sexta-feira, setembro 30, 2022

Gripen para o Brasil

Os F-14 iranianos – história e estado atual de uma das estrelas de ‘Top Gun: Maverick’

Destaques

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Colaborador da Shephard Media, autor de livros sobre aeronaves de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento

Por Sérgio Santana*

Uma das sequências de combate aéreo mais eletrizantes do recente blockbuster “Top Gun: Maverick” começa quando o capitão Pete “Maverick” Mitchell, interpretado por Tom Cruise, acompanhado do Tenente Bradley “Rooster” Bradshaw, interpretado por Miles Teller, fogem do país que foram atacar, a bordo de um Grumman F-14A Tomcat.

Embora no filme a denominação do tal país tenha permanecido incógnita por várias razões, ao longo da sua exibição fica evidente que se trata do Irã, o que é confirmado quando quando os dois pilotos chegam a uma base aérea que abriga alguns F-14, considerando que o Irã é o único cliente externo do Tomcat e atualmente o seu único operador, depois que a Marinha dos EUA retirou o tipo do serviço ativo, em 2006.

Breve descrição das origens dos F-14 iranianos

É uma crença comum que a aquisição do Grumman F-14A Tomcat pelos iranianos foi uma reação aos voos de reconhecimento executados pelos Mikoyan Gurevich MiG-25R soviéticos; entretanto, a realidade é inversa, já que desde o final da década de 1950, a então “Nirouyeh Havaiyeh Shahanshahiye Iran” (NHSI, Força Aérea Imperial Iraniana, também conhecida como Iran Imperial Air Force, IIAF), em cooperação com a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), realizava voos de reconhecimento altamente secretos sobre a União Soviética. Inicialmente, aeronaves mais leves (até mesmo transportes) foram usadas, e várias foram abatidas pelos interceptadores soviéticos.

Depois que os seus primeiros caças McDonnel Douglas F-4 Phantom II chegaram, a NHSI/IIAF também recebeu alguns RF-4E de reconhecimento, e as operações foram intensificadas.

Os soviéticos estavam, compreensivelmente, preocupados com o rearmamento maciço do Irã e deram o troco, iniciando suas próprias missões de reconhecimento sobre o território iraniano.

As repetidas missões iranianas de interceptação àqueles voos da IIAF se provaram muito difíceis e mesmo inúteis, pois as rotas voadas pelos ‘Foxbats’ foram cuidadosamente escolhidas, ficando longe das bases dos caças iranianos.

Mas o governo iraniano não estava interessado em um confronto direto com a URSS e, à medida que as violações mútuas do espaço aéreo se intensificavam, se adiantou para impedir os sobrevoos da sua força aérea – e dos americanos – se os soviéticos fizessem o mesmo. Esta oferta foi repetida e recusada várias vezes.

A IIAF foi, portanto, condenada a voar duas ou mais missões sobre a URSS para cada voo ‘Foxbat’, iniciando uma campanha ‘olho por olho’. Ficou evidente a necessidade de um sistema de armas mais poderoso do que os F-4 armados com Sparrow para evitar incursões soviéticas.

Assim, com os planos de desenvolvimento militar massivo do Irã durante a década de 1970, bem como a cooperação futura com os EUA, a IIAF passou a buscar um novo interceptador capaz de enfrentar ameaças previsíveis nos próximos 20 anos. O modelo teria que cobrir enormes áreas do espaço aéreo iraniano usando sensores e armamentos poderosos, com autonomia e capacidade de combate à altura das ameaças.

Já em 1968, a NHSI/IIAF havia manifestado interesse no General Dynamics F-111, mas o Pentágono não estava interessado, preferindo vender ao Irã inicialmente 32 exemplares do já mencionado F-4D Phantom II. Aproximadamente pela mesma época o Departamento de Defesa norte-americano emitiu um requisito para um novo interceptador naval como resultado da inadequação do projetado F-111B para operações de porta-aviões à luz da experiência de combate do Vietnã.

Em resposta, a Grumman Corporation projetou o F-14 Tomcat como um ‘matador de MiG’. Era um interceptor grande, rápido e poderoso, com asas de geometria variável que podiam ser enflechadas automaticamente entre 14 e 68 graus para maior resistência, flexibilidade e manobrabilidade em combate aéreo contra MiGs pequenos e ágeis.

Ele também foi projetado para transportar o enorme radar pulso-doppler AN/AWG-9 e até seis mísseis ar-ar Hughes AIM-54 Phoenix de longo alcance, que foram exigidos pela Marinha dos EUA para interceptar as formações de bombardeiros soviéticos, considerados a maior ameaça à sua frota de porta-aviões.

O radar AWG-9 do Tomcat e o míssil AIM-54 já estavam em desenvolvimento há alguns anos e agora se tornaram altamente eficazes. O radar podia não apenas detectar alvos aéreos em grandes distâncias, mas também rastrear simultaneamente até 24 alvos e guiar seis AIM-54 contra eles. Também permitiu a interceptação de mísseis de cruzeiro de baixa altitude, bem como alvos de voo alto e rápido, como o MiG-25.

Todas essas habilidades foram combinadas em uma única estrutura para produzir o que é amplamente considerado o primeiro ‘supercaça’ do mundo – um interceptador capaz de enfrentar a maioria das ameaças. Foi também o caça mais caro e complexo construído da sua época. Não demorou muito, portanto, para que surgissem controvérsias nos EUA resultantes de problemas de desenvolvimento, custos excessivos (causados pela inflação galopante) e um debate centrado na necessidade de uma aeronave tão cara.

