segunda-feira, outubro 3, 2022

Gripen para o Brasil

Grécia enviará uma carta de solicitação para atualizações de 38 caças F-16V em breve

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Segundo informações, é apenas uma questão de alguns dias até que o Estado-Maior da Força Aérea Helênica envie a carta de solicitação aos Estados Unidos para a atualização de 38 aeronaves F-16 Block 50.

A carta resolveria outra questão pendente nos esforços de modernização da Força Aérea Helênica e sua transformação em uma das mais significativas da região.

A modernização dos 38 F-16 ocorrerá na Base Aérea de Nea Anchialos, enquanto, ao mesmo tempo, a atualização do F-16 Viper continua na Hellenic Aerospace Industry (EAB).

Dois F-16 Vipers já estão prontos e o prazo de sua entrega nos próximos meses está sendo discutido entre a Força Aérea Helênica e a dos EUA, a fim de iniciar o treinamento de seus pilotos na Grécia.

O chefe do Estado-Maior General Themistocles Bourolias tem um horizonte aberto de vários anos pela frente, dentro do qual a Força Aérea Helênica adquirirá capacidades operacionais ainda mais fortes.

Ao mesmo tempo, há também um plano claro para os F-16 Block 30 mais antigos.

Consequentemente, os F-16 mais antigos não serão transferidos para nenhum lugar fora da Grécia, nem há nenhum plano para passá-los adiante, mas permanecerão operacionalmente ativos, pois carregam uma enorme carga de trabalho no Egeu diariamente.

Em vez disso, estão sendo consideradas maneiras de mantê-los em alta disponibilidade, enquanto alguns deles serão convertidos em aeronaves de treinamento para novos caças como uma introdução à futura frota do mais novo F-16 Viper, Block 52+ Advanced e Block 50 atualizado.

Enquanto isso, a liderança da força aérea está satisfeita com a parte essencial do treinamento de voo dos novos pilotos. Além disso, a cooperação com a Elbit de Israel na Ala de Treinamento Aéreo 120 em Kalamata levou a um aumento acentuado na disponibilidade de treinadores T-6.

FONTE: ekathimerini.com

- Advertisement -

76 Comments

Subscribe
Notify of
guest

76 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Frederick

Uma decisão de Defesa de um Estado depende da aprovação de outro país. Isso nunca me soou bem.
A indústria nacional de Defesa reforça a soberania de uma nação. Partindo disso, penso que se deve fortalecer, incentivar e desenvolver a brasileira.

Last edited 1 mês atrás by Frederick
Bruno Vinícius

O Brasil não possuí capacidade industrial (nem possuirá no futuro imaginável) para produzir um caça sem utilizar componentes de fornecedores externos que possam ser embargados. Existem áreas que podemos sim adquirir independência, essa não é uma delas.

Frederick

Seu equívoco parte do desconhecimento. Deveria transformar suas afirmações em perguntas.

Leandro

Vamos la entao…brasil produz turbina?uma que possa ser usada num caca de alto desempenho?
Produz assento ejetavel?
So essas duas por enquanto

Frederick

Não se limite a crer que soberania parte da produção integral de todos os componentes. Não é. Pegue essas suas questões e pesquise mais sobre o assunto.

Abraços

Bruno Vinícius

Ué, mas então cotinuaremos dependendo da aprovação de outro Estado. Ou por acaso você acha que motores turbofan, assentos ejetáveis, radares AESA, aviônica, etc. não estão sujeitos a embargo?

Last edited 1 mês atrás by Bruno Vinícius
Frederick

Parcerias tecnológicas são mais frutíferas que alianças militares. A primeira achata as nações envolvidas e horizontaliza as relações, pois as necessidades de ambas (comerciais, industriais, defesa, diplomáticas, etc) são atendidas mutuamente.
Já a segunda, e isso é certo, subalterna uma nação aos interesses majoritários doutra, e o hardcore dessa negociação, a armamentista, é seleta e restrita.

Essa é a visão geral que implica questões mais complexas. Há Estados cuja discussão interna sobre o tema não se esgotou – nem se tensionou – e não tem unanimidade. O Brasil é um deles.

