Ruili Airlines ingressa no Conselho Consultivo do Energia Family da Embraer

Companhia aérea é a primeira chinesa a participar dos estudos da Energia Family

Pequim, China, 13 de dezembro de 2022 – A Ruili Airlines assinou um acordo com a Embraer para integrar o Conselho Consultivo do Energia Family – projeto que desenvolve aeronaves sustentáveis para o futuro. As empresas trabalharão juntas nos requisitos de sustentabilidade para a próxima geração de aeronaves e no mercado potencial da China. Com sede no Aeroporto Internacional Kunming Changshui, a Ruili Airlines é uma transportadora premium focada em inovação. A companhia aérea opera uma rede de rotas domésticas e internacionais na China e no Sudeste Asiático.

“Damos as boas-vindas à Ruili Airlines, primeira companhia aérea chinesa a se juntar ao nosso Conselho Consultivo do Energia Family. A parceria entre a Embraer e a Ruili Airlines é um passo significativo para o projeto ”, afirma Arjan Meijer, Presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial. “Buscamos parceiros em todo o mundo para compartilhar ideias inovadoras e insights operacionais, agregando conhecimentos à missão da aviação sustentável. A perspectiva da Ruili Airlines será de grande valor para o desenvolvimento das aeronaves do Energia Family.”

A Ruili Airlines irá trabalhar com a Embraer para apoiar na definição dos requisitos de desempenho e design para as aeronaves-conceito do Energia Family, dois modelos com capacidade para 19-30 assentos e uso de tecnologias de propulsão elétrica a hidrogênio e híbrida elétrica.

“Estamos entusiasmados em colaborar com a Embraer no projeto Energia Family. Será uma oportunidade para trabalharmos com um fabricante e influenciar o projeto de aeronaves sustentáveis de próxima geração, acelerando o desenvolvimento da aviação sustentável na China”, disse Ye Yajuan, presidente da Ruili Airlines. “Na Ruili, estamos comprometidos em abrir novos caminhos e cooperar com a inovação para alcançar os melhores resultados. Como a primeira companhia aérea de Wuxi, planejamos explorar ao máximo as oportunidades oferecidas pelorápido crescimento da China Oriental, uma região cada vez mais importante para o desenvolvimento de tecnologia.”

“Será uma oportunidade para trabalhar em conjunto com a Ruili Airlines, explorando formas inovadoras para a transição verde da aviação civil chinesa”, completa Guo Qing, diretor administrativo e VP de Aviação Comercial da Embraer China. “A sustentabilidade será um fator diferencial para as companhias aéreas no mercado pós-pandemia, à medida que a conscientização e a preocupação ambiental aumentam entre os passageiros. Na Embraer, não estamos apenas garantindo que nossas aeronaves atuais sejam as mais sustentáveis disponíveis hoje: também estamos investindo no futuro ao lado de nossos clientes. A participação da companhia aérea Ruili tem uma importância especial porque a China é a região com maior crescimento potencial no tráfego aéreo”.

Energia

O evento ‘Energia – Tendências para o futuro’, disponível no canal da Embraer no YouTube https://youtube.com/@Embraer, foi transmitido ao vivo e simultaneamente de Amsterdã e São José dos Campos. Além das apresentações do VP de Engenharia da Embraer e do CEO da Aviação Comercial, foi realizado um tour de 360° por dois dos conceitos nos quais a Embraer está focando atualmente – Energia com Célula de Combustível H2 e Energia Híbrido Elétrico.

Especificações das aeronaves (clique nos links abaixo para acessar os PDFs):

Para mais informações sobre a iniciativa Embraer, Sustentabilidade em Ação, acesse: https://embraercommercialaviationsustainability.com/

Sobre a Ruili Airlines

Como a primeira companhia aérea nativa de Wuxi, a Ruili Airlines Co., Ltd é a subsidiária holding do Wuxi Communication Industry Group, uma das 500 maiores empresas de serviços da China. Em 18 de maio de 2014, a Ruili Airlines iniciou suas atividades, e sua principal base de operação está localizada no Aeroporto Internacional de Kunming Changshui. Atualmente, possui uma frota de 22 aeronaves e opera com segurança há quase 8 anos. Desde a sua criação, possui mais de 178.800 voos, transportando mais de 20 milhões de passageiros.

A Ruili Airlines cobriu rotas no leste da China, promovendo a construção de bases biestáticas em Wuxi e Kunming e fortalecendo o desenvolvimento de bases noturnas em Shenyang, Lanzhou e Mangshi. Contando com os recursos de alta qualidade do Wuxi Communication Industry Group, a companhia aérea alcançará um desenvolvimento saudável e de alta velocidade e continuará a expandir e fortalecer o setor de aviação.

Sobre a Embraer

Empresa aeroespacial global com sede no Brasil, a Embraer tem negócios nas áreas de Aviação Comercial e Executiva, Defesa & Segurança e Aviação Agrícola. A empresa projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, fornecendo Serviços e Suporte aos clientes no pós-venda.

Desde que foi fundada em 1969, a Embraer já entregou mais de 8.000 aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola em algum lugar do mundo, transportando mais de 145 milhões de passageiros por ano.

A Embraer é a principal fabricante de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviços e distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

DIVULGAÇÃO: Embraer

Subscribe
Notify of
guest

23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João Adaime

A grife Embraer é um diferencial em todo o mundo. Empresas inteligentes procuram se associar a ela em seus diversos segmentos.

