O site defensa.com noticiou em 8 de dezembro que a Airbus estuda produzir um avião bimotor que seria uma versão reduzida do A400M, designada A200M.

O avião empregaria o mesmo tipo de motor usado no A400M e teria como alvo substituir o CN235 e o C-130H Hercules.

O A200M, conhecido como futuro avião tático médio, seria um concorrente direto do C-130J e do Embraer KC-390.

As características divulgadas do A200M incluem um comprimento de 34,4 m, peso máximo de 97 toneladas e volume do espaço de carga de 280 metros cúbicos.

A ideia é ter o novo avião pronto entre 2030 e 2035.

A A200M aproveitaria muitas das tecnologias do A400M, encurtando o tempo de desenvolvimento
Subscribe
Notify of
guest

70 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Augusto

A Embraer tem uma janela de vendas até lá. Que saiba aproveitar e que o Estado ajude na promoção de vendas externas.

Hélio

O Estado americano, no caso, já que a Embraer é uma “empresa global” e foi lá oferecer o projeto de mão beijada para a boeing com essa desculpa.

Allan Lemos

Pois é, Hélio. Pelo menos dessa vez a sorte estava ao nosso lado. Iriam até mudar o nome do avião para agradar os americanos. Ridículo.

Marcos Bastos

A relação com a Boeing já terminou.

Hélio

Terminou porque os americanos desistiram do pepino. Que não venham com esse pepino no bumbum do contribuinte brasileiro, essa empresa mesmo diz que não tem relação alguma com o Brasil.

Salim

Boeing tecnicamente quebrou, quem segura e o governo americano com compras militares exacerbadas e financiamento com juros irreais. Lá eles preservam suas empresas estratégicas, aqui e este descaso. Sem ação de governo, vendas militares são difíceis. Veja, França, EUA, Rússia, Israel……

Danieljr

Concorrente pesado ao KC-390, principalmente aos clientes mais decisivos e com caixa gordo, que são os europeus e oriente médio. Quem se amarrou com eurofighter e rafale já vai ter tendência a este novo produto da airbus. Eu não estou tão por dentro do mercado mundial para estas aeronaves, mas não vejo grandes encomendas ao KC-390 hoje e depois desse airbus menos ainda. Teria que ser algum país que não está amarrado aos EUA e OTAN (lockeed e airbus), Rússia, Ucrânia e Chineses. Sobram poucos e a maioria não tem apetite para grandes encomendas. Ou a embraer consegue fazer várias… Read more »

Last edited 1 ano atrás by Danieljr
Marcos Cooper

“A própria FAB (governo) parece que também não joga a favor” Só parece?
A fab é tão ridícula quanto a desculpa usada pra não comprar nem a encomenda inicial: Não temos necessidade de tantos aviões de transporte!
Como não? Um país desse tamanho precisa de muito mais aeronaves de transporte,sejam aviões ou helicópteros de grande porte

Ricardo Machado

No momento de dinheiro curto, e preciso priorizar, e entre o 390 e o Gripem, o caça e um “elemento de dissuasao” MUITO mais efetivo que um transporte. A Defesa Nacional está sob intensa pressão externa, e a Amazônia precisa de “Poder Aéreo” REAL, não está enfrentando contrabandistas e guerrilheiros, mas a possibilidade de uma invasão por forças militares bem equipadas e treinadas, com muita logística por trás, nesse caso caso, o Gripem e o que o Brasil necessita com mais urgência, os Hércules restantes podem continuar cobrindo as necessidades de transporte até que os 390 possam ser completados mais… Read more »

Salim

Priorizar centrão, turismo via, FAB pra cúpula governo, familiares e apoiadores, fundo eleitoral, isenção IPI compra veleiros, aumento a funcionários da base…. O resto vai no engana trouxa. 5 bi pra fundo eleitoral, ( 1 bi dólar ) .

Cristiano de Aquino Campos

Esqueceu da India.

Bruno Vinícius

Manter os quatro motores não faria muito sentido. Pouco se reduziria nos custos de aquisição e operação para se ter um avião menos capaz.

karl Bonfim

Resta ver se esses motores vão dar conta do recado!

