domingo, dezembro 4, 2022

Gripen para o Brasil

Congresso dos EUA deve agir para aumentar o poder aéreo credível em combate no Indo-Pacífico

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Por Mackenzie Eaglen, Eric Sayers e Dustin Walker*

Não é novidade que na última década o Pentágono ficou aquém de suas ambições estratégicas no Indo-Pacífico. Ainda assim, é bastante claro quando a evidência dessa “lacuna de ação” surge dentro de 24 horas após a publicação do documento estratégico mais importante do Pentágono.

Na semana passada, a nova Estratégia de Defesa Nacional do Pentágono declarou que a China é o “desafio acelerado” desta “década decisiva”, citando a postura como um elemento-chave para dissuadir a agressão chinesa. Poucas horas após a publicação da estratégia, o Financial Times informou que o Pentágono deve retirar dois esquadrões de caças estacionados na Base Aérea de Kadena, em Okinawa, no Japão, nos próximos dois anos.

Mais tarde, o Pentágono confirmou a retirada. E embora planeje iniciar desdobramentos temporários de aeronaves mais avançadas durante a retirada, reconheceu que não tomou nenhuma decisão sobre uma solução de longo prazo para substituir a perda de poder de combate avançado.

O problema de retirar aviões de combate permanentemente estacionados do Japão não é sobre a presença simbólica ou a “mensagem” que a decisão envia a Pequim. A questão central é a postura credível em combate. Eliminar um quarto dos esquadrões de caças permanentemente estacionados a oeste da linha internacional de data, prometer rotações temporárias como substitutos e não oferecer um plano de longo prazo para sua substituição não melhora a postura de combate credível.

Os defensores da decisão dizem que as aeronaves F-15C e D aposentadas atualmente estacionadas em Kadena são aeronaves antigas de quarta geração que não contribuiriam muito em um conflito com a China.

Sim, a Força Aérea dos EUA deve atualizar aviões de combate no Indo-Pacífico. De fato, apoiamos fortemente o estacionamento de F-35As na Base Aérea de Misawa, no Japão. Mas não é isso que a Força Aérea anunciou. Prometeu rotações temporárias de aeronaves mais avançadas, mas não finalizou os planos além de uma rotação inicial de seis meses para os F-22 do Alasca. Além disso, depois de operar aeronaves de quinta geração por quase duas décadas, a Força Aérea não anunciou planos para estacionar permanentemente qualquer aeronave de quinta geração a oeste da linha internacional de data.

A Base Aérea de Kadena fica em Okinawa, no Japão

Outros observadores argumentam que a retirada de caças dos EUA da Base Aérea de Kadena é sensata, dada a vulnerabilidade da base a ataques de mísseis chineses em uma contingência. O reposicionamento de aviões de caça de Okinawa para outras bases no Japão ou em qualquer outro lugar da Segunda Cadeia de Ilhas certamente tem mérito. Mas, mais uma vez, não é isso que a Força Aérea anunciou.

A Força Aérea não tomou nenhuma decisão de basear aeronaves adicionais em quaisquer outras bases do Indo-Pacífico. Mais ao ponto, a Força Aérea parece não ter intenção de deixar Kadena. Em um comunicado na semana passada, a Força Aérea prometeu “manter uma presença estável em Kadena”. De fato, a Força Aérea ainda está investindo na base. Sua solicitação de orçamento para o ano fiscal de 2023 pedia US$ 148 milhões em construção militar em Kadena. No ano anterior, pediu US$ 232,1 milhões.

Ainda outros argumentam que o estacionamento permanente de aviões de combate em Kadena ou outros locais avançados no Indo-Pacífico não é necessário. Eles afirmam que as forças rotacionais seriam igualmente eficazes. Caso contrário, as aeronaves podem se deslocar rapidamente de outros lugares do mundo em caso de contingência. Nós discordamos. A análise da RAND Corporation sugere que “é muito mais caro rotacionar as forças do que instalá-las permanentemente no exterior” e, portanto, que “rotações contínuas devem ser minimizadas na medida do possível”.

Caças F-35A da USAF

A fonte das forças rotacionais também é importante. Se as aeronaves rotacionais forem provenientes de outros lugares na área de operações do Indo-Pacífico (como Alasca ou Havaí), a retirada de aeronaves permanentemente estacionadas de Kadena resultaria em uma redução líquida do poder de combate na região.

Além disso, um modelo rotacional aumenta a possibilidade de lacunas na presença direta. E embora seja verdade que as aeronaves possam se deslocar com relativa rapidez para o Indo-Pacífico no caso de uma contingência, isso é um conforto frio em cenários plausíveis, onde minutos e horas podem fazer a diferença para negar uma tentativa de invasão de fato consumado. Confiar demais em aeronaves de fora do teatro de operações reduz as opções em competição, crise e no início de um conflito. Além disso, a introdução de forças no teatro em uma crise (em vez de essas forças estarem presentes desde o início) pode aumentar o risco de escalada.

A decisão de retirar dois esquadrões de caças permanentemente estacionados do Japão sem um plano de substituição pronto demonstra que o Indo-Pacífico não está sendo tratado como a prioridade de postura tão frequentemente elogiada.

Ano após ano, a Força Aérea desinvestiu aeronaves mais antigas em busca de economias orçamentárias. Apenas no FY23, ela está tentando cortar 150 aeronaves enquanto compra apenas 82. Enquanto isso, ela usou novas aeronaves para substituir missões em bases domésticas definidas para perder aeronaves.

