A Força Aérea Brasileira foi criada em janeiro de 1941, pela fusão das aviações do Exército e da Marinha. O Brasil declarou guerra ao Eixo em 1942, tornando possível ao País o recebimento de equipamento americano no programa de “lend-lease”. Para a FAB, os novos equipamentos vieram em boa hora, já que os disponíveis por aqui eram obsoletos.

Com navios mercantes brasileiros sendo torpedeados por submarinos alemães e italianos, era preciso equipar logo a FAB com para enfrentar aquela ameaça.

A prioridade era o recebimento de aviões patrulha, mas a FAB acabou recebendo também caças P-36 e P-40. Ao mesmo tempo, pilotos brasileiros foram enviados aos EUA para receberem treinamento para futuro emprego no Teatro de Operações.

O Brasil acabou depois enviando um esquadrão de P-47D Thunderbolts para lutar na Itália, incorporado ao 350th Fighter Group da USAAF. A unidade chamava-se  1º Grupo de Caça, que correspondia na verdade a um esquadrão americano.

De outubro de 1944 até o final da Segunda Guerra, o  1º  Grupo de Caça voou 20.054 sortidas em 5.796 missões, perdendo 5 pilotos em combate, mais 3 mortos em acidentes, 6 abatidos pela Flak alemã e capturados e 5 outros abatidos sobre território amigo ou salvos por partisans.

O P-47 Thunderbolt depois da Guerra fez carreira na FAB e voou por aqui até 1958.

Em 1953, a Força Aérea Brasileira entrou na Era do Jato, recebendo 70 caças Gloster Meteor da Grã-Bretanha (60 dos quais monoplaces F.Mk.8 e 10 T.Mk.7 biplaces). Em 1959, a FAB recebeu também 33 jatos americanos Lockheed F-80 Shooting Stars, que operaram juntamente com os Meteors até 1973/1974.

O período compreendido entre o final dos anos 1960 e o início dos anos 70 foi difícil para a FAB, pois os jatos estavam atingindo rapidamente o limite de sua vida útil, principalmente os Gloster Meteor.

A FAB tinha então quatro Esquadrões de Caça: na Base Aérea de Santa Cruz, o 1º/1ºGC (Primeiro Esquadrão do 1º Grupo de Caça) e o 2º/1ºGC (Segundo Esquadrão do 1º Grupo de Caça), operando Meteors, na Base Aérea de Canoas, o 1º/14º GAv (Primeiro Esquadrão do 14º Grupo de Aviação), também operando Meteors e, na Base Aérea de Fortaleza, o 1º/4ºGAv operando o F-80.

Como a Aviação de Caça tinha sido esquecida pelos sucessivos Governos, mesmo os militares, não havia recursos financeiros para adquirir aeronaves em número suficiente para substituir as aeronaves que iam sendo aposentadas.

A solução “tampão” foi adquirir, em meados dos anos 60, velhos jatos AT-33 da USAF. Na verdade, eram treinadores T-33 armados, que de tão cansados foram desativados já em 1975.

Outra salvação para os esquadrões de caça da FAB foi o acordo de fabricação sob licença no Brasil pela Embraer, do treinador a jato italiano Macchi MB326GB, que aqui ficou conhecido como Embraer EMB-326GB Xavante.

Juntamente com os AT-33, os Xavante não eram caças verdadeiros como o Meteor ou F-80, com visível efeito sobre o moral dos nossos pilotos.

Já estávamos no início dos anos 1970, os caças supersônicos e os mísseis ar-ar eram realidade há muito tempo, mas não na Aviação de Caça da FAB.

FOTOS: Arquivo de Aparecido Camazano Alamino

Continua em próximo post

SAIBA MAIS:

Tags: ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

12 Responses to “A Aviação de Caça da Força Aérea Brasileira – Parte 1” Subscribe

  1. Caio 9 de julho de 2010 at 14:28 #

    adoro essas historias em partes… isso tinha que ser ensinado nas escolas…

  2. Mauricio R. 9 de julho de 2010 at 14:29 #

    A pindaíba era tanta assim que só podiam ser T-33 usados???
    Nada de Hunter, Ouragan, Mystére, Gnat, mesmo usados???

