Home Aviação de Ataque Embraer entrega o último F-5M à FAB

Embraer entrega o último F-5M à FAB

5881
131

Foi realizada ontem (15.10) a cerimônia de entrega do último caça F-5M modernizado pela Embraer para a Força Aérea Brasileira (FAB) em Gavião Peixoto.

A Embraer foi responsável pela atualização de 49 aviões, implementando novos sistemas eletrônicos, displays multifuncionais, contra-medidas eletrônicas, novo radar multimodo e a capacidade de empregar armamentos mais modernos, todos integrados e gerenciados por software embarcado e computadores de missão.

Modernização

Um programa de modernização dos aviões F-5 Tiger II da FAB estava sendo pensado desde o final da década de 1980, visando dotar os aviões com aviônica no estado-da-arte e recuperar seu poder de combate do início de carreira.

O Programa de modernização F-5BR só recebeu autorização para ser implementada no ano 2000, durante o Governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, num contrato de US$ 285 milhões para 46 aviões.

Os trabalhos de modernização foram realizados pela Embraer em sua unidade de Gavião Peixoto, interior do estado de São Paulo. Além da Embraer e da israelence Elbit, o programa F-5BR contou com a participação das empresas Honeywell americana (plataforma de navegação inercial), da italiana Galileu (radar multimodo) e da Elisra, também de Israel (RWR).

Os F-5 jordanianos

Um contrato de abril de 2011, no valor de R$ 276 milhões (US$ 87 milhões), previa que a Embraer atualizasse oito aeronaves F-5E monopostos e três F-5F bipostos comprados da Jordânia em 2007.

O primeiro F-5FM ex-jordânia foi recebido em outubro de 2014 e o segundo em dezembro de 2017.

Posteriormente, o contrato de modernização foi reduzido para somente três aeronaves F-5F, em vez das 11 inicialmente previstas.

Painel do F-5E 4863 em 2002 – Foto – Nunão
F-5EM painel com telas multifunção – foto Poder Aéreo – Nunão

O Programa F-5BR tornou o F-5E/F compatível com os A-29 Super Tucano e com o os A-1M. Com a padronização, os custos de manutenção foram reduzidos.

Esperava-se que com a modernização os F-5 da FAB teriam uma sobrevida de 15 a 20 anos, prazo necessário ao recebimento da futura aeronave de combate do programa F-X2.

Empregando tecnologia de 4ª geração e equipado com telas digitais, o cockpit do novo F-5M proporciona baixa carga de trabalho para o piloto. A configuração permite o controle total dos sistemas através de comandos instalados no manche e na manete de potência (HOTAS).

Dois computadores de alto desempenho e um sistema integrado de navegação INS/GPS também foram incluídos. Três telas multifuncionais em cores e um visor tipo HUD (que projeta informações à frente do piloto) dão ao F-5M o que de melhor existe em interface homem-máquina. Todos os sistemas de visualização e iluminação do F-5M foram projetados para o uso com óculos de visão noturna.

O F-5M também incorpora sistema de visor de mira no capacete, tipo DASH, enlace de dados, sistema de planejamento de missão e capacidade para treinamento virtual em voo.

A aeronave foi qualificada para o armamento padrão já existente na FAB, como os mísseis ar-ar de curto alcance MAA-1 Piranha, o israelense Python III, bem como bombas e casulos externos. Também foram disponibilizados os sistemas de armamento (convencional e inteligente) usados nos caças de nova geração, incluindo a capacidade de utilizar mísseis Python IV e Derby de combate BRV (Além do Alcance Visual) e bombas guiadas a laser.