Como resultado, tanto a Grumman quanto a Marinha dos EUA buscavam um cliente adicional para dividir o custo de desenvolvimento e produção adicionais.

Em outubro de 1971, a Grumman estabeleceu os primeiros contatos com o governo iraniano e, em março seguinte, o general Hassan Toufanian foi autorizado a ver informações secretas relativas ao F-14. Toufanian foi conselheiro militar do mandatário do Irã, Mohammad Reza Pahlavi, bem como vice-ministro da Guerra e diretor das Indústrias de Armas e da Organização de Compras Militares.

Logo, o próprio Xá, piloto experiente, estava demonstrando interesse pela aeronave.

De acordo com a liderança da Força Aérea do Irã – que já havia concluído que o F-14 era o interceptador que procurava – foi enviada uma carta ao Pentágono para iniciar o processo de aquisição, embora os iranianos ainda oferecessem à McDonnell Douglas a chance de demonstrar seu F-15A Eagle.

Contudo, vários fatores influenciaram a seleção do F-14. A fronteira norte do Irã com a URSS e as fronteiras a oeste e sudoeste com o Iraque são guardadas por altas montanhas. O Comando de Defesa Aérea estava construindo postos avançados de radar em muitos picos para melhor cobertura de radar, mas isso não poderia ser feito apenas com radares terrestres.

Havia muitos “pontos cegos” nessa cobertura, além de que as grandes cúpulas brancas de tais estações de radar também eram alvos excelentes, visíveis a até 80 quilômetros de distância. As informações de inteligência obtidas na época confirmaram que os soviéticos realmente as atacariam primeiro.

No Sul, ao longo da costa do Golfo Pérsico, existiam apenas radares fornecidos pelos EUA, que não funcionavam adequadamente em condições quentes e úmidas – ou seja, durante dez meses do ano – e apresentavam desempenho ruim, apesar de várias atualizações. Todos os radares fornecidos à IIAF como parte dos projetos do Programa de Assistência Militar estavam longe de ser o estado da arte.

Durante dois anos – entre 1973 e 1974 – um grupo de instrutores de radar iranianos, estudou problemas de cobertura associados ao “Reforço de Locais de Radar”, mas não conseguiu encontrar uma solução. Eventualmente, foi decidido que um “radar voador” eliminaria os problemas de mascaramento do terreno. Esse radar voador também teria que ser capaz de se defender. Não há dúvida de que durante a guerra com o Iraque na década seguinte, o F-14 provou que era exatamente o que precisavam.

Antes que esses estudos fossem conduzidos dentro dos círculos da NHSI/IIAF – que ainda voava caças F-5A/B Freedom Fighter e F-4D Phantom II – iniciou-se a busca por um interceptador moderno.

O resultado desses estudos, foi um requisito para aeronaves F-14 e AEW. Os briefings dos EUA sobre os F-14 e F-15, sem dúvida, os ajudaram a formular a exigência. Foi criado o plano de compra de oito aeronaves AEW – os Boeing E-3A Sentry, inicialmente quatro, seguidos de mais quatro – e os F-14.

Eventualmente, quatro pedidos foram emitidos – o primeiro para 30 Tomcats e o segundo para 50. Houve um para o E-3A Sentry, seguido por um para dois satélites de comunicação, o que permitiria que todas essas aeronaves se comunicassem com segurança entre si.

Sem saber que os iranianos já haviam identificado o F-14 como a aeronave certa para seus requisitos operacionais únicos, a Marinha dos EUA e Grumman iniciaram uma campanha intensiva para ‘vender ao Xá’, que incluiu o envio do Coordenador do Programa F-14, o Chefe de Operações Navais, Capitão Mitchell, a Teerã duas vezes para informar os comandantes do Xá e da NHSI/IIAF sobre as capacidades do Tomcat. Isso culminou em um voo espetacular em julho de 1973 na Base Aérea de Andrews, Maryland, para o xá e um grupo de oficiais iranianos de alto escalão.

Tanto a NHSI/IIAF quanto o Xá estudaram o F-14A e o F-15A desde o início. Em 1972, muito cedo em tais estudos, identificou-se que o F-15A com o míssil AIM-7F seria uma mistura mortal de caça e arma, mas não tão mortal quanto o F-14A armado com AIM-54. Ficou evidente que a combinação F-14/AWG-9/AIM-54 seria inigualável no mundo – até o advento do trinômio MiG-31/Zaslon/R-33. O AWG-9 permitia aos iranianos engajar em distâncias com as quais os pilotos de F-15 só podiam sonhar. E com o F-14A seria possível disparar mísseis AIM-7s e AIM-9s em distâncias maiores do que o Eagle.

Os avaliadores iranianos ficaram impressionados com os dois caças. Eles tinham grande visibilidade de seus espaçosos cockpits, foram construídos especificamente para pilotos de caça e tinham excelente aviônica de última geração, motores potentes e excelente manobrabilidade. Ambos ostentavam rastreamento preciso de alvos durante o combate aéreo e não tinham limites reais de ângulo de ataque, exceto em treinamento.

Como resultado, em 1974 foi assinado o acordo “Persian King”, que envolveu a aquisição inicial de 30 exemplares do F-14AGR Tomcat, seguidos por mais 50 a serem entregues no ano seguinte. Também foram adquiridos 714 mísseis AIM-54 Phoenix, em um contrato no valor de 2 bilhões de dólares, que também incluiu estoque gigantescos de mísseis Sparrow e Sidewinder, peças sobressalentes para dez anos e a construção da base aérea de Khatami.

