terça-feira, setembro 21, 2021

Gripen para o Brasil

OTAN espera lançar novo acelerador de tecnologia de defesa até 2023

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

STUTTGART, Alemanha – Em menos de dois anos, a OTAN espera ter sua própria versão modificada da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa dos EUA (DARPA) instalada e funcionando.

Os membros da Aliança concordaram na 31ª cimeira anual, realizada a 14 de junho em Bruxelas, em lançar uma nova iniciativa apelidada de Acelerador de Inovação em Defesa do Atlântico Norte, ou DIANA (Defence Innovation Accelerator of the North Atlantic), que visa acelerar a cooperação transatlântica em tecnologias críticas e ajudar a OTAN a trabalhar mais estreitamente com entidades do setor privado, academia e outras entidades não governamentais.

A meta é que a DIANA alcance a capacidade operacional inicial (IOC) até 2023, disse David van Weel, secretário-geral assistente para os desafios de segurança emergentes, em uma mesa-redonda virtual com repórteres no dia 22/6. No próximo ano, a esperança é ter “as partes iniciais … começando a dar frutos”, acrescentou.

A longo prazo, a DIANA terá sedes na América do Norte e na Europa, e se conectará a centros de teste existentes em todos os países membros da OTAN que serão usados ​​para “validar, testar e co-projetar aplicativos no campo de tecnologias emergentes e disruptivas”, disse van Weel. A DIANA também será responsável por construir e administrar uma rede destinada a ajudar startups relevantes a crescer e apoiar as necessidades de tecnologia da OTAN por meio de programas de subsídios.

O foco será na segurança nacional e propósitos de defesa, e a DIANA não pedirá ou solicitará propriedade intelectual das empresas, observou van Weel.

Embora ele tenha destacado a inteligência artificial, processamento de big data e tecnologias habilitadas para quantum, a DIANA deve apoiar todas as sete tecnologias emergentes e disruptivas – ou EDTs – que a OTAN identificou como críticas para o futuro. As outras quatro incluem: autonomia, biotecnologia, hipersônica e espaço.

Às vezes, uma empresa de tecnologia pode não perceber que seu produto pode ser viável para a comunidade de defesa, acrescentou.

Um componente chave da DIANA será um mercado de capital confiável, onde empresas menores podem se conectar com investidores pré-qualificados que estão interessados ​​em apoiar os esforços de tecnologia da OTAN. Garantir que os investidores sejam examinados com antecedência permitirá que a OTAN garanta “que a tecnologia será protegida de transferências ilícitas”, disse van Weel.

O fundo é modelado após o Departamento de Defesa dos EUA criar seu próprio mercado de capital confiável em 2019 como uma ferramenta que a então czar de aquisições do DoD, Ellen Lord, disse que poderia ajudar a encorajar capitalistas de risco domésticos a financiar projetos de segurança e defesa nacional. Esse mercado serviu de inspiração para o anunciado mercado de capitais de confiança da OTAN, de acordo com a aliança.

Os membros também concordaram, pela primeira vez, em criar um fundo de capital de risco para apoiar empresas que desenvolvam tecnologias de dupla utilização e essenciais que poderiam ser úteis para a OTAN e que seriam facultativas para os países membros participarem. O Fundo de Inovação da OTAN, como é chamado, teria um tempo de execução de cerca de 15 anos para começar e seria subscrito por cerca de 70 milhões de euros (cerca de US$ 83 milhões) por ano, por van Weel.

O objetivo não é que a sede da OTAN ou seus países membros administrem o fundo de inovação, observou ele. “A gestão real de um fundo de capital de risco, acreditamos, deve ser realizada por empresas com ampla experiência na área”. Ele citou a empresa de capital de risco In-Q-Tel om sede nos EUA como um exemplo do tipo de parceiro que a OTAN procuraria para administrar os negócios “do dia-a-dia” do fundo.

“Eu li em algum lugar que a OTAN não é um banco – nós não somos”, disse van Weel. “Mas serão as nações que fornecerão os fundos e darão a direção geral.”

