Home Aviação de Patrulha Marinha do Paquistão: Embraer Lineage 1000 substituirá aeronave de patrulha Orion

Marinha do Paquistão: Embraer Lineage 1000 substituirá aeronave de patrulha Orion

7200
132
Embraer Lineage 1000

ISLAMABAD — A Marinha do Paquistão escolheu o jato Embraer Lineage 1000 para substituir sua aeronave de patrulha marítima de longo alcance P-3C Orion, confirmou um porta-voz do serviço ao Defense News.

O comandante da Marinha, almirante Zafar Mahmood Abbasi, anunciou em 6 de outubro que a Marinha iria substituir sua frota P-3C Orion por 10 jatos comerciais convertidos, o primeiro dos quais já foi encomendado. No entanto, ele não identificou o tipo.

O Ministério da Produção da Defesa, que cuida da aquisição, não retornou pedidos de comentários sobre a conversão e possíveis parceiros.

Com apenas uma aeronave encomendada até agora, o programa está em seus estágios iniciais. Quando convertido para o serviço paquistanês, a aeronave se chamará Sea Sultan.

Não está claro se a aeronave está sendo adquirida diretamente do fabricante ou de outra parte. A Embraer não respondeu aos pedidos de comentários.

A questão de quais problemas podem surgir na conversão da aeronave foi colocada para Douglas Barrie, um analista aeroespacial do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos:

“Usar uma aeronave comercial com motor turbofan como base para uma plataforma ASW (guerra anti-submarino) não é algo inédito. Afinal, o P-8 dos EUA é um derivado do Boeing 737-800″, disse ele.

Mas há desafios na conversão da aeronave, acrescentou ele, “principalmente se o transporte interno de armas for necessário onde um compartimento de bomba precisará ser cortado na estrutura do avião.”

“É um empreendimento significativo e a gestão de risco será importante”, disse ele, acrescentando que é provável que a Embraer seja solicitada a ajudar na conversão, “caso contrário, os desafios ficarão ainda maiores”.

Frederico Lemos, representante de defesa da Embraer que lida com negócios na Ásia, não respondeu às perguntas do Defense News sobre se a empresa está ou estaria envolvida no processo de conversão. 

FONTE: Defense News

Subscribe
Notify of
guest
132 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Seria uma boa observar isso, e espero que a Embraer participe do projeto, pode ser o nascimento de uma nova aeronave no portfólio de defesa da empresa, e uma boa opção para nós quando chegar a hora de aposentar os P-3!

WELLINGTON RODRIGO SOARES
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Realmente já estamos precisando de um projeto novo, inclusive para aposentar os Bandeirulha também.
Uns 25 aviões de patrulhas armados com mísseis Antinavio seria fantástico, ainda mais que em termos de escoltas somos tão fracos.

marcus
marcus
Reply to  WELLINGTON RODRIGO SOARES
1 mês atrás

O KC390 poderia ser adaptado também?

danieljr
danieljr
Reply to  WELLINGTON RODRIGO SOARES
1 mês atrás

Provavelmente irão para o caminho dos drones para patrulha. Uma boa quantidade deles para a patrulha e alguns aviões tripulados tradicionais para carregar armas e outras missões mais atípicas.

Kemen
Kemen
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Excelente observação colega._ Quando tenhamos que substituir os nossos P-3 ou substituir os 13 EMB 110, seria ideal utilizar essa aeronave da Embraer.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
1 mês atrás

Não seria melhor um KC-390, ou melhor, Um P-390?!!

Rodrigo M
Rodrigo M
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Talvez não. Acho que a autonomia é o principal fator decisivo.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Rodrigo M
1 mês atrás

comment image

Especificações
Dimensões
Comprimento36,20 m (119 ft)
Envergadura28,70 m (94,2 ft)
Altura10,60 m (34,8 ft)Peso(s)
Peso vazio55 000 kg (121 000 lb)
PropulsãoMotor(es)2x GE CF 34-10E7
PerformanceVelocidade máxima900 km/h (486 kn)
Velocidade máx. em Mach0.80 Ma
Alcance (MTOW)8 519 km (5 290 mi)
Teto máximo12 496 m (41 000 ft)

Mazzeo
Mazzeo
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Não, muito não