F-5FM
F-5FM

Principais recursos incorporados no programa de modernização dos F-5BR:

  • Substituição dos mostradores analógicos por telas coloridas de cristal líquido de múltiplas funções (MFCD – conceito glass cockpit).
  • Tecnologia HOTAS (Hands On Throttle And Stick) em que todos os principais comandos estão posicionados no manche e na manete de potência.
  • HUD (Head-Up Display) visor ao nível dos olhos para que o piloto possa verificar todas as principais informações do painel sem ter de desviar o olhar para baixo.
  • Total compatibilidade com os óculos de visão noturna NVG (Night Vision Goggles)
  • Capacetes com sistema de mira HMD (Helmet-Mounted Display) tipo DASH da Elbit
  • RWR (Radar Warning Receiver) da Elisra, para autodefesa.
  • Rádios digitais V/UHF Rohde & Schwartz M3AR (Serie 6000), que podem receber/transmitir comunicações de voz e dados com proteção eletrônica (criptografia), salto e compressão de freqüências, assim permitindo a transferência de dados entre as aeronaves F-5M, os Embraer E-99 de alarme aéreo antecipado ou os controles de terra.
  • Radar Doppler FIAR Grifo-F com diversos modos de operação ar-ar, ar-solo e anti-navio, com grande resistência a bloqueios e despistamentos eletrônicos ou mecânicos. Seu alcance é de 56 Km para contatos na mesma altitude, 37 Km para contatos voando abaixo (look down-shoot down) e de 110-148 Km para alvos marítimos.
  • Modernos sistemas de navegação, incluindo um sistema inercial/GPS da Rockwell modelo H-764G a laser e um outro GPS de backup.
F-5EM com mísseis Python IV e Derby
O editor do Poder Aéreo, Alexandre Galante, voando no simulador do F-5M
Subscribe
Notify of
guest
131 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel
Gabriel
13 dias atrás

Sem dúvida, o Programa F-5M foi exitoso.

E o F-5M ainda vai “segurar o rojão” por mais alguns anos, até que o Gripen efetivamente entre em serviço.

Resumidamente, buscar sempre fazer melhor com o que se tem, enquanto não se tem algo melhor.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Gabriel
13 dias atrás

Olá Gabriel. Pois é. Concordo que o programa F5M foi um sucesso. Ele também foi a origem da modernização dos A1, dos A4 da MB. Com a entrada em serviço do primeiro lote de F39, a carga de trabalho dos F5M será reduzida, o que irá ampliar o seu tempo de operação na FAB. Em breve os primeiros F5M irão ser desativados, mas acho que eles ainda vão voar por mas 10~15 anos. Acho que é um dos bons exemplos de programas que foram desenvolvidos e implementados com sucesso.

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Gabriel
13 dias atrás

Fico na torcida para que parte dos F-5M (aqueles em melhores condições) sejam mantidos em operação, pelo menos até a chegada de um segundo lote de Gripens. Também seriam interessantes no papel de agressores, em combate dissimilar.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Adriano RA
13 dias atrás

Olá Adriano. Então você vai ficar satisfeito. Tanto os F5M mais novos e com menos horas de vôo vão voar muito ao lado dos F39 quando os A1M também continuarão voando por mais uma década ou mais.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Camargoer, é capaz de me conseguir esclarecer a curiosidade. Na matéria informa que a autorização e alocação monetária foi firmada em 2000. Quando foi de facto a modernização iniciada? As aeronaves foram alvo de actualizações para além da modernização inicial? (sistemas precisam de ser actualizados, especificamente software, eventualmente e por vez não só). Os caças Jordanos foram actualizados com os mesmos sistemas e capacidades dos tempos de 2000? Comparadamente ao programa ocidental MLU, por exemplo, implementado nas frotas europeias e americanas, quais são as principais diferenças que detecta entre um e outro programa? Outras curiosidades que queira eventualmente partilhar. Se… Read more »

Eduardo
Eduardo
Reply to  Gabriel
12 dias atrás

Qual “rojão”? Que combate vivenciamos? Esses aviões mal voam para não consumir combustível e manutenção, as horas de vôo dos oficias da FAB são uma vergonha.

Gonçalo Jr
Gonçalo Jr
Reply to  Eduardo
12 dias atrás

Interessante a sua afirmação. Quantas horas de vôo os pilotos dos caças F5M, A1 e A29ST têm anualmente em suas respectivas aeronaves em media?

No aguardo.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Gonçalo Jr
10 dias atrás

Primeira linha em torno de 150h, A-29 em torno de 200h. Essa média é mundial. A disponibilidade dos F-5 é muito boa.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rinaldo Nery
10 dias atrás

Pergunta pra quem foi da FAB.

