Uma equipe de testes de desenvolvimento do 461st Flight Test Squadron conduziu o primeiro voo de um F-35 na configuração Technology Refresh 3 (TR-3) em 6 de janeiro, na Edwards Air Force Base, Califórnia.

O major Ryan “BOLO” Luersen, um piloto de teste experimental da Força Aérea dos EUA, pilotou a missão na cauda número AF-7, uma aeronave de teste de voo especialmente instrumentada e a primeira com atualizações TR-3 instaladas. Ele executou um perfil de voo de verificação funcional (FCF) para verificar a aeronavegabilidade da aeronave e a estabilidade do sistema. O voo de 50 minutos, que levou o jato a 35.000 pés a velocidades próximas à velocidade do som sobre o deserto de Mojave, marcou o início de uma extensa campanha de testes de voo. Os voos de teste de desenvolvimento e operacional continuarão até 2023 para garantir a segurança e provar as capacidades de combate.

“Esta é uma conquista significativa para o programa F-35, disse o tenente-general da Força Aérea Mike Schmidt, oficial executivo do programa F-35 Joint Program Office. “TR-3 é a atualização eletrônica de processamento de computador crítico do F-35 que continuará a fornecer a todos os nossos pilotos a capacidade de que precisam para ter sucesso contra qualquer adversário. Ainda há muito trabalho a fazer e estou confiante de que nossos parceiros da indústria e a equipe do governo farão o trabalho.”

O TR-3 fornece a potência computacional para suportar os recursos modernizados do Block 4 para o F-35, incluindo: novos conjuntos de sensores, mais armas de precisão de longo alcance, recursos aprimorados de guerra eletrônica, fusão de dados mais poderosa e maior interoperabilidade entre plataformas. Esses recursos fornecem ao combatente uma vantagem de combate para identificar, rastrear, engajar e sobreviver contra ameaças aéreas, terrestres e cibernéticas avançadas. O TR-3 atualiza significativamente o poder de processamento central e a capacidade de memória, o que permitirá que o F-35 execute um software avançado com recursos de combate de última geração.

“A Força de Teste Integrada do F-35 na Edwards AFB está orgulhosa de ter executado mais um primeiro voo dentro do programa F-35”, disse o tenente-coronel da Força Aérea Christopher Campbell, comandante do 461º Esquadrão de Testes de Voo e diretor do F-35 Integrated Test Force. “Technology Refresh 3 moderniza o núcleo computacional do veículo aéreo F-35. Portanto, o novo hardware e software TR-3 afetam quase todos os recursos da aeronave. O evento de hoje foi apenas o início de uma campanha abrangente de testes de voo que irá verificar e melhorar a segurança, estabilidade e desempenho de todo o sistema de armas do F-35 nesta nova configuração”.

“O primeiro voo de hoje é um passo importante para permitir capacidades futuras para garantir que o F-35 permaneça incomparável em todo o mundo. Esperamos continuar a colaboração com o JPO e os parceiros da indústria para entregar o TR-3”, disse Bridget Lauderdale, vice-presidente e gerente geral do programa F-35 da Lockheed Martin. “Nossa missão é fornecer aos nossos militares e aliados dos EUA uma aeronave que garanta a segurança do século 21 para que possam deter e derrotar ameaças e voltar para casa com segurança.”

O programa TR-3 superou os desafios de complexidade técnica com hardware e software e agora está no caminho certo para fornecer capacidade aos EUA e seus aliados a partir de 2023. O governo e a equipe da indústria continuam a encontrar maneiras inovadoras de garantir a entrega de capacidades críticas para derrotar ameaças futuras. As lições aprendidas na execução do programa TR-3 serão aplicadas em todo o programa de modernização do Bloco 4.

O F-35 é o principal sistema de armas multimissão de quinta geração. Sua capacidade de coletar, analisar e compartilhar dados é um multiplicador de força que aprimora todos os ativos no espaço de batalha: com tecnologia furtiva, sensores avançados, capacidade de armas e alcance. O F-35, que está em operação desde julho de 2015, é o caça mais letal, de sobrevivência e interoperável já construído. O F-35 servirá como a espinha dorsal da frota de caças dos EUA, bem como de outras 16 nações nas próximas décadas.

