a4-veterano-foto-aviacionargentina-net

A Força Aérea Argentina (FAA) comemorou no último dia 10 de agosto o 97º aniversário de sua criação, em cerimônia realizada no Heliporto do Edifício Cóndor, presidida pela ministra da Defesa, Nilda Carré. Presentes também o chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas Argentinas, general brigadeiro Jorge Chevalier, e o comandante da FAA, general brigadeiro Normando Costantino. bleriot-aniv-97-anos-faa

Com um minuto de silêncio, foram lembrados os integrantes falecidos no transcurso desses 97 anos, enquanto faziam uma passagem três A-4R Fightinghawk, acompanhados de um C-130 Hércules. Três civis com mais de 50 anos de trabalho na FAA receberam condecorações. Como parte importante da ceremonia, uma réplica de Bleriot XI, normalmente exposta no Museu Nacional de Aeronáutica foi conduzida em solo em frente ao palanque, acompanhada de jovens com roupas de época. A réplica é da aeronave pilotada pelo pioneiro da aviação argentina, Jorge Newbery.

Também em frente ao palanque, podiam ser vistas em exposição estática duas aeronaves, um jato treinador AT-63 Pampa e um jato de ataque A-4, veterano da campanha das Malvinas.

aniv-97-anos-faa 

FONTE: FAA         FOTOS: aviacionargentina.net (“Kelly OO7″) e FAA

Tags: , , , ,

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

62 Responses to “Força Aérea Argentina comemora 97 anos” Subscribe

  1. brazilwolfpack 12 de agosto de 2009 at 19:21 #

    Interessante…

    Diário econômico francês aposta que Brasil
    comprará aviões de combate da Boeing

    O jornal econômico francês Les Echos analisa a luta pelo contrato bilionário de venda de 36 modernos aviões de combate ao Brasil.

    Fonte:Guia Global

    O jornal econômico francês Les Echos analisa a luta pelo contrato bilionário de venda de 36 modernos aviões de combate ao Brasil.

    O diário afirma que os rivais da francesa Dassault, que pensava ser a preferida no negócio, contra-atacam. Les Echos faz referência à informação de que a norte-americana Boeing promete transferir tecnologia e investir no Brasil um bilhão e meio de dólares se o governo brasileiro comprar seus F-18 Super Hornet pelo mesmo preço.

    Também na disputa pelo contrato, o ministro da defesa da Suécia deve desembarcar em Brasília ainda esta semana para defender a Saab e seu caça Grippen, elogiado pela flexibilidade e baixo custo.

    Diante dessa pressão, a mobilização na França para garantir a venda internacional dos Rafale é grande, afirma o jornal. Les Echos lembra que a França e o Brasil assinaram uma parceria estratégica em matéria de defesa em dezembro passado e que a francesa Dassault, que propôs transferência de tecnologia e a fabricação de algumas peças do Rafale no Brasil, estava quase certa de que venceria a concorrência.

    Lula e Sarkozy queriam que o vencedor do contrato fosse anunciado antes da visita do presidente francês ao Brasil, no próximo dia sete de setembro mas, devido às novas propostas da Boeing, o anúncio do vencedor desta disputa pode ficar para mais tarde, comenta Les Echos.

  2. brazilwolfpack 12 de agosto de 2009 at 19:21 #

    Interessante…

    Diário econômico francês aposta que Brasil
    comprará aviões de combate da Boeing

    O jornal econômico francês Les Echos analisa a luta pelo contrato bilionário de venda de 36 modernos aviões de combate ao Brasil.

    Fonte:Guia Global

    O jornal econômico francês Les Echos analisa a luta pelo contrato bilionário de venda de 36 modernos aviões de combate ao Brasil.

    O diário afirma que os rivais da francesa Dassault, que pensava ser a preferida no negócio, contra-atacam. Les Echos faz referência à informação de que a norte-americana Boeing promete transferir tecnologia e investir no Brasil um bilhão e meio de dólares se o governo brasileiro comprar seus F-18 Super Hornet pelo mesmo preço.

    Também na disputa pelo contrato, o ministro da defesa da Suécia deve desembarcar em Brasília ainda esta semana para defender a Saab e seu caça Grippen, elogiado pela flexibilidade e baixo custo.

    Diante dessa pressão, a mobilização na França para garantir a venda internacional dos Rafale é grande, afirma o jornal. Les Echos lembra que a França e o Brasil assinaram uma parceria estratégica em matéria de defesa em dezembro passado e que a francesa Dassault, que propôs transferência de tecnologia e a fabricação de algumas peças do Rafale no Brasil, estava quase certa de que venceria a concorrência.

