Técnicos e oficiais de aviação europeus visitarão a China em julho para examinar o jato C919, fabricado no país, e continuar o processo de certificação. A Agência de Segurança da Aviação da União Europeia (EASA) participará de simulações de voo e se reunirá com a equipe de design e a Administração de Aviação Civil da China (CAAC). A delegação terá a oportunidade de inspecionar detalhadamente a aeronave e visitar as linhas de montagem da Commercial Aircraft Corporation of China (Comac).

A visita representa um passo importante enquanto Pequim busca obter a certificação do C919 pelos reguladores europeus, o que aumentaria a confiança dos potenciais compradores na Europa e em outros lugares. Embora uma data para o voo de verificação ainda não tenha sido definida, espera-se que isso ocorra até o final deste ano ou no início de 2025. A EASA confirmou estar trabalhando com a Comac e a CAAC na validação da certificação, mas não comentou sobre o progresso sem o consentimento dos solicitantes.

Oficiais chineses estão otimistas quanto à aprovação rápida do C919, esperando que a certificação possa ser concedida já no próximo ano. No entanto, Luc Tytgat, diretor executivo interino da EASA, mencionou em março que o jato chinês é “muito novo” para ser aprovado. Seis aeronaves C919 foram entregues a companhias aéreas chinesas desde maio de 2023, transportando 300.000 passageiros em quatro rotas domésticas. As principais companhias aéreas estatais da China fizeram pedidos firmes de 100 aviões cada.

Apesar das tensões entre Pequim e Bruxelas sobre o comércio de veículos elétricos, as interações entre os reguladores de aviação continuam. Oficiais da CAAC visitaram a sede da EASA na Alemanha em abril, e uma reunião foi realizada em Xiamen no mês passado. Reguladores de ambos os lados discutiram a harmonização de estruturas regulatórias e a cooperação para cumprir os padrões internacionais, e continuarão as conversas durante a Conferência Internacional de Segurança da Aviação em Washington.

O C919, capaz de transportar até 192 passageiros e tripulação por 5.555 km, visa competir com o A320 da Airbus e o 737 da Boeing. O sucesso do C919 poderia desafiar o domínio dessas fabricantes nos céus chineses e no mercado global. Componentes essenciais do C919 vêm de fornecedores europeus, o que pode facilitar a certificação. A Airbus, que está expandindo sua fábrica em Tianjin, ultrapassou a Boeing como principal fornecedora no mercado chinês.

FONTE: SCMP

Subscribe
Notify of
guest

31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio

Pois é, acabou-se o sonho da Embraer de competir nesse mercado. Com certeza a China conseguirá suprir em larga escala a demanda desse seguimento, ainda mais com o lobby estatal pesado chinês contra o lobby “0” do Brasil.

Last edited 19 dias atrás by Fabio
Ozires

Calma que o sonho não acabou… mesmo porque esse avião aí não é novidade e não surgiu do nada.

Heli

Acho que o que o colega quis dizer é que a Embraer perdeu o timming para um avião dessa categoria. Iniciar um projeto agora para concorrer nesse segmento seria bem complicado.

Rodolfo

Esse aviao vai basicamente atender o mercado chines, que basicamente é formado por empresas estatais, assim como a empresa que fabrica esse aviao. No mais, a preferência vai continuar por Airbus. A turbina que equipa o C919, apesar de ser GE Leap (1c) no nome é uma versao baseada na geraçao anterior e nao tem a mesma eficiência das que equipa o A320 neo ou o 737 max.

Fábio Vargas

O motor Leap 1 do C919 é o mesmo do A320Neo e 737 MAX, o problema é o próprio projeto pois a despeito dos motores de nova geração a autonomia é a mesma dos A320Ceo e 737 NG

Rodolfo

Leap 1A A320
Leap 1b Max
Leap 1c c919. O que se especula é que esse é ligeiramente inferior ao A e B.

Amilton

“Jato C919 da China”

Da China só o nome e algumas partes. A aeronave inteira é americana e europeia.

E tem gente aqui achando que os equipamentos militares chineses chegam próximos dos ocidentais….

Last edited 19 dias atrás by Amilton
Rodolfo

Até aí a Embraer nao seria muito diferente. Claro que tem tecnologia domestica chinesa, mas assim como o Brasil, existe dependencia de componente aeronautico ocidental.

Nilo

Amilton está correto, o fato da existência de equipamentos de origem americana ou europeia em aviões da Embraer não os tornas menos eficiência, pelo contrário da sua opinião o mercado europeu e americana compram porque além de competitividade de preço trazem inovação no conforto, consumo de combustível, nível de ruído, segurança e eficiente sistema de manutenção.

Last edited 19 dias atrás by Nilo
PACRF

Prezado, depois que a BYD passou a vender mais carros elétricos que a Tesla, eu não duvido de mais nada com relação à economia chinesa. Se estão tentando certificar essa aeronave na UE, é porque a China tem interesses comerciais fora de seu território. Quanto a equipamentos bélicos, só um conflito definirá que possui os melhores.

Anderson L

E quem disse que os Embraer são 100% BR? O Problema é que a Embraer reconhece isso e não divulga isso como sendo tecnologia 100% Brasileira, mas a China finge que tudo ali é Nacional e sabemos que não é.

Ozawa

Em um passado recente essa Comac estava na lista especulativa para aquisição da Embraer, e tinha até torcida por isso no governo de plantão. Felizmente nem Boeing, nem Comac, e a Embraer continua brasileira e espero assim por longos e eternos anos …

Quanto ao C919, não penso que seja rival do A320 tão cedo, mas a Boeing com seus repetidos problemas no MAX 9 está aumentando a resistência de empresas aéreas e passageiros outrora cativos e o C919 pode avançar nesse cenário …

Rodolfo

Vai atender o mercado domestico. Talvez avance no continente africano. Mas a turbina Leap 1c do C919 nao esta no mesmo nivel da que equipa o Neo ou o Max. Nao vejo por exemplo grandes carriers globais interessadas num aviao menos eficiente.

Nilo

Logo vem o dumping, o mercado africano vai adorar rsrsr.

A6MZero

Leste europeu e Ásia central são mercados em potencial também.

E um player emergente e com o financiamento e bolsos fundos de Pequim pode ser um grande competidor nas próximas décadas para a Boeing e Airbus.

Ou pode patinar como o menor ARJ21 que felizmente não despontou como um competidor aos jatos regionais da Embraer e da Bombardier…

DanielJr

Para o pessoal que fica chorando porque não fabricamos cada parafuso aqui, o avião da China também não tem somente peças de marcas chinesas.

Nilo

Mais um motivo para a Embraer dar andamento a um possível projeto de fabricar um avião civil de maior porte, possuidora de todas credenciais junto ao mercado mundial, seus produtos ganhambinclusive dos tradicionais produtores em sofisticação e inovação.

Anderson L

É o que eu penso, a Embraer já se consolidou a anos de mercado, mas os gigantes do setor travaram o seu crescimento, a Embraer se ficar de “ain não queremos competir porque não queremos ferir o ego da Boeing e da Airbus, queremos ser eternamente cachorrinhos dos Americanos e dos Europeus”, é o que vai acontecer podem esquecer que a Embraer teve um lado bom dela ser privatizada, cresceu muito… Mas teve o lado ruim, é controlada por um monte de gringo que tem ações com a Empresa, não tem um Brasileiro lá dando as rédeas, gringos não estão… Read more »

Nilo

Meu caro bom dia, a exemplo da Avibras, a tolerância do alto oficialato para a relativização da nossa soberania é um atitude que vc encontra até nos altos escalões da um determinado partido de _____ ______ ______ Recente o comandante Farinazzo fala da necessidade de inclusão na instrução de. Sargentos, Tenentes…. de uma disciplina mais voltada para a importância das riquezas do país, das diversas campanha tanto na Europa como EUA quanto a relativização da nossa soberania. Uma preocupação que para quem esteve as forças por mais de décadas que serve de lida não com revanchismo, não sou e não… Read more »

Nilo

“COMENTÁRIO EDITADO. ESTAMOS NAS VÉSPERAS DE PERÍODO ELEITORAL”
Certamente, congratulações aos editores.

vendéen

Bonsoir Brasil,

Faz sentido, o órgão chinês de aviação civil (CAAC) anunciou durante uma reunião em janeiro de 2024 que planejava promover fortemente a internacionalização do C919 em 2024.
Dito isto, salvo erro meu, actualmente nenhuma companhia aérea europeia (as outras?) pressionou a EASA para acelerar o trabalho de certificação, a fim de poder fazer possíveis encomendas do C919.

De outra forma, em relação aos fabricantes de equipamentos C919:
“Tire: Michelin com a bandeira dos EUA.”
A Michelin não é uma empresa americana, mas sim uma empresa francesa de fabricação de pneus.

