Dois bombardeiros B-52 da Base Aérea de Barksdale realizaram uma missão na área de responsabilidade do Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM) na semana passada, uma viagem relativamente rara ao sul do equador.

A USAF divulgou fotos dos bombardeiros de longo alcance da 2ª Ala de Bombardeiros em voo, assim como um KC-135 da 6ª Ala de Reabastecimento Aéreo da Base Aérea de MacDill, Flórida, reabastecendo-os durante a missão de 19 de junho. Um porta-voz da 12th Air Force—Air Forces Southern —disse à revista Air & Space Forces que seis KC-135 de várias localidades participaram do treinamento.

O porta-voz não identificou os países e áreas sobre os quais os B-52 voaram como parte da missão, mas afirmou que o exercício ocorreu em conformidade com “todos os requisitos e protocolos internacionais no Golfo do México, Caribe e parte norte da América do Sul.”

Dados de rastreamento de voo de fonte aberta mostraram um KC-135 de MacDill voando sobre o Golfo do México, Caribe e América Central, antes de se aproximar do Equador e Peru pelo leste e retornar para casa por uma rota similar.

“Esta missão foi autorizada pelo STRATCOM e planejada de perto com o SOUTHCOM, as embaixadas dos EUA e as agências governamentais dos países parceiros apropriados para garantir o máximo treinamento e integração”, disse o porta-voz. “As missões da Força-Tarefa de Bombardeiros do STRATCOM ajudam a manter a estabilidade e segurança globais, demonstrando a capacidade de operar em diferentes ambientes e locais, enquanto constroem capacidades militares aliadas e de parceiros.”

Em um comunicado, as Air Forces Southern disseram que missões como esta ajudam “as unidades a se familiarizarem com operações em diferentes regiões” e mostram um compromisso “com a defesa compartilhada na América Latina.”

 

Diferente do Indo-Pacífico, Europa ou mesmo Oriente Médio, os desdobramentos de bombardeiros na região do SOUTHCOM são relativamente raras. Faz um ano desde que um B-52 voou pela última vez uma missão sobre a América Latina, e os B-1 participaram pela última vez de uma missão do SOUTHCOM em 2022.

Esta última missão ocorre na esteira do exercício multilateral de três semanas do SOUTHCOM, Resolute Sentinel, que terminou em 14 de junho.

O exercício envolveu mais de 1.500 membros de todas as forças armadas, juntamente com representantes do Peru, Colômbia, Equador, Chile, Brasil e França, segundo um comunicado da 12ª Força Aérea. Em operações aéreas, foram registradas mais de 326 horas de voo em 299 missões de ordem de tarefas aéreas.

“O Resolute Sentinel 2024, como parte do Exercício Global em Grande Escala 24, é uma demonstração de nossa capacidade de operar juntos de maneira contínua para manter a liberdade e estabilidade globais”, disse o Major General Evan Pettus, comandante da 12ª Força Aérea, em um comunicado.

O exercício ocorreu principalmente no Peru, com ênfase em melhorar a prontidão médica por meio de exercícios em hospitais de campo e cuidados de saúde comunitários para fortalecer as capacidades regionais de resposta a desastres, particularmente para terremotos, furacões e inundações.

O exercício contou com a primeira entrega de sangue ao Peru em seus três anos de história, da Joint Base Charleston, S.C., para Lima, usando um C-17 Globemaster III do 167º Ala de Transporte Aéreo da Guarda Nacional Aérea de Shepherd Field, W.V.

“O Resolute Sentinel testa todo o espectro de interoperabilidade médica nas Américas, garantindo que possamos trabalhar com nossos aliados para resgatar combatentes feridos”, disse o Coronel Brian Gavitt, comandante do 346º Esquadrão Expedicionário de Prontidão Médica Operacional, em um comunicado.

Aviadores dos EUA e do Peru, juntamente com guardas costeiros peruanos, também participaram de treinamento conjunto de evacuação aeromédica em Lima. Eles se concentraram em praticar procedimentos de cuidados críticos, como administrações de IV e transfusões de sangue em voo a bordo de um C-130J Super Hercules.

FONTE: Air & Space Forces Magazine

Subscribe
Notify of
guest

42 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fábio CDC

Quem pode pode, quem não pode…
.
Exercício interessante esse com 3 B-52 deles. Talvez “Amadurecendo” alguma ideia…

Tutor

Amadurecendo alguma ideia, e deixando um recado aos sulamericanos: “ou estão com nós, ou estão contra nós.” Essa conversa de ser neutro não perdura por muito tempo.

