Home Noticiário Internacional Obama autoriza ataques aéreos limitados ao Iraque

Obama autoriza ataques aéreos limitados ao Iraque

295
11

F-16 curva após ataque no Iraque - foto USAF

Ataques já teriam começado nesta noite para proteger envio de ajuda a minorias cercadas por militantes islâmicos, segundo fontes locais. Presidente dos EUA afirmou que não quer ver país arrastado a outra guerra no Iraque, e presidente francês também quer apoiar as forças que combatem o grupo ISIS*

Nesta quinta-feira, o presidente dos Estados Unidos Barack Obama disse que autorizou as forças militares dos EUA a conduzir ataques aéreos a militantes islâmicos do grupo ISIS*, caso eles se movam para tomar Erbil, no Iraque, o que colocaria sob ameaça cidadãos americanos e pessoal militar na localidade. Obama também informou que aeronaves militares dos EUA lançaram comida e água a cerca de 40.000 iraquianos cercados pelos militantes islâmicos no topo de uma montanha no norte do Iraque.

A pedido do governo iraquiano, Obama autorizou os ataques aéreos para ajudar os esforços de envio de assistência humanitária a cidadãos do Iraque, a maior parte pertencentes a minorias religiosas presas no topo da montanha, ameaçadas de um massacre. “Eu penso que os Estados Unidos não podem ficar de olhos fechados”, disse o presidente, que também afirmou: “Não vou permitir que os Estados Unidos seja arrastado para lutar outra guerra no Iraque.”

F-16 é armado no Iraque - foto USAF

F-16 pousa no Iraque - foto USAF

As pessoas presas no topo da montanha estariam sujeitas a tratamento “bárbaro” pelo ISIS, sendo ameaçadas de execução em massa, que “poderiam constituir um genocídio”, disse Obama, acrescentando que as opções enfrentadas pelas minorias religiosas cercadas são “descer a montanha e serem massacrados ou ficar para morrer lentamente de sede e fome” e que “hoje, a América está indo ajudar”. Os ataques aéreos marcariam um ponto de virada na estratégia de Obama para o Iraque.

Fontes curdas e iraquianas disseram que os ataques começaram nesta noite de quinta-feira em cidades do norte do Iraque cercadas pelo ISIS, mas o Pentágono negou que uma campanha de bombardeio tivesse começado, dizendo que possivelmente aliados dos EUA, como militares do Iraque e da Turquia, tenham realizado o bombardeio.

Assim que Obama autorizou o lançamento de ajuda humanitária, autoridades revelaram que ataques aéreos poderiam acontecer, para proteção dos lentos C-130 que precisam lançar suas cargas de remédios e comida voando entre 500 e 1.200 pés. Apesar de não haver sinais de que o ISIS possui mísseis superfície-ar, esses militantes possuem metralhadoras que podem atingir as aeronaves nessa altitude, tornando necessário o uso de poder aéreo de forma defensiva, para prevenir ataques aos aviões de transporte.

C-130 lança carga - foto USAF

Caso receba ordens, a Força Aérea dos EUA (USAF) poderá empregar tanto drones quanto caças F-16 já desdobrados na região, enquanto a Marinha (USN) poderia empregar caças F-18. Porém, uma coisa é utilizar o poder aéreo para defender uma operação humanitária, e outra é realizar ataques ofensivos ao ISIS no norte do Iraque, levando a um maior envolvimento americano no conflito. Há preocupação, também, de que a ofensiva ISIS se volte aos Curdos.

Desde que militantes sunitas e o ISIS tomaram em 10 de junho a segunda maior cidade iraquiana, Mosul, houve temores de que Bagdá seria o próximo alvo, mas o grupo concentrou-se para empurrar os Curdos de volta a áreas em que os sunitas também vivem, na fronteira entre o Curdistão e a província de Nineveh. Uma autoridade curda disse numa entrevista que as tropas curdas já recuaram na expectativa de que haveria ataques aéreos da Turquia ou dos EUA. O presidente francês François Hollande deseja que a França apoie as forças que combatem os grupos militantes.

drone Predator no Iraque - foto USAF

F-18 C Hornet lançamento - foto USN

FONTE: New York Times (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

FOTOS: USAF e USN (em caráter meramente ilustrativo)

*NOTA DO EDITOR: ISIS é a sigla em inglês para “Islamic State in Iraq and Syria” (Estado Islâmico no Iraque e Síria), também conhecido pela sigla ISIL, “”Islamic State in Iraq and the Levant”, aportuguesada para EIIL, significando Estado Islâmico no Iraque e no Levante. Mais do que um grupo jihadista, o ISIL pode ser considerado um novo estado instituído em parte do Iraque, com capital em Mosul, como um califado. Os fatores que levaram ao seu surgimento e suas conquistas naquela região, na esteira da retirada americana, estão entre os assuntos abordados na próxima edição (número 11) da revista Forças de Defesa.

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rogério
Rogério
5 anos atrás

Esses caras com discursos pacifistas exacerbados sempre são engolidos pela dura realidade.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
5 anos atrás

Interessante os recentes os numerosos envolvimentos da França em intervenções militares pelo mundo…
Será q a grana ta sobrando ?

Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

Esse vacilão tá detonando a credibilidade americana no Oriente Médio!!!
E os barbudinhos do Irã, estão adorando!!!
Maior mané.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
5 anos atrás

Será no “vídeo game”.

Vai fazer o óbvio e sensato.

Vamos ver até onde França e OTAN tiram a b#nd@ do sofá.

Iväny Junior
5 anos atrás

Um Gunship Spectre resolve. Deixa em pedacinhos, literalmente.

Blackhawk
Blackhawk
5 anos atrás

Já não era sem tempo.

Rafael M. F.
Rafael M. F.
5 anos atrás

Enfim, a única linguagem que terrorista entende…

Baschera
Baschera
5 anos atrás

E a RAF e a RoyalNavy quietinhas…. que te viu e quem te vê !!

Sds.

Mauricio R.
Mauricio R.
5 anos atrás

Spectre é tão pato de manpads qnto o ST, esse filme já passou em Khafigi, 14 morreram.
Por enquanto a cena é dos fast jets e de alguns UAS.

joseboscojr
joseboscojr
5 anos atrás

A maior proteção dos AC-130 em relação aos manpads é que eles operam em geral à noite. Isso dificulta a utilização de manpads por parte de grupos de guerrilha, que não possuem radar de busca e nem miras noturnas.
Se for numa noite clara ainda vá la, mas nas mais escuras fica difícil. E depois que ele começa a atirar, aí é um “Deus nos acuda” e em geral, mesmo que haja um manpads dando bobeira, é difícil alguém lembrar dele.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
5 anos atrás

Parece que os Ingleses e os “brioches” vão entrar no game,

tem que dar “uma ajeitada”, esses caras do califado da PQP fazem a tchurma da al qaeda parecerem fanfarrões, são assassinos e matam em massa populações civis desprotegidas.