Sossego01
Sossego01
Reply to  Eduardo
12 dias atrás

Eu concordo Eduardo. Vamo esperar alguem declarar guerra pra comprar ou modernizar os aviãozinho. Eles ficam prontos ou chegam em no máximo 2 dias úteis.Que rojão né não?

Talisson
Talisson
Reply to  Eduardo
12 dias atrás

Em Canoas e Cachoeirinha se ouve e muito os F5. Aqui na serra gaúcha passou um F5 esses dias também. Na região de Santa Maria os A1 voam bastante.

Chico Novato
Chico Novato
Reply to  Talisson
12 dias atrás

Quem mora em canoas sabe se os F5 voam ou não… Tche são, no mínimo, 4 aeronaves no ar, dia sim dia também. Aliás, essa semana tô vendo direto os bandeirulhas.

Ulisses
Ulisses
13 dias atrás

Mais do que a recuperação de capacidade de combate, a modernização dos F-5 foi importantíssima pois introduziu conceitos valiosos na FAB. Combate bvr (junto com o que foi aprendido com os F-2000), data-links, domínio de códigos fonte de softwares de missão, integração de armamentos…. Todos estes princípios ajudaram a pavimentar o caminho para o que estamos vivendo hoje com o F-39 e colocaram os pilotos em uma curva de aprendizado compatível com forcas aéreas de maior orçamento.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Ulisses
13 dias atrás

A robustez e segurança do F-5 é realmente impressionante. Tantissimos anos em serviço, e continua aí.

Leonel Testa
Leonel Testa
Reply to  Joao Moita Jr
12 dias atrás

Alem do que esses 49 caças modernizados ficaram mais baratos que

que 3 ou 4 F39 .

Camargoer
Camargoer
Reply to  Leonel Testa
12 dias atrás

Olá Leo. Excelente observação.

Argos
Argos
Reply to  Leonel Testa
11 dias atrás

Mas não entregam a mesma qualidade… Paliativo mas não solução.

Flanker
Flanker
Reply to  Argos
10 dias atrás

Não diga? Não é por outro motivo que foram encomendados os Gripen. Se a modernização dos F-5 fosse a solução, os Gripen não teriam sido comprados.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Joao Moita Jr
10 dias atrás

Na USAF (T-38) e US NAVY também.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Ulisses
12 dias atrás

Para o nosso cenário de defesa, o F5BR foi uma opção sensata, de custo baixo e que manteve a constante evolução e treinamento da força.

Sobre o projeto e a aeronave em si, absolutamente nenhum reparo, o seu comentário é bem no sentido do que eu penso sobre isso.

Mas se juntar o F5BR, o A1-M e o A4-M, são poucas aeronaves, para um país tao grande e complexo.

Pablo
Pablo
Reply to  Ulisses
11 dias atrás

Uma prova disso, foi o que a FAB fez com esses mesmo F-5 no RED FLAG em 2006 (ou 2007, não lembro exatamente agora), que segundo já vi falarem, é um dos maiores exercícios aéreos do mundo (se não for o maior).

Flanker
Flanker
Reply to  Pablo
10 dias atrás

Foi numa das edições da Red Flag de 2008.

IBIZ
IBIZ
13 dias atrás

Com um melhor planejamento e mais compromisso da classe política com a defesa a FAB poderia está utilizando aeronaves melhores como solução tampão até a introdução dos Gripens como os Kfirs israelenses ou os Mirage F1 dos espanhóis.

Camargoer
Camargoer
Reply to  IBIZ
13 dias atrás

Caro Ibiz. Por favor, seja específico sobre o que a classe política tem a ver com os programas da FAB. Vereadores são da classe política. Prefeitos, governadores, deputados estudais. Sua sugestão seria a FAB ter adquirido 40 F1 ou Kfir para substituir os F5 E/F? E quanto ao M2000, ele seria pior que o Kfir?

IBIZ
IBIZ
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Não é preciso ser especo sobre a classe política quando é evidente que são os ocupantes do Planalto e do Senado os responsáveis civis por assuntos ligados a defesa nacional. E sim, Kfirs e F1 são naturalmente superiores aos F5. Quanto ao M2000, os que a FAB adquiriu não duraram nem uma década e foram tirados de serviço.

