Home Aviação de Ataque Vigilant Ace 18: americanos e sul-coreanos treinam contra a Coreia do Norte

Vigilant Ace 18: americanos e sul-coreanos treinam contra a Coreia do Norte

2272
33
Caças F-35A da USAF

Aviões de combate da Força Aérea dos EUA chegaram à Coreia do Sul no último fim de semana para o exercício anual de combate aéreo conjunto com Seul, o Vigilant Ace 18, que se realiza por quatro dias a partir do dia 4 de novembro.

A demonstração de força vem depois do lançamento de um novo míssil balístico intercontinental que a Coreia do Norte testou no Mar do Leste na quarta-feira passada. As autoridades militares locais mais tarde admitiram que o míssil, o Hwasong-15, seria capaz de atacar todo o território dos EUA se fosse disparado em um ângulo para otimizar seu alcance.

Seis F-22 Raptors, aviões de combate tático furtivos, pousaram na Base Aérea de Gwangju no último sábado. Nem a Força Aérea da Coreia do Sul nem a Força Aérea dos EUA anunciaram oficialmente que outras aeronaves chegarão, mas várias fontes militares locais disseram que o F-35A Lightning II, bem como o avião de guerra eletrônica EA-18G Growler, chegaram na Base Aérea de Osan em Pyeongtaek, Gyeonggi ou Base Aérea de Kunsan no norte de Jeolla até domingo, e começaram a treinar.

A programação para a Vigilant Ace 18 também é conhecida por incluir o F-16C Fighting Falcon, o avião de alerta aéreo e controle aéreo E-3 Sentry e o bombardeiro B-1B Lancer.

Doze F-35B Lightning IIs voarão de uma base aérea dos EUA no Japão para o exercício, mas não vão pousar em solo sul-coreano, de acordo com um oficial militar local.

Cerca de 12 mil pessoas da Força Aérea dos EUA e do Corpo de Fuzileiros Navais devem participar, enquanto quase 90 aviões militares da Força Aérea da Coreia do Sul e 150 do lado dos EUA serão mobilizados.

A Força Aérea da Coreia do Sul participa com os aviões de combate F-15K, KF-16 e F-5, caças leves FA-50, aviões de ataque leve KA-1 e aeronaves de alerta e controle antecipado E-737. Os aliados vão treinar o ataque contra as principais instalações nucleares e de mísseis da Coreia do Norte.

Washington, mais uma vez, pressionou Pequim para fazer mais para controlar Pyongyang, com o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, HR McMaster, dizendo a uma multidão no Fórum de Defesa Nacional de Reagan, na Califórnia, que o potencial de guerra com a Coreia do Norte estava aumentando todos os dias.”

Ele disse: “Estamos em uma corrida, na verdade, estamos em uma corrida para poder resolver esse problema”, acrescentando: “A China tem um tremendo poder econômico coercivo sobre a Coreia do Norte. Quero dizer, você não pode disparar um míssil sem combustível”.

O assessor de segurança disse que ele e o presidente Donald Trump pensaram que um embargo de petróleo de 100 por cento contra a Coreia do Norte era necessário neste momento.

O Global Times, um tablóide estatal chinês, publicou sem rodeios em uma edição em inglês, na última sexta-feira, que a China não tem intenção em fazer esse movimento.

“Independentemente do que a Coreia do Norte fez, é errado impor um embargo comercial completo ou romper vínculos com o país”, diz o artigo. “A China não tem obrigação de cooperar com os EUA nesta ideia impraticável”. Em um ponto, a publicação culpou Washington e Seul por “não conseguirem cumprir suas obrigações em aliviar as tensões e pressionar por conversações”, em vez de colocar suas esperanças na China, que já “fez o que pode” tanto para a Coreia do Norte quanto para os Estados Unidos.

Fotos divulgadas pela USAF do exercício VIGILANT ACE 18

FONTE: Korea Joongang Daily

33 COMMENTS

  1. Não sei como fazem esses treinamentos.
    Como fazem as simulações.
    Como conseguem coordenar tantos aviões, especialmente se não são de um único país.
    Guerra contra a Coreia do norte tem que ser bem diferente.
    O problema é a artilharia próxima da fronteira.
    Deve haver umas 4 mil peças de artilharia com alcance em Seul.
    Sem falar na pesada artilharia antiaérea, no risco do uso de drones com armas químicas ou eventual invasão de infantaria em massa.