Comparados com os Tomcat da US Navy, os iranianos não tinham o detector infravermelho sob o radome e o processador do seu radar era milésimos mais lento que o do seu similar norte-americano, assim como o seu alerta radar não estava programado para atuar contra aeronaves norte-americanas.

A IIAF recebeu seus dois primeiros Tomcats na 8ª Base de Caças Táticos (TFB) Khatami Air Base, parte do Aeroporto Internacional de Isfahan em 26 de janeiro de 1976. Nos dois anos seguintes, mais 77 foram recebidos para formar quatro Esquadrões de Caças Táticos. Dois, o 72º e 73º, foram baseados no 7ª Base de Caças Táticos em Shiraz e dois outros, o 81º e 82º TFS em Isfahan. Além disso, o 83º Esquadrão de Treinamento de Voo e Armas do Tomcat foi formado, também em Isfahan, em 1977 para treinar tripulações de voo do F-14A. Até então, os pilotos iranianos, em sua maioria veteranos do F-4, vinham treinando no novo tipo nos EUA desde 1973. A Grumman destacou vários de seus funcionários para o Irã para ajudar no esforço.

Era intenção do Irã comprar mais 70 Tomcats, elevando a frota para 150, para formar dois novos esquadrões na 6ª Base de Caças Táticos em Bushehr e um outro na 1ª Base de Caças Táticos no Aeroporto Internacional Mehrabad de Teerã ou Khatami AB, mas o embargo de armas acabou com essas aspirações.

Embora apenas 79 tenham sido entregues ao Irã (dois lotes, um de 50 e outro de 30 aeronaves encomendados), a 80ª aeronave, número 160377, foi retida nos Estados Unidos para testes e depois não foi entregue após a venda de armas ao Irã ser embargada depois da revolução islâmica.

Na época da revolução em 1979, a escola de treinamento estava em curso para treinar 100 tripulações do Tomcat, tanto pilotos quanto Operadores de Interceptação de Radar (RIOs) em 1981, mas todos os planos de expansão da força aérea foram cancelados pelo novo regime, deixando apenas 60 pilotos e 24 RIOs para as 77 aeronaves totalmente capacitadas para missões do país.

Antes da revolução, o 83º TFS gerava 24 missões de treinamento por dia, mas isso caiu para zero porque o novo governo queria vender a frota de F-14A. Outro problema para as forças armadas foi a eliminação de pessoal experiente; qualquer um que fosse suspeito de discordar da linha oficial estava sujeito a ser aposentado, demitido, preso ou mesmo executado.

O embargo de armas imposto ao Irã após a revolução impediu a entrega de peças de reposição para os equipamentos fabricados principalmente nos Estados Unidos, portanto, em muito pouco tempo, poucas aeronaves foram classificadas como totalmente capazes de missão. Após a revolução, o serviço renasceu como Força Aérea da República Islâmica do Irã (IRIAF).

O F-14 em combate real: a Guerra Irã-Iraque

A Guerra Irã-Iraque começou às 14h, hora local, em 22 de setembro de 1980, quando caças-bombardeiros iraquianos lançaram ataques contra seis bases aéreas e quatro outras bases militares iranianas. Na época, apenas um punhado de Tomcats estava em condições de voo, a maioria sendo na melhor das hipóteses apenas parcialmente capaz de missão devido à falta de peças para seu radar AN/AWG-9, e pelo menos um terço da frota estava completamente “groundeada”.

No segundo dia da guerra, teve início a Operação contra a Força Aérea do Iraque, também conhecida como programa ‘Alborz’. Uma força de ataque significativa atacou o Iraque, compreendendo 40 F-4E/Ds das 1ª, 3ª e 6ª Base de Caças Táticos e 88 F-5Es das 2ª e 4ª Bases de Caças Táticos, reabastecidos por quatro Boeing 707-3J9Cs da 1ª Base de Transporte em Mehrabad.

Naquela que foi a primeira participação do Tomcat na guerra, 12 F-14As do 71º Esquadrão de Caças Táticos e 81º Esquadrão de Caças Táticos escoltaram os reabastecedores e forneceram Patrulha Aérea de Combate para os F-4 e F-5 que retornavam.

Por causa de sua escassez e também por causa da sensibilidade de seu radar, os F-14 raramente eram usados ​​em um papel ofensivo; mais frequentemente eles foram empregados como mini AWACS para detectar aeronaves iraquianas que chegavam. Como se sabia que os comandantes da força aérea do Iraque haviam dito às suas tripulações para evitar contato com os Tomcats, eles voaram sobre as forças de ataque dos F-4 e F-5. Os Tomcats também protegeram alvos de alto valor, como as refinarias de petróleo do Irã.

As instalações petrolíferas mais importantes do Irã estavam em Mahshahr e na Ilha de Kharg, no Golfo Pérsico, e foi contra esses alvos econômicos vitais que a Força Aérea Iraquiana concentrou seus ataques. Em resposta, os comandantes da agora Força Aérea Revolucionária do Irã planejaram realizar uma patrulha aérea de combate de 24 horas sobre aquela região, usando Tomcats apoiados por aviões-tanque Boeing 707-3J9C do 12º Esquadrão de Transporte Tático.

A maioria dos Tomcats designados para essa tarefa era da Base Aérea de Shiraz; geralmente eles estavam armados com dois AIM-54As, dois AIM-7E-4 Sparrows e um par de mísseis ar-ar AIM-9J Sidewinder. A manutenção daquele esforço exigia 20 Tomcats voando até 20 missões por dia, cada uma com duração média de cinco horas.