Camargoer
Camargoer
Reply to  IBIZ
12 dias atrás

Caro Ibiz. Alguns colegas mais novos talvez tenham dificuldade de entender o papel que cada instituição política faz. Por exemplo, há alguns dias alguém criticou as condições de financiamento do ProSub sem nem mesmo considerar que esse tipo de operação nasce no MinEco (ex-Fazenda), passa pelo BaCen, precisa de um parecer do TCU, depois de uma análise das comissões de assuntos econômicos e de relações exteriores e defesa do senado, para ser votada. Talvez seja necessário sermos mais precisos sobre algumas coisas. Aliás, o que o Senado negou sobre defesa? E o Planalto? Qual governo prejudicou os assuntos de defesa?… Read more »

Salim
Salim
Reply to  IBIZ
12 dias atrás

Ibiz, quem faz orcamento e plano rearmamento e a FAB, congresso so da ok, sempre orcamento e aprovado, estamos entre 10 maiores gastos defesa do mundo em usd. O que aconteceu nestes últimos vinte anos foi triplicar número de homens, sem investimento praticamente. As falhas são da fab não dos políticos. São 75 mil homens, contra 25 mil força aerea Israel , da pra comparar as aeronaves de ponta em quantidade, horas de voo e de combate???? Coloca nisto que gastam menos que nos em usd.

Kemen
Kemen
Reply to  Salim
12 dias atrás

Entendo o seu questionamento, entretanto tem site colocando a nossa FAB como a Décima Sexta Força Aerea no mundo, isso sem contar ou prever nenhum Gripen na avaliação.__ Não estaria mal, mas poderiamos estar entre os 10 primeiros. O Chile a 37. e a Venezuela a 54.___ Não avaliam apenas os aviões de combate, mas o conjunto funcional como um todo, tendo em vista que uma força aérea desempenha muitas outras funções além de combater.__ Poderia o quadro da FAB ser otimizado?__ Não duvido, mas temos em tôrno de 12 bases e Israel deve ter umas 7, dai entendo que… Read more »

Last edited 12 dias atrás by Kemen
Salomon
Salomon
Reply to  Kemen
11 dias atrás

Rá! Mas nós temos mais e melhores dentistas, taifeiros,motoristas de carros de luxo e garçons. E ainda uma rádio FM com locutores militares da FAB. A IAF não seria páreo para a gente nesse aspecto.

Kemen
Kemen
Reply to  Salim
12 dias atrás

Salim, fui verificar pois é um detalhe que nunca me interessou, mas a IAF tem 34.000 efetivos ativos e 55.000 na reserva = 89.000, tal como escrevi antes.___ A FAB tem 80.937 efetivos.__ Os dados são de 2018.

Last edited 12 dias atrás by Kemen
Salim
Salim
Reply to  Kemen
12 dias atrás

Kêmen, legal discutir com argumentos, na minha pesquisa IAF tinha 25 mil militares e 4 mil civis. Quanto a reserva, ai que reside a inteligência de gerir quadros. Todo quadro não tecnico/ estratégico pode ir reserva sem custo e sem aposentadoria vexatória ao nosso bolso. Também acredito que pessoal está mais ligado a horas de voo e nr vetores, daí ressalto ainda mais esta disparidade em nr militares ativos, visto que dificilmente nr voadas pela fab ser superior a uso IAF em treinamento e combate.

Kemen
Kemen
Reply to  Salim
12 dias atrás

Não sei não Salim, acho que os quadros na reserva da IAI tem muitos (ou todos) que já foram treinados em sua função.__ Lembro de ter lido em algum lugar muito tempo atrás sobre as guerras, o comparecimento dos “reservistas” da IAF se completou no mesmo dia e a IAF foi essencial nos confrontos.__ Dai acho que o que nós conhecemos como “reservistas” é diferente dos “reservistas” da IAF, os nossos reservistas são por excesso de contingente e não são treinados se não for necessario, são dispensados do serviço obrigatório.