    Lula e Sarkozy queriam que o vencedor do contrato fosse anunciado antes da visita do presidente francês ao Brasil, no próximo dia sete de setembro mas, devido às novas propostas da Boeing, o anúncio do vencedor desta disputa pode ficar para mais tarde, comenta Les Echos.

  3. Nunão 12 de agosto de 2009 at 19:27 #

    Legal, Brazilwolfpack, mas não faltam posts sobre o F-X2 e o Super Hornet para colocar seu comentário, em vez deste, que é sobre os 97 anos da FAA.

    Não leve a mal, mas creio que faz mais sentido colocar em cada assunto os comentários pertinentes ao mesmo, ainda que algumas matérias acabem sem nenhum, como (imagino) pode ser o caso desta.

    Enfim, aproveito a ocasião para deixar isso claro a todos…

    Ao invés de deletar seu comentário, estou deixando-o aqui para que vc possa, se assim desejar, copiá-lo e colá-lo em alguma outra matéria mais adequada – e há várias delas bem disputadas por aqui.

    Saudações!

  4. Nunão 12 de agosto de 2009 at 19:27 #

    Legal, Brazilwolfpack, mas não faltam posts sobre o F-X2 e o Super Hornet para colocar seu comentário, em vez deste, que é sobre os 97 anos da FAA.

    Não leve a mal, mas creio que faz mais sentido colocar em cada assunto os comentários pertinentes ao mesmo, ainda que algumas matérias acabem sem nenhum, como (imagino) pode ser o caso desta.

    Enfim, aproveito a ocasião para deixar isso claro a todos…

    Ao invés de deletar seu comentário, estou deixando-o aqui para que vc possa, se assim desejar, copiá-lo e colá-lo em alguma outra matéria mais adequada – e há várias delas bem disputadas por aqui.

    Saudações!

  5. JC 12 de agosto de 2009 at 19:28 #

    As forças armadas argentinas dao PENA!

  6. JC 12 de agosto de 2009 at 19:28 #

    As forças armadas argentinas dao PENA!

  7. Nunão 12 de agosto de 2009 at 19:30 #

    Opa, um comentário sobre a FAA! Enfim, estava errado no meu prognóstico! rsrsrs

  8. Nunão 12 de agosto de 2009 at 19:30 #

    Opa, um comentário sobre a FAA! Enfim, estava errado no meu prognóstico! rsrsrs

  9. Giovani 12 de agosto de 2009 at 19:39 #

    Comemorar o quê?

    A Força Aérea Argentina, está no fundo do poço, se nós estamos reclamando da demora do reequipamento da FAB, eles devem estar completamente sem esperanças de melhoras.

    A FAA teve que engolir alguns A-4 Modernizados pelos EUA, quando queriam o F-18, os Mirage III devem usar bengalas ao invés de trem de pouso.
    Na Cruzex 2008 eles não vieram por faltade verbas ao que tudo indica. o Exercito Argentino Abandonou um Cargueiro G222 em Campo Grande-MS por falta de dinheiro para manutenção.

    Seus oficiais e Militares devem estar lamentando e vendo que não há nada pra comemorar.

    A senhora Cristina Kitinet, é uma “mocoronga” de marca maior, assim como seu Marido e antecessor.

  10. Giovani 12 de agosto de 2009 at 19:39 #

    Comemorar o quê?

    A Força Aérea Argentina, está no fundo do poço, se nós estamos reclamando da demora do reequipamento da FAB, eles devem estar completamente sem esperanças de melhoras.

    A FAA teve que engolir alguns A-4 Modernizados pelos EUA, quando queriam o F-18, os Mirage III devem usar bengalas ao invés de trem de pouso.
    Na Cruzex 2008 eles não vieram por faltade verbas ao que tudo indica. o Exercito Argentino Abandonou um Cargueiro G222 em Campo Grande-MS por falta de dinheiro para manutenção.

    Seus oficiais e Militares devem estar lamentando e vendo que não há nada pra comemorar.

    A senhora Cristina Kitinet, é uma “mocoronga” de marca maior, assim como seu Marido e antecessor.