Fabio

A Embraer perde tempo em não projetar logo um avião maior de longo alcance, já até possui experiência em projetar aeronaves grandes com diâmetro de secção transversal de um Boeing 767, o KC390. Reaproveitar o projeto para uma versão civil não é difícil para ela.
Vai acabar perdendo essa janela de oportunidades em que a concorrência não estar conseguindo atender a demanda.

Last edited 19 dias atrás by Fabio
Fernando EMB

Reaproveitar projeto da fuselagem do KC, que viagem, sem a menor chance.

BLACKRIVER

Parabéns aos chineses
São poucos países no mundo hoje com capacidade técnica de construção e integração de sistemas na indústria aeronáutica.
O Brasil é um desses países, e não significa que a Embraer não tenha capacidade de projetar integrar sistemas e fazer um avião executivo do porte e velocidade de um G650 ou mesmo um avião comercial do porte e capacidade de um A320.

O investimento compensa?
Temos mercado pra isso?

Ainda em relação a China 🇨🇳
Que este país nos sirva de exemplos quando se trata de investimento em infraestrutura!

EduardoSP

Não há interesse nenhum da EASA e da FAA em certificar esse avião. Vão cozinhar o galo.

Anderson L

O Mundo é uma caixinha de surpresas, ninguém dava nada pela BYD eu mesmo achava e ainda acho ela sem grande importância no mercado, mas tenho que reconhecer que ela “abalou” as grandes fabricantes Americanas uns tempos atrás, eu acho perigoso ficar passando pano pros americanos, hoje eles usam algumas “desculpas” para impedir que a China seja competitiva no mercado deles, porque sabem que a China tem potencial. E se a gente ficar sempre dando razão aos Americanos eles vão fazer isso com a gente quando a Embraer ou qualquer empresa cresça o suficiente para causar incômodo no mercado, eles… Read more »

Anderson L

A Embraer vai jogando um possível competidor do 737 e A320 com a barriga e a China vai só na espreita se tornando a 3° Maior Fabricante de Aviões e eles tem poder pra isso, se o Brasil teve com a Embraer imagina a China segunda maior economia a nível mundial, o grande problema deles é a confiabilidade por parte do mercado mas se eles superarem isso e pela matéria parece que tão chegando lá aí eu quero ver a Embraer chupando dedo e perdendo a grande oportunidade de figurar nesse setor. É claro que sabemos que a Embraer não… Read more »

fulcrum

Embraer não teve visão estratégica. Sempre jogou acompanhando o movimento da boeing. O fiasco do 787 foi a primeira deixa e abertura. Projeto problemático, atrasado e sem retorno financeiro. Depois 747-8, também falido e enterrado. Empurrou o e1 com a barriga e suas andanças mundiais vendendo gato por lebre. Deixou a bombardier simplesmente dar a volta. Boeing passou uns 5 anos se decidindo se fazia o max ou novo avião e mais uns 8 pra entregar e mais 2 groundeado outra que ficou torcendo pra airbus dar errado igual a ela, mas o neo nasceu voando. E a Embraer a… Read more »

Matheus

Eu adoro o complexo de inferioridade de uns aqui.

Normalmente batem palmas pra Embraer, falam que éuma das melhores do mundo, das mais avançadas e tal… ai os Chineses lançam uma nova carroça aérea e começam o chororó de “aaain mas Embraer não tem visão, Embraer deixando o bonde passar novamente e blablabla”

Bando de _______

EDITADO. MANTENHA O RESPEITO.
LEIA AS REGRAS DO BLOG:
https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

fulcrum

Não maltratei a embraer. Só fiz um apanhado de fatos. China vai lançando “carroças” para o lado oculto da lua, seus próprios satélites de geoposicionamento na terra e na lua e vai mirando até marte. Logo vem o comac c929. E sim a embraer ainda é uma das melhores do mundo no segmento jato médio e vai continuar sendo. E a gente ainda vai voar de c919 em no máximo 4 anos aqui no Brasil.

Abymael

Esse gráfico me lembrou um antigo comentarista folclórico que havia por aqui e que odiava a Embraer. Aí em cada matéria sobre os E-jets, sempre vinha com aquela conversa de “a Embraer não fabrica nada, só monta…”. Pois é… Eu acho que esse C919 será a primeira aeronave comercial oriental a fazer algum sucesso no ocidente. Não vai nem chegar perto de ameaçar A320 e 737, mas vai tirar algumas vendas. É que esses vendem tanto que se o C919 roubar míseros 10% do mercado já vai ser um sucesso histórico. O Sukhoi Superjet quase conseguiu. O MS-21 poderia ser… Read more »