Nonato
Nonato
Reply to  Kemen
12 dias atrás

Realmente, esses reservistas israelenses, são reservistas. Parece que, devido o país ser pequeno, ter população pequena e sempre correr risco de guerra, com possibilidade de aniquilação total do país, toda a população, talvez com exceções, passa pelo serviço militar, é treinada e, depois do tempo mínimo de serviço militar, fica de prontidão, com retorno de tempos em tempos para novos treinamentos (não ficarem enferrujados). Salvo engano, os reservistas de lá, são praticamente toda a população, são bem treinados e passam por atualização com alguma frequência de modo a estarem sempre preparados. E a população aceita bem porque sabe os riscos… Read more »

Jefferson
Jefferson
Reply to  Kemen
10 dias atrás

A Fab tem 80 mil militares?
Tão brincando? Isso tudo para umas 300 aeronaves?
Como conseguem ter tanta gente? Onde fica todo esse pessoal? Vocês sabem o que é 10 mil pessoas???

Kemen
Kemen
Reply to  Salim
12 dias atrás

Salim, continuando com a comparação, a FAB tem em torno de 545 aeronaves, Israel tem em torno de 581 aeronaves, o que apresenta uma certa proporcionalidade entre os efetivos mencionados anteriormente, 89.000 e 80.937, sem considerar diferenças existentes entre a organização da IAI e a da FAB e outras que possam existir.

Last edited 12 dias atrás by Kemen
Paulo Lahr
Paulo Lahr
Reply to  Salim
12 dias atrás

Não dá para comparar efetivo de soldados nível Brasil e Israel. Tem que ser de outro país com dimensões parecidas. Precisamos de muito mais bases do que Israel. Exemplo.

Jefferson
Jefferson
Reply to  Paulo Lahr
10 dias atrás

Eu não consigo imaginar um pais como o Brasil com mais de 15 bases aéreas. Cada 1 com 2400 militares, talvez a sede com mais 4 mil militares = 40 mil militares. Cada base com 6 gripen de interceptação, 10 super-tucano de ataque e interceptação, 2 kc390, 2 aviao de reconhecimento e inteligência aérea, 3 helicóptero de transporte pesados, 3 helicóptero de resgate e operações especiais, 2 avião de transporte leve, 2 helicópterode transporte leve = 26 aeronaves 30 X 15 = 450 aeronaves, sendo que a sede poderia ter mais umas 40 aeronaves (incluindo nesses os helicópteros de ataque… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Jefferson
10 dias atrás

Essa Força Aérea que vc propôs, com 15 bases operando um monte de tipos diferentes de aeronaves, cada uma em quantidades pequenas, tornaria sua manutenção mais cara do que é hoje. Imagina o custo de logística e manutenção….montagem de bancadas, ferramentas em todas as bases, para todos os tipos de aeronaves….seriam 15 bases totalmente iguais umas às outras……..o custo disso seria estratosférico.

Jefferson
Jefferson
Reply to  Flanker
10 dias atrás

Você deu a resposta que eu queria. Se em 15 bases com todas essas aeronaves que eu citei o efetivo seria de 40 mil, como que a fab atualmente consegue ter um efetivo de 80 mil militares?
Esses sujeitos ficaram loucos? Onde fica essa galera?
Eu a minha descrição e compare com o que temos atualmente.
Observação: em nenhum momento eu citei que haveria manutenção nas 15 base, mas sim que la teríamos estacionados tais aeronaves.
É muita má gestão, uma loucura.
Abraço!

Henrique
Henrique
Reply to  Jefferson
9 dias atrás

Não é assim que se opera uma força aérea.

Last edited 9 dias atrás by Henrique
Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  IBIZ
11 dias atrás

Se o M-2000 era melhor, porque parou de voar?

Cuidado pois a pergunta é capciosa e deve-se ter cuidado para fazer os 03 pedidos ao gênio da lampada.