Considere o F-35. A partir de hoje, a Força Aérea decidiu estacionar os F-35A em nada menos que seis bases de componentes ativos, quatro bases da Guarda e uma base de reserva nos Estados Unidos. Ela escolheu apenas uma base no exterior para o F-35A no Reino Unido. São doze bases de F-35A com zero planejado para o Indo-Pacífico.

Quantas bases mais americanas ou europeias a USAF selecionará para receber F-35As antes de uma única base no oeste do Indo-Pacífico da linha internacional de data? A mesma pergunta deve ser feita sobre o F-15EX.

A Força Aérea vem considerando a aposentadoria do F-15 há pelo menos cinco anos. Mas mesmo com o benefício do tempo, as aposentadorias do F-15 em Kadena começarão sem nenhum plano para sua substituição. Isso é um contraste gritante com a Europa. A Força Aérea selecionou a base RAF Lakenheath como sua primeira base de F-35 na Europa em 2015. Até que os F-35As começassem a chegar em dezembro de 2021, a Força Aérea usava os fundos da Iniciativa Europeia de Dissuasão para manter os F-15s na RAF Lakenheath. As aeronaves finalmente partiram em abril de 2022.

O Congresso precisa fazer ao Pentágono e à Força Aérea algumas perguntas pontuais:

  • Qual é a avaliação de risco do Comando Indo-Pacífico dos EUA sobre a perda de curto prazo de dois esquadrões de combate permanentemente estacionados?
  • Como o governo japonês vê essa decisão?
  • No curto prazo, a Força Aérea manterá uma presença rotacional contínua em Kadena?
  • As aeronaves rotacionais serão provenientes dos Estados Unidos continentais ou daqueles já atribuídos ao Comando Indo-Pacífico dos EUA no Alasca e no Havaí?
  • A longo prazo, os 48 F-15 em Kadena serão substituídos cauda por cauda?
  • Suas substituições serão permanentes ou rotacionais?
  • Essas substituições irão para Kadena, ou outras bases do Indo-Pacífico serão consideradas?
  • Quantas outras bases receberão aeronaves F-15EX e F-35A antes que esses dois esquadrões do Indo-Pacífico sejam substituídos?

Até que essas perguntas sejam respondidas, o Congresso precisa intervir legislativamente. À medida que os comitês de defesa finalizam as negociações sobre a Lei de Autorização de Defesa Nacional para o FY23, os legisladores devem proibir a retirada dos F-15 do Japão até a apresentação de uma avaliação classificada pelo Comando Indo-Pacífico dos EUA sobre o impacto da retirada, bem como uma clara plano de transição da Força Aérea para sua postura de caça no Japão e em outros lugares do Indo-Pacífico.

A nova Estratégia Nacional de Defesa acertou que estamos vivendo uma década decisiva e que devemos priorizar o desafio da China na região do Indo-Pacífico. Como o Pentágono responde agora ao apresentar um plano urgente para melhorar – não apenas preencher – o poder aéreo credível em combate no Indo-Pacífico será o primeiro grande teste para traduzir essa nova estratégia de defesa de palavras em ação.


*Mackenzie Eaglen é membro sênior do American Enterprise Institute, onde trabalha com orçamento de defesa, estratégia de defesa e prontidão militar.

Eric Sayers e Dustin Walker são membros não residentes do American Enterprise Institute. Walker foi o principal conselheiro do Comitê de Serviços Armados do Senado na Europa e no Indo-Pacífico de 2017 a 2020. Sayers foi o principal conselheiro do Comitê de Serviços Armados do Senado no Indo-Pacífico de 2014 a 2016 e um conselheiro do comandante do Comando Indo-Pacífico dos EUA de 2016 a 2018.

FONTE: Defense News

- Advertisement -

8 Comments

Subscribe
Notify of
guest

8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Cidadão das Sombras

Nos quadrinhos o Caveira Vermelha se reinventa como um ultra capitalista que usa o dinheiro, o extremismo de direita e o chauvinismo dentro dos EUA para destrui-los.

Tutor

Os EUA não devem se preocupar em ter superioridade aérea, naquela região, sozinho. Tem que fazer filipinos, malaios, tailandeses, cingapurense e, principalmente, sul-coreanos e japoneses se armarem mais; dividir esse fardo.

Henrique

ta na hora de brotar um Freedom Fighter ai

cerberosph

A conta dos gastos desenfreados chega para todos. Mais cortes virão e em todas as forças.

Felipe

[OFF] Nenhum vídeo sobre os F-15 sauditas que caíram (abatidos?) nesses dias? https://youtu.be/363gk9WkIVw

Teropode

Irrelevância total !

Marcelo M

Não dá pra saber se o F35 teria condiçoes de se sobressair sobre o J20. Pode ser que sim, pode ser que não. O fato é que hoje, ao contrário dos tempos áureos do F22, não temos como ter certeza da supremacia aérea americana. É por isso que um caça absoluto de supremacia aérea e de sexta geração é tão importante hoje para os EUA, a ser complementado pelos F35 mais numerosos.

Teropode

Os novos F15 somados aos SH dão conta da tarefa para fornecer superioridade aérea, principalmente porque a China não possui nada comparado nesta função…., o J20 não presta prá isto, o F35 tambem nao !

Last edited 24 dias atrás by Teropode

Últimas Notícias

UAC entregou ao Ministério da Defesa russo um lote de novos caças Su-35S

A Komsomolsk-on-Amur Aviation Plant (KnAAZ) em homenagem à Gagarin United Aircraft Corporation (UAC, parte da Rostec) entregou ao Ministério...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -