-

Aviões C-115 Buffalo desativados aguardam destino no PAMA-SP enquanto um deles, preservado, faz sucesso com o público em meio à chuva

-

Quem caminhou até os hangares mais distantes da entrada do Parque de Material Aeronáutico de São Paulo (PAMA-SP) no “Domingo Aéreo 2011″, pôde ver uma visão um tanto triste, mas que faz parte da realidade da vida útil de aeronaves que se tornam ícones com o tempo. Era possível ver diversas células de C-115 Buffalo estocadas nos fundos da base e que permanecem ao ar livre, tanto pelo seu tamanho quanto pelo fato de já terem sido desativadas há tempos.

Mas, segundo o dito popular, e como escrevemos também em outra matéria desta série, “a fila anda” e o seu sucessor, o C-105 Amazonas, já escreve sua própria história na FAB, tendo recentemente acumulado 25.000 horas de voo. Assim, a triste visão não é nada mais que a realidade da “vida após a morte” de uma aeronave.

E a vida dos Buffalos na FAB foi bem intensa: selecionados em 1965 como parte do reequipamento de sua aviação de transporte, foram recebidos a partir de 1968, num total de 24 unidades. Clicando nas imagens para ampliar, pode-se ver as matrículas dos aviões e, em alguns deles, as marcações dos esquadrões em que foram empregados, como o 1º/1º GTT, da Base Aérea dos Afonsos e o 1º/9º GAV, da Base Aérea de Manaus.

Outro esquadrão que operou a aeronave foi o 1º/15º GAV, da Base Aérea de Campo Grande, mas como nessa unidade a substituição do Buffalo (por aviões Bandeirante) ocorreu há mais tempo, em 1981, não restaram células com marcações desse esquadrão. Mesmo porque, à época, suas aeronaves foram distribuídas aos outros dois esquadrões que a operavam.


Para preservar a memória do Buffalo na FAB, um deles foi destinado ao Museu Aeroespacial (Musal), outro ao Museu da TAM. E mais um está preservado no próprio PAMA-SP, com marcações da própria unidade na fuselagem. O avião sempre gera bastante interesse quando o PAMA-SP abre as portas para o público, o que não foi diferente nesta última edição. Apesar da chuva, uma grande fila se formou para ver o interior da aeronave.

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , ,

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

One Response to “PAMA-SP 2011: os ‘Buffalos d’água’” Subscribe

  1. Mauricio R. 23 de outubro de 2011 at 12:06 #

    Pô nem uma lona, prá proteger do clima, cruel!!!
    Mas será que antes de venderem como sucata, a granel, dessas 4 células exibidas nas fotos; não saem 2 inteiros p/ vender como usados???

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

JASSM para os F-16 poloneses

Venda aprovada pelos EUA, ainda a ser realizada, tem valor estimado em 500 milhões de dólares e inclui 40 mísseis […]

Instalações da Augusta Westland nos EUA entregam AW139 número 200

Cliente do helicóptero produzido na linha de montagem da Philadelphia é o Japão, que tem exemplares servindo em várias agências […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Caças Super Hornet australianos partem para o Oriente Médio

Também seguiram aeronaves E-7A Wedgetail e KC-30A, respondendo a decisão do Governo da Austrália de se preparar para contribuir aos […]

Caça Gripen C sueco ultrapassa 2.000 horas de voo

Aeronave de matrícula 39210 foi a primeira desta versão, no mundo, a ultrapassar a marca, no início deste mês. Em […]

Nova missão de apoio aéreo francês no Iraque, sobre Bagdá

Caças voaram por cerca de duas horas sobre a região noroeste da capital iraquiana, mas não foi realizado nenhum ataque […]