Silvano

O atual presidente da Embraer já tinha dito que a empresa iria fazer associações pontuais, em mercados e produtos específicos, e é o que estamos vendo acontecer realmente, me parece a melhor estratégia. Neste caso com a China além do grande mercado chinês, há também o acesso a tecnologia e recursos financeiros, medida totalmente acertada. Veja que com o novo governo brasileiro começando no ano que vem, creio que a Embraer muito provavelmente irá buscar associações com os argentinos, já que eles participam na produção de partes do KC-390, onde estão sendo fundamentais para o sucesso do programa, já demonstraram… Read more »

Saldanha da Gama

Parabéns Embraer…Mas, cuidado com o ctrl c, ctrl v

Leônidas ferreira
Ataul

A Boeing e suas práticas predatórias de sempre! Todas companhias que adquiriu no exterior acabaram. Já que não levou a Embraer, num dos maiores crimes lesa-pátria da História do país, agora faz propostas abutres para levar a nata do corpo de engenharia da Embraer.

E para alguns a “ameaça” é a China!

Os EUA? Capaz! São nossos “aliados”, “parceiros estratégicos naturais”… Como colônia! Essa é a Política de Estado permanente deles para o país e região. E não vai mudar.

GRAXAIN

Os chineses são inteligentes e colam naqueles que detém know-how, criatividade e precisam de $$$. Aprendem sobre os processos críticos, patentes importantes e depois, bem, aí todos conhecem a história…

Filipe Prestes

Não tem nada a ver com o caso. Não se trata de parceria para fabricação, supplier chain, nada disso em questão. O que a Riuli fará ao participar desse conselho consultivo, bem como mais de uma dezena de outras companhias aereas ao redor do mundo já fazem, é que junto á Embraer definirão quais requisitos as companhias esperam que essas futuras aeronaves tenham e que a Embraer deverá atender no seu projeto. Outras cias aéreas como a Widerøe e KLM que já são clientes do E2 participam nesse conselho para assentar o querem de desempenho e características desse programa. Basicamente,… Read more »

Nonato

Só que outro países não tentam roubar projetos na cara dura.

Sensato

Ou seja, algo que já é feito desde o tempo em que projetaram o Lockheed Electra.

Rui Chapéu

A Embraer entrou de cabeça no tal do ESG…

Ou vai dar muito bom e ela se torna lider de mercado… ou ela vai tomar uma invertida gigante e falir.

Só o futuro pra dizer o que vai acontecer.

RenanZ

Pro futuro, no mercado europeu, ou é ESG ou não tem negócio!
Mercado americano, provável mistura
ja o resto do mundo vai depender do dinheiro disponível

Rui Chapéu

Ai entra outro detalhe…

A França, um dos cabeças da União Européia já começou a proibir voos curtos.

Então de que adianta a Embraer querer fabricar pra esse mercado que está se fechando em vez de partir pra outros?

Enfim, só o tempo pra dizer se a Embraer acertou ou errou.

Filipe Prestes

A França proibiu voos curtos de aeronaves movidas a combustivel convencional de e para localidades que sejam atendidas por transporte ferroviário. Nada foi mencionado a cerca de aeronaves elétricas e a hidrogênio até porque estas últimas nem sequer existem. No momento em que começar de fato a descarbonização da aviação não fará qualquer sentido proibir essas viagens uma vez que o argumento francês para isso é justamente a emissão de gases poluentes por cada voos desses jatos quando comparados aos trens.

RenanZ

Rui, o que eles aprovaram por enquanto foi a proibição de voos entre certas localidades que bem atendidas pela malha ferroviaria, e com opções de horário suficientes que cubram o gap da falta de aviões. Por enquanto somente Paris a Bordeaux, Nantes e Lyon, ainda sem data certa para começar. E isso somente para voos comerciais, aeronaves de fretamento e particulares não foram inclusas na regra (o que acho irônico beirando hipocrisia, pois a relação Emissão de CO2/Passageiros transportados é muito pior neste tipo de aviação) Em complemento, a Embraer foca sim neste mercado europeu, ou no americano, ou no… Read more »

Henrique

A França”

leia a Estatal de Trens deles…

melhor a Dassault começar a abrir o olho

Carlos

A maioria das empresas tem feito esg para inglês ver, tipo a Panasonic que ficou meia hora no globo rural falando de 60 mil metros de área de reserva, até falaram em metros em vez de hectares, coisa que qualquer produtor pequeno tem muito mais, espero já a Embraer parece estar de enfiando forte nisso, vamos ver o que vai dar

Nonato

Não. Esse é o futuro E que eu saiba não gasta tanto assim, faz parte dos investimentos em inovação que sempre teve (igual quando lançou varios jatos executivos), e deve ter parcerias (tipo o fabricante do motor investe também porque tem interesse de vender e a Embraer está dando a oportunidade de tornar o mercado e o motor viavel). Talvez as empresas aéreas até entrem com alguma coisa, a título de adiantamento e como forma de divulgarem que estão contribuindo com o meio ambiente. Projetos da Embraer nunca foram caros a ponto de prejudicar a empresa. Fazem parte do dia… Read more »

Sensato

Qualquer multinacional grande está nesse mesmo ritmo.

Underground

Embraer divulgou que essas aeronaves sofrerão atrasos no seu desenvolvimento.

Filipe Prestes

O programa que sofrerá atraso será o do TPNG, aquele turboprop para 90 pax, não estes da família Energia.

Palpiteiro

Vai precisar de gente qualificada.

Filipe Prestes

A justificativa da Embraer é que a supply chain hoje não oferece todos os componentes que esse programa necessitará uma vez que as tecnologias ainda não estão plenamente estabelecidas como motores a hidrogênio e baterias suficientemente leves, por exemplo. A Embraer terá que esperar que a indústria mundial avance nesse sentido pra só então ela ter condições de se abastecer dessas partes. Enfim, é algo que não está sob seu controle.

Nilo

Incrível essa capacidade da Embraer em construir parcerias no desenvolvimento de projeto, mas sem perder olhar para o mercado do país de origem parceiro.