Em 29 de dezembro de 2022, a fábrica de Mérignac da Dassault Aviation entregou o Rafale B359 (padrão F3R) à Direction Générale de l’Armement (agência francesa de compras de defesa)

(Saint-Cloud, França, 10 de janeiro de 2023) – Em 29 de dezembro de 2022, a fábrica de Mérignac da Dassault Aviation entregou o Rafale B359 (padrão F3R) à Direction Générale de l’Armement (agência francesa de compras de defesa).

Este evento marca a retomada das entregas do Rafale na França após uma interrupção de quatro anos. O Rafale B359 é para a Força Aérea e Espacial Francesa. Faz parte do pedido “tranche 4” para 60 aeronaves concedido em 2009.

De acordo com os vários Atos de Programação Militar, as entregas para a França foram interrompidas por razões orçamentárias. A linha de produção do Rafale foi então dedicada aos pedidos de exportação.

Outros 27 Rafale ainda serão entregues para a Tranche 4, mais 12 Rafale encomendados pela França em 2021 para compensar as 12 aeronaves vendidas para a Grécia. O Tranche 5 deve ser concedido em 2023.

No atual contexto estratégico, o grupo Dassault Aviation orgulha-se particularmente de ser um parceiro no equipamento e apoio à força aérea francesa, como tem feito há mais de um século.

O amplo leque de armas e equipamentos do Rafale (clique na imagem para ampliar)

Sobre a Dassault Aviation

Com mais de 10.000 aeronaves militares e civis (incluindo 2.500 Falcons) entregues em mais de 90 países no último século, a Dassault Aviation acumulou experiência reconhecida mundialmente no projeto, desenvolvimento, venda e suporte de todos os tipos de aeronaves, desde o Rafale caça, à família Falcon de jatos executivos, drones militares e sistemas espaciais. Em 2021, a Dassault Aviation registrou receitas de € 7,2 bilhões. A empresa tem 12.400 funcionários.

FONTE: Dassault Aviation

Subscribe
Notify of
guest

35 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jorge Knoll

Estava na hora da Franca encomendar novas unidades do caça-bombardeiro Rafale, pois os que estão em serviço já estão com muitas horas de voos, e acredito que necessitariam também serem actualizados tecnologicamente, pois trata-se de projeto da década de 80, projetado com intuito de substituir os Mirage 2000, da Força Aérea francesa..
mesmo assim, trata-se de um excelente caça.

Maurício.

“A linha de produção do Rafale foi então dedicada aos pedidos de exportação.”

E pensar que tinha uns “entendidos” que diziam que o Rafale era invendável e que só emplacaria aqui no Brasil, ninguém queria, ficaria só na França e mais um monte de blá blá blá, mas o tempo, sempre ele, se encarrega de mostrar as verdades.

Saldanha da Gama

Quem dera que o presidente reeleito, tivesse cometido o erro (muitos afirmavam) em um dos maiores acertos, que era a compra de pratreleira deste caça, mas não extinguindo o projeto FX2 e por conseguinte, adquirindo conhecimento e ajudando a desenvolver o Gripen. Teríamos 2 cestas de ovos confiáveis.
Abraços

Joanderson

E para que iriamos comprar dos caças da msm geração ?
Se fosse assim era mais vantagem aceitar a proposta dos russos em comprar o caça su-35 de geração 4++ e participar do desenvolvimento conjuto do su-57.
A mas o quinta geração da Rússia não está no msm nivel dos quinta geração dos EUA, mas se for melhor do qui qualquer 4 geração qui existe no mundo ja valia o investimento.

Saldanha da Gama

Bom dia Joanderson!!!
Sou partidário da forma como a índia tem como concepção de sua defesa. A índia, não põe todos os ovos em uma cesta. Adoro o design do su35 e do 57, mas, o dogma das ffaa é ocidental. O rafale para mim, ficaria na MB baseados em costa, até um dia o sonho da mesma seja realizado e adquiram CV.
Quanto aos de 5a geração, frança e suécia estão a desenvolver e poderíamos fazer parte do mesmo. Gostaria muito que os f35, não dessem tantos problemas.
abraços

Camargoer.

Olá Saldanha. A escolha do Rafale para a FAB no âmbito do FX2 implicaria a sua produção na Embraer. Provavelmente, as primeiras unidades viriam prontas da França, mas a ideia era produzir partes estruturais no Brasil que seriam exportadas para a França com outras partes produzidas na França e exportadas para o Brasil. Seriam duas linhas de montagem. Uma na França e outra no Brasil.

Luís Henrique

A França reduziu a produção de Rafale para 11 unidades por ano. Isso ocorreu muitos anos atrás, quando o caça estava sem pedidos de exportação e a França queria manter a linha de produção aberta por muitos anos e acho que também por restrições orçamentárias. Eles foram adquirindo 11 por ano, mas quando chegaram as exportações acabaram aceitando ceder aeronaves que estavam sendo produzidas para eles. E agora estão repondo. Parece que recentemente a Dassault resolveu aumentar o ritmo de produção, pois o caça conseguiu vários contratos de exportação. Ainda deverá ser uma cadência de produção baixa, se comparado com… Read more »

Maurício.

“A França reduziu a produção de Rafale para 11 unidades por ano. Isso ocorreu muitos anos atrás, quando o caça estava sem pedidos de exportação.”

Mas aí cada país lida de forma diferente perante os desafios, os americanos fizeram um pedido de F-15 só para a Boeing não ficar chupando o dedo sem ter o que fazer no campo dos caças.