Um bom assunto para se aprofundar. Faça isso.

Last edited 1 mês atrás by Frederick
Carlos Campos

arregou, fala aí do caça brasileiro como a gente ia montar ele do zero

Frederick

“Arregou”. “Do zero”.

Brilhante.

Last edited 1 mês atrás by Frederick
Welington S.

Se eu não me engano a Turbo Machine brasileira pensa futuramente produzir turbina. Obviamente que se levará muitos anos e anos, erros e acertos até que tenhamos uma turbina nacional. No mais, nós não temos essa capacidade.

Carlos Campos

podemos pegar uma patente vencida junto da expetise da Turbo Machine e fazer uma nova, o problema é que uma turbina é caríssima, e uma feita a conta conta gotas é ainda mais cara, e duvido que a FAB pague desenvolvimento

Sensato

É correto dizer que não produz mas não que não será capaz de produzir num futuro imaginável.

Tallguiese

E perturbadora sua falta de fé!

Theo Gatos

A atualização não depende necessariamente da autorização. As armas são gregas e podem ser atualizadas, mas como a atualização escolhida é com tecnologia e metodologia já desenvolvida pelos EUA nos seus F16 V, sim, você precisa de autorização de “compra” de materiais e serviços…

Então é a escolha grega de upgrade para padrão V que implica nisso…

Se fosse outra atualização de outro fornecedor para alguma coisa que não necessariamente mexeria nos códigos que a Grécia certamente não tem acesso, ok, ela é livre pra fazer…

Sds

Frederick

Não confundir restrições comerciais com decisões soberanas.

Last edited 1 mês atrás by Frederick
Bruno Vinícius

Mas o pedido de autorização está relacionado justamente a uma restrição comercial. Eles não estão perguntando para os EUA se há algum problema em atualizar seus F-16, mas sim pedindo autorização para que a LM (uma empresa americana) possa vender o kit de atualização. São coisas absolutamente diferentes e a única forma de um país não precisar fazer isso é produzindo um produto 100% nacional, coisa que pouquíssimos países no mundo conseguem fazer.

Frederick

Não. São assuntos distintos. Um visa proteger os interesses comerciais de uma empresa. A submissão à aprovação do Estado protege interesses estratégicos de Defesa do país que detém a tecnologia, mesmo a negociação sendo vantajosa financeiramente e protegendo patentes. Mas é muito fácil confundi-los.

Nenhum, repito, nenhum país, hoje, ontem ou amanhã, consegue, conseguiu ou conseguirá desenvolvimento 100% doméstico. Nem um sequer. Interiorizem esse fato.

Last edited 1 mês atrás by Frederick
Henrique

O EUA fornece vários componentes na referida modernização, faz sentido ser necessário sua autorização. Armamentos, principalmente armamentos sofisticados, são itens controlados em qualquer país, não é qualquer um que compra ou vende.

Frederick

Releia o que escrevi.

Andre

Quantos países são capazes de fabricar 100% de seu principal caça?

Eua, Rússia, China, França e só.

Isso pode não lhe soar bem, mas é a regra. Exceção são os que desenvolvem e produzem integralmente seus mais avançados veículos.

Frederick

Isso não me soa bem – ou a qualquer outro do métier – porque está errado.  F-35, dos EEUU, é um programa global, envolvendo oito países. Além disso, a indústria aeroespacial estadunidense, como é sabido, é um cluster de mentes internacionais. Foi, é e será. Os franceses desenvolveram todo seu conhecimento baseado em parcerias com britânicos e israelenses. e vice versa.  A indústria aeroespacial russa nada seria sem os checos e ucranianos, e vice versa. E não me venha com essa besteira de “soviéticos eram um só”, isso nunca existiu. Sem contar com a parceria tecnológica de meio século com China, que… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Frederick
Von Richtoffen

Reino Unido tem a capacidade, mas não fabrica mais.

Nonato

Ainda bem que Cuba se livrou da dependência tecnológica dos Estados Unidos…

Rafael

Não é por nada, não… Mas você falhou miseravelmente em disfarçar sua ignorância com perguntas retóricas e respostas genéricas.

