quarta-feira, maio 12, 2021

Gripen para o Brasil

JDAM a laser faz estréia no Iraque

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

No início deste mês a USAF lançou sua primeira bomba JDAM de 500lb guiada a laser no Iraque. Desenvolvida pela USAF e pela Boeing, em resposta às exigências operacionais levantadas no início de 2007, a bomba GBU-54 foi desenvolvida em 17 meses e entrou em serviço em maio. A arma foi lançada a partir de um F-16 contra um veículo em movimento.
A JDAM usa uma combinação de GPS e um kit de guiagem a laser desenvolvido pela Elbit, para engajar e destruir alvos em movimento.

- Advertisement -

17 Comments

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
RL

Isso que é excelencia em projeto.

Desenvolvimento – 17 meses.
Entrada em serviço – Imediata.

Barrosso Barroso, quem nos dera ser agil assim né?

14 anos…caracas..da até um nó no estomago em ver tanto Disparate.

Claro que estamos falando de duas coisas totalmente distintas, bomba com uma corveta, más poxa, olha o que não faz a dedicação né.
Podem ser XEREETAS, más dão um banho de proeficiencia.

Abraços.

Meirelles

Alguns iraquianos não deve ter gostado da idéia de que uma bomba guiada a laser pode cair na suas cabeças a qualquer momento.E nem adianta correr,pois se correr o bicho pega e se ficar o bicho come,ou melhor,explode.Só achei meio exagerado usar uma bomba dessas contra um veículo civil,mas fazer oque,americanos não constumam dar maiores chances às suas vítimas.

Bosco

Me desculpem a ignorância mas o que agregou de valor às FA americanas estas LJDAM?
Os USA já tinham bombas guiadas por GPS/INS/laser há muito na forma das ELGB. Por que adaptar um seeker laser ao kit JDAM? Nunca entendi esta história. Se fosse pelo menos o kit DAMASK (guiado por IIR, Ladar ou radar MMW) seria vantajoso. Mas laser?

Bosco

Só se for para melhorar a precisão das JDAM que estavam encalhadas, com prazo de validade vencendo e que poderiam ser aproveitadas contra alvos móveis com custo reduzido.
Os EUA tem que inventar uma outra guerrinha rapidinho para gastar suas bombas estocadas contra alvos fixos se não vão ficar destruindo veículos por aí com estes kits adaptados.
Estes americanos…

RL

Bosco..

Amigo, cuidado com seus comentários, vc pode ser mal interpretado por alguns certos XERETAS que não constumam ser tão “amigos” em suas palavras quando se fala de EUA. rsrsrrs..

Abraços.

Jonas Rafael

A adaptação para guiagem laser não seria porque a guiagem por GPS não seja adequada para atingir alvos muito móveis?

Bosco

Jonas Rafael,
sem dúvida que este foi o motivo principal, além é claro de prover um maior grau de precisão também contra alvos fixos para reduzir o dano colateral ao máximo.
A minha dúvida é por que fizeram esta arma, já que existe no inventário americano bombas com guiagem por INS/GPS associado a um buscado laser, como a ELGB/DMLGB.
Ou seja, deve ter alguma vantagem em relação a estas que mencionei. Eu queria saber é qual é esta vantagem. Eu penso que seja o custo.

Bosco

https://www.australia.to/images/stories/tech/scr_080814-F-3188G-039.jpg
Neste link tem uma foto da GBU-54 LJDAM. Esta que ilustra o post é a que deu origem a ela, mas sem o sensor de laser no “nariz”.

RL

Isso que é excelencia em projeto.

Desenvolvimento – 17 meses.
Entrada em serviço – Imediata.

Barrosso Barroso, quem nos dera ser agil assim né?

14 anos…caracas..da até um nó no estomago em ver tanto Disparate.

Claro que estamos falando de duas coisas totalmente distintas, bomba com uma corveta, más poxa, olha o que não faz a dedicação né.
Podem ser XEREETAS, más dão um banho de proeficiencia.

Abraços.

Meirelles

Alguns iraquianos não deve ter gostado da idéia de que uma bomba guiada a laser pode cair na suas cabeças a qualquer momento.E nem adianta correr,pois se correr o bicho pega e se ficar o bicho come,ou melhor,explode.Só achei meio exagerado usar uma bomba dessas contra um veículo civil,mas fazer oque,americanos não constumam dar maiores chances às suas vítimas.

Bosco

Me desculpem a ignorância mas o que agregou de valor às FA americanas estas LJDAM?
Os USA já tinham bombas guiadas por GPS/INS/laser há muito na forma das ELGB. Por que adaptar um seeker laser ao kit JDAM? Nunca entendi esta história. Se fosse pelo menos o kit DAMASK (guiado por IIR, Ladar ou radar MMW) seria vantajoso. Mas laser?

Bosco

Só se for para melhorar a precisão das JDAM que estavam encalhadas, com prazo de validade vencendo e que poderiam ser aproveitadas contra alvos móveis com custo reduzido.
Os EUA tem que inventar uma outra guerrinha rapidinho para gastar suas bombas estocadas contra alvos fixos se não vão ficar destruindo veículos por aí com estes kits adaptados.
Estes americanos…

RL

Bosco..

Amigo, cuidado com seus comentários, vc pode ser mal interpretado por alguns certos XERETAS que não constumam ser tão “amigos” em suas palavras quando se fala de EUA. rsrsrrs..

Abraços.

Jonas Rafael

A adaptação para guiagem laser não seria porque a guiagem por GPS não seja adequada para atingir alvos muito móveis?

Bosco

Jonas Rafael,
sem dúvida que este foi o motivo principal, além é claro de prover um maior grau de precisão também contra alvos fixos para reduzir o dano colateral ao máximo.
A minha dúvida é por que fizeram esta arma, já que existe no inventário americano bombas com guiagem por INS/GPS associado a um buscado laser, como a ELGB/DMLGB.
Ou seja, deve ter alguma vantagem em relação a estas que mencionei. Eu queria saber é qual é esta vantagem. Eu penso que seja o custo.

Bosco

https://www.australia.to/images/stories/tech/scr_080814-F-3188G-039.jpg
Neste link tem uma foto da GBU-54 LJDAM. Esta que ilustra o post é a que deu origem a ela, mas sem o sensor de laser no “nariz”.

patavias

pobres iraquianos, já pensaram se derrepente nem eram hostis ou mal intencionados?

morreram por diversão e teste de americanos em uma guerra injusta por petroleo, tentando talvez defender seu pobre país(os iraquianos).

Reportagens especiais

Embraer KC-390: um avião que carrega o desafio de conquistar muitas bandeiras

Fernando “Nunão” De Martini e Alexandre Galante (matéria publicada originalmente na revista Forças de Defesa nº 14) Na manhã de...
- Advertisement -
- Advertisement -