um pão congelado e ter que viajar em… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Varig, a empresa que não podia falir, de maneira alguma; símbolo nacional???
Dispenso!!!
Qnto a história da “falência” da Panair, leiam:

“Pouso forçado, a história por trás da destruição da Panair do Brasil, pelo regime militar”

Autor: Daniel Leb Sasaki

A Celma foi cria da Panair, bem como boa parte dos meios de navegação aérea e proteção ao voo, existentes no Brasil á época.
Os Catalinas que voaram pela empresa na Amazonia, já eram famosos, antes de serem incorporados pela FAB.

Grifo
Visitante
Grifo

O mais engraçado destas tentativas de colocar a Panair como vítima do governo são as explicações sobre a imensa dívida que a Panair tinha. E também o silêncio sobre a péssima manutenção que ela dava às suas aeronaves, infelizmente envolvidas em diversos acidentes fatais.

Quem sabe alguém tamb;enm poderia explicar como é que a VARIG, intimamente ligada ao presidente deposto João Goulart, teria tanto apreço por parte do governo revolucionário,

O brigadeiro Eduardo Gomes certamente tinha muitos defeitos, mas uma das suas virtudes foi ter atuado decisivamente neste caso.
.