Frederick

…e todos aguardaram o brilhante contra-argumento depois da desqualificação pessoal.

Em vão.

Bruno Vinícius

Os gregos estão montando uma Força Aérea de respeito.

24 Rafales
84 F-16V + 38 (se essa intenção se concretizar)
20-40 F-35 (que os gregos pretendem adquirir)

Além dos F-16 mais antigos

Last edited 1 mês atrás by Bruno Vinícius
sub urbano

Ja foram uma província turca. O Sultão cobrava um imposto em forma de jovens rapazes e belas garotas para serem sodomizados. Ninguém quer passar por isso novamente.

Felipe Morais

Sim, há necessidade, mas, para uma economia, como a grega, ter uma força aérea dessas, é necessário muito engajamento político e social. É importante lembrar que, na década passada e retrasada, os gregos foram os patinhos feios da União Europeia. A Economia dos caras chegou muito próximo do limbo. Mesmo assim, conseguem se organizar em projeto de Estado. Enquanto isso, nós, brasileiros, continuamos nos empenhando em servir de base a uma cachorrada política polarizada que não pensa, minimamente, em um projeto de país. Sucessões de projetos políticos de grupos determinados, fundados em um povo na eterna busca do herói nacional.… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Felipe Morais
Nonato

A turma de Maduro e José Dirceu quer tomar o poder e você vem falar em polarização?

Von Richtoffen

“Tomar o poder”? Isso é eleição, filho, concorre-se, disputa-se e elege-se. E quem perde bate palma e passa a faixa.

Pedro

Parabéns pelo comentário. Brasileiro, necessita de ter alguém para espelhar suas convicções e frustrações, seja ao lado direito ou esquerdo da poltrona.

Palpiteiro

Motivados por Helena

Willber Rodrigues
Luís Henrique

Acho que nao. 1 mes depois saiu matérias dizendo que os Mirage iriam para Marrocos e Egito. Uma matéria diz que 34 Mirage 2000-9 iriam para o Marrocos de Graça e considerando que os EAU operam 59 Mirage 2000-9, pode-se supor que os outros 25 poderiam ir para o Egito.

Mas também, sem confirmação essas matérias.
Os Rafale só começam a chegar em 2026, então talvez os EAU vão esperar um pouco mais para começar a vender ou doar os Mirage.

Willber Rodrigues

Bom…pra quem tá recendo Rafale, deixar de receber Mirage não deve causar preocupações…

Underground

Grécia, apesar dos problemas, aproveitando para modernizar suas FFAA.
Brasil, nem pela esquerda, nem pela direita, consegue aproveitar qualquer oportunidade que seja.

Sensato

Não compare laranjas com maçãs. Temos sim que investir mais em nossa defesa mas a história e o cenário da Grécia são completamente diferentes.

Underground

Sempre essa desculpa.

Saldanha da Gama

Ué…..O Gripen não conta não?
Abraços

Underground

20 anos para comprar 36 aeronaves.

Saldanha da Gama

Meu caro, demorou, mas comprou. Então estamos nos modernizando sim e com vetor superior ao f16….Na realidade, não serão 36 e sim 40 certos e 26 previstos no 2o lote….
Ahh sim, antes tarde do que nunca, demoramos, mas nos modernizamos… Abraços

Last edited 1 mês atrás by Saldanha da Gama
Hellen

Tem que modernizar mesmo se nao ja era !!!!

FB_IMG_16603925661106285.jpg
Theo Gatos

Esse caiu durante um treinamento em 2011 acho, teve outro recuperado também em 2017, mas como foi de uma profundidade maior (quase 600m) estava bem menos “inteiro”

Esse link tem mais fotos legais desse caso que você trouxe https://www.dailymail.co.uk/news/article-2007611/amp/Now-thats-I-dive-bomber-Greek-fighter-jet-salvaged-Aegean-sea.html

Sds

Last edited 1 mês atrás by Theo Gatos
Filipe Prestes

A Grécia realizando o sonho molhado da FACh

Leonardo M.

