sábado, junho 12, 2021

Gripen para o Brasil

China trava batalha simulada entre aeronaves baseadas em terra e de porta-aviões no Mar Amarelo

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

O Exército de Libertação Popular da China (PLA) realizou recentemente uma batalha simulada entre um grupo de caças transportados por porta-aviões e uma formação combinada de aviões de combate baseados em terra, enquanto os dois lados se tornaram a pedra de amolar um do outro e aprimoravam as capacidades das forças em contra-atacar e usar o porta-aviões, disseram especialistas no dia 11 de maio.

No exercício sobre as águas do Mar Amarelo, a Força Aérea e a Marinha do PLA do Comando do Teatro Norte uniram forças e enviaram aviões de combate baseados em terra, incluindo aeronaves de alerta antecipado KJ-200, jatos de combate J-10A e caça-bombardeiros JH-7A na equipe vermelha , enquanto enfrentavam o desafio da equipe azul que consiste em um grupo de caças J-15 transportados por porta-aviões vindos do mar, informou a China Central Television (CCTV) no dia 10 de maio.

Em uma sessão de combate, os caças J-10A da equipe vermelha se engajaram na contestação da superioridade aérea regional com os J-15s da equipe azul, ganhando aos caças-bombardeiros JH-7A algumas oportunidades de penetrar rapidamente na linha de defesa enquanto eliminavam seus alvos marítimos.

Instalações de mísseis antiaéreos em terra também participaram do exercício, provavelmente como parte da equipe vermelha.

O exercício simulou ataque e defesa em muitos ambientes de campo de batalha diferentes, incluindo ar-ar, ar-mar e ar-solo, informou a CCTV.

Nenhum cenário foi predefinido no exercício, já que nenhum dos lados tinha ideia do que estava por vir, disse o capitão Bian Fengchun, subcomandante da força de aviação naval participante, à CCTV.

“O exercício praticou o desenvolvimento do sistema de reconhecimento e alerta antecipado, rápido ataque antinavio, ataque e defesa coordenados, e as habilidades dos oficiais no comando do campo de batalha também foram aprimoradas”, disse Bian.

Também aumentou a capacidade de combate coordenado e cruzado das tropas, disse Bian.

A batalha simulada é muito significativa para as forças de aviação em porta-aviões e em terra, já que os dois lados serviram de pedra de amolar um para o outro, desenvolvendo uma série de táticas contra aviões de combate em terra para os porta-aviões enquanto descobriam maneiras de combater os porta-aviões com os aviões baseados em terra, disse Fu Qianshao, um especialista em aviação militar chinês, ao Global Times no dia 11 de maio.

Ser capaz de participar de uma batalha simulada em grande escala como essa mostra que os caças J-15 transportados por porta-aviões e seus pilotos alcançaram fortes capacidades de combate ao ponto de poderem participar de exercícios em grupo com experiências táticas reais. A grande escala do exercício também indica que a China está se aprofundando na prática de combate aos porta-aviões, disse Fu.

A China opera dois porta-aviões, o Liaoning e o Shandong, ambos com jatos de combate J-15. Porta-aviões de fora da região, como os da Marinha dos Estados Unidos, freqüentemente conduzem operações provocativas perto da China.

JH-7A com míssil antinavio

JH-7A

J-10A

J-15

FONTE: Global Times

- Advertisement -

27 Comments

Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JuggerBR

Encosta o porta aviões ali no Mar do Japão que vai aparecer avião japonês e americano de monte pra ‘treinar’…

Gil U

“Porta-aviões de fora da região, como os da Marinha dos Estados Unidos, frequentemente conduzem operações provocativas perto da China” … Como é “isento” esse Global Times em suas matérias, é mesmo triste de ver como os “inocentes” Chineses, que não mexem com ninguém, são provocados pelos malvados e subversivos Americanos. 

Heinz Guderian

Esses dias, as Filipinas denunciaram que navios chineses entraram na sua ZEE, se a China continuar com essas reinvindicações tolas, qualquer hora os outros países podem se unir contra ela.

Carlos Alberto Soares

Thailândia, Malásia, Indonésia, Philipinas, Austrália, Cingapura ….

Nilton Reis

Esses países têm interesses conflitantes com a China, e entre eles também. Os EUA não têm interesse nenhum – a China pode muito bem defender as rotas comerciais, única justificativa pra presença estadunidense por lá.

Agressor's

Leiam o livro o( Mito da Liberdade), onde na verdade ninguém realmente é livre! Fala do Behaviorismo.