André Macedo

Nada, estão exercitando sua aviação de longo alcance apenas, essa visão é tão tosca quanto os que dizem que é uma intimidação.

Não que eu confie nos americanos ou no Ocidente, mas nunca precisaram mandar tropas ou qualquer coisa para intimidar a América Latina, hoje em dia o soft power basta.

Last edited 18 dias atrás by André Macedo
Camargoer.

Provavelmente ficou perigoso demais fazer exercícios deste tipo pelo leste europeu ou pelo sudeste asiático…

melhor fazer os exercícios no quintal..

Santamariense

Ah, é?

Voo de B-52 iniciado em 01 de abril passado:

https://www.cnnbrasil.com.br/internacional/exclusivo-cnn-viaja-a-bordo-de-missao-de-bombardeiro-dos-eua-as-portas-da-china/

Aqui, de março passado:

https://www.aereo.jor.br/2024/03/05/voos-de-bombardeiros-americanos-sobre-a-suecia/

É só procurar que tu vai achar muito mais missões do B-52 pelo mundo todo.

Fabio

Treinamento de intimidação… ops, defesa conjunta, defesa de quem contra quem não vem ao caso.

Allan Lemos

____
____

COMENTÁRIO APAGADO POR USAR O ESPAÇO DE COMENTÁRIOS COMO PALANQUE PARA PROSELITISMO IDEOLÓGICO E GERAR UMA SÉRIE DE RESPOSTAS QUE TAMBÉM USARAM O BLOG COMO PALANQUE.

AS RESPOSTAS AO COMENTÁRIO FORAM APAGADAS JUNTAMENTE COM O COMENTÁRIO INICIAL.

LEIAM AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Eduardo

EDITADO:
COMENTARISTA BLOQUEADO.

Ivan herrera

Nada que alguns urubus drones treinados pela FAB a grandes altitudes , não de jeito nesses aviõezinhos rssss

Bueno

kkk
Só não esqueça que a Família é grande, vai ter que ter muito urubus e drones para tentar parar a reação dos irmãos mais novos!

Quantos B-52 caíram por colidir com urubu ?

Last edited 18 dias atrás by Bueno
Marcelo

Fica tranquilo,em quanto tiver bambu tem flecha !!!

Allan Lemos

Pior que eles poderiam atingir qualquer capital brasileira sem nem mesmo entrar no nosso espaço aéreo.

Nem os urubus dariam jeito rs.

Willber Rodrigues

Considerando-se nossa total ausência de sistwmas AA’s, e do nosso n° pífio de caças, esse bombardeiro nem precisaria chegar perto de nosso espaço aéreo pra destruir toda nossa infra-estrutura de defesa

Jacinto

Tenho certeza que o tripulante é mais jovem que a aeronave

Miguel Felicio

…….mas aqui o tripulante chega a ser velho, porém a aeronave não…….somos capazes e ricos.

Emmanuel

Troca as asas, coloca motores novos e essa belezinha voa mais 50 anos fácil.
O Gripen F vai ser aposentado e o gordinho vai estar voando.

Willber Rodrigues

Mais fácil aposentar o F-35 do que o B-52

Marcelo M

Pronto. Únicas aeronaves que rivalizam com os A4 da Marinha, em termos de idade de projeto e fabricação.

Charle

Isso é intimidação. E para o Brasil realmente será complicado.

Se não me engano é o único dos “BRICS” que está geograficamente distante dos outros.

Ou seja, por aqui o arrocho ianque será maior e mais intenso.

Welington S.

O BRICS foi criado apenas para o crescimento econômico dos países membros e não existe nada mais do que isso, muito menos defesa. As pessoas costumam se referir ao BRICS como se fosse uma OTAN. No final das contas, será cada um por si.

Charle

Essa é a sua visão. Como você percebe. Caso fosse do alta cúpula norte-americana teria opinião diversa.
Incluindo a possibilidade de existência de amplo apoio técnico-militar entre os membros em caso de conflito mundial.

Welington S.