A FACh não tem uma Turquia do lado
No máximo tem 8 unidades do A4 argentino para tomar conta
Os mirages e migs peruano estão bem defasados tecnologicamente perante os f-16 chilenos.
Bolívia não tem nem força aerea

Filipe Prestes

Ainda assim, os fatores que você mencionou não mudam em quase nada o fato que a FACh precisará atualizar seus f-16 ainda nesta década (ou ao menos tomar a decisão de faze-lo) ou mesmo escolher outro caça. Os 14 f-16 C/D 50/52 chilenos alcançaram recentemente a marca de 20.000 hrs voadas, em 2026 completarão 20 anos no serviço ativo na força. As demais unidades MLU ex-Luchmacht devem ter algo próximo ou mesmo mais de 30.000 hrs.

Welington S.

Com o atual presidente chileno, a FACh, terá que acariciar e muito a muringa dele. O presidente chileno já deu várias declarações sobre não investir mais nas forças armadas o que obviamente levará os militares de lá a fazer o possível pra que isso não aconteça. Algo me diz que a FACh será uma ”FAA” com mais caças atuando e tendo que canibalizar os mais antigos. A mesma situação podemos dizer que acontecerá com a FAC. Aliás, a FAC está praticamente sem caças já.

Glasquis7

O presidente do Chile declarou isso???

Não que eu duvide de vc mas, pode postar os links por gentileza.

Von Richtoffen

Não tem link, tirou do ZAP dos órfãos do defunto “professor e filósofo”.

Henrique

Eles provavelmente vão de FA-50

Filipe Prestes

Não creio em FA-50 como main force dos chilenos. Penso ser mais factível uma atualização de até 36 unidades do f-16 50/52 e alguns ex-Luchmacht serem convertidas ao padrão block 70. As unidades mais cansadas serão dadas de baixa. Para além disso, a Boeing e SAAB planejam uma versão de ataque do T-7 Red Hawk. Imagino que sejam os substitutos naturais dos F-5 chilenos (e talvez até mexicanos). Então, se for pra chutar, diria que a década de 30 da FACh será com f-16 block 70, que muito provavelmente encolherá em números e complementados pela versão de ataque dos Red… Read more »

glasquis7

Não vejo o por que sair de um combatente tão efetivo e vigente quanto o F 16 para um caça com menos capacidade como o caríssimo FA 50.

Além do mais, o custo de ter que trocar toda uma linha logística para regredir em capacidades, não faz sentido.

Mateus

30 mil horas elas tinham na Holanda. Os caças holandeses voaram por 27 anos. O mais “novo” tinha voado por 23 anos na Holanda

Filipe Prestes

Olá, Mateus! Não sabia desse “agravante”. Pois então, só vai apressar o que mencionei porque da versão block 50/52 os chilenos possuem apenas 16 de 47 caças. Vai haver esse gap de 31 unidades, somente do f-16, sem incluir os f-5 nesse balanço. Por isso acho que a FACh tá meio que num mato sem cachorro. Ou padroniza/moderniza a frota ou escolhe outro caça. Ambas as opções sairão igualmente caras e nem será somente essa a necessidade á médio prazo dos chilenos. A aviação de transporte, leve, mediana e pesada também precisará ser renovada ou aumentada até o final dessa… Read more »

Glasquis7

Esse papinho vcs tem desde que eu acompanho a trilogia (2008)

Na verdade é que a FACh, assim como todas as FAs do Chile, sempre tem encontrado soluções que a mantenham à frente dos seus vizinhos e entre os países à vanguarda da região.

A única época em que não foi assim, foi durante a ditadura de Pinochet e devido a isso o Chile sofreu ameaça de duas guerras (1975 e 1978).

glasquis7

30 mil horas elas tinham na Holanda.”

Nossa!!! Tudo isso? e vc tem o link onde podemos corroborar isso pois, foi informado que acabam de atingir 30.000 horas de voo a meados deste ano.

Essa FACh mente tanto.

KKK

Glasquis7

Os Block 50/52 já sofreram uma atualização em 2012. Os MLU estão num padrão compatível.

Se avalia a possibilidade de atualizacao, ou simples compra de outras aeronaves. Isso em toda força ocorre.