A obrigatoriedade de manutenção da patrulha aérea de combate sobrecarregou a frota do Tomcat. Ao longo da guerra, ambos os lados continuaram os ataques aos navios no Golfo Pérsico e a necessidade de combater a ameaça do Iraque em constante melhoria degradou seriamente a capacidade de manutenção da frota de Tomcat, à medida que enfrentavam os helicópteros Aérospatiale SA 321 Super Frelon equipados com mísseis antinavio AM39 Exocet e depois Dassault Super Etendards e finalmente Mirage F1EQ-5s equipados com radares Cyrano IVM.

Mais da metade dos Tomcats estavam atrasados ​​para revisão após quatro anos de serviço, mesmo após duas ou três extensões de vida útil de 100 horas. O Irã estava revisando seus Tomcats desde 1981 usando estoques de peças de reposição, mas esses suprimentos foram rapidamente esgotados e a IACI (Indústria Aeronáutica Iraniana) em Mehrabad e depois a instalação em Khatami AB lutaram para manter uma frota viável. Em 1985 havia cerca de 18 aeronaves em condições plenas de voo e aproximadamente 16 em condições parciais com os quatro esquadrões de Tomcat e dez dos caças aeronavegáveis ​​tinham menos de 200 horas de voo restantes.

Em um esforço para reduzir as horas de voo da frota de Tomcat, em 1985 o comando da IRIAF decidiu destacar alguns Tomcats para a 6ª Base de Caças Táticos em Bushehr para diminuir o tempo de voo para o local da patrulha de combate ou até mesmo substituí-la por alertas de reação rápida de 15 minutos alertas (QRA).

Em 6 de dezembro de 1985, oito FMC F-14As do 81º Esquadrão de Caças Táticos e suas tripulações, mais 100 tripulantes e equipamentos terrestres foram realocados para Bushehr. Quase imediatamente quatro Tomcats decolaram no alerta de defesa aérea. As 20 patrulhas diárias de cinco horas de duração foram reduzidas para cinco missões de uma hora.

A guerra se intensificou no final de 1986 e início de 1987 e os ataques foram intensificados com Sukhoi Su-22s e Mirage F1EQs durante o dia e MiG-25RBTs à noite, mas os Tomcats de Bushehr repeliram a maioria deles. Devido ao aumento da ameaça, as patrulhas aéreas de combate de 24 horas foram reintroduzidas e a IRIAF as manteve por 25 dias. Foram apenas os MiG-25RBTs com suas bombas planadoras FAB-500T que foram capazes de representar uma ameaça à importante infraestrutura de petróleo. Quando a guerra terminou em 20 de agosto de 1988, os Tomcats de Bushehr confirmaram o abate de oito Mirage F1EQs e mais de 57 Su-22, Su-20, MiG-23, Su-7BMK e MiG-21.

À essa altura, apenas 34 Tomcats permaneceram em condições de aeronavegabilidade, a maioria deles FMC. Mais de 20 outras aeronaves estavam sendo revisadas ou aguardando revisão nas instalações da IACI em Mehrabad ou na 8ª Base de Caças Táticos (anteriormente Khatami AB).

No primeiro desfile da Semana Santa da Defesa em 22 de setembro de 1988, 24 F-14As participaram de um sobrevoo. Isso levou os especialistas militares ocidentais a concluir que essas eram as únicas aeronaves sobreviventes disponíveis para o Irã, o restante foi perdido na guerra ou groundeado devido à falta de peças sobressalentes. Esses mesmos especialistas afirmaram que talvez apenas dois jatos tivessem radares operacionais e que o Irã havia gasto todo o seu estoque de mísseis AIM-54A.

Hoje sabe-se que apesar do embargo, o Irã recebeu peças de reposição para seus Tomcats, bem como baterias para seus AIM-54As. Algumas fontes afirmam que suprimentos, incluindo 200 novos AIM-54As, foram entregues à Força Aérea Revolucionária do Irã entre 1985 e 1987 como parte de armas fornecidas ao Irã pelos EUA sob um esquema organizado pelo tenente-coronel Oliver North, no que veio a ser conhecido como o caso Irã-Contras, para garantir a libertação de reféns americanos.

Seis meses após o fim da guerra, a maioria do destacamento de Tomcats em Bushehr retornou à 8ª Base de Caças Táticos, onde toda a frota cada vez menor de F-14s estava agora concentrada com os 81º, 82º e 83º Esquadrões de Caças Táticos; os 71º e 72º Esquadrões de Caças Táticos em Shiraz foram dissolvidos em 1986. Quatro Tomcats foram deixados em Bushehr para manter o alerta de defesa aérea junto com dois F-4E Phantom IIs.

Reconstruindo a Força de F-14

Em 1991, o comandante da IRIAF, Brigadeiro General Mansur Sattari iniciou um ambicioso plano de expansão, adquirindo equipamentos russos, incluindo 24 MiG-29A/UBs e 12 Su-24MKs. Havia planos para adquirir mais 48 MiG-29 e 24 MiG-31, além de 100 Su-24MK de segunda mão.

O número de Tomcats em condições de aeronavegabilidade dobrou em 1991, após suas revisões. O 83º Esquadrão de Caças Táticos foi dissolvido e todos os seus 16 Tomcats foram realocados para a 6ª Base de Caças Táticos em Bushehr para reformar o 62º Esquadrão de Caças Táticos, anteriormente um esquadrão F-4E. Bushehr tem um clima abafado e úmido e a corrosão sempre foi um problema entre as aeronaves da Força Aérea e da Marinha baseadas lá. Antes da revolução, um departamento anticorrosivo especialmente equipado foi estabelecido neste local para os F-4Es lá baseados e, durante a guerra, os Tomcats destacados foram alternados bimestralmente para evitar problemas de corrosão que afetam peças elétricas e outros componentes.

