quinta-feira, setembro 23, 2021

Gripen para o Brasil

Programa FCAS do Reino Unido passa para a fase de conceito e avaliação

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O programa Future Combat Air System (FCAS) do Reino Unido, também conhecido como Tempest, mudou oficialmente para a fase de conceito e avaliação após a concessão em 29 de julho pelo Ministério da Defesa (MOD) de um contrato de projeto e desenvolvimento de £ 250 milhões (US$ 349 milhões) com a BAE Systems.

O programa está sendo entregue pela Equipe Tempest – composta pelo UK MOD, BAE Systems, Leonardo UK, MBDA UK e Rolls-Royce. De acordo com um lançamento da BAE Systems, o contrato da fase de conceito e avaliação fará com que os parceiros desenvolvam uma gama de conceitos digitais para projetar, avaliar e moldar o projeto final e os requisitos de capacidade do Tempest.

Tempest

Durante uma visita às instalações da BAE Systems em Warton em Lancashire, Ben Wallace, Secretário de Estado da Defesa do Reino Unido, disse que o anúncio marcou um “passo importante” no programa.

Chris Boardman, diretor administrativo do Setor Aéreo da BAE Systems, acrescentou: “O financiamento anunciado hoje marca uma próxima etapa crítica para o programa e, com nossos parceiros, trabalharemos juntos para definir os requisitos técnicos e de capacidade e desenvolver o conceito que trará Tempest à vida. ”

O anúncio foi feito no mesmo dia em que a BAE Systems divulgou seus resultados semestrais, detalhando um aumento nas vendas do grupo em 6% em uma base de moeda constante para £ 10 bilhões e ganhos subjacentes antes de juros e impostos (EBIT) de £ 1,028 bilhões, representando um aumento de 27%.

A dívida líquida, excluindo passivos de leasing, ficou em £ 2,745 bilhões, em comparação com £ 2,718 bilhões em 31 de dezembro de 2020, enquanto a carteira de pedidos em todas as áreas de negócios ficou em £ 44,6 bilhões, em comparação com £ 45,2 bilhões em 31 de dezembro de 2020.

De acordo com a BAE Systems, os destaques do domínio aéreo incluíram a produção de conjuntos de fuselagem traseira do F-35 “aumentando para níveis de cadência máxima”, com 70 conjuntos concluídos no período de relatório. No segmento de Sistemas Eletrônicos, mais de 900 sistemas de guerra eletrônica do F-35 foram entregues no programa F-35 no final do H1 2021.

A orientação corporativa até 2021 afirmou que ainda havia incertezas decorrentes da pandemia Covid-19 e, embora uma libra fortalecida pudesse ter um impacto nos resultados anuais, as vendas do grupo ainda deveriam crescer na faixa de 3% a 5% em relação aos números de 2020.

FONTE: Air International

- Advertisement -

34 Comments

Subscribe
Notify of
guest
34 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Régis

Hummm, qual será mais confiável? Este ou o projeto Franco-Alemão?

Jean Jardino

Com certeza o franco-alemao, a expertise da dassault em fazer otimos cacas e com a tecnologia de ponta alema.

Teropode

Este , a Ingleterra lidera o projeto , Suecos e italianos dão suporte técnico ( e não são criadores de caso) , já o franco-alemao corre o risco de ser contaminado com as diferenças culturais , a Dassault já reclamou por terem que abrir mão dos 50% após entrada da Espanha ,segundo o CEO francês os espanhóis estão aquém tecnologicamente dos requisitos propostos para o seu 6G , nem parafuso conseguem projetar . Então acredito que este corte o risco de um fiasco.

rui mendes

Sabes nada mesmo, além que o Franceses, não reclamaram com a Espanha, nem podiam, as empresas Espanholas que participam no projecto, são das melhores do mundo, na sua área, e não desenvolvem os seus projectos com know-how comprado aos outros, mas sim investindo e investigando.

Teropode

Vc se engana com esta certeza , se estiver interessado na verdade digite aí no Google : ” França preocupada com o FCAS e planeja plano “B” …… Confira ai , posso enviar os títulos de matérias em inglês e francês se vc desejar . Não posto links da concorrência .

Filipe

Os Franceses e Alemães não participaram no F-35 JSF e a expertise de contruir caças de 5ª Geração , a BAE e a Leonardo , nesse caso Reino Unido e Itália participaram no programa F-35 , o projeto deles é mais fiável uma vez que tem experiência em caças da geração anterior (caças F-35 de 5ªGeração) nada mais natural do que desenvolverem a próxima geração , tal como os EUA no seu programa NGAD da USAF , o Reino Unido vai desenvolver o melhor caça de sempre.

Inimigo do Estado

Querendo comparar tecnologia alemã com aquela ex-potência? kkkkk FCAS vai espancar esse troço de betinha de olhos vendados.

Teropode

Já que vc é um expert em assuntos tecnológicos cite as tecnologias superiores do “seu” país em relação a ex-potencia.

Heitor

Fcas e o contrario do a400 um teve o divisao de trabalho facil e desenvolvimentos dificil o outro busca negociações dificeis para desenvolvimento e producao facil . Fcas vai ser o grande projeto europeu .

gordo

Ambos tem condições para desenvolver o projeto. Obviamente a participação do Reino Unido no F-35 da uma grande ajuda e consequentemente uma redução no tempo do projeto já que conhecem as pedras que existem no caminho, mas nada que Alemães e Franceses não consigam superar. Acredito que o maior problema para o projeto Franco Alemão é justamente a França e sua arrogância bem conhecida, mas acho que depois de verem os custos que tiveram para desenvolver o Rafale vão acabar engolindo os Alemães (que tem um cofre bem gordo)

Joli Le Chat

O Brasil poderia dar um jeito de entrar neste programa ou no francês.
Não para desenvolver o avião, mas para desenvolver algum drone compatível com o sistema. Ou tornar o KC-390 compatível com o sistema.

Marcos Borges

Na minha opinião o Brasil deveria partir para o desenvolvimento de um caça de quinta geração juntamente com a Suecos da Saab.

José

Pode isso Arnaldo?
Não!
A regra é clara!
Dinheiro não nasce em árvore!
A Suécia já participa deste programa que vai comprometer bilhões de seu orçamento militar por muitos anos.
Por que entrar em outro com um país que não tem tecnologia alguma para acrescentar nem vontade política de participar de tal projeto?

Filipe

Um passo de cada vez, a Turquia participou no F-35, mas nunca vai poder usar F-35 , isso de participar no programa nem sempre significa obter as aeronaves.

José

Desculpa, mas esta analogia que tentou fazer não tem o menor sentido.

Jad Bal Ja

E eu acho que a Alexandra Daddario deveria sair comigo pra um jantar, mas por algum motivo acho que as duas coisas não vão acontecer.

Denis

Kkkkkkkkkk! Boa.

Jad Bal Ja

Aliás acho que nem os Suecos vão desenvolver um caça próprio dessa vez.

Heitor

Nisso foi inpsimado (como todos os projetos que nao seja enriquecer seus amigos ricos do rei do camarote no ministerio da economia) e foi tentativa do mpf de acabar com o negocio (sem encontrar prova) e nessa quase foi a embraer e o sub nuclear ofendendo a mulher do macron por vontade do presidente

gordo

E vão tirar dinheiro de onde ? Perdemos o Museu Nacional por causa de 500 mil por ano (valor do ano que ocorreu o incêndio), pasmem esse valor é o salário anual de um Juíz (que julga apenas 25% dos processos que recebem), agora imagine o financiamento de um projeto desses ?

Allan Lemos

O problema do Brasil nunca foi dinheiro, a prova disso é o fato de terem triplicado o fundo eleitoral a toque de caixa. Nosso problema é vontade política mesmo, ou a falta dela, além é claro da morosidade das forças armadas.

Heitor

Jesse de souza explica bem qual o problema do brasil melhor. Um bom sociólogo

Heitor

Sonegacao de impostos do brasil seria um bom comeco

Rafael costa

Saindo um segundo lote de caças Gripen, já vai ser um grande milagre e vitória para à FAB !

Leonardo Bastos

É esperar pra ver…

Marcelo

Só dinheiro do Reino Unido…por que será? Ainda acho que os suecos não irão adquirir esta aeronave, mas participar das pesquisas para fazer um monomotor.

Nonato

Poderíamos discutir esse processo atual de desenvolvimento desse caça/sistema. Do que se trata ele? Quais requisitos deveria ter ou terá? O que o diferenciara de um Typhoon ou F 35 ou SU 57? Desempenho da aeronave ? Características stealth? Sistemas embarcados? Como se dá esse processo de definição? A força aérea britânica define os requisitos ou dá linhas gerais? Os engenheiros das empresas são quem definem as características? Levarão quantos mísseis? Levarão drones? Serão também não tripulados? Coloquem seu conhecimento para fora, senhores. Vamos elevar o nível das discussões. Alguém tem conhecimento técnico aprofundado desse tipo de processo? Desenvolvimento inicial… Read more »

Nonato

Talvez a participação da Suécia/Saab seja mais técnica.
Melhor ter parceiros do que o Reino Unido arcar com tudo sozinho.
A Saab tem grande capacidade técnica.
Desenvolve aviões, radares, navios e submarinos.
Não é uma empresa qualquer e tem muito a contribuir com o Reino Unido.
E vice versa.
Grande oportunidade para a Saab.
Se a Suécia gastar 2 bilhões de dólares em 10 anos nesse projeto é um investimento.
Nada demais.

Denis

Design maravilhoso! Que o meu queridinho F-22 não me ouça, mas é o stealth mais bonito que já vi.

Last edited 1 mês atrás by Denis
Andre

Do jeito que as coisas andam, deve ficar operacional antes do Su-57.

José

Acho que vai ficar operacional antes do F-35, que até hoje só entregou carcaças que nem aguentam lightning.

Andre

O f35 já está operacional nos EUA, no RU, na Itália, na Austrália, em Israel, no Japão e na Coréia. Talvez vc precise procurar algumas noticias mais recentes sobre ele.

Vendéen

Bonjour,

Era uma colaboração possível;
https://www.meta-defense.fr/2021/07/05/le-brit commerciale-roll-royce-pourrait-participer-au-program-japonais-f-x /
Agora, essa colaboração é factual.
Os britânicos e japoneses (Rolls Royce e Mitsubishi Heavy Industrie) concordaram em um acordo de colaboração para trabalhar no desenvolvimento de um motor para a propulsão do Tempest e do futuro caça japonês F-X.
https://twitter.com/ChiefofAirStaff/status/1417456857682153473

Leandro Costa

Pelo menos o desenho inicial do bicho parece ser Stealth de verdade, ao contrário das novas aeronaves Russas nas quais o elemento Stealth é visivelmente inferior.

Últimas Notícias

Eve, da Embraer, e Bristow firmam parceria para desenvolver operações de UAM com pedido de até 100 eVTOLs

Melbourne, Flórida, 23 de setembro de 2021 – A Eve Urban Air Mobility, uma empresa da Embraer, e a...
- Advertisement -
- Advertisement -