domingo, julho 3, 2022

Gripen para o Brasil

Modernização dos F-16 de Taiwan, apesar de assinada, continua controversa

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Segundo matéria do site Defense News, a assinatura do acordo de 3,7 bilhões de dólares entre Taiwan e a Força Aérea dos EUA (USAF), visando a modernização de 146 caças F-16 A/B taiwaneses, pode ter chegada ao fim após dois anos de difíceis negociações. Porém, autoridades e analistas disseram que o assunto continua gerando controvérsia no país asiático.

Segundo essas fontes, decisões sobre detalhes ainda não resolvidos do pacote, principalmente o fornecedor do radar AESA (varredura eletrônica ativa), estão nas mãos da USAF e não de Taiwan, que vai pagar por eles. Além disso, a retirada de caças da linha de frente para a modernização, além da baixa de outros tipos de caças, vai exacerbar por doze anos a diminuição da frota de aviões de combate do país. A modernização não vai atender à necessidade de substituir caças que deverão dar baixa no período, como 56 Dassault Mirage 2000 e 45 Northrop F-5 , ocasionando a diminuição da frota de 373 para 272 caças. Restarão apenas os F-16 A/B e os F-CK-1A/B, também conhecidos como IDF – Indigenous Defense Fighter.

Por volta de 2020, a ponta de lança da Força Aérea de Taiwan será composta por apenas 146 F-16A/B modernizados, o que é considerado muito pouco para se contrapor à China. Isso é exacerbado pelo fato de que, ao longo dos anos de modernização,  sempre haverá 24 caças F-16A/B retirados da linha de frente para serem modernizados. Haverá 16 caças permamentemente alocados para treinamento na Base Aérea de Luke, nos Estados Unidos.

Levando em conta todas essas reduções e uma taxa de disponibilidade de 70% na Força Aérea de Taiwan, haverá apenas 73 caças F-16A/B operacionais a qualquer momento, o que é metade da frota existente, aos quais se somarão 126 jatos IDF (mostrado na foto abaixo) que também deverão passar por modernizações e dos quais deve, da mesma forma, ser descontada a taxa de disponibilidade.

Tudo isso torna ainda menor o número de caças realmente disponíveis, a qualquer tempo, da soma dos F-16 e IDF que formará uma frota com 100 caças a menos, aproximadamente, do que hoje.

Segundo a matéria, o “lobby” chinês vem impedindo desde 2006 que Taiwan possa receber novos caças F-16C/D Block 50/52, que seriam adquiridos num total de 66 unidades. Em compensação, a modernização dos velhos F-16 A/B foi autorizada, assim como vendas de outros equipamentos militares estimadas em 18 bilhões de dólares para Taiwan: helicópteros de ataque AH-64 Apache, aviões de patrulha marítima P-3C Orion e sistemas de defesa aérea Patriot. Autoridade da Defesa de Taiwan sonham com uma futura compra de caças F-35 de quinta geração, apesar do custo e da pressão chinesa tornar essa possibilidade muito difícil.

Outro aspecto que vem causando controvérsia, conforme citado acima, é que o modelo de radar AESA que equipará os caças será definido pela USAF, e não por Taiwan. Competem o SABR (Scalable Agile Beam Radar) da Northrop Grumman e o RACR (Raytheon’s Advanced Combat Radar (RACR) da Raytehon, com previsão de seleção do vencedor nos próximos dois anos. Fontes disseram que a USAF tem preferência pelo SABR para a modernização de seus próprios F-16.

FONTE: Defense News (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: TaiwanAirPower

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

30 Comments

Subscribe
Notify of
guest
30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos

Os Mirage 2000 e os F-5 deles poderão vir para cá.
O pessoal daqui já opera essas aeronaves e não haverá nenhuma
dificuldade na adaptação e logística.

Marcos

Só para comparar: eles operam 146 F-16 e nós 12 Mirage.

Mauricio R.

Os M-2000 deles são -5, não são exatamente equivalentes aos nossos decrépitos M-2000C.
Mas o principal não mudaria, pois continuaríamos nas mãos dos franceses, p/ a manutenção e operação dessas aeronaves.
O que certas escolhas, disponíveis ao F-X 2 poderiam evitar.

Mauricio R.
Marcos

Segundo nosso glorioso líder, não estamos nas mãos dos franceses, o que temos é um parceria de transferência de tecnologia.