  3. Brenno 9 de julho de 2010 at 15:52 #

    Lindas fotos!

  4. Rogério 9 de julho de 2010 at 16:05 #

    Lindas fotos.

    []s

  5. RenanZ 9 de julho de 2010 at 16:19 #

    Essa história promete ….!!!

  6. Giordani RS 9 de julho de 2010 at 17:05 #

    Mauricio R. disse:
    9 de julho de 2010 às 14:29
    A pindaíba era tanta assim que só podiam ser T-33 usados???
    Nada de Hunter, Ouragan, Mystére, Gnat, mesmo usados???

    Que nada meu amigo! A coisa era como hoje, como essa palhaçada chamada FX…a pindaíba mental continuava tão grande quanto hoje…só para tu teres uma idéia…a gente voando essas nabas de T-33 e o Chile de Hunter! A Argentina comprando A-4 e negociando Etendarts franceses…e isso que a FAA já voava de F-86!

    E como de costume, o pessoal que faz o post, nos brinda com mais uma matéria gostosa de ler!

  7. felipe alberto 9 de julho de 2010 at 17:16 #

    o mais incrivel é a perceverança dos nossos pilotos

  8. Vplemes 9 de julho de 2010 at 18:14 #

    O mais incrivel nesta história, é que os nossos “desgovernantes” não aprenderam nada com a história. Não fosse a previdência do CA, e não teriamos sequer F-5EM. Estáriamos até hoje voando F-5 E/F sem modernização, enquanto esperamos o fim do enterro (digo FX2).

  9. João Gabriel 9 de julho de 2010 at 19:15 #

    Não compraram nada,só T-33 de “boa vontade” por causa do revanchismo infantil e ridículo entre as FAs,pois mesmo com militares no poder,a grande maioria do alto escalão do governo pertencia ao EB,porque vejam bem,na mesma época começou a nacionalização e modernização de vários equipamentos do EB,o projeto do Urutu/Cascavel começou naquela época também…ou seja nesse caso sobrava dinheiro,como a FAB era vista de forma antipatizada pelos governantes míopes e cheios de remorsos,ficava com a sobra das verbas,sem contar que de 1965 a 70 houve-se uma novela bem parecida com o FX-2 de hoje pra avaliar os futuros caças supersônicos da FAB…

    Abraços!

  10. ivanildotavares 9 de julho de 2010 at 19:45 #

    Maravilha de post. Parabéns. fico na expectativa da prometida continuação em outro post.
    Abraços

    ivanildotavares é GUPPY

  11. João 21 de julho de 2010 at 0:15 #

    A pindaíba ainda vai continuar. Não se espantem pois a escolha do próximo caça para a nossa Força Aérea não esta sendo feita dentro dos padrões técnicos, operacionais e muito menos, economicos.

  12. Guizmo 10 de agosto de 2014 at 11:01 #

    FAB, há 70 anos nos encantando e testando o limite estrutural das células de todos seus caças

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Começam testes com primeiro avião elétrico tripulado da América Latina

Técnicos e engenheiros do Programa Veículo Elétrico (VE), da Itaipu Binacional, e da empresa ACS Aviation, de São José dos […]

Lançamento do livro ‘Indústria de Defesa do Brasil’, de Cosme Degenar Drumond

Estivemos ontem na noite de autógrafos do livro “Indústria de Defesa do Brasil”, do jornalista Cosme Degenar Drumond, na livraria […]

Motor do KC-390 é certificado

International Aero Engines recebe a certificação da FAA para o motor V2500-E5, que equipará o novo jato de transporte militar […]

Venha ‘voar’ num QF-16 enquanto ele serve de alvo para míssil

Neste vídeo divulgado pela Boeing na terça-feira, 26 de agosto, câmeras mostram o interior da cabine vazia de um QF-16, […]

Operação Sabre: saiba como ocorrem os combates BVR nesse exercício da FAB

Exercício da FAB aplica modelos avançados de combate aéreo. Saiba como funcionam os combates que acontecem durante a Operação Sabre, […]

Japan Airlines adicionará até 27 E-Jets à sua frota

Em nota divulgada nesta quinta-feira, 28 de agosto, a Embraer S.A. informou sobre a assinatura de contrato com a Japan […]