Humberto
Humberto
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Boa tarde Karl, O KC 390 foi projetado para projetar poder, ou seja, poder levar tropas, equipamentos, munições etc para perto (ou até mesmo dentro) da área de combate, e para isto, ele tem que ser robusto (mais peso), poder operar em campos menores e não pavimentados (trem de pouso e estrutura bem mais reforçados) e uma grande rampa. Tudo isto (e muitas outras características) tem todo o sentido no KC MAS isto custa mais, seja pela célula em si, como na hora de voo (não só combustível, mas horas de manutenção). Resumindo, o avião é mais caro (se comparado… Read more »

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Péssima opção…

Satyricon
Satyricon
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

O futuro da patrulha aeronaval está nos drones, como o Heron M
https://www.iai.co.il/p/heron-maritime
Operam com muito mais persistência, por uma fração do custo

Tamandaré
Tamandaré
1 mês atrás

Eu sempre acreditei no E-190 como nova plataforma para AEW&C e patrulha marítima. Mas o Lineage 1000 também está ótimo! 🙂

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Tamandaré
1 mês atrás

Eu acho que o Lineage1000 pode ser uma aeronave comparável ao Bombardier Globaleye e ao Swordfish…

comment image
comment image

comment image

Aêdo Rocha
Aêdo Rocha
Reply to  Tamandaré
1 mês atrás

No fundo é a mesma aeronave, até onde sei há um pequeno aumento no empuxo dos motores (que são os mesmos), e o dobro da autonomia com os tanques de porão.

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

Que seja o Paquistão então o cliente lançador do mais novo sucesso da Embraer.

E mostrando a Boeing que a desistência da compra foi um erro, pois além de abrir um novo mercado ainda vai roubar vendas do P-8.

Parabéns a Embraer e seus engenheiros. Orgulho de ser Brasileira.

Quem sabe o futuro substituto dos nossos P-3 quando se fizer necessário. E ainda vai encomodar a SAAB (que foi fazer parceria com o concorrente da Embraer, mesmo sendo parceira no F-39 E/F Gripen).

BEM VINDO!

* seria interessante ter a possibilidade de reabastecer em vôo.

Last edited 1 mês atrás by Grozelha Vitaminada Milani
Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

2!!!

sergio ribamar ferreira
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

3

MMerlin
MMerlin
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

O Lineage 1000 faz parte do segmento executivo da Embraer e, consequente, não estava no pacote da compra, que estava limitada a aviação comercial e uma possível comercialização conjunta do KC-390.

Lembrando que ainda consta a interesse da Índia relacionado ao segmento comercial da Embraer, reforçado no início deste mês e ainda o interesse deste mesmo país possuir mais aeronaves do tipo NETRA AEW&CS. Inclusive, em fóruns indianos de Defesa a idéia da compra é vista com bons olhos.

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Cristiano
Cristiano
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

*E mostrando a Boeing que a desistência da compra foi um erro, pois além de abrir um novo mercado ainda vai roubar vendas do P-8.

Não acho que a Boeing desistiu da Embraer por vontade própria, o que aconteceu foi que ela simplesmente quebrou devido aos problemas do 737-MAX e não conseguiria arcar financeiramente com a compra da Embraer mais os novos projetos que sairiam desta fusão.

Triste para a Boeing, Não muito bom para os acionistas da Embraer porem Ótimo para os Brasileiros.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Cristiano
1 mês atrás

Acredito q os executivos da Boeing estejam tomando remédio para dormir, de tanto medo que eles tem da Embraer

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Cristiano
1 mês atrás

acredito que os acionistas ficaram felizes.

Ted
Ted
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

Que bom que a Boeing errou.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

Amigo,sinceramente acho que o Lineage1000 não precisa de reabastecimento…
A aeronave tem autonomia de 8.334 km, tem autonomia para fazer o trajeto São Paulo-Nova York sem interrupções, assim como a concorrida rota de negócios Dubai-Londres.



Caloro
Caloro
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Não faz New York. Faz Miami no esbarro sem reserva alguma, ou seja, na aviação executiva ou comercial teria que fazer uma escala técnica. Na militar, poderia fazer no máximo Miami, mesmo assim duvido que voariam sem reserva, não tendo necessidade.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Caloro
1 mês atrás

faz São Paulo Nova York sim. O jato, que é executivo foi pensado pra isso. Não fosse isso não faria muito sentido para um executivo/empresa pagar 4x mais num avião que não pudesse fazer essa rota, sendo que poderia pegar um Praetor 600, por exemplo

Gabriel BR
Gabriel BR
1 mês atrás

É sempre bom começar o dia com uma boa noticia

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
1 mês atrás

Hum . . . Paquistão comprando equipamento militar brasileiro ? Sei, sei, sei . . .
Sem querer “animar” os animados mas lembro de ler/ouvir que o Paquistão compraria mísseis MAA-1B Piranha e Antiradar.
Fiquemos na espera.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Ricardo da Silva
1 mês atrás

Mas eles compraram tanto MAA-1 quanto o MAR-1

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

Pensei que o MAR-1 não havia sido finalizado.Ele foi para a linha de produção?É ridículo que o Paquistão tenha adquirido esses mísseis e nós não.

