Home Noticiário Internacional Poloneses reabrem concorrência para jatos de treinamento

Poloneses reabrem concorrência para jatos de treinamento

206
13

Segundo jornal tcheco, o L-159 da Aero Vodochody deverá concorrer na nova disputa, onde não há mais o requerimento de um jato com comandos ‘fly-by-wire’

 –

O jornal Czechposition publicou na sexta-feira, 6 de abril, notícia que reporta a ao diário polonês Lidové noviny, a respeito da Polônia estar reabrindo uma concorrência para jatos de treinamento. Segundo o jornal, esse poderia ser um cliente para os L-159 da empresa tcheca Aero Vodochody, que recentemente falhou em vender a aeronave para o Iraque.

O escritório de armamentos polonês (Inspector Uzbrojenia) reabriu oficialmente, nesta semana, a concorrência que havia sido cancelada em 2010. As propostas devem ser mandadas até 30 de abril, visando a entrega de 16 jatos entre 2015 e 2017, cuja missão primária será apoiar a instrução de novos pilotos para os F-16 poloneses. Os novos jatos deverão substituir os  PZL Mielec TS-11 Iskras da Polônia.

A disputa cancelada anteriormente envolvia dois jatos, o italiano Alenia Aermacchi M-346 e o sul-coreano T-50, desenvolvido pela Korea Aerospace Industries com o apoio da Lockheed Martin norte-americana. À época, a Polônia procurava uma aeronave de treinamento com sistema de controle fly-by-wire, além de outros requerimentos que, segundo o site Flight International, não fazem mais parte da nova concorrência.

O que a Polônia busca, agora, é uma aeronave capaz de simular o lançamento de armas ar-ar e ar-solo. Ainda segundo o Flight International, “os ofertantes deverão submeter suas respostas até 30 de abril para 16 aeronaves, além de atividades de treinamento e de apoio logístico, e a entrega de simuladores completos de missão e outros equipamentos de treinamento. Eles deverão também fornecer informações de custos de operação por hora para 200 a 250 horas de voo por ano, durante uma vida em serviço de 30 anos, além de projeções para a manutenção.”

O presidente da Aero Vodochody, Ladislav Šimek, disse ao diário polonês que a empresa “está considerando seriamente o pedido de informações”.

FONTE: Czechposition (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

FOTOS: Aero Vodochody

VEJA TAMBÉM:

13
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
Mauricio R.jacubaoFernando "Nunão" De Martiniricardo_recifeivanildotavares Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Giordani RS
Visitante
Member

Aproveitem e comprem, com os alemães, pampa II…

Ivan
Visitante
Ivan

No total são 54 (cinquenta e quatro) PZL TS-11 Iskra na Força Aérea Polonesa de hoje, mas acredito que a necessidade final de LIFT não deve chegar nem mesmo a metade. Se confirmar a compra de 16 (dezesseis) aeronaves, o número final não deverá ultrapassar 2 (duas) dúzias, principalmente se usarem os simuladores integrados ao programa de treinamento. As chances do Aero Vodochody L 159 ALCA nesta concorrência está no preço, até por que foi retirada a exigência do fly-by-wire, entretanto penso que não seria uma boa opção para uma força aérea que opera 4 (quatro) dúzias de caças F-16… Read more »

Ivan
Visitante
Ivan
ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Sempre torci para a FAB substituir os EMB-326 Xavantes pelos Alenia Aermacchi M-346, por ocasião da retirada de serviço dos primeiros. Já imaginaram umas três dúzias do M-346 produzidos pela Embraer sob licença, tal qual aconteceu com os EMB-326 Xavantes? Claro, os Xavantes foram 166 unidades só para a FAB.

Abraços

ricardo_recife
Visitante
Member
ricardo_recife

As compras polonesas vai depender (acontece com todos) dos requerimentos operacionais e do quanto o governo está disposto a pagar. A retirada do fly-by-wire pode ser um indicativo, pois cabe como uma luva para o L-159B . Contudo, a versão B já deixou de ser fabricada em 2003, o que pode ser um impecilio, já que os custos operacionais tendem a aumentar no longo prazo (a não ser é claro que os poloneses vejam esta compra como emergencial, com vistas a quando a situação economica melhorar lancar nova competição). A versão T1, que voou em 2007, ainda procura compradores. Talvez… Read more »

Giordani RS
Visitante
Member

Fora do tópico: Infelizmente, acidentalmente, ao pular entre canais acabei no auto esporte…e uma matéria tendo um capitão da FAB…assisti até o estômago começar a se revirar…resumo das bobagens:
Forevis-5 é um caça usado pelas forças especiais braZileiras e é capaz de atingir 2.400km/h…

ricardo_recife
Visitante
Member
ricardo_recife

Nunão.

Foram fabricados 72 L-159. Não sei quantos estão estocados ou quantos voam na força aérea do país, mas usando uma conta de padaria eles devem ter no mínimo 3 dúzias estocadas.

Abs,

Ricardo

ivanildotavares
Visitante
Member
ivanildotavares

Sobre o meu comentário acima, fiz confusão. Minha torcida, há muito tempo, era para os MB-339 até porque ainda não havia os M-346. Considerava os MB-339 os substitutos naturais dos EMB-326 Xavantes.
Só que agora, com os M-346 mudei de sonho, digo, sonho com estes.

Abs

jacubao
Visitante
jacubao

Giordani RS disse:

Meu amigo, eu tmb assisti isso e o pior de tudo e ver isso sair da boca de um capitão aviador da própia FAB.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“Já imaginaram umas três dúzias do M-346 produzidos pela Embraer sob licença, tal qual aconteceu com os EMB-326 Xavantes?”

Não!!!
Coitada da FAB, afastem-na deste cálice!!!
Vai ver, foi praga de Mirage III…