A visão dos americanos é torpe e precisa de análise factível. Se você pensa que o Brasil tenderá a se alinhar com o lado chinês ou russo, está equivocado. “Manda quem pode e obedece quem tem juízo.” É claro que gostaria de ver o Brasil como um país independente, mas, infelizmente, isso é praticamente impossível, uma vez que não temos uma classe política que tenha como objetivo um país assim. Temos um projeto de nação? A pergunta que realmente deve ser feita é: O Brasil, com diversos projetos militares envolvendo todos os tipos de sistemas tecnológicos militares, incluindo países da… Read more »

Leandro Costa

Não é a visão dele. Ele apenas está descrevendo as coisas como elas são. Não tem absolutamente nada em relação à Defesa Mútua nos BRICS.

Charle

Se não é a visão dele por que ele respondeu daquela forma e não de outra?

Prezado, da mesma forma que as palavras são a manifestação oral daquilo do que o coração está cheio, os escritos de uma pessoa são a manifestação dos processos mentais dessa mesma pessoa. Processos estes imbuídos de desejos, esperanças, experiências, certezas pessoais e conjecturas baseados ou não em estudos.

Demais a mais, isso aqui é só um debate. Ele não precisa concordar comigo; nem eu com ele. Podemos discordar polidamente.

E sobre a defesa mútua dos “BRICS”, já há estudos a esse respeito.

Last edited 18 dias atrás by Charle
Leandro Costa

E provavelmente os ‘estudos’ revelarão que não vai para a frente, justamente porque à antagonismos dentro dos próprios integrantes. A única convergência existente dentro dos BRIC’s é a de interesses econômicos, uns como forma de desenvolvimento mais rápido e acesso à maiores financiamentos, e para outros uma forma de tentar contestar a ‘liderança’ Ocidental e contestar as instituições internacionais vigentes desde o final da Segunda Guerra Mundial. A causa disso é o fracasso (até o momento) da ONU em fazer uma auto-reforma, inclusive no Conselho de Segurança. A teoria que primeiro formulou o conceito dos ‘BRIC’ (África do Sul foi… Read more »

Jacinto

Não faz muito tempo, os soldados da Índia e da China estavam literalmente se matando na base da pancadaria… e a disputa territorial entre eles envolve uma província inteira da Índia e a região que origina as águas dos rios que irrigam as áreas em que centenas de milhões de indianos vivrm.

Welington S.

Exato.

KKce

Sem falar em Irã e Arábia Saudita…

Camargoer.

Charlie. O BRICS é muita coisa, menos uma aliança militar

Rodrigo Maçolla

só vieram fazer uma visitinha já que última vez foi em 2022. Mais dentre várias coisas , interessante na 2º foto a “cortininha” na janela logo acima da cabeça do sujeito que provavelmente é o copiloto , para esfriar e proteger a cuca dos céus tropicais….

Last edited 18 dias atrás by Rodrigo Maçolla
Guilherme

Delivery de democracia

Clésio Luiz

Maduro bem que podia provar que os Su-30 estão voando, mandando um deles aparecer de gaiato na foto como os russos fizeram:

comment image

Santamariense

E o avião russo voando em formação com os aviões dos EUA…pra foto ficar bonita…hehehehe

Jorgemateus77

Se invadirem o espaço aéreo BR por algumas milhas vai ficar por isso msm e vai ter gnt falando q a FAB agiu certo

Leandro Costa

Da matéria:

O exercício envolveu mais de 1.500 membros de todas as forças armadas, juntamente com representantes do Peru, Colômbia, Equador, Chile, Brasil e França, segundo um comunicado da 12ª Força Aérea.”

Abymael

Isso é o “efeito Mig-31″…o RQ-4 derrubado tornou uma incursão pela América do Sul muito mais atraente que as tradicionais incursões pelo Ártico.

Leandro Costa

Cara, um exercício como esse é planejado com pelo menos semanas de antecedência.

Abymael

Ok

Santamariense

RQ-4 “derrubado” que nem os russos, loucos por uma propaganda a seu favor, confirmaram …

Abymael

Mas confirmar para quê? Para sofrer retaliação?

Fabricio Lustosa

____
____

COMENTÁRIO APAGADO. DEBATA OS ARGUMENTOS DOS COMENTÁRIOS SEM FAZER PROVOCAÇÕES TOTALMENTE INÚTEIS AO DEBATE. VOCÊ JÁ FOI ADVERTIDO MAIS DE UMA VEZ.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Romulo

Ou vocês estão comigo ou contra mim…Decidam-se!