Teropode
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Não me surpreendo com isso .

Flanker
Flanker
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

MAR-1? Como, se o desenvolvimento desse míssil não foi terminado? Há vários anos se falou muito na compra de 100 MAR-1 pelo Paquistão, mas segundo informação de um diretor da Mectron, em entrevista algum tempo atrás, o míssil não foi terminado. Como poderiam vender um míssil que não teve seu desenvolvimento encerrado?

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Ricardo da Silva
1 mês atrás

Pela reportagem, em nenhuma linha está escrito que o Paquistão irá comprar equipamento militar brasileiro, mas sim uma aeronave civil. Aeronave civil que será convertida por eles ( Paquistão ) em Militar. Claro, se essa ” informação de compra ” é verdadeira e se concretizará, é outra história.

Alex prado
Reply to  Ricardo da Silva
1 mês atrás

Não deixa de ser verdade. Há muitas empresas gigantes nesse seguimento.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Alex prado
1 mês atrás

Sim. Mas existe um complemento que não pode ser coberto pelo quadro técnico da Embraer que é o poder político do lobby. Poder este que a nível internacional só é alcançado com o apoio do Estado.
Infelizmente, o lobby em nosso país está restrito a algumas indústrias (como automobilística), agronegócio, planos de saúde e ao funcionalismo público.

Zeca
Zeca
Reply to  Ricardo da Silva
1 mês atrás

Eles compraram foi MAR-1, e foi às pencas.

Rafael costa
Rafael costa
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Por que será que o Paquistão comprou o MAR-1, e a força aérea brasileira não ?

Marcos10
Marcos10
Reply to  Rafael costa
1 mês atrás

É assim que o Brasil funciona.

Salim
Salim
Reply to  Marcos10
1 mês atrás

Infelizmente, Igual Adarter, estamos comprando irst, p3a de 1960 estocados por problemas asas ao invés de Embraer, tupis e Barroso também, projetos consolidados e trocados por outro TOT ( incluo ai niterois que pagamos tot também )

Teropode
Reply to  Rafael costa
1 mês atrás

Pergunta difícil pra responder .

WELLINGTON RODRIGO SOARES
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Sr. Galante me tire uma dúvida por gentileza, os mísseis MAR1 estão ativos na FAB ? até onde eu sei eles tinham sido suspensos.
Eles foram fornecidos para o Pasquitão e nossa FAB ficou sem nada ? 🤔🤔

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  WELLINGTON RODRIGO SOARES
1 mês atrás

essa informação creio ser confidencial…

Flanker
Flanker
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Galante, interessante essa sua informação…eu não lembrava. No link abaixo, se vc permitir a publicação, tem entrevista com o fundador da Mectron e da SIATT, onde ele fala sobre o MANSUP e o MAR-1, inclusive sua venda para o Paquistão (segundo ele, foi suspensa):

https://m.youtube.com/watch?v=665cydw8bik

Last edited 1 mês atrás by Flanker
Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Tu trabalha para inteligência Indiana? Cuidado que o Nostra te pega, ficar divulgado dados de inteligência por aí dá em morte kkkkk

Vitor
Vitor
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Isso me leva a crer que temos, porém em quantidade mínima e de forma confidencial.
Se esta homologado lá, não tem porque não estar homologado aqui.
Ja foi mencionado aqui que a Antena de busca era restrita. Será que o Paquistão conseguiu liberação e o projeto foi concluído para eles, ficando o Brasil sem acesso a esta antena?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Vitor
1 mês atrás

Até aonde sei, o MAR-1 não foi pra frente.

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Galante, então o Paquistão efetivamente comprou os MAR-1 ? E os MAA-1B ? Porque, como ambos programas foram cancelados, entendi que tais negócios não foram finalizados. O cancelamento do programa não cancelaria a promessa de compra/venda? Poderia me esclarecer ?

