domingo, maio 16, 2021

Gripen para o Brasil

Caça indiano Tejas agora pode ser armado com míssil ar-ar Python 5 de quinta geração

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A aeronave de combate leve indiana (Light Combat Aircraft) Tejas adicionou o míssil ar-ar (AAM) Python 5 de 5ª geração à sua capacidade de armamento.

A avaliação ocorrida em 27 de abril em Goa concluiu uma série de testes de mísseis para validar seu desempenho em cenários extremamente desafiadores.

“Os testes também tiveram como objetivo validar a capacidade aprimorada do já integrado míssil ar-ar BVR Derby no Tejas”, disse o porta-voz da DRDO.

O míssil Derby atingiu um alvo aéreo em manobra de alta velocidade e o míssil Python também atingiu 100 por cento, validando assim sua capacidade total, disse ele. Os testes atenderam a todos os objetivos planejados.

Antes desta avaliação, testes extensivos de transporte de mísseis foram conduzidos em Bengaluru para avaliar a integração do míssil com sistemas de aeronaves a bordo do Tejas, como aviônicos, radar, sistema de lançamento de mísseis e o sistema de controle de voo.

Após testes de separação bem-sucedidos, o lançamento real do míssil contra um alvo Banshee foi realizado.

De acordo com o DRDO, o míssil atingiu o alvo aéreo em todos os tiros reais.

Tejas lançando Derby

- Advertisement -

31 Comments

Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joao Moita Jr

Parabéns, Índia!!!
Aprende aí, Brasil…

Nilton L Junior

Esta se referindo a integração do míssil né.

Nostra

Yes

But in the immediate future we shall see test fire of IIR guided Astra UT

Nilton L Junior

Espero que eles tenham exito.

Nostra

I guess i never posted pics of the new DRDO Akash-NG SAM

It is a dual pulse medium range missile to intercept highly maneuvering & low RCS targets including stealth aircrafts & tactical ballistic missiles

EslMRB5U0AMzteZ.jpeg
Nostra

DRDO Akash-NG launcher with 6 cannisterised Akash-NG missiles on a high mobility vehicle with integrated GaN AESA based multifunction radar & IFF

The 4 conformal radar panels provide 360° coverage

This allows for on the move tracking and halt on fire with a deployment time of 30 secs and with very low footprint.

Pic is of a test prototype

EyiLpxWUYAAyeuP.jpeg
Last edited 18 dias atrás by Nostra
Joao Moita Jr

IAF correct?

Nostra

Yes

Akash-NG for IAF primarily

QRSAM for IA primarily

More or less same role – high mobility, track while move and shoot on halts , low logistic footprint, difference is in envelope & in some sub systems

But in future both will enter service with other services too

Entire air defence of 3 services is now under a integrated air defence command ( in the works )

Last edited 17 dias atrás by Nostra
Foxtrot

Pior que aqui nunca aprendem nada.
Já já a FAB vai solicitar um caça 6G,s novinho, comprando o projeto baratinho para brasileiro ,”experto” rs

Clésio Luiz

É, aprende…

comment image

Foxtrot

Ele falava sobre o caça, e não sobre o míssil.
Aprende !!!

Ulisses

Aprender o que se já usamos Derby e Python a um tempão?

Marcos

Se não me engano a FAB usa esses dois tipos de mísseis no F5M, aliais é o único país da AL que possue capacidade de combate VBR.

Tomcat4,2

Na boa que na primeira olhada na foto de capa eu pensei que era o Gripen. Parabéns aos indianos!!!

Marcelo Bardo

Também achei muito parecido.

Machado

Parabéns Índia. Todos se desenvolvendo e o Brasil ficando pra trás, inclusive regredindo. Que fase.

Nilton L Junior

Em certos aspécto seu comentário esta correto, mas por acaso os Híndus desenvolvem aviação comercial?? tem algum cargueiro?? cada país tem sua estratégia de defesa conforme suas possibilidades.

Leandro

Claro…na hora de uma batalha mandamos os cargueiros e aviões comerciais em ataques kamikazes…cada um…

Nilton L Junior

Não Pedro Bó, vamos comprar tejas, aliás na FAB os militares tomam descisões na base do eu acho, por isso optaram pelo F-39, ja os Híndus, bem os Híndus são Híndus né.

Jhonn

Robozinho sem braço

Gabriel

Parabéns aos indianos! Só não consigo entender esses comentários “aprende ai Brasil”. Investir “rios de recursos”, durante anos, no projeto, pesquisa, fabricação e obtenção de uma caça leve, para serem compradas 30/40/50 (?) unidades, como é normalmente feito no Brasil? Não se justifica, quase, nem uma linha de montagem para tão poucas unidades. O próprio Gripen E só ira se justificar, e isso que é uma “parceria” com a SAAB, se houver encomenda de, pelo menos, mais um lote de 36, caso contrário será o AMX-2. O caminho mais lógico é usar recurso para compras de caças “de prateleira” e… Read more »

Nilton L Junior

É possível entender esse sentimento a partir da realidade em que vivemos porém esquecem que lá as coisas também não andam muito bem.

Nostra

What things are not going very well there ?

I will love to know if you don’t mind telling me

Last edited 18 dias atrás by Nostra
Nilton L Junior

Imagino que voce vive em Nova Deli, e que esta tudo bem, não tem problema com o covid né, diga me, ou voce também acredita em virus Chines bla bla bla

Nostra

Just for the sake of discussion

” Rivers of resources ” has lead to capability to develop
1. Primary trainer
2. Intermediate jet trainer
3. Light weight combat aircraft
4. Medium weight combat aircraft
5. Carrier based combat aircraft
6. 5th generation combat aircraft
7. 5++ generation combat aircraft

That too without stealing 😉

123 no of LCA MK1A ordered & paid for

Last edited 18 dias atrás by Nostra
Nostra

Might as well add capability to develop

1. 5 ton multirole helicopter
2. Light combat helicopter
3. Heavy combat helicopter
4. 10 ton multirole helicopter
5. Light utility helicopter
6. Helicopter engines
7. Any weight class helicopter if required

Last edited 18 dias atrás by Nostra
Nilton L Junior

Camarada Kings agora sim os F-16 Paquistaneses correm perigo.

A6MZero

Apesar dos problemas (motor nacional, parte eletrônica, etc) pelo caminho o programa Tejas segue avançando.

Interessante ver os caminhos distintos que Paquistão e Índia tomaram para o desenvolvimento de caças para um cenário similar, um através da parceria para desenvolvimento e montagem com uma grande potencia (JF-17 com a China), e o outro com um desenvolvimento local mais focado em desenvolvimento solo, (ainda que tenha componentes e auxilio estrangeiro).

Marcelo Bardo

E o Gripen indiano segue evoluindo.

Foxtrot

Parabéns Índia.
Daqui a pouco começam os depoimentos sem sentido, sem embasamento técnicos e baseados em inveja.
Pena um certo país em “formato de banana” ao sul do trópico de Capricórnio não ter a mesma visão estratégica (verdadeira).

Acacor

Não dá para comparar India, China e Russia com o Brasil. São países com uma longa história de guerras e invasões. Isso forjou uma identidade nacional. E com os EUA, outro país de grandes dimensões, temos uma enorme diferença na colonização.

Reportagens especiais

Força Aérea Brasileira em 1979, poster da revista Flap Internacional

Reprodução do poster "Força Aérea Brasileira em 1979", da revista Flap Internacional, enviado gentilmente pelo leitor e colaborador Roberto...
- Advertisement -
- Advertisement -