Essas duas iniciativas de um acelerador de tecnologia e um fundo de inovação “com sorte levarão a aliança para o século 21”, disse van Weel.

A OTAN já investiu em tecnologia da informação (TI) e software por meio da Agência de Comunicações e Informação da OTAN (NCIA), mas a diferença com o fundo de inovação, a DIANA, é que a aliança quer se conectar melhor com startups em estágio inicial, em vez de empresas de software maiores ou firmas de defesa tradicionais, disse van Weel.

“A DIANA não se trata de assumir o controle da inovação para o empreendimento da OTAN”, disse ele. “É uma comunidade diferente e requer diferentes mecanismos de financiamento e diferentes tipos de envolvimento.”

Estas duas iniciativas foram há muito esperadas e exigidas pelos observadores da OTAN, e as versões de um acelerador de tecnologia “semelhante à DARPA” e um banco de investimento de toda a aliança foram incluídas em uma lista de recomendações de 2020 pelo grupo consultivo da OTAN sobre tecnologias emergentes e disruptivas.

Mas ainda é cedo. Embora a meta do IOC seja 2023, “a primeira etapa é que queremos saber dos aliados o que eles querem oferecer à DIANA”, disse van Weel. Assim que o Fundo de Inovação da OTAN tiver os seus membros participantes, por exemplo, será criada uma carta que definirá os modelos de financiamento, processos de contratação rápidos e directrizes de liderança.

“Estamos tentando fazer isso o mais rápido possível”, assegurou van Weel, mas depois observou: “queremos acertar porque … com a comunidade de startups, você só tem uma chance”.

FONTE: Defense News

- Advertisement -

7 Comments

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
M.@.K

Com certeza MK48.. principalmente por causa da China e acrescentaria residualmente a Russia também.

Pedro Bó

Talvez mais a Rússia do que a China, com os quais vários países europeus mantém relações econômicas e comerciais e está geograficamente mais distante.

Outra coisa é que, nos últimos anos, muitos países europeus perderam capacidade industrial em matéria de defesa e ficaram dependentes demais dos EUA (cof, cof, Reino Unido, cof, cof)…

Leandro Costa

Eu diria que a França também é 100% independente de tecnologia americana no quesito defesa. Não que a França não utilize tecnologia americana, mas tem total capacidade de se tornar se assim desejar, mas usa tecnologia americana aonde ela acredita que não valha à pena investir em tecnologia própria, como as catapultas do CdG, por exemplo.

Pedro Bó

Posso estar dando um chute muito longo e errar, mas a Suécia e a Itália, em alguns campos, também tem certa independência tecnológica. Já a Grã-Bretanha, pioneira em muitos campos e com uma indústria aeroespacial pujante até os anos 60, depende excessivamente de sua ex-colônia.

Leandro Costa

Pedro, esses países dependem mais ou menos dos EUA no final das contas. Embora eles sejam independentes em certas áreas, em outras são bastante dependentes. Acabam se complementando, tanto que temos aquisições interessantes de empresas desses mesmos países. Acho que com futuros programas eles pretendem aumentar a independência Europeia mas com a DIANA eu prevejo uma maior coordenação no desenvolvimento entre os parceiros da OTAN, e isso inclui, claro, os EUA. Da mesma forma em que os Europeus vão poder encontrar soluções melhores, mais baratas e talvez até de implementação mais rápida, essa informação vai ser compartilhada com os EUA… Read more »

Joli Le Chat

Parece que já houve na OTAN uma coisa parecida.
Se chamava AGARD e suas pesquisas trouxeram grandes desenvolvimentos para todos nós.

Pablo Maroka

Agora a humanidade dará um grande passo a frente

Últimas Notícias

Pintura comemorativa nas aeronaves da RSAF no 91º Dia Nacional da Arábia Saudita

O 91º Dia Nacional da Arábia Saudita contou com a apresentou das aeromaves Eurofighter Typhoon, Tornado, F-15C Eagle e...
- Advertisement -
- Advertisement -