Flanker
Flanker
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Então já não sei mais nada…..então, o diretor da Mecteon/SIATT deu um migué no repórter do vídeo que eu coloquei o link……o que não é impossível…….e pode ser que o Paquistão tenham recebido e Bradil cancelou a encomenda para a FAV…o que tb não é impossível….ou ainda comprou o míssil pra FAB……e mantém isso em segredo…….

Jhon
Jhon
Reply to  Alexandre Galante
1 mês atrás

Galant sabe das coisas, não entendo que motivou essa descontinuidade, teve alguma pressão externa?

GripenBR
GripenBR
Reply to  Jhon
1 mês atrás

E quando não tem?! Como um garota volúvel nós (Brasil) sempre cedemos facilmente. E normalmente essas pressões vem de um tradicional “parça” do Brasil. Bozinho sabe! Sempre “ajudando” no nosso desenvolvimento. Os “patriotas” morrem de amor. Eles (o parça) até nos “permitem” participar ali de um convescote entre altas patentes que derretem corações de muitos quepes graduados. Eu tenho vergonha alheia por eles! Porque eles não sentem vergonha.

Satyricon
Satyricon
Reply to  Ricardo da Silva
1 mês atrás

Está em desenvolvimento pela SIATT o MAN, míssil anti-navio, que prevê uma versão ar-superficie (aerolançada). Num futuro, há de se pensar em adaptar-se a cabeça de busca do MAR no MAN, assim como foi feito pelo Mica francês, que possui duas cabeças de busca (IR e radar)comment image
O mesmo míssil, dupla utilidade, maior escala, menor custo, maior viabilidade.
Nosso bolso agradece (MB e FAB também)

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Satyricon
1 mês atrás

SIATT é o que sobrou da Mectron?

Satyricon
Satyricon
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás
Tutu
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

Eles inclusive tentaram comprar o espório da Mectron, porém sem sucesso.
Obs: Alguns dos gestores da SIATT hoje, foram fundadores da Mectron.

Marujo
Marujo
Reply to  Tutu
1 mês atrás

Lamentavel!

João Pedro
João Pedro
1 mês atrás

Contra tudo e contra todos! Existem várias aeronaves já adaptada para essa função, mas mesmo assim deu Embraer! Orgulho !

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

Apesar de ser uma aeronave civil convertida para uso militar, sim vai ter muita interação com a Engenharia da Embraer para que os equipamentos e sensores instalados para vigilância e controle marítimo, e se possível ainda o uso de armazenamento, não interfiram nos controles de vôo da aeronave e vice-versa.

Existe todo um estudo e cuidado com qualquer equipamento eletrônico adicionado a bordo para que o mesmo não interfira na dinâmica do vôo. Não vai ser plug-in-play.

A Embraer via ganhar muito com essa experiência e conhecimento, vai ser mais um salto tecnológico.

Last edited 1 mês atrás by Grozelha Vitaminada Milani
Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 mês atrás

Exato. Foi o que postei, mas está retido. Fernando EMB pode nos dar uma luz.

Rodrigo M
Rodrigo M
1 mês atrás

Só essa possibilidade já é uma grande noticia! Se de fato se concretizar melhor ainda!

OSEIAS
OSEIAS
1 mês atrás

Todo grande sucesso militar da Embraer, vem de requisitos bem elaborados pela FAB, somos muito bons nisso e por isso nossos produtos estão vencendo concorrências que antes eram inimagináveis. Vamos aguarda mais esclarecimentos sobre esse projeto paquistanês. Pois não há informação alguma de que a Embraer irá participar do projeto.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  OSEIAS
1 mês atrás

Como fica a questão da patente do Lineage, que obviamente é da Embraer? Um terceiro pode simplesmente pegar o avião pronto e adaptar (e eventualmente comercializar) á revelia da Embraer?

Evans
Evans
1 mês atrás

Pergunta: Os jatinhos comerciais Embraer, podem ser municiados para combate; caso seja preciso.?.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Evans
1 mês atrás

poder eles podem, precisa ver quais armas pode levar, e as mudanças estruturais e os softwares de controle armas, como iria funcionar, então dá, mas não vale a pena dependendo do caso.

Last edited 1 mês atrás by Carlos Campos
Bille
Bille
1 mês atrás

Buenas! Excelente!