Em 1991, a maior parte desse equipamento estava desgastada e o pessoal do departamento não estava familiarizado com os procedimentos de controle de corrosão do Tomcat. Quase todos os técnicos do 62º foram escolhidos entre o pessoal inexperiente do grupo de manutenção da 8ª Base de Caças Táticos. Como resultado, a eficiência do esquadrão diminuiu gradualmente à medida que subsistemas delicados sucumbiram às condições hostis.

Bushehr foi significativo por outro motivo. Antes da revolução islâmica, o trabalho começou em um reator nuclear. Durante a guerra com o Iraque foi alvo de numerosos ataques. Com a ajuda da Rússia, foi concluído e ativado em setembro de 2011.

O mau registro de manutenção do tipo levou ao desmantelamento do 62º Esquadrão de Caças Táticos em 2007, a maioria das aeronaves aterradas foram enviadas ao IACI para grande revisão e seus exemplares restantes de aeronavegabilidade foram enviados de volta à 8ª Base de Caças Táticos para reformar o 83º Esquadrão de Caças Táticos, que ainda fornece Tomcats para ficar alerta em Bushehr.

Este esquadrão agora é designado como uma unidade multifuncional, embora sua principal tarefa seja treinar futuros pilotos dos Tomcat para 81º e 82º Esquadrões de Caças Táticos, que geralmente são escolhidos entre pilotos de F-4 e F-5 altamente experientes. O 83º Esquadrão de Caças Táticos tem cerca de dez Tomcats em condições de aeronavegabilidade, além de alguns outros em revisão com a IACI em Mehrabad e nas próprias instalações de revisão da 8ª Base de Caças Táticos. Para as funções de ataque terrestre ar-terra, a aeronave pode usar bombas de queda livre, como as bombas Mk117, e lançadores de foguetes LAU-61 de 2,75 polegadas.

As aeronaves em condições parciais de voo, chamadas ‘Parvazi’ (que significa ‘voável’) são usadas apenas para treinamento de pilotos, e seu sistema de controle de radar e alguns dos sistemas de armamento não estão operacionais, mas podem usar o AIM-9J Sidewinder. Além disso, seu IFF, contramedidas eletrônicas e alguns outros sistemas e subsistemas não são funcionais, embora seus sistemas de navegação inercial estejam funcionando.

As aeronaves em condições totais de voo geralmente são destacadas para Bushehr desde 2008, pois são usadas para alerta de defesa aérea lá junto com F-4Es visando fornecer proteção extra para a instalação nuclear próxima.

Com três esquadrões ainda voando, o Tomcat em serviço iraniano, o tipo ainda é obviamente altamente valorizado pela IRIAF, a julgar pelos esforços que foram feitos para manter a aeronave em condições de voar e operacional.

Assim, a partir de 2009, os Tomcats iranianos receberam atualizações modestas no projeto BABAIEE. Mais de 30 foram restaurados ao status operacional. Os iranianos chegaram ao ponto de construir o míssil superfície-ar MIM-23 Hawk e adaptá-lo ao Tomcat como um AAM, embora a história seja obscura. O original Iranian Hawk era conhecido como o “Sejil (Baked Clay)”, com uma versão lançada do ar emergindo na Guerra Irã-Iraque como o “AIM-23”. Supostamente, a ideia era interceptar Foxbats iraquianos voando alto realizando incursões no espaço aéreo iraniano, quando os AIM-54 Phoenix se tornaram escassos.

Mas o esquema era insuficiente: um Tomcat só podia transportar dois AIM-23, um sob cada asa; e eles produziam forte arrasto aerodinâmico, afetando severamente o desempenho. Uma vez que os iranianos adquiriram SAMs chineses que tinham alcance e velocidade para sobrevoos, a necessidade do AIM-23 diminuiu. Para confundir as coisas, os iranianos introduziram um míssil balístico de alcance intermediário que foi chamado de “Sejil” – embora essa possa ser uma palavra diferente com o mesmo som.

Um Sejil melhorado, com um buscador modernizado, foi introduzido como o “Shahin (Falcão)”, considerando o transporte aéreo dele também. No entanto, os iranianos tiveram a ideia de “reembalar” o Shahin na estrutura do Phoenix, o resultado foi o “Fakkur-90”.

Assemelha-se ao Phoenix externamente, exceto pelos dutos que sobem de cada lado, mas tem o motor foguete e buscador do Shahin, sendo designado “AIM-23B”. Um Tomcat pode carregar seis deles, da mesma forma limpa que carregava seis Phoenix AAMs. Os lançamentos de testes iniciais foram em 2012. A falta de fundos atrasou o programa, mas o AIM-23B finalmente entrou em produção em 2018.

Os Tomcats iranianos agora são pintados em um esquema de cores de superioridade aérea de azul e cinza em um padrão disruptivo.


*Colaborador da Shephard Media, autor de livros sobre aeronaves de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento – FOTOS: Babak Taghvaee

- Advertisement -

54 Comments

Subscribe
Notify of
guest

54 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Foxtrot

Avião simplesmente lindo, assim como o F-15.
A entrada do Irã e Argentina no BRIC,S, daria uma ótima oportunidade de analisarmos esse avião kkkk.
Lógico que o Brasil não fará nem a primeira e segunda sugestão Acima, e já sabemos o porquê.
Mas essa história traz novos ensinamentos para nossos militares.
Antes Irã e E.U.A eram aliados contra a União Soviética, hoje os aliados são Rússia e Irã.
Como canso de dizer, os aliados de hoje serão os inimigos de amanhã.
Acorda Brasil !