Danieljr

Não teria uma operação com custo aceitável tendo 4 motores de forma desnecessária, não creio que façam isso. Só se a carga útil for maior que 2 motores dariam conta e menor que o A400m, ficaria entre o nosso KC e o A400m. Manter os mesmos motores parece ser uma boa ideia, ganhos em escala, mais unidades vendidas, padronização de manutenção.

Reinaldo Deprera

A Embraer saiu na frente. Esse tipo de notícia só reforça que ela acertou no desenvolvimento de um novo produto para substituir tais aeronaves.
Se o A-200 sair, até lá, muita venda terá sido feita, e, agora, os operadores tem ainda mais motivos para achar que uma nova aeronave para a classe é uma decisão mais acertada.

Certamente o custo de aquisição e operação do A-200 será maior que o KC-390. E oferecendo performance inferior ao Embraer KC-390 Millenium.

Save Ferris!

José

Não concordo consigo, A experiencia na construção do C295 e A400M vai ser aplicada nesse.
Os custos de aquisiçao do KC390 são elevados, a Embraier estava a contar com a parceria da BOEING para poder vender e poder fazer descer os custos.
Com a possivel entrada de mais um concorrente e atenção que a AIRBUS é um concorrente de peso e com dinheiro para oferecer credito. Logo teremos pelo menos 3 clientes para esse avião Alemanha, França, Espanha.
So esses 3 clientes podem fazer compras 2 a 3 vezes superiores as vendas ate ao momento da Embraer

Matheus

Alemanha e França vão voar C-130J novinho. Então pelos próximos 30 anos esquece. Espanha já demonstrou interesse no C-390.

Last edited 1 ano atrás by Matheus
Jean Jardino

Desculpe, mas vc esta enganado, Franca e Alemanha precisa desse aviao p preencher a lacuna do Transal, que ainda faz transporte tatico e de forcas especiais.

João Adaime

Prezado Jean
Fiquei com uma dúvida. O avião que você diz que Alemanha e França precisarão seria o C-390? Se for isso, o avião da Embraer não é indicado para preencher a lacuna do Transall, uma vez que ele é de uma classe superior.
Maior até mesmo do que o C-130J. Um substituto para o Transall poderia ser o Spartan. Mas como vão adquirir o Hércules, como o Matheus afirmou, a lacuna ficaria preenchida.
Se não foi isto que você quis dizer, gostaria que me esclarecesse.
Mas que seria muito bom ver o C-390 naquelas duas forças aéreas, seria.
Abraço

João Adaime

Caro José O KC 390, depois C 390 Millennium, foi anunciado pela Embraer em abril de 2007 quando nem se sonhava numa parceria com a Boeing. E foi desenvolvido, prioritariamente, para atender às exigências operacionais da FAB, que participou do desenvolvimento e de parte do financiamento. Outra parte do dinheiro veio da parceria (contrato de risco) com Argentina, Portugal e República Checa. Portanto, ele foi desenvolvido sem prever (não publicamente) ajuda de outras empresas como a Boeing na parte comercial. A Embraer está no jogo de gente grande, no que ela sempre foi muito competente. E como dizia o folclórico… Read more »

Allan Lemos

a Embraier estava a contar com a parceria da BOEING para poder vender e poder fazer descer os custos.

A Embraer jamais precisou dessa “parceria”. Isso era conversa para enganar trouxa.

Strike

Exatamente Allan!! Incrível como tem alguns brasileiros com “síndrome” de colônia

Elias E Vargas

NÃO SEI POR QUANTO TEMPO, MAS O GOVERNO TE DADO UMA FORCINHA JUNTO AOS PAÍSES DO ORIENTE MÉDIO E INCLUSIVE ALGUNS DA ÁSIA NO QUE RESPEITA EM DIVULGL NOSSO PORTFÓLIO DE DEFESA.VAMOS VER SE SAI ALGUM COELHO DESSA CARTOLA.

Salim

Veja vendas supertucano via FMS, seria um reforço razoável de vendas. Provavelmente Embraer ira abrir fabrica nos EUA, como Taurus, jbs, Gerdau…….

leonidas

Não importa se ela saiu na frente ou se tem o melhor equipamento.
No mundo real o que conta é apoio firme do governo e muito lobby dele junto ao cliente em potencial.
A Embraer (como a Engesa e a Avibras) é filha bastarda de mãe Nóia e pai alcoólatra.
Então no fim ela acaba sendo prejudicada pelo principal oponente, conhecido Presidência da República + Congresso Nacional.

Luiz Trindade

Pois eh… A inércia do Itamaraty em promover vendas nas feiras internacionais de aviação é notória e triste. Só sabem vocirar contra os inimigos do mandatário do pais. Triste situação!

Ivan herrera

Se a vida não tá nada fácil pro KC agora, depois da década de trinta então…

Rodrigo

Bem, o KC-390 por ser um jato já sai com a vantagem da maior velocidade e salvo engano tirando um outro avião japonês (Kawasaki C-2) que nem sei em que pé está, não me lembro de outro da mesma categoria a jato, e é bom lembrar também que os japoneses não tem tanta tradição assim em exportações, além do que, até esse novo avião da Airbus voar o KC já vai estar operacional a um bom tempo. Creio que tudo isso vai contando a favor.

Last edited 1 ano atrás by Rodrigo
Marcos Cooper

Creio que o Kawasaki C-2 seja de uma classe superior ao KC-390,logo.não seriam concorrentes diretos.

A6MZero

o Kawasaki C-2 é da categoria do A400M, mais pesado e maior que o C-390, com uma capacidade de carga maior 38t e com maior alcance. Quanto a que pé está o C-2 teve seu voo inaugural em 2010 e tem um encomenda das Forças de Autodefesa do Japão de 22 aeronaves, as entregas estão quase completas e há estudos preliminares de um lote adicional em razão de substituir todos os antigos Kawasaki C-1. Agora quanto a lista de concorrentes da mesma categoria além do C-130 tem o chinês Y-9 que são os que estão operacionais, dos que estão em… Read more »

Marcos Cooper

Esse An-178 não é aquele que o Peru comprou 02 unidades?

A6MZero

O Peru comprou uma unidade, mas apesar de ter sido apresentado e estar em estagio final de projeto em razão das circunstâncias atuais da Ucrânia e das dificuldades sofridas pela Antonov existem duvidas sobre a capacidade de entrega no prazo, além disso o projeto sofreu alguns atrasos em razão de alguns componentes de origem Russa terem que ser substituídos.

Além do Peru e da própria Ucrânia o Iraque encomendou duas unidades e Arábia Saudita assinou uma carta de intenção para até 30 aeronaves.

popeye mineiro

Então, o avião tem que ser oferecido aos potenciais compradores.O primeiro seria a França, que levou um contrato de bilhões de dolares do Prosub.O segundo seria a Suécia que levou mais de 5 Bilhões de dolares para fornecer os Gripens. Se a Suecada pisar no tomate o Brasil pode partir para outra fabricante de aeronaves de combate.

JOSE CARLOS MESSIAS

Concorrência tardia em relação ao KC-390. Até lá, quem sabe, o KC já se consolida no mercado. Vamos acompanhar…

Wagner

O único concorrente pesado do KC-390 que existe hoje é um negócio chamado governo/FAB. Enquanto esse não cumprir com as encomendas pedidas que cliente internacional vai dar valor ao avião? Já ouviram falar na frase “propaganda é a alma do negócio” ? Pós é, propaganda negativa tbm estraga qq negócio.

Matheus

Estamos falando de um produto pra daqui a 13 anos. Eu acho que a Airbus já perdeu o “Timing” corre o risco desse avião ser outro A380. Um fracasso comercial.

Last edited 1 ano atrás by Matheus
Matheus

Sim, mas até lá já vai ter C-390 no mundo todo. (assim espero) sendo bem consolidado. E esse avião dela vai ser mais um novato no jogo. Chega com desvantagem.

Jean Jardino

Amo o otimismo dos tupiniquins em um aviao que nao vende.

Bruno Palma

O A400M um fracasso?? Então o KC-390 com 25 unidades vendidas é o quê? Nem acho nome para isso

Matheus

Que falta faz uma interpretação de texto, né?

Last edited 1 ano atrás by Matheus
Mosczynski

A380 não foi um fracasso, foram vendidas 234 unidades. E do jeito que tá esse projeto da Embraer com a própria FAB dando bolada nas costas, vai ser uma surpresa fabricarem 100 unidades. Salvo engano só foram produzidos 8 kC-390 até agora.

Matheus

Risos. Vendeu 234 unidades de uma previsão de vender 1200 aeronaves só nos primeiros dez anos. E não é fracasso? Nunca vi fabricante investir bilhões e dinheiro pra vender só 234 aviões. Rs

Last edited 1 ano atrás by Matheus
Salim

Só náo quebra porque europeu só compra Airbus, aqui só azul, que e mais americana que brasileira , voa Embraer. Querem comprar 2 Airbus mrtt ao invés dos KC, Iveco ao invés Agrale e avibras…iris t no lugar de adarter……

Flanker

KC-390 NÃO FAZ as missões que o MRTT ou KC-767 fazem.
Agrale, Avibrás ou qualquer outra empresa nacional NÃO FAZEM produtos com a mesma qualidade e tecnologia de um LMV da Iveco.

Salim

Caro Flanker, quantos blindados, lançamento paraquedistas, pouso pista náo preparada, lançamento pallets o Mrtt ou 767 faz, pouso pista Amazônia, também náo. Só serve para reabastecimento longa distancia…… Quantos caças teremos para ataque outro continente….. Agora 10 KC faz diferença. Vai virar mais um GTE.

Nilton L Junior

Uma coisa é certa se houver escala com certeza vai ser um sucesso, tem muito C-130 pra ser substituído, não foi a toa que a Embraer desenvolveu seu cargueiro.

Max

A KAI da Coreia do Sul também está de olho nesse mercado. O projeto deles parece de mais com o KC-390…

Essa Boeing, balança mas não KAI.

Last edited 1 ano atrás by Max
Oscar

Essa noticia saiu aonde??? Dei uma pesquisada rápida para obter mais informações e não encontrei nada! Alguém sabe dizer onde encontrar mais informações desse A200?

Last edited 1 ano atrás by Oscar
RENAN

Vamos considerar 5 anos de atraso que é natural acontecer
Teremos 15 anos para firmar o pé e ganhar contratos.
Acredito que quando tiver operacional já entrará em mercados bem restritos com vendas de poucas unidades para cada nação.
E nosso kc já terá ganho vários contratos interessantes e estará consolidado.
Portanto não assusta.
Boa sorte a eles
Pois o nosso irá vender por não ter concorrente a altura.

Jean Jardino

Mais um tupiniquim otimista com outra Jaca voadora….

Rodrigo LD

Até o padrão de camuflagem da ilustração lembra a do KC-390. Coincidência?

André

Se seguir os mesmos passos fica pronto em 2035 e muito caro

André

Provavelmente limitado a menos de 400 km por hora, nem se compara ao KC que chega aos 700

Wagner

400 km por hora?

ROBERTO CAMPOS FREIRE

Cerca de quinze anos para implementação, até lá o KC já se estabeleceu. Caso isso não venha a ocorrer não será por culpa do A200M. A União Européia já estabeleceu como diretriz que sua área de defesa será toda europeia, com raríssimas exceções para produtos únicos como as catapultas eletromagnéticas americanas que a França irá usar no seu novo porta-aviões.

Tomcat4,3

Pessoal, na boa, o Kc-390 foi projetado e pensado de acordo com a necessidade e requisitos da FAB para a FAB e com ,lógico, a possibilidade de vendas pra outras nações assim como o é o Guarani pro EB. Havendo vendas ,excelente, mas, não havendo, o projeto é da FAB, bancado com dindin público pra equipar a nossa força aérea(idem o Guarani pro EB). Então, vendas externas são lucro puro mas a não existência dessa vendas não significa fracasso. A aeronave é excelente e cumpre as suas missões com folga. No caso de este M-200 vir a existir será apenas… Read more »

Flanker

Não é bem assim. Nenhuma aeronave se mantém operando, de forma viável, apenas com as quantidades pretendidas pela FAB. Vendas externas são essenciais, tanto que a Embraer fez um estudo de mercado, prospectando possíveis necessidades futuras de aeronaves de transporte dessa categoria. Portanto, vendas externas são vitais, cruciais, para o projeto ser viável economicamente, principalmente do ponto de vista da operação e manutenção dessas aeronaves.