Se a FAB e a MB não querem, alguém irá demonstrar a viabilidade do projeto! Esse aí é o projeto que a MB deveria ter entrado há mt tempo (a patrulha já deveria estar na MB ha anos…). O E-99 já mostrou que não só é possível, mas é economicamente viável.

Jagdverband#44
Jagdverband#44
1 mês atrás

Paquistão não é aquele aliado muçulmano da China?
E o motorzinho do avião vem de onde mesmo???

Maurício.
Maurício.
Reply to  Jagdverband#44
1 mês atrás

Jagdverband, sim, ele mesmo, o mesmo que os EUA vendeu não faz muito tempo, alguns F-16 block 52.
Onde entra dinheiro, todo mundo fica aliado de todo mundo.

Reginaldo
Reginaldo
Reply to  Jagdverband#44
1 mês atrás

O que me consta é que o CF34, motor que equipa o L1000 e os E190/5 tem sua montagem na GE/Celma aqui no Brasil e são fornecidos até para equiparem o ARJ21 na China, não vejo empecilho algum para o negócio.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Jagdverband#44
1 mês atrás

Sua postagem reflete o a generalidade simplista das relações internacionais, tipo bandido e mocinho, os estados tem interesses e esses interesses se sobrepõem as torcidas.

Allan Lemos
Allan Lemos
1 mês atrás

Será ótimo se essa venda se concretizar,e ainda melhor se a Embraer participar da conversão.Se der certo por lá,poderiamos fazer o mesmo aqui.

USP
USP
1 mês atrás

Conversâo -será a SAAB?

Caique
Caique
1 mês atrás

Se a Índia não já tivesse comprado os P-8, poderíamos vender uma versão dos E2 de patrulha naval.

WELLINGTON RODRIGO SOARES
1 mês atrás

Com tantas deficiências em navios escoltas que existe na MB, vejo que um dos caminhos seria o uso maciço de aviões de patrulha armados com mísseis Antinavio de longo alcance, como os mísseis Harpoon.
Seria uma solução mais rápida do que tentar adquirir navios escoltas usados. Logicamente temos o entrave dessa função ser da FAB e não da MB.

Luiz Henrique
Luiz Henrique
1 mês atrás

Se confirmado será surpreendente.

Foram produzidas aproximadamente umas 25 aeronaves Lineage 1000, e o Paquistão tem um programa que visa comprar no futuro boa parte delas???

Apesar de construída na base do E-190E1 há alterações importantes, por um lado pode se buscar peças e suporte no E-jet “convencional”, por outro a oferta de aeronaves que já contam com a autonomia expandida e já modificada parece um pouco limitada.

O Lineage 1000 já saiu de linha, e não há por enquanto nenhuma intenção da Embraer em criar um novo modelo desta vez utilizando a plataforma do EJET-E2

pgusmao
pgusmao
1 mês atrás

Se esta informação se confirmar, a Embraer provavelmente perderá qualquer contrato com a Índia, pois a praxe deles é não negociar com empresas que tem laços com o “inimigo”, vamos aguardar.

Last edited 1 mês atrás by pgusmao
Mazzeo
Mazzeo
Reply to  pgusmao
1 mês atrás

Vendemos o MAR-1 pro Paquistão e a Embraer faz a plataforma do AWACS indiano.
Índia quer comprar F16 VIPER, comprou P8 mesmo os EUA vendendo F16 para os paquistaneses.
Por esse histórico eu acredito que isso não seria nenhum problema

André
André
1 mês atrás

Perfeito, acredito que parcerias devem ser feitas, se for empresas já parceiras da embraer melhor, mesmo que esta venda se faça desta forma vai dar a embraer um parametro, para uma possível substituição dos p3am da fab.

rodrigo
rodrigo
1 mês atrás

Acho que a venda do Lineage 1000 ao Paquistão como aeronave civil, foi uma forma da Embraer não desagrada os Indianos como a Saab fez. Com certeza a Embraer vai participar no projeto, mais de uma forma sutil para não criar obstáculos aos seus produtos na Índia.

Maurício.
Maurício.
1 mês atrás

A Embraer já tinha feito alguns estudos sobre uma possível versão de patrulha marítima do EMB-190 para a Nova Zelândia.
Aqui uma ilustração sobre um futuro EMB-190 patrulha.comment image

Eu acho que a FAB já deveria pensar em um futuro substituto tanto para os P3 quanto para os Bandeirulhas.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Roberto, concordo, mas as vezes, o resultado se torna bom, o próprio P-3 é prova disso.
Quanto ao P-1, deve ser uma excelente aeronave, como você disse, provavelmente melhor que o P-8, e se não for melhor, devem estar no mesmo nível.

Reginaldo
Reginaldo
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Só que o P3 Órion, mais famoso avião de patrulha de todos os tempos foi desenvolvido a partir do Electra, o E3 Sentry veio do 707 dentre outros… Então temos bons exemplos de ambos os lados.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Reginaldo
1 mês atrás

E diria, também, que o P3 é superior aos Neptune e Breguet-Atlantic. Os Grumann equadram-se em outra categoria. Concordam? Abs

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Posso estar enganado ou ficando velho mesmo. Mas já não tinha sido feito pela própria Embraer ou ter sido estudado por algum forista mais antenado, inúmeras versões dedicadas da família 190?

Inclusive haviam desenhos destes modelos.

Tanto AEW quanto Patrulha Marítima e patrulha terrestre. E se não me falha a memória, havia ainda versão de transporte e paraquedistas.

Galante, ajude aí.
Vc deve ter nos arquivos algo que tenha sido publicado aqui. Isso vai de uns 15 anos pra trás ou mais

Conan
Conan
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

Pois é eu acabei postando a mesma imagem sem ter visto que ela estava aqui.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Maurício.
1 mês atrás

O tal do P-1 é bem enganador. Olhando pra ele parece ser menor que um 737, mas não, é maior. Acho que é devido ao formato da cabine e os motores:

comment image

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Clésio Luiz
1 mês atrás

Pouco se fala sobre esse avião. Pode nos dar algum descrição mais detalhada?

Fernando
Fernando
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

E digamos que existe um “dedo” da Embraer no P-2.

Overandout
Overandout
Reply to  Fernando
1 mês atrás

Poderia explicar?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
1 mês atrás

Muito estranha essa notícia. Uma aeronave desse tipo requer anos de projeto e de ensaios. Jamais poderá ser construída sem a participação direta da EMBRAER. Será uma aeronave com radar de busca marítima, sistema SIGINT (que requer longos estudos e ensaios de instalação de antenas), sonobóias, pilones para armamento, baía na fuselagem para armamento, sistema de autodefesa etc. Isso demanda MUITOS anos. Pela matéria parece que basta comprar a célula e mandar pro hangar. Será praticamente outra aeronave. Assim como os E/R-9 são outro avião.
Com a palavra o Fernando EMB.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

Notícia para lá de estranha. Uma aeronave assim, muito especializada, requer profundas modificações nas suas estruturas, sistemas… Que afetam peso, arrasto, desempenho, qualidade de voo, etc. Seriam anos de projeto e ensaios. E muitos, muitos milhões.
Faz muito mais sentido ser feito numa aeronave nova de fabrica do que uma adaptação em um avião usado.
Como outro colega disse, ainda mais em se tratando de um Lineage que teve poucos exemplares construídos (e alguns já foram para o machado), e já saiu de linha.
Notem que a Embraer se negou a comentar…
Enfim… Muito obscuro isso.

Reginaldo
Reginaldo
Reply to  Fernando EMB
1 mês atrás

Será que tem alguma coisa a ver com o interesse dos indianos na parte comercial da Embraer? Porque é muito estranho eles se interessarem por uma aeronave da Embraer justo agora que o futuro da empresa não está muito certo.

Biro Biro
Biro Biro
Reply to  Reginaldo
1 mês atrás

Pensei a mesma coisa. Talvez possa ser uma manobra da China que também tem interesse na Embraer.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Reginaldo
1 mês atrás

Pois é Reginaldo, até parece algo plantado para azedar possiveis tratativas de cooperação…

LucianoSR71
LucianoSR71
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

Também achei essa história estranha, mas quem sabe se não é a hora da EDS tirar proveito, chegar na Índia e dizer: não quer que eu ajude o Paquistão? A situação tá difícil, preciso ganhar dinheiro, então basta comprar uns 12 KC-390 e eu nego assistência técnica ao Paquistão, topa?

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 mês atrás

Se não respondeu é contratual ou faz parte do negócio.

Andrew Martins
1 mês atrás

Paquistão nunca critiquei. rs
FAB 50% do trabalho já foi feito agora é só comprar.