Henrique

Os persas são inteligentes e mostram isso mantendo seus meios funcionando por décadas sem nenhum apoio, sinal que de alguma forma continuam investimento em ensino e tecnologia.
Quanto a questão de “aliados” não confunda o antigo Irã do Xá o qual investia em tecnologia, modernidade e inclusive em igualdade social (inclua-se as mulheres) com a tal revolução (golpe mesmo) de fanáticos religiosos autocratas denominados “aiatolás” que retrocederam aquele país em uma mentalidade medieval quando se compara com o passado.
Aliados como esses não são aliados, é só contrariá-los que se tornará um “satã” também.

Foxtrot

Cara você conhece a fundo o Irã atual ou só pelas informações destorcidas vindas das mídias ocidentais? Indiferente de quem domina qualquer país, as coisas mudam entre “aliados”, é o que estou dizendo. Hoje somos “aliados” das grandes potências ocidentais, mas e quando as reservas de água doce do planeta chegarem ao extremo? E quando alguma catástrofe atingir elas e elas precisarem de novo território etc? Não se iluda, na há aliados quando a questão é a sobrevivência pessoal. Não podemos e não devemos ficar dependentes de ninguém em tecnologias militar. A era medieval já mostrou isso, depois veio a… Read more »

Bosco

Sobre o filme , péssimo sob todos os sentidos. Só não saí nos primeiros 20 minutos porque estava com minhas filhas.
Assessoria técnica militar horrível.

JOSE DE PADUA

É um filme feito pro grande publico, não pra quem entende.

Bosco

José,
Sem dúvida. Mas o que me deixa com uma pulga atrás da orelha é a questão: será que não dá para fazer um filme tecnicamente correto que agrade o grande público?
Será que os roteiristas são tão medíocres que não conseguem fazer algo verossímil e ainda assim, empolgante.
*O Tom Clancy fazia livros empolgantes que eram tecnicamente irretocáveis.

JOSE DE PADUA VIEIRA

Sim, mas pode ver que ele nunca foi best seller…e outra, li o livro a soma de todos os medos, dois volumes, o primeiro volume foi so descrevendo a montagem da bomba nuclear. Acha q o grande publico consegue ler um livro cujo autor consegue descrever um lapis em 4 laudas????

Sérgio Santana

Tom Clancy nunca foi best seller? 🤔🤔

JOSE DE PADUA VIEIRA

Sim, pra ser best seller não precisa agradar a vc, tem q agradar milhares .

pangloss

Puxa vida, mas o Tom Clancy conseguiu se tornar famoso por conta de seus livros. Isso só é possível vendendo muito e – portanto – agradando a milhares de leitores.

JOSE DE PADUA VIEIRA

Poucos conhecem tom clancy, muitos conhecem JK rowling. Ambos tiveram filmes com base em seus livros e ambos ficaram conhecidos por isso.

Leandro Costa

Se você acha que Tom Clancy nunca foi best seller, você não sabe o que está falando. O livro de ficção mais vendido de toda a década de 1980 foi dele, e nem foi o livro mais vendido dele. Também foi um dos pouquíssimos autores que venderam mais de 2 milhões de livros em uma primeira edição.

E se você o acha prolixo, você nunca leu Tolkien. Pessoalmente não gosto de Tolkien, mas dizer que ele também não foi best seller, também é errado.

JOSE DE PADUA VIEIRA

Terrivel comentar nesse blog…
Tom clancy e frederick forsyth são meus autores favoritos.
São famosos? Sim, são.
São os mais vendidos? Não mesmo
São muito técnicos e escrevem para um nicho, ou acha q o público de Harry Potter ou senhor dos aneis lê algum desses autores q citei?

O volume de livros vendidos são uma fração de Harry Potter ou senhor dos anéis.

A torcida ultrapassa a razão.

Leandro Costa

Hmmmmm…. “Clancy was one of only three authors to sell two million copies on a first printing in the 1990s (the others were John Grisham and J. K. Rowling). Clancy’s novel Clear and Present Danger (1989) sold 1,625,544 hardcover copies, making it the #1 bestselling novel of the 1980s” Isso veio da wiki, tirado de uma matéria antiga. Por mais que HOJE EM Dia, Tom Clancy não seja um best seller, por diversos motivos, inclusive o fato de ele já estar morto e seus trabalhos não terem a relevância que tiveram outrora, ele foi sim Best Seller. E diversas vezes.… Read more »

Nilton L Junior

São bem remunerados para serem medíocres.

Tutor

Eles fazem cinema, e produziram um filme, não um documentário sobre aviação de combate.
E no que tange ao trabalho deles, cinema, eles se saíram muito, mas muito bem. Esse filme tem 97% de aprovação da crítica; e esse filme é um dos 50 que conseguiram atingir US$ 1 bilhão em bilheteria.
Os resultados dessa produção não são nada medíocres.

Nilton L Junior

Com certeza

Douglas

Eu também ruim o filme. Onde posso achar explicação em uma linguagem simples sobre o esquema de pinturas dos caças?