Marcos

Temos de parar com esse negócio de Brasil potência. Somos a sexta economia do mundo por uma falácia contábil, provocada por um valorização artificial de nossa moeda. Se a cotação do dólar voltar lá para a casa dos R$2,40, vamos lá para a 16 economia global. Não descemos mais por conta que os outros países são infinitamente menores.

Somos uma nação com rumo a lugar nenhum.

Mauricio R.

Taiwan poderia retribuir as preocupações chinesas, p/ c/ sua defesa, vendendo seus M-2000 p/ a Índia, o que de certo deixaria a Dassault mto contente.
E seus F-5 remanescentes, p/ as Filipinas.

Giordani RS

“…45 Northrop F-5.”

Oh-ouuuu…

“…volta de 2020, a ponta de lança da Força Aérea de Taiwan será composta por apenas 146 F-16A/B…”

Poutz!!!!

Adriano Bucholz

Quando li “apenas 146 F-16A/B modernizados” tive que ri……………Não sei por que!!!! hehehheehe
Claro, com um vizinho igual a China este numero é pequeno. Mas acho que para o Brasil e sua dimensão era o minimo que deveria ter!!!

juarezmartinez

Mas o detalhe mais importante do texto, na minha opinião é este aqui: “A modernização não vai atender à necessidade de substituir caças que deverão dar baixa no período, como 56 Dassault Mirage 2000 e” ou seja, trocando em miúdos, eles preferem rertofitar os Falcons alfa de construção mais antiga que o traço 5 em detrimento destes, imaginem só o que devem estar passando para manter estes M 2000 em plenas condições operacionais, a ponto de serem muito mais novos, portanto com mais horas de célula que os F 16 e estão querendo dar baixa. Quando a gente fala aqui… Read more »

Marcos

Se acharam caro manter os M.2000-5, imaginem os Rafale.

Ozawa

“Por volta de 2020, a ponta de lança da Força Aérea de Taiwan será composta por apenas 146 (CENTO E QUARENTA E SEIS !!!!!!!!) F-16A/B modernizados, o que é considerado muito pouco para se contrapor à China” Taiwan é pouco menor que o Estado do Rio de Janeiro ! E talvez só o dobro de habitantes ! Mas só por causa da China ? É isso ? A única salavação das nossas FFAA é a ‘Pangeia’ ! ‘Pangeia Já !’ No dia que a deriva continental nos unir de novo e fizermos fronteira com a China, com Paquistão, com Irã,… Read more »

Marcos

Ave, Pangeia!!!!

Marcos

Ozawa:

Pela Lei das Vantagens Comparativas, com tanto avião novo no GTE, alguém pode invocar (ou se invocar), e propor que o Brasil é mais eficiente transportando autoridades, enquanto que, sei lá, a Venezuela seria mais eficiente na área de interceptação e combate, assim, só como exemplo, Chapolin compraria mais uns 200 Sukhoi financiados pelo BNDES, podendo operar livremente por todo o nosso espaço aéreo, para nossa defesa, evidente, enquanto nós faríamos o transporte das autoridades de toda a América Cumpanhera e Apaniguados, que aliás, já estamos fazendo.

Ozawa

#@*#@#% ! Marcos ! Então nem a Pangeia nos salva ! Mas ainda resta um consolo de Vê-la e seu séquito indo pro Quinto dos Infernos, de metrô… E metrô com trem chinês !!!!!!!!!

Giordani RS

Amém à Pangéia!!!!

champs

juarezmartinez disse:
23 de julho de 2012 às 16:27

Acho que a solução pelos Falcons esta muito mais relacionada à capacidade AESA – armamento – proteção norte americana do que qualquer outra coisa.

Posso estar errado mas na concorrência F-X Sul-coreana a derrota do Rafale(que tecnicamente terminou na frente) para o F-15SE teve os mesmos motivos.

Esta questão de custo de operação/orçamento como fator n°1 na hora da escolha me parece muito mais uma realidade nossa do que desses países, senão o Typhoon, F-15, F-35 não seriam tão cobiçados.