Matheus S

As Filipinas tentou unir os outros países irem contra a China no Tribunal de Arbitragem em conjunto, o fato é que ninguém deu a mínima e eles foram sozinhos contra a China. A capacidade daqueles países do MSC se organizar e definir ações em conjunto contra a China é a mesma de Bangladesh se tornar uma superpotência.

j.leo

A bem da verdade todos esses países, (asiáticos), são dependentes da economia da China, o caso mais emblemático é a Austrália, depois de 30 anos de franco crescimento econômico, beneficiado que foi pela economia chinesa, bem mais que o Brasil, adotou algumas medidas de contraposição da era Trump para com os chineses, o resultado nos dias de hoje e que já vem há 2 anos: a economia da Austrália estagnou, os índices econômicos minguaram. Políticos oposicionistas já confrontam seus colegas no parlamento australiano, pedindo a volta do bom senso e a retomada econômica.

antoniokings

Exatamente.
A Austrália entrou no joguinho ‘do tudo que o mestre mandar (os EUA) e se estrepou.

antoniokings

No dia seguinte, pede ajuda à China para o combate à COVID e mais investimento nas ilhas.
Segue o jogo.

Nilton L Junior

Saudação Tovarisch Kings, o mimimi é grande quando o assunto é o imperio chinês, ainda tem pessoas que veem o mundo como os bons e os maus, não são capazes de verem que estados tem interesses e esses interesses é definem sua geopolítica, muitas vezes com contradições. Não sei vc mas eu gosto das formas das areonaves do IC – Império Chinês.

antoniokings

A verdade é que a China está modernizando acentuadamente seus armamentos arsenal e incorporando grandes quantidades deles.

SDS

Marcelo M

Hoje a situação mais grave é no Butão. A China construiu assentamentos e rodovias em território butanês contra texto de tratado entre os dois paises.

Agressor's

A China está sabendo bem como “espalhar” sua influencia, ao invés de dominar os países com armas está dominando com dinheiro e investimentos o que está se mostrando como uma grande estratégia, e assim se vai daqui uns anos e China vai …

Nilton L Junior

Você quer dizer o Imperio Chinês apreendeu com Império Americano como ser potência hegemonica.

Agressor's

Se o braziu tivesse fronteira com os EUA, já teria perdido a Amazônia há muito tempo.

Gil U

Não duvido disso, acho possível que no longo prazo o Brasil pode mesmo perder o controle da Amazônia. Não temos amigos no mundo, aliás, muitos brasileiros que estão em uma posição de importância e influência nesse país são inimigos da nação.

Agressor's

O México só não foi todo anexado porque eles não queriam “se misturar” com o povo de lá. Só não anexaram o México inteiro, por que no Sul era muito populoso e eles não queriam misturar a população existente com a sua. Já os estados mexicanos mais ao norte eram pouco habitados. No século 19, o México era um território vasto que incluía o que atualmente conhecemos como Califórnia, Nevada, Utah, Arizona, Novo México e Texas. Mas a partir de 1830, começou a crescer um “movimento texano” pela independência, pretexto para que os eua iniciassem uma guerra e, após vencerem,… Read more »

MMerlin

O Brasil não precisa dos EUA para perder a Amazônia. Faz isto sozinho. Principalmente com a “vista grossa” que o titular da pasta do MMA faz sobre o desmatamento crescente no Pará. Enquanto o EB atua de um lado para combater as ilegalidades nossa política atua para legalizá-las.

Matheus S

Não se trata de inocência, mas de realidade. Os EUA sempre foram provocativos desde os tempos áureos da Guerra Fria contra os soviéticos, se você visualizar que Reagan e Andropov quase entraram em embate por culpa inicial de Reagan, verá que as ações americanas sempre foram de provocações.

Alguns países não se curvam a outros, sabe que isso denota fraqueza e fraqueza é convidativo a violações de soberania, a China mais do que qualquer outro país, entende isso.

carcara_br

Os mísseis DF-21 estavam presentes? isso é bem importante pra entender o contexto do exercício, se defensivo ou ofensivo.
De qualquer forma os dois lados amolam suas facas. Normal.

Last edited 30 dias atrás by carcara_br
antoniokings

carcara_br

Já é do conhecimento dos próprios americanos que sua presença será negada naqueles mares em caso de conflito com a China.
O DF-21 é mais uma peça do arsenal chinês que assegurará isso.

Fabio Araujo

E os outros navios do grupo de batalha do porta aviões não conseguiram fazer a defesa do grupo? Nos grupos de batalhas dos porta aviões americanos navios de comb1ate tem um bom poder de defesa aérea e ajudam na defesa aérea e antimísseis da frota

Agressor's

“Se você domina os mares você domina o mundo”

Almirante Mahan

Ghaal

Deve ser tão bom quanto ao foguetes.

Alias fizeram matéria dele indo e não teve voltando pq????????????

antoniokings

Melhor que o ‘Iron Dome’ é.
Aliás, que vexame!

Billy

Aí sim, as forças aero-navais e navais da china podem começar a adquirir respeito. Por enquanto tigres de papel!

Reportagens especiais

Avançam os trabalhos nos quatro últimos F-5E ‘ex-Jordânia’ que estão no PAMA-SP

Preparação das últimas células pelo PAMA-SP, que precede o envio para modernização na Embraer, mostrou um avanço significativo nos...
- Advertisement -
- Advertisement -