Joanderson

Os chineses ainda produzem o J-10 ?
Achei que eles focariam só na produção dos j-20.
Tipo os EUA ainda compram caças de 4 geração para sua forças armadas ?

Pablo

Sim!
F15EX e um exemplo.

Carlos Campos

F18

Ramon Grigio

A USAF comprou/engoliu um lote especial de F-15EX recentemente. Já fazia vários anos que não incorporavam um 4g.
Já a US NAVY segue firme encomendando pequenos lotes de F-18 block lll.

Pablo

Ate onde sei, queriam substituir F15 mais antigos, das versões c/d.

Luís Henrique

Sim. Segundo li é o 2o caça mais produzido no mundo, apenas atrás do F-35.
Os EUA continuaram comprando caças de geração 4+ com os Super Hornet para a marinha. E a força aérea, depois de um longo inverno sem comprar, decidiu adquirir o F-15ex.
Os chineses sempre trabalharam com quantidade. Os J-20 são bem mais caros mas também entendem que precisam de outras aeronaves mais baratas para compor um mix high-low.

Pablo

Dentro do orçamento da FAB, o gripen foi a melhor escolha sim.
Sobre a venda do Rafale para o Brasil, lula tentou dar um golpe por politicagem (puxar o saco do sarkozy), dar aquele velho jeitinho que muitos apoiadores dele adoram e aplaudem.
O Rafale e um otimo caça da sua geração, assim como seus concorrentes, e desde sua entrega para a forca aérea francesa ate a primeira venda externa, se foi mais de uma decada.

Teropode

Foram os mesmos que diziam que o Gripen E/F iria vender bastante e o Brasil seria um grande parceiro da Suécia na montagem dos caças para exportação ……

Pablo

Quanto tempo o Rafale levou pra ser vendido pra outro país desde sua primeira entrega pra França?

Teropode

8 anos .

Pablo

Pelo que li, o rafale foi entregue pra franca em 2001 e seu primeiro cliente foi a india em 2012. Sendo 8 anos ou 11, pra quem fala que o Gripen E nao vende, ainda tem tempo.

Ataul

O Rafale em 2013 era um caça pronto e capaz…

Já outro em 2023…

Pablo

O gripen nao e capaz?

Joanderson

Vi em um site que antes da guerra na Ucrânia a Rússia fabricaria 120 caças su-35 em 2022 isso procede ?
A Rússia tinha esse capacidade de produção ?
Sei qui ela produz até mais porém de aviões variados, fiquei surpreso com esse número de 120 é muito caça, ainda mais com o brasil qui so vai ter 36 gripen da qui a uns 6 anos.

Carlos Campos

não sei disso não, mas eles iam vender para o Egito e depois a venda naufragou

Nilson

Foi noticiado que o lote do Egito será direcionado para o Irã.

Luís Henrique

O Irã parece ter adquirido 64 Su-35.
Serão os 24 construídos para o Egito e mais 40.

Camargoer.

Parabéns ao Iran. 64 Su35 serão um enorme ganho de poder militar. Imagino que seja mais fácil de pilotar que um F14.

Luís Henrique

Deve ter confundido com a frota russa total de Su-35 e não o que se produz em 1 ano.
Hoje já foram produzidos mais de 150 Su-35. 24 para a China e cerca de 110 para a Rússia, mas a última encomenda de 2020 (antes da guerra) está elevando o número de Su-35 para 128 na força aérea russa. Não sei se já receberam todos deste lote ou quase….

Vendéen

Olá Brasil, feliz ano novo e acima de tudo muita saúde para todos, A Força Aérea deverá receber 13 Rafale em 2023 mas não podemos esquecer que também se desfará com 10 aeronaves (Croácia, Grécia). A ausência destes 10 Rafale vai complicar a gestão das atividades e certamente reduzir as horas de voo anuais dos pilotos para talvez 150 horas em vez das desejáveis ​​180 horas. Em suma, um período difícil de administrar. Normalmente e de acordo com a vontade política, em 2023 a parcela 5 deve ser notificada à Dassault e incidirá sobre a versão Rafale F4 (30 dispositivos… Read more »

Ruberval

Vendeu Rafale F-3 usado a pronta entrega a preço de Rafale F-4 novos para Grécia !!
Ameaça turca fez os francesas fazer um negocio da china .

Teropode

Os Gregos estão satiisfeitissimos , e isso é o que importa , e só pra não passar batido : Foram com um player no porta-luvas de brinde e isso é o que importa é, não devemos esquecer que estas negociações não são como uma simples equação !

Talisson

SU35 e Rafale são os mais bonitos da atualidade, na minha opinião. Principalmente os monopostos. Abraço a todos.

Camargoer.

Olá T. O Rafale é lindo, mas o MIrage 2000 era mais.

Roberto

Tendo o Rafale 2 motores sua autonomia não deveria ser menor do que a do Gripen E já que ambos carregam cerca de 4 mil litros internamente ?

Luís Henrique

O Gripen E carrega 3,4 toneladas de combustível interno, já o Rafale carrega 4,7 toneladas.

Camargoer.

Olá Bob. Isso depende da potência de cada turbina. Por exemplo, o F5 usa duas turbinas relativamente pequenas e de baixa potência. Provavelmente, os MIrage III consumiam mais combustível que os F5 nas mesma velocidade, mesmo tendo uma única turbina. Comparando o Rafale com o F39, as duas turbinas do avião francês consomem mais combustível que a turbina do F39, mas também oferecem mais potência. Por isso, o Rafale é maior e leva mais combustível que o F39.