Home Aviação de Caça Pilotos de caça J-11B falam sobre o J-20

Pilotos de caça J-11B falam sobre o J-20

5170
9
J-11B

Depois que dois pilotos chineses de J-20 revelaram seus primeiros sentimentos sobre o novo avião de combate de nova geração, é a vez de um comandante de brigada da Força Aérea da China (PLAAF), piloto de J-11B e comandante de esquadrão presente no desfile por ocasião do 90º aniversário do Exército de Libertação Popular (PLA), a dar outros detalhes interessantes em entrevista com à agência Xinhua.

Desde a aquisição da linha de montagem do Su-27SK em 1992, tanto o Instituto 601 quanto a Fábrica 112, ambos localizados em Shenyang, continuaram a fazer melhorias adicionais neste caça pesado, icônico.

A última variante monoposto da família, o J-11B, embarca com ele várias melhorias — novas suites de aviônica, uma ampla gama de armas ar-ar e um novo motor, todos “Made in China”.

A unidade dirigida por seu comandante XIAO Jun (肖军) recebeu seu J-11B muito recentemente, em 2015. Tendo mais de 100 cópias fabricadas, o avião que serve também na Força Aérea e na Marinha Chinesa é, sem dúvida, um dos pilares de defesa aérea do país hoje.

“Infelizmente, temos que admitir que, em comparação com o J-20, J-16 e J-10Cs, que também desfilou com a gente, o J-11B tem uma certa lacuna de capacidade”, confessa XIAO, que sobrevoou o campo de Zhurihe a bordo de seu interceptador em 29 de julho, sob o olhar de todos os altos oficiais militares chineses, incluindo o presidente chinês XI Jin Ping.

A unidade deste piloto de elite ganhou dois “capacetes de ouro” em 2016 — quase um ano depois de receber sua nova aeronave — que representam a maior recompensa para um piloto da Força Aérea chinesa depois de terem “lutado” em um exercício aéreo anual equivalente ao “Red Flag” da OTAN, envolvendo todos os melhores pilotos da PLAAF.

“Este recém-nascido já é velho”, diz Xiao, colocando a mão na fuselagem do seu avião, não sem emoção”, mas reflete a velocidade com que nossas forças aéreas estão mutando”.

Vista ventral do J-20

Não muito longe dele e seu J-11B, está o J-20 em tons uniformes digitalizados.

Mas em face do slogan da nova entidade do J-20, que é “varrer todos os dispositivos da 3ª geração” (4ª na classificação dos EUA e da Rússia), o comandante só concorda parcialmente.

“De fato, em uma luta individual, algumas lacunas entre gerações são insuperáveis”, diz XIAO, sem revelar quais são as lacunas, “mas o combate aéreo moderno hoje é um confronto entre sistemas de sistemas”.

Sua evidência sugere que as primeiras séries do J-20, todas já atribuídas a uma unidade de avaliação experimental da PLAAF, já confrontaram os outros modelos de caças chineses e nos fazem pensar na pontuação abrupta de 10:0 evocada por um artigo recentemente publicado no Diário Oficial do Exército chinês.

“Um vetor, por mais formidável que seja, não pode ganhar uma guerra sozinho”, ele acrescenta: “nenhuma arma pode cumprir uma missão sozinha, cada uma tem seu próprio lugar”.

Reconhecimento, comando, comunicação, controle eletrônico, unidades antiaéreas no solo, etc., são todos os componentes em um sistema de sistemas. Isso exige que cada piloto, seja qual for a aeronave em que ele está voando, entenda profundamente a constituição e o funcionamento de um sistema tão global.

“Se as lacunas nos equipamentos às vezes são difíceis de preencher, a lacuna nas ideias dos chefes de pessoas (pilotos) é ainda mais assustadora”, admite XIAO Jun.

Quanto à questão do futuro das aeronaves de geração “mais antigas”, outro oficial da PLAAF deu sua opinião.

“Vamos desenvolver esta plataforma de forma sustentável e progressiva”, disse YANG Ze (杨泽), outro comandante de esquadrão da brigada de XIAO, também piloto de J-11B, “Quando um avião amadurece do ponto de vista da plataforma, ainda existem muitos pontos que podemos continuar a melhorar, seja radar, sistemas de combate eletrônicos e aviônica, etc.”

“Dizer que os J-11s estão em declínio, eu não concordo”, diz YANG. “Se o J-20 é a espinha dorsal do nosso sistema, os caçadores de terceira geração continuam sendo seu corpo. Ainda há muito o que fazer”.

J-11 e J-10 biposto ao fundo

FONTE: East Pendulum / Tradução e adaptação do Poder Aéreo / COLABOROU: Almir Ricardo

9 COMMENTS

  1. “o combate aéreo moderno hoje é um confronto entre sistemas de sistemas”
    Vou copiar esta frase…
    Acho que mostra bem o espirito da forças chinesas, eles estão vindo com tudo, não devem demorar, se já não são a segunda potência bélica do planeta….

  2. Acho que é questão de tempo, e não muito, para serem a primeira potência militar. O vigor da China e ascendente, os EUA parece já ter atingido seu ápice, o Japão parece querer sair da casinha más sem armas nucleares e uma desvantagem insuperáve,l a Rússia se renova e quer exercer influência neste século, no velho mundo Inglaterra e França correm no jogo de potências guarnecidas sob as asas da Otan. Nós não tomamos posição no campo Geopolítico Militar. Não que deveriamos ter neste momento, más ao menos deixar a possibilidade em aberto de desenvolvermos armas nucleares seria importante. A Geopolítica ficará intricada nas próximas décadas.

  3. J-11, J-10 etc e tal tenho certeza que são boas naves! O J-10 eu acho muito simpático mesmo gosto dele mas pra eles não tem problemas de longistica, reposição de peças e tudo mais. Ja pra quem compra ai fica aquela desconfiança né? Sera que vai prestar? Eu particularmente quero acreditar que essas maquinas sejam boas. Tenho nada contra os chinas mas como um fã de aviação quero acreditar que são boas naves! Entendem o que quero dizer?

  4. Acredito , seria admiravel se falassem algo diferente , tipo : Reclamar da visao da cabine na hora de fazer um reabastecimento ,reclamar sobre o peso do capacete , reclamar do excesso de sinteticos no tecido do uniforme , mas com nao sao doidos !

  5. Entrevista horrível. O cara fala, fala e sobram “lacunas”. Qual o problema em admitir que o J-11B ficou pra trás? Pode ser útil em vigilância e defesa área, mas não sobrevive num TO moderno, caso pegue um oponente com vetores mais modernos.

  6. “teropode 13 de agosto de 2017 at 12:39
    Mas eh bom admitir que a CHINA possui uma FA admiravel , com caças possuindo designer muito belo , o J20 eh belissimo !”

    “Designer” é o profissional.
    “Design” é a atividade.

    Ambos são termos importados(São estrangeirismos, no caso angliscismos.) para falar sobre desenho industrial ou estilismo(Não é o de moda.), aliás “estilismo” = “styling”.

    Isso para não falar que você assassinou o português … Não existe “eh”, e se escreve “admirável” e “belíssimo”. Não temos o direito de errar na nossa língua pátria, herança maior de Portugal!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here