  2. Esta na hora de voltar a arma os ohio com martelinhos atomicos e basearem eles no japao, assim como basear b-1 armados com jassm-er no Japão e f-22 na CS assim como impor o embargo a China gostando ou não. Ah e ja ia esquecendo lota a CS e o Japao com mais thaad.

  3. A Coreia do norte tem q ser vencida, nada melhor do que uma corrida armamentista para euxaurir seus recursos assim com Reagan fez com a URSS

  4. Augusto, a CN está quebrada e com recursos exauridos há muito tempo. O povo lá passa fome. Quem bancam esse gordim loco são a China, o Paquistão, Ditadores Árabes Unidos e outras corjas que tem por aí.

    Abraço

  5. Se os EUA lançassem bombas nucleares em cima da artilharia norte coreana, teriam como resolver esse problema?
    Se fizessem um ataque nuclear em massa contra o gordinho, de modo, a varrê-lo do mapa, vcs acham que a China e Rússia íam meter a cara e correr esse risco? Eu acredito que não, do mesmo modo que Israel tantas vezes fez ataques surpresas e antecipados aos seus inimigos e sem nenhuma declaração de guerra. Será que não estão faltando culhões aos governantes americanos, que vêm empurrando esse problema com a barriga e só piorando, um caminho sem volta?

  6. Negrão, boa pergunta.
    O duro é que usar nuke para limpar a artilharia da CN também ferra com a CS: Se Seoul fica ali na divisa, ao alcance de artilharia convencional, imagina bomba nuclear explodindo ali?
    Enfim, a questão é complexa e se virar mesmo conflito armado a coisa vai ficar bem feia.

    Grande Ivan “o Mapento”! Sempre adicionando conhecimento à fórmula! Parabéns!

  7. Negrão e Wagner,
    Só de curiosidade, na época da Guerra Fria havia a famigerada “bomba de nêutrons” que era mais palatável pra ser utilizada em país amigo ou próximo dele. Ela torrava as pessoas dentro dos tanques e abrigos e deixava um mínimo de destruição física e radiação residual. A “bomba”, na verdade uma ogiva, seria lançada pelo míssil Lance, com 130 km de alcance, com apenas 5 Kt (menos da metade da bomba de Hiroshima) e detonando a 3 km de altura. Matava tudo num raio de uns 5 km.

  8. Por pior que seja um primeiro ataque da artilharia NC contra Seul ele seria reprimido imediatamente pela aviação e pela contra bateria SC.
    Os norte-coreanos têm muitas peças de artilharia mas não podem alocar tudo para atacar Seul. E vale salientar que muitas são antigas e de alcance reduzido e ao alcance da artilharia SC.

    Se hoje os EUA utilizassem armas nucleares contra a CN seria na forma de bombas B-61 (versão tática com rendimento variável de 0,3 KT até 170 Kt) lançadas pelo B-2.

  9. Uma arma muito compentente que a aviação pode utilizar contra o volume das forças de terra da CN são as bombas de fragmentação com submunição inteligentes (mas “não guiada”) Skeet. A CBU-97 e CBU-105.
    Cada uma delas lança 40 submunições que podem perfurar um tanque pesado (MBT) por cimaa. Até onde eu sei a Coreia do Sul possui cerca de 350 dessas bombas, o que somam 14.000 submunições Skeet. http://i.imgur.com/hTzCE.jpg

  10. E para artilharia Nc atingir Seal eles teriam que concentrar muitas peças em uma pequena aerea perto da fronteira.

    https://www.google.com.br/search?q=fronteira+coreias&client=ms-android-motorola&prmd=imnv&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjt9Iqo6PXXAhWLkJAKHfS8AbsQ_AUIESgB&biw=360&bih=512#imgrc=4YCEgbtBsQVuRM:
    A artilharia teria que concentra-se nessa aerea de em formato de triângulo eque seria um prato cheio para os EUA e CS, localizarem e destruir. Vale salientar que os projeteis iram precisar de propulsao a foguete para atingir os 60 km que são necessários o que podem resultar em muitas falhas.

  11. Augusto,
    Isso mesmo. Essa história de mega artilharia norte coreana é tão falsa como nota de 3. É só purpurina! Mais do mesmo pra glorificar o audaz cavaleiro solitário de cabelo esquisito, que combate o imperialismo com coragem e galhardia.
    Seria bom se no processo ele oferecesse algo melhor que o tal “imperialismo” que ele combate mas parece que a cura é pior do que a “doença”. Aliás, como foi muito bem demonstrado ao longo de todo o Século XX.
    Além de pôr o povo dele na reta, diga-se de passagem. Se fizesse um enquete lá na CN se preferem morrer pelo que o ditador Ping Pong Lee Terceiro acredita despoticamente ser o melhor para seu povo ou se preferem viver tentando a vida como seus “irmãos” do sul, mesmo aquele povo robotizado iria preferir viver que seguir seu líder monárquico na luta contra o imperialismo.

  12. Amigo Bosco!
    5km é um exagero 🙂 ..
    Uma carga (de nêutrons) de 1kt gera o nível de radiação perigosa para ser humano (sem proteção) a distancia de 1350m.Ou seja , devido a absorvência acentuada na atmosfera , tal bomba tem raio de 1,5km (+/-).
    Outra : todos sabem como se defender desse “artefato” .
    Por tanto , yankees retiraram de serviço ainda no inicio dos 90s.
    Um grande abraço!

  13. Scud,
    Será que eu exagerei na dose de nêutrons??? rsrsss
    Mas eu acho que não. As informações acerca da distância de 1350 metros são relativas a uma bomba de 1 Kt. A W70 do Lance tinha potencial de ter até 100 Kt mas foi calibrada para 5 Kt.
    Posso ter exagerado mas não tanto. rsrss
    Quanto à “defesa”, desconheço.
    Um abraço.

  14. ela tem um efeito colateral meio sinistro de deixar objetos de metal radiativos por alguns dias, seria uma boa solução pra impedir um ataque norte coreano, mas ao custo de uma atrocidade ainda pior.
    Sei não Bosco, mas com rendimento de 100 Kt não é considerada bomba de nêutrons, não que estes não fossem produzidos em maior quantidade, mas a explosão é de tal magnitude que a onda de choque + deslocamento de ar + onda de calor deve ter um raio letal tão grande quanto a própria radiação no momento da explosão….

  15. Carcara,
    Mas é por isso que era calibrada pra 5 Kt, e explodia alto. Bem mais alto que o normal e nem fazia cratera no chão no ponto “zero”. Só chamuscava. rsrsss

  16. Amigo carcara!
    A radiação induzida foi combatida através de adição de boro (entre outros elementos) nas blindagens e estruturas. E no final da historia a “bomba milagrosa” foi considerada ineficiente nas condições atuais e … aposentada.
    Um grande abraço!

  17. É lógico que a China e a Rússia, passaram informações e armas pra CN. Eles estão satisfeitos, e rindo a toa, com esta situação, pois criaram um “vespeiro” para os EUA.
    Como os EUA, poderiam agir??? Já que a China não está cumprindo o embargo de petróleo, os EUA ameaçam fornecer armamentos para Taiwan.
    A cada não cumprimento de sanções pela China, mais armas pra Taiwan… E leva este jogo, até eles cederem.
    Rapidinho, a coisa se resolve. Nem precisa atacar…

  18. Scud,
    Valeu!
    Pelo que lembrava a ogiva de ER do Lance tinha rendimento de 5 Kt. As de 1 Kt eram dos projéteis de artilharia. Mas se você diz que eram tudo de 1 Kt pra mim basta.
    Um abraço.

  19. Boa noite pessoal.
    Bueno , esse vídeo foi gravado no País de Gales , no famoso ” Mach Loop” . É muito legal , os vídeos disponíveis no youtube são muito bons, com “low level pass” em close up , com várias aeronaves.
    Alguém aqui já foi lá? Alguém conhece?

  20. Oficias da China e dos EUA em palestra na ECEME exporam a preocupação do contrabando de meios nucleares enquanto a CN estiver entrando em colapso por um ataque.
    Bombas nucleares ou radioativas dão muita dor de cabeça, quando fora de controle, num mundo sedento por estes meios e militares e governantes sabendo q precisam de muito dinheiro pra sobreviver se o regime cair.
    Sinuca de bico bonita….
    Sds

  21. Nonato, não sabe como conseguem coordenar tantos aviões de países diferentes? Não é tão difícil. Já ouviu falar de Comando Combinado? Todo mundo tem que falar e escrever em inglês, só pra começar. ..
    Nas CRUZEX também conseguimos “coordenar tantos aviões de países diferentes”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here