Marcos

… envocar (ou se invocar)…

Marcos

é invocar mesmo

Optimus

É uma tristeza, não… Imaginem o GF anunciando uma compra de “apenas” 146 caças por 10 Bilhões – e vejam as furiosas reações da mídia e da opinião pública de um país que precisa de saúde, educação, etc… e ainda por cima onde só moram pessoas alegres, pacíficas e com uma cultura de paz (mesmo com 50.000 homicídios/ano e a criminalidade a níveis astronômicos) gastar isso com “máquinas de morte e destruição” – nós somos a “Suécia Tropical”: lugar onde vivemos a utopia libertária, democrática e pró-vida! Deixem essas coisas para os malvados imperialistas do norte, os insanos russos e… Read more »

Vader

Marcos disse: 23 de julho de 2012 às 17:14 “e propor que o Brasil é mais eficiente transportando autoridades, enquanto que, sei lá, a Venezuela seria mais eficiente na área de interceptação e combate, assim, só como exemplo, Chapolin compraria mais uns 200 Sukhoi financiados pelo BNDES” Descobriu a pólvora agora Marcos, foi? 🙂 Amigo, você não tenha a menor sombra de dúvida que o futuro, nas mãos do partido único, passa por aí. Toda essa volúpia de se “integrar” com a Venezuela e demais latrino-americanos, consubstanciada no Mercolívia, na Unasul, e demais traquitanas, aquela história de “compartilhar responsabilidades”, e… Read more »

Giordani RS

Tem um caça e exemplo taiwanes que admiro. É o F-CK-1 Ching Kuo. Na minha opinião não passa de uma versão birreator do F-16. No visual, é um misto de F-16 com YF-17! Como curiosidade, ele usa(ou usava, não sei se houve up) o radar golden dragon GD-53, baseado no radar APG-67, desenvolvido para o Northrop F-20, capaz de interagir com AAM BVR e ASM antinavio. Mas porque esse “cacinha” é admirável? Por que a forma como ele foi desenvolvido. Ora, os taiwaneses não quiseram inventar a roda. Pegaram uma empresa e trabalharam junto com ela. Saiu caro? Ah! Deve… Read more »

Ozawa

Em tudo que ouvirmos ou lermos, atribuído ao governo como ‘transferência de tecnologia’, ouça-se ou leia-se ‘empurrar com a barriga’ !

“Nós queremos ‘TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA’ para o FX2 !”
Leia-se: “Nós queremos ‘EMPURRAR COM A BARRIGA’ o FX2”

“Nós queremos ‘TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA’ para as novas escoltas da MB” !
Leia-se: “Nós queremos ‘EMPURRAR COM A BARRIGA’ as novas escoltas da MB !

E por aí vai… Que venha a Pangeia !

Vassili

Champs,

Mas no FX- sulcoreano a versão escolhida foi o F-15K. O F-15SE ainda é um protótipo , e não foi encomendado por ninguem.

abraços.

Vassili

Quanto à decisão de Taiwan em desativar os 56 Mirage 2000-5 antes destes completarem todo o ciclo de vida esperado para eles, acho que tem dedo do Tio Sam aí……………

Tipo,………… quer que eu mantenha seus caças abastecidos com as peças de reposição necessárias????????? se livre daqueles caças franceses. Ou faz isso ou simplesmente deixo de fornecer os sobressalentes.

Mas é algo para ser discutido nos bastidores, não concordam???????? pois o Mirage 2000 pilotado por um piloto experiente e equipado com o radar RDY e o MICA é um adversário temeroso ainda nos dias de hoje.

Abraços.

champs

Obrigado pela correção Vassili, é por aí mesmo que vejo esta decisão de Taiwan, o peso político dos americanos é decisivo nestas horas, assim como na minha opinião aconteceu na Coreia do Sul.

Abrçs.

Mauricio R.

“Ou faz isso ou simplesmente deixo de fornecer os sobressalentes.” a) Os americanos são obrigados a prover a capacidade de defesa de Taiwan, por lei. b) A Safran, dona da Snecma, algum tempo atrás pagou uma graninha ao governo de Taiwan, devido a palhetas do compressor da turbina M-53 trincadas. c) Taiwan periodicamente testa a efetividade de seus mísseis, e o Mica a 3 milhões de Euros a cópia, não tem exibido melhores performances do que o veterano AIM-7 Sparrow. d) Taiwan bem que tentou adquirir um 2º lote de M-2000-5, ocorre que a fungada de “Madame Dragão”, no cangote… Read more »

Giordani RS

Últimas Notícias

Marinha e Força Aérea dos EUA testam novo míssil de microondas de alta potência

ALBUQUERQUE, N.M. - Os laboratórios de pesquisa da Marinha e da Força Aérea dos EUA estão encerrando um esforço...
- Advertisement -
- Advertisement -