Filipe Prestes

De fato os block 50/52 passaram por upgrade mas estes são somente 1/3 da frota e esse é o meu ponto. As demais unidades ex-Luchmacht tem tantas horas de voo ou mais que os F-5 e devido a idade de suas células deverão ser dados de baixa ainda nesta década e aí é que está o “dilema” da FACh. Ou compra novos block 70/72 e atualiza os atuais block 50/52 para o padrão Viper ou simplesmente optam por outro caça. Haverá ainda outras demandas pendentes como os F-5 que já mencionei, a aviação de patrulha e transporte leve que terá… Read more »

glasquis7

Nesta década não se dará baixa em nenhum F 16. Aquelas células que estiverem mais fatigadas poderão (apenas se for realmente necessário) cadenciar a sua programação de uso mas, por enquanto nem mesmo os F 5 serão dados de baixa nesta década. A FACh deverá manter o F 16 como seu principal vetor até 2040. O resto são apenas conjecturas. Sobre a capacidade de aerotransporte, hoje a FACh conta com uma capacidade que representa o dobro de 2015. Em 7 anos duplicou a sua capacidade. Não se vislumbra nenhuma falência urgente pra esta década. Pode ser que sejam aumentadas as… Read more »

glasquis7

O que tem a ver a FACh neste assunto?

NEMO revoltado

Interessante que os BLOCKs 50 mesmos depois de vinte anos de sua criação ainda são muito capazes; mas entendo que a realidade grega demanda mais!

glasquis7

Para a região e dentro do contexto no qual estão inseridos atualmente, tanto os MLU quanto os F5, estão, não apenas vigentes mas, acima de seus possíveis contendores. Se vc ver que no extremo sul do continente, os Tigres da FACh são os únicos combatentes com capacidade BVR, já terá uma ideia do quanto é grande a defasagem da FAA. No norte do Chile, apenas 4 MIG 29 FAP teriam condições de combater, contra 36 MLU, todos com capacidade BVR e um bom estoque de C7. Os Block 50 estão preparados para incursionar em território inimigo. Não são armas defensivas,… Read more »

Underground

Aguardo a transferência de F-16 para a Ucrânia.
Os mísseis antirradiação entregues pelos EUA à Ucrânia, que por hora equipam quatro aeronaves, ao que parece ter surtido efeito no Sul da Ucrânia, já que vários radares russos na região foram transferidos/desativados.

Nilton L Junior

E ai vem aquele papo de que o Putin unificou a NATO kkkk, eta classe dirigente medíocres, se fosse um continente que não tivesse indústria bélica de até era justificavel, mas não preferem ser vassalos do atlantcismo.

Jefferson BA

Baita comentário produtivo.
Bom mesmo é a Rússia invadir covardemente a Ucrânia e depois ir pedir drone do Irã e implorar para chinês comprar suas commodities.
Genial…grande soberania russa kkkkkkk

Andre

Não se esqueça do resultado dos anos em que os ucranianos foram vassalos dos russos, e até sua comida foi roubada.

Toda a Europa oriental prefere ser vassala de qq coisa a voltar a ser da Rússia.

Nilton L Junior

Chora nenem, Z bate bate bate continua batendo sem pressa, U apanha, perde território, perde soldados, loser

Jefferson BA

Criança

Nilton L Junior

Não diga, conta mais.

Rinaldo Nery

Interessante. Não sabia. Quais são as diferenças básicas da versão V? Emprega algum novo míssil/bomba?

Rinaldo Nery

Muito bom. Obrigado pela informação.

Jefferson BA

Seus comentários também são muito bons.

Rinaldo Nery

Obrigado, mas há outros foristas com excelentes comentários tbm.

Glasquis7

Um off.

Acho que hoje caiu mais um A 29 e pelas cores deve ser um da Esquadrilha da Fumaça.

glasquis7

Até agora a informação não foi confirmada.

Últimas Notícias

Maioria dos C-130H da USAF está ‘groundeada’ por problemas nas hélices

A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) "groundeou" (proibiu o voo) a maioria de seus aviões C-130H Hercules (e...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -