Testes com satélite brasileiro de comunicação devem durar 45 dias

Testes com satélite brasileiro de comunicação devem durar 45 dias

3179
15
SGDC

Sabrina Craide

Os testes para a verificação do funcionamento do satélite brasileiro para comunicação e defesa começaram no último sábado (13), quando o equipamento chegou à órbita geoestacionária. O processo de verificação dos sistemas do satélite devem levar cerca de 45 dias.

De acordo com a Telebras (Telecomunicações Brasileiras S.A), serão feitas verificações do funcionamento de todos os sistemas, medidas de carga útil e a constatação de que o satélite está totalmente apto para entrar em operação comercial.

Processo de calibragem

Os dados emitidos e recebidos pelo satélite serão acompanhados pelo Comando de Operações Aeroespaciais (Comae), em Brasília, e pela Estação de Rádio da Marinha, no Rio de Janeiro, que serão responsáveis por controlar o satélite após o processo de calibragem, previsto para acabar em junho.

A previsão é que no dia 1º de julho a Telebras comece a fazer os primeiros testes para medir a potência do satélite para a transmissão de dados em todas as regiões do país. Parte da capacidade do satélite será alugada para empresas privadas para a oferta de banda larga, especialmente em regiões remotas, e a Telebras vai ficar com a capacidade necessária para oferecer serviços de saúde, educação e serviços ao cidadão.

O satélite será utilizado para comunicações estratégicas do governo e para ampliar a oferta de banda larga no país. O projeto é uma parceria entre os ministérios da Defesa e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e envolve R$ 2,7 bilhões.

FONTE: Agência Brasil

15 COMMENTS

  1. Para mim, dois projetos são essenciais para o país manter sua soberania no século XXI: submarinos de propulsão nuclear e tecnologia da informação e comunicação.

    Esse satélite veio tarde mas… Tomara que tenhamos como garantir a confidencialidade e integridade das informações.

  2. Será que vai ter alguma influência nos valores cobrados pela Internet, alguém sabe se vai baratear, ou não vai fazer diferença!!!!

  3. Duas boas perguntas.
    Dizem que vai facilitar o acesso à banda larga. Será que vai mesmo?
    Como funciona hoje em dia?
    Uma operadora local recebe dados do cliente por fibra óptica. E depois, como.se conecta com o mundo?
    E sobre a confidencialidade?
    Quem garante?
    Já que vários países saberão que satélite tem uso militar.
    Diferente de países que têm 500 satélites. Ou que usam satélites civis por debaixo do pano…

  4. Nonato
    Acho que vai ampliar o serviço…. Alguns lugares nao sao economicamente viáveis para as empresas privadas. Hoje, acho que só tem a Raetheon como operadora de internet via satélite e o serviço é caro. O governo utiliza, se nao me engano, o Hispasat , que pertence ao grupo dono da Claro.
    SRN

  5. Obrigado flamenguista. RS.
    Agora até hoje não vi uma explicação oficial mais didática.
    Esse satélite tem limitação quanto ao número de conexões e de tráfego de dados?
    Em tese, sim. Mas pergunto em termos práticos.
    Um satélite da conta de um país?
    Fará a conexão do consumidor com a operadora? Ou operadora com o mundo?
    Existe algum medidor de capacidade de transmissão de dados?

  6. Já li bastante sobre o satelite.. vi vários vídeos!!! Mas nada que de pra tirar algo útil… teoricamente, difícil dar conta do nosso pais, uns 10, talvez… mas falo sem base.. Porque não encontrei nada da capacidade dele!!!

  7. Já sabemos onde um Arleigh Burke vai mirar seus SM-3 em caso de retaliação ao Brasil em um cenário muito hipotético!

  8. A cobertura desse satelite é todo o territorio brasileiro mais o atlantico sul, trinta e poucos mil quilometros da terra. Por ser um satelite voltado tambem para a area de defesa, alguns dados nao sao de conhecimento publico, mas acredito que ele funcione como um repetidor, um espelho dos sinais de comunicaçao emitidos daqui da terra.
    SRN

  9. No que diz respeito a tráfego de dados para uso civil o satélite não objetiva dar conta do país, somente da região norte, onde, por motivos óbvios, a fibra ótica não pode se disseminar de forma viável econômica e logisticamente. Isso foi divulgado à época da aquisição do satélite e me parece o mais lógico.

  10. Quanto a área de cobertura, sim, é todo território… a minha dúvida era na capacidade de fluxo de dados… pois não encontrei nada que pudesse tirar minhas dúvidas!!! Quanto ao satélite, deve ser muito bom… mas quantos deles precisaríamos para estar bem servido???

  11. Este satélite pode ser considerado como satélite espião? Pode tirar foto com altíssima resolução?

  12. Esse satélite é geoestacionário, o que significa que tem que orbitar a Terra a pouco mais de absurdos 35 mil Km de altura, para ter noção a estação espacial está a cerca de 350Km. Pela distancia não deve ser ideal para tirar fotos e o SM-3 nem deve ser capaz de abate-lo.

  13. O que impede o Brasil de ter internet banda larga a baixo custo é a Anatel e o super controle do mercado por parte do governo.

  14. Nonato a operadora se conecta ao mundo por cabos de fibra ótica (que inclusive atrevassam por baixo de vários oceanos).

  15. Atravessam*

    Inclusive recomendo aos interessados procurar no google um mapa dos cabos de internet no mundo, é muito interessante, embora também demonstre a dependência do Brasil com os EUA para nos conectarmos ao mundo.

LEAVE A REPLY