FONTE: F-35.com

Subscribe
Notify of
guest

24 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Underground

Um dos problemas do software do F35 é que cada fez que se tem de alterar parte do sistema, sempre é necessário verificar eventuais alterações em outras partes do mesmo sistema, dando origens a erros e falhas.
Não sei se é possível usar um programa central com demais periféricos sem que se impacte tanto. Se existe, vai ficar para a aeronave de sexta geração.
E, sem dúvida, o F35 está quebrado paradigmas.

Willber Rodrigues

Um dos problemas do software do F35 é que cada fez que se tem de alterar parte do sistema, sempre é necessário verificar eventuais alterações em outras partes do mesmo sistema, dando origens a erros e falhas.´´

Tecnicamente falando, é o mesmo procedimento pra qualquer profissional de TI de qualquer empresa do mundo. Não dá pra simplesmente alterar algo, sem testar se isso vai causar bugs em outros lugares.

Underground

Não sou especialista no assunto, mas haviam estudos para isso.

Velho Alfredo

Boa questão.

É um caça q veio pra substituir vários outros com diversas missões, inclusive de marinha, em uma mesma plataforma.
Programa audacioso.

Acho até com poucos problemas, dada a missão pra q veio.

Rinaldo Nery

Já pode voar sob chuva e mau tempo?

Ruberval

Essa informação é classificada (secreta ) !!!

Underground

Segundo Sr. Fontes, descargas elétricas ainda afetam a variante A, que devem ser resolvidas até 2025, segundo Pentágono. Interessante que as restrições são menores para as variantes B/C.

Rinaldo Nery

Havia um problema, também, salvo melhor juízo, do revestimento de absorção de EEM da fuselagem. Parece que estava se descolando. O problema ainda existe?

Underground

Pelo que recordo, o Pentágono decidiu não resolver o problema, mas limitar o tempo de voo supersônico.

Rinaldo Nery

Grande solução…

Carlos Campos

que eu lembre sim kkkkk

Matheus

Este deveria ser nosso caça, é outro nível. Infelizmente teremos que ficar com os gripados por uns bons 50 anos…

Marcelo

Já imagino a grana preta que Lockheed Martin vai ganhar para fazer modernização (MLU) para padrão Block 4 de F-35 semi novos e toda a frota ja vendida para os parceiros da OTAN !!!

Leonardo

É tanta tecnologia que acaba dando problemas pra caramba… kkkk

Josué de Arimatéia

Parece já são mais de 890 produzidos procede?

Carlos Campos

já tinha a melhor eletrônica e ficou ainda melhor.

ChinEs

A FAB vai se arrepender de ter escolhido o Gripen, deveria escolher o F-35, em termos que computacao nao existe nada mais avancado…

Alexandre Galante

Para a FAB não interessa um avião em que ela não possa ter domínio do software (só a Lockheed Martin pode mexer nele).

Rafael

kkkkkkkkkkkkkkkk

ChinEs

Igual voce dominar um software como Windows XP sabendo que todo mundo usa o Windows 10, o gripen é vector de 4ª geração , o F-35 é vector 5ª geração, a FAB poderia ter os seus Gripens , mas para não ficar muito desfasada da tecnologia atual , poderia obter meia duzia de F-35.

Mcruel

Mano… para de falar besteira. Com F5 há 50 anos em serviço você vem falar em defasagem da FAB?
A FAB precisa de disponibilidade e o Gripen é o que tem menor custo/hora de vôo.
Pela sua lógica, todo mundo deveria estar andando de Volvo (carro) por aí.
Eu tenho um Versa novo, sonho com um BMW, mas está bem melhor que o Fiesta que eu tinha… Essa é a mesma lógica da FAB.

Last edited 23 dias atrás by Mcruel
Rinaldo Nery

Boa resposta. Falta pé no chão pra maioria dos foristas. “Quero a Enterprise c o Cap James Kirki, Spoky, Uhura e cia.”

Sergio Peixoto

Ja sei !!!! Caiu mais uma pecinha !!!!!!!

Teropode

Tornando extraordinário o que ja é excelente!