  11. Patriota 12 de agosto de 2009 at 19:57 #

    As forças armadas da Argentina estão em um estado lamentavel

  12. Patriota 12 de agosto de 2009 at 19:57 #

    As forças armadas da Argentina estão em um estado lamentavel

  13. Mauricio R. 12 de agosto de 2009 at 20:09 #

    Eles podem comemorar que a experiência de combate real deles, é mais atual do que a da FAB.
    Tdo bem que foi uma tunda e tanto, mas eles deixaram uma “péssima” impressão nos britânicos, em especial na RN.

  14. Mauricio R. 12 de agosto de 2009 at 20:09 #

    Eles podem comemorar que a experiência de combate real deles, é mais atual do que a da FAB.
    Tdo bem que foi uma tunda e tanto, mas eles deixaram uma “péssima” impressão nos britânicos, em especial na RN.

  15. Rodrigo Cordeiro 12 de agosto de 2009 at 20:10 #

    situação do Hermanos não tá boa mesmo…

    http://www.alide.com.br/wforum/viewtopic.php?t=151

  16. Rodrigo Cordeiro 12 de agosto de 2009 at 20:10 #

    situação do Hermanos não tá boa mesmo…

    http://www.alide.com.br/wforum/viewtopic.php?t=151

  17. Deio 12 de agosto de 2009 at 20:20 #

    Muita penúria nas FFAA argentinas. Eles nada tem de novo. É muita falta de grana.

    —> aeronaves desatualizadas baixo nível
    Falta de grana —> armamento desatualizado ==>
    —> dificuldades no adestramento das equipagens

  18. Deio 12 de agosto de 2009 at 20:20 #

    Muita penúria nas FFAA argentinas. Eles nada tem de novo. É muita falta de grana.

    —> aeronaves desatualizadas baixo nível
    Falta de grana —> armamento desatualizado ==>
    —> dificuldades no adestramento das equipagens

  19. Fábio Max 12 de agosto de 2009 at 20:20 #

    É triste ver que uma força no passado tão inovadora (não esqueçamos, que o segundo jato do mundo, o Pulqui, foi argentino e mais que isso, teria uso militar) esteja nessa situação.

    É a tal coisa, na Argentina, existe um trauma em relação aos militares, muito, mas muito maior que o que existe no Brasil, por conta dos regimes dos anos 70/80, e isso levou à ignorar as FFAA, sem contar a crise econômica constante naquele país, decorrência dos governos excessivamente paternalistas e demagógicos (Alfonsín, Meném e Kirchnners).

  20. Fábio Max 12 de agosto de 2009 at 20:20 #

    É triste ver que uma força no passado tão inovadora (não esqueçamos, que o segundo jato do mundo, o Pulqui, foi argentino e mais que isso, teria uso militar) esteja nessa situação.

    É a tal coisa, na Argentina, existe um trauma em relação aos militares, muito, mas muito maior que o que existe no Brasil, por conta dos regimes dos anos 70/80, e isso levou à ignorar as FFAA, sem contar a crise econômica constante naquele país, decorrência dos governos excessivamente paternalistas e demagógicos (Alfonsín, Meném e Kirchnners).

  21. Wolfpack 12 de agosto de 2009 at 21:00 #

    Exatamente Fábio Max, acredito que ainda existe muito recentimento por parte dos Argentinos e suas forças armadas. Algo que se viu em outros paises no pós Guerra.
    Os militares têm que conquistar seu espaço e confiança da população primeiro e depois talvez pensar em se reequipar. Pode parecer besteira, mas no Brasil ainda existe um respeito, medo, dos militares por parte do políticos no poder. Medo que algum militar pregue a revolta contra a corrupção, o descaso com a coisa pública, a falta de respeito com o trabalhador, tudo isso que poderia devolver ao poder quem já teve sua chance e desperdiçou no Regime Militar. Aqueles que hoje reclamam da presença de um sindicalista populista no poder, deve colocar a culpa com razão nos neo liberais, intelectuais, que ao não realizarem as mudanças necessárias no país deixaram a porta aberta para a eleição destes que hoje estão nas fotos dos jornais junto ao Chaves, Correa, Lugo e Evo Morales.