Henrique

O primeiro filme já foi meio sem noção com aqueles “F5 Migs” mas para entretenimento tava/tá valendo mas Hollywood sempre foi assim também para fazer uma propaganda comercial de quem a financia, por isso que as torcidas quando vêem caças de outros países sendo abatidos lançam que se fossem americanos não eram derrubados, seriam perfeitos, teriam abatido todos os outros etc.. etc… Acho que com a tecnologia de hoje qualquer coisa é derrubada, destruída ou afundada, vai depender mais de como são empregados do que a tecnologia que possuem. Quanto ao filme em si, “entretenimento”, deixe os neurônios em casa…… Read more »

Inimigo do Estado

E ele lá entende de nada. Filmes sobre assuntos militares não foram feitos para serem fiéis à realidade, até por que seriam extremamente chatos e monótonos. O leitor de catálogo de baladeira além de não entender de armas, também não entende de filmes.

Sérgio Santana

Concordo. Não pretendo assistir de novo tão cedo…

AMX

Gostei do filme, achei tragável.

Mas:
1- se aproximarem de uma base aérea inimiga, ainda que recém atacada, sem ninguém incomodá-los;
2- eles tomarem um F-14, ali “esperando” por eles;
3- conseguir dar a partida sem ninguém aparecer;
4- taxiar e decolar numa pista recém-atacada;
5- perder o trem de pouso dianteiro beeem na decolagem.
sem acontecer NADA?… foi totalmente dispensável.

Bosco

E aqueles mísseis Tomahawks? Meu Deus? Que vexa… E os mísseis sup-ar a la SA-3? Não podiam ter colocado uns Pantsir para aqueles engajamentos à queima roupa? E o designador laser? Tinha que ficar apertando um botão. rsss E eles não tinham capacete com display/sight. O lançador de chaffs/flares no cantinho? E eles dizendo que hipersônico é acima de Mach 10 logo no início do filme. Precisava disso? E aqueles pilotos bombados adolescentes comandados por uma garotinha enchendo a cara antes de se apresentarem para uma missão de alta responsabilidade? E o nerd? E o sino no bar? Meu Deus!… Read more »

pangloss

O filme serve como entretenimento, e só.
Aquela ejeção a mach 10+, na minha opinião, foi o momento de maior “suspensão de descrédito”.

Vinicius

Adolescentes? Praticamente todos os atores tem mais de 30 anos. É que antigamente o pessoal apodrecia com 30, né?

Bosco

Esqueci de colocar as aspas em “adolescentes” .

Renan

Talvez por essas e outras seja bom.
Sai da realidade para entreter, divertir, dar asas a imaginação, criar o personagem rebelde, destemido..
Quem quer aprender assiste documentários, lê livros, (frequenta a trilogia ahaha) etc.
Hoje acesso a informação é muito fácil.
Pessoas normais quando vão assistir um filme querem é fugir um pouco da realidade mesmo, viajar..
A vida por si só, já é dura e curta demais para se levar tudo tão a sério.

Last edited 2 meses atrás by Renan
Bosco

Renan,
Mas é pra isso que tem os filmes da Marvel.

Rafael Coimbra

O erro foi seu em ir ver um filme de ficção e esperar um documentário …. relaxa… parece os caras que assistem Velozes e Furiosos e largam um ..”isso não existe, o carro nem faz isso..” nada naquele filme existe…. e todos sabemos disso, se vamos ver , o mínimo que devemos esperar é um monte de ações mirabolantes etc… Quer informação? Assista Documentários, livros..etc…

jSilva

Eu também não entendo qual é a dificuldade em alinhar um roteiro a uma assessoria militar decente, mesmo dando liberdade pra licença poética. “E aqueles pilotos bombados adolescentes comandados por uma garotinha enchendo a cara antes de se apresentarem para uma missão de alta responsabilidade?” Isso foi o que mais me incomodou no filme, a construção desses personagens. Acho que não passou uma boa imagem do que são bons pilotos navais. “E o “Maverick” destruindo um avião experimental de bilhões de dólares por conta de indisciplina, infantilidade e ansiedade, numa demonstração total de falta de profissionalismo e falta de compromisso… Read more »

Bosco

Penso assim também.

Rinaldo Nery

A US Navy emitiu uma nota oficial a respeito: “nossos pilotos não são assim”.

Bueno

deveriam ter completado : os Nossos caças F18 não fazem tudo isto
kkkk

Last edited 2 meses atrás by Bueno
Tomcat

Maverick e Rooster fugiram em um Tomcat ‘Parvazi’ 🙂

Luiz Antonio

Um filme péssimo que já rendeu milhões de dólares e um marketing fabuloso para a US Navy

Pablo

Esqueceu do f14 abatendo caças su57

Tiago da cruz pinto

A trilha sonora nostálgica foi boa , mas concordo, cena de invasão de uma base para roubar F14 foi uma lástima, o cara chega pega um caça sem saber ou imaginar as mínimas condições da aeronave, o copiloto que nunca teve um minuto de experiência no F14 , enfrentando SU57 foi vergonhoso.

pampapoker

Vamos para o campo da suposição então, geralmente como são os uniformes de pilotos ocidentais,. Verde, capacete fugindo os russos que usam branco, o ocidental e cinza, outra a base passou por um ataque , o pessoal está tudo em frenesi em virtude do ataque, seja apagando fogo ou socorrendo vítimas, em nenhum momento do filme o Rooster usou o radar da aeronave, ao contrário a tela do radar virou rádio kkkk. Tem esse defeito. Mas para mim num ataque onde todos estão nervosos e possível o roubo , ligaram o APU, tiraram as fitas e etc, a decolagem foi… Read more »

gordo

Já havia comentado aqui que seria um filme para ganhar dinheiro, o que não é crime algum, mas realmente deixou a desejar e como já não tenho 14 anos e sei resolver uma equação diferencial não é qualquer coisa que me agrada. Muitos críticos sugeriram que deveriam ter feito um filme sobre a historia do pai do Maverick no Vietnã, comentada no primeiro filme, um heroi. Os aviões icônicos da época estão disponíveis nos EUA e Europa para serem alugados e filmados, não seria necessário inventar nada ou usar computação.