Vamos ajudar, fossem 12 F-22 estariam voando na FAB? Junte todos os ingredientes necessarios para um avião realmente voar e operar

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Carvalho2008
10 dias atrás

Parou de voar pra forçar a decisão do FX-2.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Camargoer,a classe política deveria ter tudo a ver com os programas da FAB ou de qualquer outro ramo das forças armadas,já que ela representa o poder civil. Nos EUA,quase tudo relativo às forças armadas é extensivamente discutido no Congresso,licitações,modernizações,aposentadorias de equipamentos,tudo passa pela avaliação dos representantes do povo,o que é o certo a se fazer. Já aqui,fora uma ou outra apresentação no Congresso,quase nenhuma decisão importante é discutida com o poder civil. E por causa disso,muitas vezes os militares tomam decisões erradas sem nenhum questionamento,isso enfraquece a democracia.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Allan Lemos
10 dias atrás

Allan, no Congresso norte americano tem muito ex militar. Centenas. Gente que entende, ex combatentes. A sociedade norte americana valoriza muito os militares (até de outros países), bem diferente daqui.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Rinaldo Nery
10 dias atrás

Rinaldo Nery,eu sei que os americanos valorizam muito os militares que são vistos como heróis de guerra,mas tenho minhas dúvidas se eles valorizam os militares como classe,por causa do problema sério que eles têm com os veteranos,muitos passam até necessidades porque não conseguem se sustentar com as indenizações que são pagas pelo governo.

Jhon
Jhon
13 dias atrás

Importante é resaltar que foi pensado no final da década de 80 mas assinado contrato em 2000 e o primeiro entregue em 2005 e concluido em 2020! Vcs não acham que demorou muito? Ficou bom? Ficou ! Mas chegou tarde d+…

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Jhon
13 dias atrás

É Brasil. É normal.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Joao Moita Jr
13 dias atrás

Caro João. Esquece. É Chinatown.

Kemen
Kemen
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Caro Camargoer, sem querer polemizar, Chinatown esta a nossa imprensa televisiva, parece que os reporteres não entendem nada.__ Acabei de escutar sobre a reclamação do gasto excessivo do exército (9 milhões) por ter treinado 3.600 combatentes na Amazônia.__ Ora ora, eles não sabem que a despesa sai do orçamento do E.B.?__ Ora, ora, afinal já não tivemos giuerrilheiros de outro pais entrando e combatendo na nossa Amazõnia?__ O pior é que essa mídia irresponsável faz muitas cabeças!__ Uma ora se diz que falta treinamento, outra que se treina desnecessariamente… eles são livres, a imprensa tem de ser livre. mas a… Read more »

Last edited 12 dias atrás by Kemen
Camargoer
Camargoer
Reply to  Kemen
12 dias atrás

Olá Kemen. Sem querer polemizar também. O filme é MUITO BOM…. um dos meus favoritos. Eu só pensei nisso quando o João fez o comentário dele… o filme acaba assim, com a filha do magnata sendo morta pela polícia, o magnata levando a neta (que também era sua filha, resultado do abuso que ele submetia a filha), e o sócio do detetive dizendo… “esquece… é Chinatwon”. Sobre a imprensa, concordo que ela apenas busca “vender jornal”. Ela nem tem compromisso chapa-branca, nem chapa-vermelha… a cor dela é das verdinhas.

Kemen
Kemen
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Falou tudo.

Kemen
Kemen
Reply to  Joao Moita Jr
12 dias atrás

Motta, não caia nessa, é fácil “malhar”, mas vamos entender a lei normal de qualquer compra salvo exepcionalidades. Se precisa entrega rápida, pague mais rápido e mais caro.__ Envolve a contratação de mais gente especializada, por todas as empresas envolvidas, a disponibilização dos equipamentos mais rápido pelas empresas e a disponibilização dos meios a serem modernizados retirando-os de operação, em maior número, num prazo bem mais curto.__ A FAB teve pressa para modernizar? __ Acredito que não, pois envolvia mais $$$.

RENAN
RENAN
Reply to  Jhon
13 dias atrás

Só 40 anos
Tamos na média
Achei que ia demorar 70 anos.