João Bosco
João Bosco
1 mês atrás

Uma coisa é você anunciar que vai comprar dezenas de aeronaves comerciais para utilizar na conversão para aeronaves de patrulha marítima e ASW. Outra coisa é você converter essas aeronaves para tal fim, pois demanda tempo, estudos, viabilidade tecnica, dinheiro, etc…
Além do mais a EMBRAER nada falou sobre o caso. Além do mais, temos negócios com os indianos, inimigos declarados do Paquistão.
Tudo muito obscuro, parecendo uma Fakenews…. mas que a ideia de conversão dessa aeronave é muito interessante e, se não me engano, havia uma proposta dessa conversão da EMBRAER para a FAB.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 mês atrás

Eu sempre gostei do Paquistão kkkk, se isso acontecer, teremos uma plataforma pronta para substituir nossos P3, e as técnicas serão todas da Embraer, é só copiar e colar aqui.

Hellen
Hellen
1 mês atrás

Primeiro vamos deixar o Paquistão pagar para a embraer desenvolver e certificar o aviao para nova funcao !!!!
Depois a marinha do brasil adquiri algumas unidades ja com preço mais barato !!!

sub urbano
sub urbano
Reply to  Hellen
1 mês atrás

Eu poderia ter lido esse comentário em japonês que eu saberia que foi escrito por um brasileiro.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Sempre falei que o Embraer Lineage poderia ser uma opção real tanto para MP como para sistema de alerta antecipado,e que poderia até mesmo ser uma alternativa quando os coroas P-3 Orion sairem de cena…

É uma aeronave que não é um Bombardier Globaleye mas chega perto em desempenho,e para um país como o paquistão,que tem inimigos,seria uma boa aquisição.
comment image
comment image
comment image

Last edited 1 mês atrás by ADRIANO MADUREIRA
JSilva
JSilva
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Verdade, quando li a notícia a primeira coisa que me veio à cabeça foram seus posts com imagens do Lineage como produto mais próximo ao Global 6000.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  JSilva
1 mês atrás

É JSilva, já postei várias vezes quando o assunto era AEW&C e MP…

Para quê correr atrás de P-8 Poseidon, o sucessor natural do Orion?! Uma solução americana para as capacidades militares e financeira americana.

Porquê não usar uma plataforma nacional ao invés de ter que usar americana, europeia ou canadense?!

Temos que usar algo que esteja de acordo com nossa capacidade financeira e militar algo que esteja adequado a nosso país e nossos militares.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

Concordo com o Sr. Adriano Madureira. Perfeito: “…usar algo que esteja de acordo com nossa capacidade…adequado ao nosso país…”

Wellington Góes
Wellington Góes
1 mês atrás

Com o cancelamento da estúpida parceria “carac*”, os projetos P190, ou AEW&C, com a plataforma dos Ejets, podem e devem retornar… Rogo para quê seu desenvolvimento prossiga… Os nossos P-3AM precisam de um substituto no futuro, bem como os próprios E-99 (mesmo modernizados, ainda são limitados as nossas necessidades continentais)… Está na hora da FAB voltar a ter uma visão de capacidades estratégicas, largar mão de pequenisses…

Conan
Conan
1 mês atrás

Que tal algo assim.

p-1901.jpg
Anfibio
Reply to  Conan
1 mês atrás

Bacana!
Talvez para patrulha naval basta em o Harpoon e torpedos…

Palpiteiro
Palpiteiro
1 mês atrás

Para a substituição do EMB-111, acredito que o Phenom 300 poderia ser um candidato a função de patrulha naval de baixo custo. A FAB poderia estudar com a Embraer a possibilidade de inclusão de um radar como o Seaspray 5000E no nariz de um Phenom 300 utilizando o seu compartimento de carga frontal, alterar a porta, provendo capacidade de visualização em buscas, assim como uma janela maior do lado direito. Sua asa é bem robusta e com reforços estruturais poderia permitir a inclusão de um pilone ventral para até 200 kg, permitindo o carregamento de um pod de reconhecimento. A… Read more »

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Palpiteiro
1 mês atrás

Sempre pensei nessa possibilidade Palpiteiro, trocar tais aeronaves pelo Phenon e até mesmo pelo novo Praetor.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

Pra fazer isso, melhor um ARP. Minha opinião.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

Rinaldo Nery,quando você fala aeronave ARP,você fala em uma aeronave de mesmas dimensões ou algo menor?

Ou algo semelhante ao Piaggio Avanti II?

comment image

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Adriano, o ideal seria o Global Hawk.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

É uma bela aeronave,mas será que rolaria um por aqui?