Luiz Trindade

Bosco.. Se você busca filmes com assessoria técnica real ele vai ser um fracasso de bilheteria. Não se faz filmes baseados na realidade para se vender. Acho que você foi lá para quis se iludir. Nem o primeiro filme foi com assessoria técnica crível. Basta só ver quem fez o papel de MIG-28 no primeiro filme.

Agnelo

Bosco…. Tem q desligar o disjuntor da realidade…. O q vc acha q eu acho quando vejo os super filmes de guerra “no chão”, com as formações totalmente erradas? Normalmente parecendo bando e não uma tropa!!! Empunhadura e acionamento de gatilho de fuzis e pistola terríveis? Equipamentos mal ajustados ou incompatíveis com a tropa/situação? A camuflagem!!!!???? Meu Deus!!! A camuflagem!!!!! A incoerência entre os escalões em decisão e ordens? Já leu o livro Black Hawk Down? O filme junta as ações de uns 3 ou 4 em um personagem só pra “caber” no tempo…. Ai o cara do filme vira… Read more »

Burgos

Highlander essa anv !!!
“Só pode haver um”
Os Iranianos conseguiram imortalizar essa caça.
Pena que o EUA não segurou 30 ou 40 delas para montar um ou dois esquadrões de Agressores para treinar os seus pilotos devido ao alto custo de manutenção.
Hoje só se vê elas “espetada” em Bases Aeronavais e em Museus do EUA.😞
Mas enfim escreveu seu nome na Marinha dos EUA e para quem se lembra dela em combates reais, tendo deixado um grande registro de vitórias, tanto pro EUA como para o Irã 👍

Andre

Fizeram história. Estrearam a 4gen mostram a gigantesca diferença de desempenho para a 3g. Limparam os Mig-25 e Mig-23.

JORENE

Independente de tudo, creio que o Tomcat foi o caça mais bonito já feito, entre os anos 70 e 90.

Paulo Brics

Sergio, para além das qualidades que você citou, com destaque para a dupla AWG-9/AIM-54, que fizeram a escolha pender para o F-14, há blogs nos eua que contam que uma malandragem do piloto da Grumman também foi decisiva para a escolha. Segundo dizem, o F-14 e o F-15 seriam apresentados em sequência, sob as mesmas condições e tanques cheios. Como o F-14 não se comparava ao F-15 em dogfight, principalmente com tanques cheios, e ser bom nisto era requisito primordial, o piloto do F-14 espertamente e sem que ninguém percebece acionou os motores de seu jato bem antes da apresentação,… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Paulo Brics
Nilton L Junior

Pois é uma oportunidade sempre vem acompanhada da criatividade kkkkk

Nilton L Junior

Os Persas sabem que sua força aérea esta desatualizada em relação aos seus inimigos e para compensar essa deficiência investiram em sistema de defesa com emprego de míssil e radar.

Juca

Até o Cavaleiros do Ar foi mais verossímil. E nem fez tanto sucesso.
Top Gun deveria ter sido lançado em 2020 e se aproveitou de 2 anos de pandemia pra ficar lançando trailer atrás de trailer em uma baita auto promoção, instigando um número cada vez maior de pessoas a esperarem seu lançamento. E quando tudo praticamente voltou ao normal esse povo todo já esperava por isso.
Daí o sucesso de bilheteria.
Paciência, caro Bosco. Concordo em gênero, número e grau por vossa insatisfação, mas o filme 2 assim como no primeiro, foi uma baita estratégia de marketing.

Pangloss

Eu acho que “Cavaleiros do Ar” tem melhores cenas de voo, em comparação com qualquer Top Gun (1986 e 2022).
Mas o roteiro é péssimo, um amontoado de clichês tão politicamente incorretos, que só produzem humor involuntário, tamanho o ridículo das situações mostradas no filme.

Juca

Sim, claro.
Embora o roteiro de ambos top gun também sejam questionáveis.
Ao menos em Cavaleiros do Ar, na minha opinião as cenas em vôo sejam mais verossímeis.
Quem aqui não se recorda dos Mirage arrebentando os vidros do STF?

pangloss

As cenas de voo de “Cavaleiros do Ar” não utilizaram qualquer efeito digital.
Há algumas tomadas muito bonitas, nos Alpes.
E uma cena que acompanha as sombras de três Mirage 2000 voando em formação sobre um deserto.

Sensato

Excelente texto sobre uma aeronave tão significativa. Pena que o povo focou nas qualidades e defeitos do TG2M

Rodrigo Maçolla

Muito informativo a matéria , meus parabéns, principalmente a historia desse caça icônico no IRÃ e pelas informações ainda vão operar por bom tempo lá embora em número bem reduzido, mais uma coisa que me deixa curioso é com relação a motorização destes F-14 , como todos sabemos o F-14A já tinha turbinas problemáticas as Pratt & Whitney TF30, erdads do F-111 que exigiam atenção e manutenção maior que o desejável… , Como após o embargo e ainda hoje o IRÃ resolveu esse problema ? uma especulação é que teriam ajuda dos Russos e que os Tomcat teriam até recebidos… Read more »

Sensato

Uma questão que me vem é: como seria o Irã hoje sem o golpe islâmico?

Últimas Notícias

Força Aérea Brasileira inaugura nova estação radar de vigilância aérea em Rondônia

Estação será usada pelo Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) para auxiliar na proteção de fronteiras do Brasil A...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -