-

Aviões C-115 Buffalo desativados aguardam destino no PAMA-SP enquanto um deles, preservado, faz sucesso com o público em meio à chuva

-

Quem caminhou até os hangares mais distantes da entrada do Parque de Material Aeronáutico de São Paulo (PAMA-SP) no “Domingo Aéreo 2011″, pôde ver uma visão um tanto triste, mas que faz parte da realidade da vida útil de aeronaves que se tornam ícones com o tempo. Era possível ver diversas células de C-115 Buffalo estocadas nos fundos da base e que permanecem ao ar livre, tanto pelo seu tamanho quanto pelo fato de já terem sido desativadas há tempos.

Mas, segundo o dito popular, e como escrevemos também em outra matéria desta série, “a fila anda” e o seu sucessor, o C-105 Amazonas, já escreve sua própria história na FAB, tendo recentemente acumulado 25.000 horas de voo. Assim, a triste visão não é nada mais que a realidade da “vida após a morte” de uma aeronave.

E a vida dos Buffalos na FAB foi bem intensa: selecionados em 1965 como parte do reequipamento de sua aviação de transporte, foram recebidos a partir de 1968, num total de 24 unidades. Clicando nas imagens para ampliar, pode-se ver as matrículas dos aviões e, em alguns deles, as marcações dos esquadrões em que foram empregados, como o 1º/1º GTT, da Base Aérea dos Afonsos e o 1º/9º GAV, da Base Aérea de Manaus.

Outro esquadrão que operou a aeronave foi o 1º/15º GAV, da Base Aérea de Campo Grande, mas como nessa unidade a substituição do Buffalo (por aviões Bandeirante) ocorreu há mais tempo, em 1981, não restaram células com marcações desse esquadrão. Mesmo porque, à época, suas aeronaves foram distribuídas aos outros dois esquadrões que a operavam.


Para preservar a memória do Buffalo na FAB, um deles foi destinado ao Museu Aeroespacial (Musal), outro ao Museu da TAM. E mais um está preservado no próprio PAMA-SP, com marcações da própria unidade na fuselagem. O avião sempre gera bastante interesse quando o PAMA-SP abre as portas para o público, o que não foi diferente nesta última edição. Apesar da chuva, uma grande fila se formou para ver o interior da aeronave.

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , ,

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

One Response to “PAMA-SP 2011: os ‘Buffalos d’água’” Subscribe

  1. Mauricio R. 23 de outubro de 2011 at 12:06 #

    Pô nem uma lona, prá proteger do clima, cruel!!!
    Mas será que antes de venderem como sucata, a granel, dessas 4 células exibidas nas fotos; não saem 2 inteiros p/ vender como usados???

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

95, 102 e 116 milhões de dólares: aproveite que os preços do F-35 estão despencando…

…afinal, sem motor a tendência de um avião é cair mesmo! – Brincadeiras à parte com o fato do valor dos motores do […]

Brasil espera uma proposta da Suécia para empréstimo de caças Gripen para uso da FAB

Suécia teria oferecido ao Brasil empréstimo ou aluguel de caças suecos enquanto os comprados não chegam; entregas só começam em […]

Rio pode ser a primeira cidade a receber o A380

O Galeão pode ser o primeiro aeroporto da América do Sul a receber o Airbus A380-800 e o Boeing 747-8, […]

Compre sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Cerimônia marca entrega da frota completa das aeronaves de patrulha da FAB

As aeronaves P-3AM Orion foram recebidas a partir de 2011   A Base Aérea de Salvador (BASV) realizou na quarta-feira […]

Contrato de 12 aviões A330 MRTT para a Força Aérea Francesa

Aeronaves receberam o nome ‘Phénix’ e custarão 3 bilhões de euros, incluindo sistemas de apoio e treinamento. Terão três pontos […]