Tomcat4,3

O que dá legalidade a seu comentário é o simples e infeliz,que parece estar começando a mudar, fato de o Brasil(governo federal e brasileiros) não dar minimamente o valor e atenção $$$ devidos a defesa nacional e a estruturação adequada e atual de suas forças armadas.

Marcos10

A causa primeira do cancelamento de parte dos pedidos do KC390 está no fato que nossa moeda sofreu forte desvalorização. Como nosso orçamento é em reais e a aeronave é cotada em dólares, a conta não fecha.

Flanker

Concordo que os governos brasileiros nunca deram a atenção devida à Defesa. Mas, independente disso, um equipamento militar só é viável operacionalmente com vendas minimamente suficientes para que ele não fique caro demais para operar. Mas, você pode dizer que os EUA operam apenas 20 B-2, os mais caros aviões já construídos. Porém, os EUA e um caso à parte, o maior orçamento militar do planeta. Eles podem se dar à esse luxo. Nós nem podemos pensar em gastar de forma desinteligente os poucos caraminguás que temos!

glasquis 7

Se assim fosse, não teriam sido convidados outros governos para o desenvolvimento.

Wagner

Tirando os meritos do KC390, que sao incontestaveis, desde o começo penso que esse aparelho esta fadado ao fracasso comercial. Aviacao militar nao depende da qualidade do aviao apenas e sim da força politica. Nao da pra competir contra USA e contra EU nos negocios da arena militar.

Last edited 1 ano atrás by Wagner
Flanker

Concordo! A Embraer vende muito bem seus produtos da aviação comercial e executiva. Porém, aviação militar é algo completamente distinto, onde acordos e negociações políticas e comerciais pesam tanto, ou mais, do que a qualidade da aeronave.

Yuri Dogkove

Até lá vamos vender ao máximo o KC!

Tiago da Silva

O mercado é dinâmico e as oportunidades se apresentam o tempo todo, com uma frota envelhecendo de forma acelerada no caso do C-130 das versões mais antigas e apenas dois players em destaque. A Lockheed Martin com a versão mais do Hércules a C-130J e a Embraer com o KC-390, a Airbus pode estar vislumbrando uma oportunidade desenvolvendo o A200M e tentando encaixar vendas na Europa (sua casa) e mundo afora. Uma disputa que pode ganhar capítulos interessantes e os embates com as duas fabricantes mencionadas anteriormente será inevitável Pegar as tecnologias desenvolvidas para o A400M é uma saída comprovada,rápida… Read more »

Geilson Souza

Boa tarde.
A Embraer, poderia vender estes avião KC- 390. Cargueiro. Para atividades de logística. Correios, etc… Cargueiro civil. Além de outras empresas do e-comerce. Eu não sei, se séria viável! A sua hora de vôo.

Last edited 1 ano atrás by Geilson Souza
Marcelo Andrade

Se for seguir o ^sucesso^ do A400 estamos tranquilos!!!

Nei

Boa tarde. A vantagem do KC390 sobre o A200M e Hercules, está na motorização, velocidade. Esse será o trunfo, se conseguir vender.

Nelson Daher Junior

Esta notícia do concorrente europeu mostra o acerto da Embraer no modelo desenvolvido pela mesma. Se houver um trabalho serio do governo e Embraer nos potenciais compradores do leste europeu, oriente médio e asia, o produto brasileiro terá vida longa. Quanto à nossa força aérea, FAB, a mesma deverá adquirir o lote encomendado, mesmo que tenha que dilatar o prazo de entrega, desta forma contribui de forma positiva para o interesse de outras forças aéreas em adquirir o produto brasileiro, além de Hungria, Portugal que já tem exemplares adquiridos e em processo de fabricação e entrega as respectivas forças aéreas.… Read more »

Marco Antonio

Isso mostra que a Embraer e aeronáutica estão no caminho certo, que venha concorrência ????