  22. Wolfpack 12 de agosto de 2009 at 21:00 #

    Exatamente Fábio Max, acredito que ainda existe muito recentimento por parte dos Argentinos e suas forças armadas. Algo que se viu em outros paises no pós Guerra.
    Os militares têm que conquistar seu espaço e confiança da população primeiro e depois talvez pensar em se reequipar. Pode parecer besteira, mas no Brasil ainda existe um respeito, medo, dos militares por parte do políticos no poder. Medo que algum militar pregue a revolta contra a corrupção, o descaso com a coisa pública, a falta de respeito com o trabalhador, tudo isso que poderia devolver ao poder quem já teve sua chance e desperdiçou no Regime Militar. Aqueles que hoje reclamam da presença de um sindicalista populista no poder, deve colocar a culpa com razão nos neo liberais, intelectuais, que ao não realizarem as mudanças necessárias no país deixaram a porta aberta para a eleição destes que hoje estão nas fotos dos jornais junto ao Chaves, Correa, Lugo e Evo Morales.

  23. LeoPaiva 12 de agosto de 2009 at 21:11 #

    Fábio Max,

    Concordo contigo, o problema dos argentinos não é só a forte crise financeira que se abateu sobre ele há um tempo atrás, e ainda perdura.
    Na minha opinião foi criado um “clima ruim”, ou um trauma como você falou, ou até um ressentimento como o Wolfpack falou, contra os militares de lá, não só pela desastrosa guerra das Malvinas, mas por todos os anos de ditadura ferrenha. Talvez alguém de lá possa nos esclarecer melhor.

    Off topic (rapidinho):

    Não quero tirar um parafuso do mérito do Pulqui, mas creio que muitos projetos surgiram antes dele, não sei qual deles foi o segundo, depois é claro do Me-262 alemão:

    -P-59 Aircomet- americano.
    -Lockheed P-80 – americano.
    -Gloster Meteor – Inglês.
    -Suljpo Su-09 – Russo.
    -Nakajima J9y Kikka – japonês.
    -Nakajima Ki 201 – japonês.

    Grande abraço.

  24. LeoPaiva 12 de agosto de 2009 at 21:11 #

    Fábio Max,

    Concordo contigo, o problema dos argentinos não é só a forte crise financeira que se abateu sobre ele há um tempo atrás, e ainda perdura.
    Na minha opinião foi criado um “clima ruim”, ou um trauma como você falou, ou até um ressentimento como o Wolfpack falou, contra os militares de lá, não só pela desastrosa guerra das Malvinas, mas por todos os anos de ditadura ferrenha. Talvez alguém de lá possa nos esclarecer melhor.

    Off topic (rapidinho):

    Não quero tirar um parafuso do mérito do Pulqui, mas creio que muitos projetos surgiram antes dele, não sei qual deles foi o segundo, depois é claro do Me-262 alemão:

    -P-59 Aircomet- americano.
    -Lockheed P-80 – americano.
    -Gloster Meteor – Inglês.
    -Suljpo Su-09 – Russo.
    -Nakajima J9y Kikka – japonês.
    -Nakajima Ki 201 – japonês.

    Grande abraço.

  25. Pampa 12 de agosto de 2009 at 21:21 #

    É triste ver uma FA que foi muito qualificada e q deixou sua marca na Guerra das Malvinas, estar largada às traças. Concordo com os demais, que a sociedade argentina está cobrando um preço alto demais das suas FFAA, pelos anos de ditadura. A guerra foi um erro, mas a FA Argentina foi valorosa e heróica. Espero que nunca cheguemos a este estado de penúria.

  26. Pampa 12 de agosto de 2009 at 21:21 #

    É triste ver uma FA que foi muito qualificada e q deixou sua marca na Guerra das Malvinas, estar largada às traças. Concordo com os demais, que a sociedade argentina está cobrando um preço alto demais das suas FFAA, pelos anos de ditadura. A guerra foi um erro, mas a FA Argentina foi valorosa e heróica. Espero que nunca cheguemos a este estado de penúria.

  27. Seafire 12 de agosto de 2009 at 21:26 #

    Deve ter algum erro na informação. A Argentina deve estar comemorando 97 anos DE SUA AVIAÇÃO, não 97 anos da sua Força Aérea.
    A RAF (a 1ª Força Aérea do MUNDO, realmente criada para operar exclusivamente tal arma, foi criada em 1918!!).
    Como em 1910 uma nação latino americana, alheia – como as demais – aos desenvovimentos militares NESTE CAMPO, teria tal visão de criar uma arma com destinação a tal invenção recente (na época, claro)?
    Teve de ocorrer uma Guerra Mundial para que fossem criados e revistos conceitos sobre tal arma. O Reino Unido, repito, foi a primeira nação, logo no fizinho de tal conflito que criou essa nova Força Armada: A Força Aérea!!! O Estados Unidos ainda demoraram para criar a sua Arma independente, logo após a II Guerra.

  28. Seafire 12 de agosto de 2009 at 21:26 #

    Deve ter algum erro na informação. A Argentina deve estar comemorando 97 anos DE SUA AVIAÇÃO, não 97 anos da sua Força Aérea.
    A RAF (a 1ª Força Aérea do MUNDO, realmente criada para operar exclusivamente tal arma, foi criada em 1918!!).
    Como em 1910 uma nação latino americana, alheia – como as demais – aos desenvovimentos militares NESTE CAMPO, teria tal visão de criar uma arma com destinação a tal invenção recente (na época, claro)?
    Teve de ocorrer uma Guerra Mundial para que fossem criados e revistos conceitos sobre tal arma. O Reino Unido, repito, foi a primeira nação, logo no fizinho de tal conflito que criou essa nova Força Armada: A Força Aérea!!! O Estados Unidos ainda demoraram para criar a sua Arma independente, logo após a II Guerra.

  29. Lucas Calabrio 12 de agosto de 2009 at 21:42 #

    Prezado Giovani
    Que queiras ofender a Cristina Kirchner, tudo bem, mas usando termo que ofenda a brasileiro é contraproducente.
    O termo em questão é “Mocorongo”.

    Segundo o Aurélio
    mocorongo

    Substantivo masculino.
    1.Bras. PA Santareno (q. v.).
    2.Bras. ES RJ SP Pop. V. caipira (1).
    3.Bras. RJ Mulato quase escuro, mais comum na região serrana. [Cf. macorongo.]

    Abraço

  30. Lucas Calabrio 12 de agosto de 2009 at 21:42 #

    Prezado Giovani
    Que queiras ofender a Cristina Kirchner, tudo bem, mas usando termo que ofenda a brasileiro é contraproducente.
    O termo em questão é “Mocorongo”.

    Segundo o Aurélio
    mocorongo

    Substantivo masculino.
    1.Bras. PA Santareno (q. v.).
    2.Bras. ES RJ SP Pop. V. caipira (1).
    3.Bras. RJ Mulato quase escuro, mais comum na região serrana. [Cf. macorongo.]

    Abraço

  31. Baschera 12 de agosto de 2009 at 21:45 #

    De qualquer modo… parabéns a FAA.
    E um “saludo” a meus amigos argentinos.

    Sds.

  32. Baschera 12 de agosto de 2009 at 21:45 #

    De qualquer modo… parabéns a FAA.
    E um “saludo” a meus amigos argentinos.

    Sds.

  33. André Castro 12 de agosto de 2009 at 21:49 #

    Quais e quantos aviões tem a disposição da FAA ?
    A coisa ta feia para eles mesmo ,a FAB teve que enprestar cinco tucanos para eles porque estavam sem avião de treinamento basico ,F-5 que para muitos(com rasão) esta muito obsoleto para os hermanos nesse momento seria um luxo .

  34. André Castro 12 de agosto de 2009 at 21:49 #

    Quais e quantos aviões tem a disposição da FAA ?
    A coisa ta feia para eles mesmo ,a FAB teve que enprestar cinco tucanos para eles porque estavam sem avião de treinamento basico ,F-5 que para muitos(com rasão) esta muito obsoleto para os hermanos nesse momento seria um luxo .

  35. Seafire 12 de agosto de 2009 at 22:01 #

    Correção: onde se lê 1910, leia-se 1912.
    É, os argentinos não sabem realmente o que comemoram, o site está completamente enganado quando à informação dada.
    SÃO 97 ANOS DE AVIAÇÃO NA ARGENTINA!!!
    NÃO 97 ANOS DE FUERZA AREA ARGENTINA!!!

  36. Seafire 12 de agosto de 2009 at 22:01 #

    Correção: onde se lê 1910, leia-se 1912.
    É, os argentinos não sabem realmente o que comemoram, o site está completamente enganado quando à informação dada.
    SÃO 97 ANOS DE AVIAÇÃO NA ARGENTINA!!!
    NÃO 97 ANOS DE FUERZA AREA ARGENTINA!!!

  37. Nunão 12 de agosto de 2009 at 22:01 #

    Seafire, o seu questionamento vem bem a calhar.

    Também fiquei intrigado quando li o trecho inicial da matéria da FAA:

    “En horas del mediodía del lunes 10 de agosto, la Fuerza Aérea Argentina (FAA) celebró los 97 años de su creación con una emotiva ceremonia en el Helipuerto del Edificio Cóndor”

    Na verdade, é o seguinte: eles consideram a data da criação da “Escuela de Aviación Militar”, a partir da infra-estrutura do Aero Club Argentino, o que se deu em 10 de agosto de 1912, como o marco inicial da FAA. A Aviación Militar tornou-se uma força independente, a FAA, só em 1945.

    Enfim, cada Força escreve sua própria história como lhe convém.

  38. Nunão 12 de agosto de 2009 at 22:01 #

    Seafire, o seu questionamento vem bem a calhar.

    Também fiquei intrigado quando li o trecho inicial da matéria da FAA:

    “En horas del mediodía del lunes 10 de agosto, la Fuerza Aérea Argentina (FAA) celebró los 97 años de su creación con una emotiva ceremonia en el Helipuerto del Edificio Cóndor”

    Na verdade, é o seguinte: eles consideram a data da criação da “Escuela de Aviación Militar”, a partir da infra-estrutura do Aero Club Argentino, o que se deu em 10 de agosto de 1912, como o marco inicial da FAA. A Aviación Militar tornou-se uma força independente, a FAA, só em 1945.

    Enfim, cada Força escreve sua própria história como lhe convém.

  39. Giovani 12 de agosto de 2009 at 22:29 #

    Lucas

    Voce entendeu o que eu quis dizer.

  40. Giovani 12 de agosto de 2009 at 22:29 #

    Lucas

    Voce entendeu o que eu quis dizer.

  41. Esdras 12 de agosto de 2009 at 22:31 #

    O problema deles não é só a crise financeira deles que já tem mais de 10 anos e sim a situação de rancor da sociedade civil com os militares que fizeram muito mas muitas _______nos tempos que mandavam. isso sim faz a situaçlão atual.
    A grande realidade que isso só irá mudar depois que algumas feridas curarem, e isso pode demorar mais de 10 anos.

  42. Esdras 12 de agosto de 2009 at 22:44 #

    Já ia me esquecendo…..ele ainda vão empurrar o Pampa para a FAB ou MB….

  43. Esdras 12 de agosto de 2009 at 22:44 #

    Já ia me esquecendo…..ele ainda vão empurrar o Pampa para a FAB ou MB….

  44. Meirelles 13 de agosto de 2009 at 0:33 #

    A grande realidade da Argentina(FAA) é que(apesar dos seus méritos), ela numca se recuperou da surra levada em 1982.

    Sds.

  45. Meirelles 13 de agosto de 2009 at 0:33 #

    A grande realidade da Argentina(FAA) é que(apesar dos seus méritos), ela numca se recuperou da surra levada em 1982.

    Sds.

  46. Robson Br 13 de agosto de 2009 at 7:08 #

    Meirelles
    Concordo em parte com voce.
    Quando caiu a ficha da população no final da guerra das Malvinas, o povo que já vinha acumulando rancores contra as FFAA concluiu que todos os investimentos militares não garantiram uma soberania para a Argentina e que os militares estavam mais preparados para lutar contra a população do que um inimigo externo.
    Apesar disso, não tiramos os méritos dos combatentes que arriscam as próprias vidas pela pátria. O erro não foi deles e sim dos comandantes.

  47. Robson Br 13 de agosto de 2009 at 7:08 #

    Meirelles
    Concordo em parte com voce.
    Quando caiu a ficha da população no final da guerra das Malvinas, o povo que já vinha acumulando rancores contra as FFAA concluiu que todos os investimentos militares não garantiram uma soberania para a Argentina e que os militares estavam mais preparados para lutar contra a população do que um inimigo externo.
    Apesar disso, não tiramos os méritos dos combatentes que arriscam as próprias vidas pela pátria. O erro não foi deles e sim dos comandantes.

  48. Fábio Max 13 de agosto de 2009 at 9:57 #

    Mas no Brasil, a atuação dos militares tem sido muito produtiva em consolidar uma imagem de essencialiade ao país. Basta ver que em todas as catástrofes naturais que afligem o país, os primeiros a chegar ao auxílio são o Exército e a FAB.

    Mais do que isso, nossos militares estão alheios à arena política, como devem ser mesmo. Quando o clube militar eventualmente divulga uma nota, o faz em nome de seus integrantes, não em nome dos militares, isso é importante.

    A ferida no Brasil, ainda não cicatrizou, mas caminha para isso. Já na Argentina, a situação é bem diferente, porque lá, os atos de terror e as torturas foram muito mais profundos, mercaram toda uma geração que perdeu filhos e entes queridos, talvez porque, na época, a população brasileira era quase tão omissa e destituída de ideologia quanto é hoje e a argentina bem mais engajada nas lides políticas (embora eu não seja a pessoa certa para avaliar isso).

    Hoje temos um presidente de esquerda, formado no seio de grupos que fizeram oposição velada e radical aos governos militares (embora ele não seja como o resto do grupo), que empreende esforços para recuperar a imagem dos mmilitares e reequipar as FFAA, mesmo com os muitos entraves que vimos desde 2003. Mesmo não sendo lulista ou petista, tenho que admitir que é uma atitude sensata, muito diferente da so seu antecessor, também de esquerda, mas do tipo magoado, que fez de tudo para destruir as FFAA, ignorando sua importancia para o país!

    O momento que vivemos não é ideal. Ainda faltam verbas e ainda falta celeridade no trato da importância das FFAA. Mas comparando com a Argentina, estamos anos luz à frente e temos perspectivas de que se entenda que FFAA(s) são um atributo de soberania e um aviso ao resto do mundo de que o Brasil zela pelos interesses do seu povo.

    Pena que na Argentina ainda não chegaram a esse estágio.

  49. Fábio Max 13 de agosto de 2009 at 9:57 #

    Mas no Brasil, a atuação dos militares tem sido muito produtiva em consolidar uma imagem de essencialiade ao país. Basta ver que em todas as catástrofes naturais que afligem o país, os primeiros a chegar ao auxílio são o Exército e a FAB.

    Mais do que isso, nossos militares estão alheios à arena política, como devem ser mesmo. Quando o clube militar eventualmente divulga uma nota, o faz em nome de seus integrantes, não em nome dos militares, isso é importante.

    A ferida no Brasil, ainda não cicatrizou, mas caminha para isso. Já na Argentina, a situação é bem diferente, porque lá, os atos de terror e as torturas foram muito mais profundos, mercaram toda uma geração que perdeu filhos e entes queridos, talvez porque, na época, a população brasileira era quase tão omissa e destituída de ideologia quanto é hoje e a argentina bem mais engajada nas lides políticas (embora eu não seja a pessoa certa para avaliar isso).

    Hoje temos um presidente de esquerda, formado no seio de grupos que fizeram oposição velada e radical aos governos militares (embora ele não seja como o resto do grupo), que empreende esforços para recuperar a imagem dos mmilitares e reequipar as FFAA, mesmo com os muitos entraves que vimos desde 2003. Mesmo não sendo lulista ou petista, tenho que admitir que é uma atitude sensata, muito diferente da so seu antecessor, também de esquerda, mas do tipo magoado, que fez de tudo para destruir as FFAA, ignorando sua importancia para o país!

    O momento que vivemos não é ideal. Ainda faltam verbas e ainda falta celeridade no trato da importância das FFAA. Mas comparando com a Argentina, estamos anos luz à frente e temos perspectivas de que se entenda que FFAA(s) são um atributo de soberania e um aviso ao resto do mundo de que o Brasil zela pelos interesses do seu povo.

    Pena que na Argentina ainda não chegaram a esse estágio.

  50. palito 13 de agosto de 2009 at 10:17 #

    parece que os hermanos estão piores que nos brasileiros!

    o Sul tinha que acordar, e começar a fazer projetos conjuntos!

    tipo o gripe NG,

  51. palito 13 de agosto de 2009 at 10:17 #

    parece que os hermanos estão piores que nos brasileiros!

    o Sul tinha que acordar, e começar a fazer projetos conjuntos!

    tipo o gripe NG,

  52. CosmeBR 13 de agosto de 2009 at 13:21 #

    Gripen = SAAB BAE = Suécia – EUA – INGLATERRA. Com certeza os ingleses e americanos iriam vetar.

  53. CosmeBR 13 de agosto de 2009 at 13:21 #

    Gripen = SAAB BAE = Suécia – EUA – INGLATERRA. Com certeza os ingleses e americanos iriam vetar.

  54. SERGIOCIN 14 de agosto de 2009 at 10:09 #

    Deio em 12 ago, 2009 às 20:20

    Muita penúria nas FFAA argentinas. Eles nada tem de novo. É muita falta de grana.

    Eles tem algo de novo sim, a TINTA!

    Infelizmente o orgulho ainda é maior que a ações. Q “los hermanos”, reiniciem vossas caminhadas, mas com um passo de cada vez. São os nossos únicos competidores culturais, o resto ainda são plantadores de banana, para não dizer outra planta.

  55. SERGIOCIN 14 de agosto de 2009 at 10:09 #

    Deio em 12 ago, 2009 às 20:20

    Muita penúria nas FFAA argentinas. Eles nada tem de novo. É muita falta de grana.

    Eles tem algo de novo sim, a TINTA!

    Infelizmente o orgulho ainda é maior que a ações. Q “los hermanos”, reiniciem vossas caminhadas, mas com um passo de cada vez. São os nossos únicos competidores culturais, o resto ainda são plantadores de banana, para não dizer outra planta.

  56. J.Nascimento 30 de agosto de 2009 at 16:16 #

    A amioria das Bombas Argentinas acertaram o alvo porem falharam, Se não falham a Argentina não ganharia a gueraa mas o estrago na Real Nav seria grande ( Inf. dos próprios ingleses )

  57. J.Nascimento 30 de agosto de 2009 at 16:16 #

    A amioria das Bombas Argentinas acertaram o alvo porem falharam, Se não falham a Argentina não ganharia a gueraa mas o estrago na Real Nav seria grande ( Inf. dos próprios ingleses )

  58. J.Nascimento 30 de agosto de 2009 at 16:34 #

    seriam ainda maior dq foram. O povo argentino deviam ter orgulho da sua FAA pela atuação na Guerra das Malvinas. Se as batalhas aéreas fossem mais prócimas da costa as vitótias argentina teriam sido maiores. Não esqueçam que os mivimentos argentinos foram monitorados pelos americanos e informados aos ingleses

  59. J.Nascimento 30 de agosto de 2009 at 16:34 #

    seriam ainda maior dq foram. O povo argentino deviam ter orgulho da sua FAA pela atuação na Guerra das Malvinas. Se as batalhas aéreas fossem mais prócimas da costa as vitótias argentina teriam sido maiores. Não esqueçam que os mivimentos argentinos foram monitorados pelos americanos e informados aos ingleses

  60. J.Nascimento 30 de agosto de 2009 at 16:35 #

    próximas

  61. J.Nascimento 30 de agosto de 2009 at 16:35 #

    próximas

  62. CaptainMalvinas 22 de março de 2010 at 22:45 #

    Mas do que nunca faz-se necessario modernizar e realizar os up-dates necessarios na FAA para fazer frente a um futuro teatro de operacoes que exigira da FAA a superioridade aerea frente a ameaca inimiga que insiste em ocupar as ilhas Malvinas, que historicamente e geograficamente pertencem a Argentina; esperamos todos que todos os paises signatarios da OEA participem efetivamente do esforco de guerra gigante que sera necessario para expulsar definitivamente e eternamente o inimigo abusado, arrogante e prepotente que insiste em insultar toda a nacao argentina e a america latina como um todo. Tenho certeza que a uniao de todos os paises da OEA contra o agressor ingles tornara inviavel um contra-ataque inimigo com a intencao de retomar novamente as ilhas que pertencem a Argentina, da proxima vez nao sera como em 1982. Quem viver vera.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Restaurando um B-29 em Wichita

Nas imagens disponibilizadas pela USAF (Força Aérea dos EUA) em 22 de julho, um bombardeiro Boeing B-29 Superfortress (superfortaleza) com […]

Amorim reafirma expectativa de assinar contrato de compra de caças até fim do ano

O governo federal espera assinar até o fim deste ano o contrato para a compra de caças Gripen NG, da […]

Mais um operador do Gripen a caminho: a Eslováquia

Ministro da Defesa Martin Glvác confirmou que há um acordo para alugar os jatos suecos, segundo a Rádio Slovakia International […]

Divisão de sistemas eletrônicos da ST Engineering abre subsidiária no Brasil

São Paulo, julho de 2014 – A Singapore Technologies Engineering Ltd (ST Engineering) anuncia que sua divisão de sistemas eletrônicos, […]

Pacote tunisiano de 12 helicópteros UH-60M Black Hawk com mísseis Hellfire e foguetes Hydra

Requisição tem valor total estimado de 700 milhões de dólares, incluindo metralhadoras, motores extras, designadores de alvo, sistemas de alerta, […]

Índia venderá 10% da HAL para viabilizar produção do Rafale

Objetivo é utilizar os recursos para modernizar instalações da empresa estatal, que além do caça Rafale francês precisará produzir a […]