Se não me engano ela é tão cara que até os alemães reclamaram do custo,e se eles reclamaram,oque dirá um desses para cá…
comment image

Last edited 1 mês atrás by ADRIANO MADUREIRA
Palpiteiro
Palpiteiro
Reply to  Adriano Madureira
1 mês atrás

É mas Praetor é outra categoria maior. O Phenon 300 teria outro custo de aquisição e de operação. Algo mais barato teria um potencial maior de vendas

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Palpiteiro
1 mês atrás

Posso estar enganado, mas quem vai substituir os Bandeirulha na FAB será algum ARP (drone). Não tem comparação, os bichinhos tem autonomia superior a qualquer patrulheiro de grande porte e custam uma mixaria para operar, em comparação.

Patrulheiros como os P-3 serão relegados a engajar navios de grande porte encontrados pelos ARP.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Clésio Luiz
1 mês atrás

O Hermes 900 já é usado como drone MP?
comment image?fit=1280%2C720&ssl=1

Seria bom usar algo do porte do UAV MQ-4C Triton,quem sabe até mesmo aeronaves Embraer Phenon 100/300
comment image

Last edited 1 mês atrás by ADRIANO MADUREIRA
Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
1 mês atrás

Quem faz os requerimentos é a FAB, mas se eu tivesse que chutar, apostaria em ARP menores, que custem na faixa de 10 milhões de dólares a unidade. Litoral brasileiro é grande, quantidade voando faz diferença. Melhor ter vários ARP “populares” no ar, do que um modelo top de linha que fica no hangar e só sai se não estiver chovendo…

Engajamento ficaria à cargo da patrulheiros tripulados, pois navios não tem como se evadir de uma área sob alcance de aeronaves.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Clésio Luiz
1 mês atrás

Mas existe algum ARP de pequeno porte que pode levar misseis antinavio por exemplo?



Valter Sales
Valter Sales
Reply to  Clésio Luiz
1 mês atrás

Eu contesto um pouco o primeiro parágrafo, por conta das capcidades all-wheater dos drones atuais.
Mas concordo integralmente com o segundo parágrafo

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Palpiteiro
29 dias atrás

Na minha opinião, para substituição dos P-95, seria um mix de aeronaves C295MP (que a FAB já possui) e ARPs IAI-Heron (montado no Brasil e chamado Caçador e que a FAB, igualmente, já possui). E por que o C295MP? Porque possui mais e melhores capacidades de fazer outras missões que não somente patrulha marítima… O SALVAMAR ainda é necessário e continuará a demandar aeronaves tripuladas, com capacidade de carga, para missões de salvamento no mar.
Já para substituição dos P-3AM, ai é para o P-190 (por óbvio complementadas por ARPs).
Minha opinião…

Tiger 777
Tiger 777
1 mês atrás
Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

E por uma dessas que não devemos ter alinhamento político com ninguém.
Nossa política interna não pode ser atrelada a acordo comerciais com ninguém.
Temos que ser como a Índia por exemplo, negociar com todo mundo, mas sua política não é completamente capitalista ou comunista.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Foxtrot
1 mês atrás

Concordo com o Sr. Foxtrot.

nonato
nonato
1 mês atrás

Isso pode ser um problema.
O Paquistão é inimigo da Índia e muito ligado à China.
Bom por um lado pois abre mercado por outro pode gerar problemas geopoliticos para a Embraer que poderia ter a ma vontade dos Estados Unidos e Índia.
E muita proximidade com China e Paquistão…

Reis
Reis
Reply to  nonato
1 mês atrás

Paquistão comprando avião comercial para fins militares e o fundo soberano da Índia comprando a divisão comercial da Embraer… sei não….uma coisa não bate com a outra.

https://www.airway.com.br/india-admite-interesse-em-comprar-divisao-de-avioes-comerciais-da-embraer/

FernandoEMB
FernandoEMB
1 mês atrás

IAF operates 2 ‘Netra’ AEW&CS & DRDO has retained 1. News coming that, IAF planning to procure 5 more Embraer ERJ-145XR jet based Netra AEW&CS. Embraer’s ERJ-145XR introduced in 2020 have range of 2,000 nm. 2nd batch of 5 ‘Netra’ will carry a much more advanced AESA Radar.

Fonte: https://twitter.com/ikunalshukal/status/1314579175831826438

Last edited 1 mês atrás by FernandoEMB
AMX
AMX
1 mês atrás

Que excelente notícia!!