Camargoer
Camargoer
Reply to  RENAN
13 dias atrás

Olá Renan. Perdeu.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Jhon
13 dias atrás

Olá Jhon. Por que veio tarde? Os Mirage III da FAB estavam defasados, seus radares já estavam cegos. Muitos dos F5E/F também estavam defasados. O desastre da Cruzex deixou isso claro. Os Mirage III foram substituídos pelo M2000, muito mais eficaz e os F5E/F foram substituídos pelo F5M. Estes dois caças elevaram o padrão da FAB, permitindo seu emprego em ambiente BVR. O último F5M foi entregue praticamente junto com o primeiro F39. Seria estranho que a FAB ainda buscasse modernizar F5 a partir de agora.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Não foi algo muito inteligente abandonar os M2000…

Jef2019
Jef2019
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
12 dias atrás

Ola meu amigo…o M2000 é um baita de um avião. Mas pelo que entendi os motivos fundamentais para aposentarem eles…precisariam de modernização tb e teriam um alto custo de manutenção e hora voo e, principalmente, caso fossem mantidos operacionais poderia inviabilizar a aquisição de novos caças sob a justificativa de que não precisaria gastar um valor alto na aquisição de novos vetores se o M2000 ja daria conta…a FAB decidiu aposentar e colocou o bode na sala…hj temos o gripen chegando…ao meu ver decisão acertada.

Nonato
Nonato
Reply to  Jef2019
12 dias atrás

exatamente. para forçar o governo a tomar uma decisão que já vinha rolando havia uns 15 anos…

Jef2019
Jef2019
Reply to  Jhon
12 dias atrás

Realmente amigo, vc esta com toda a razão…como sempre os nossos militares tem planejamento estratégico a longo prazo…enxergam longe…foi o caso do FX tb e entre tantos outros avisos bem antecipados quanto a necessidade de tomada de ação. Porém aempre o que empaca é no apoio politico e financeiro para que as coisas saiam a contento..um dos poucos projetos que me parecem ter tido um atraso dentro do aceitavel foi o prosub…que os proximos projetos acompanhem essa sistematica.

Salim
Salim
Reply to  Jhon
12 dias atrás

A ideia era ter fx assinado e F5 modernizado, o nine finges sentou no projeto e so liberaram fx em 2015. Se não tivessem assinado contrato dos F5 nem isto teríamos.

João Fernando
João Fernando
Reply to  Salim
12 dias atrás

Oi? E os Rafales? Teve piti do Saito, esqueceu? Alias quem viver verá que 4000 dólares a hora de voo é balela das bravas.

Camargoer
Camargoer
Reply to  João Fernando
12 dias atrás

Olá João. Bem lembrado. Quando a presidência divulgou a escolha do Rafale e a FAB reclamou, aquilo inviabilizou a decisão política para a escolha de qualquer outro modelo. Nem discuto se a FAB tinha razão ou se era uma prerrogativa presidencial, mas o fato foi que aquela crise adiou a aquisição dos caças. O Rafale foi anunciado em set/2009 e poderia ter sido entregue em 2013, quando foi anunciado o Gripen. Então, se a FAB teve que esperar 7 anos a mais, foi devido a própria FAB, ao contrário do que dizem ter sido provocado pelo planalto ou pelo senado.

Salim
Salim
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

A FAB ao contrário MB fez valer seu critério técnico, o que resalto foi bom, pois Rafael e caro comprar, manutenção altíssima e mísseis integrados somente franceses. Estaríamos na roça pois nem F5 conseguimos manter voando a contento, embora que FAB teve engolir os helis russos e o caracal, fora gte ( outra disfunção ).

Jef2019
Jef2019
Reply to  Camargoer
11 dias atrás

Ola amigo. Fazendo uma pequena colocação. O processo FX comecou ainda no 2 mandato do governo FHC, estava ma mesa para bater o martelo mas este resolveu passar a decisao ao Lula que seguira o governo a sucede-lo. Porem em 2005 ele foi cancelado logo no comeco do governo petista, goi uma das primeiras decisoes do governo Petista alegando que a prioridade era o programa fome zero! Acho que muitos vao se lembrar disso…ai veio aquela declaracao sobre o rafale em um 7 de setembro. Porem tratava-se de uma licitação e uma decisao atabalhoada certamente levaria a questionamentos judiciais e… Read more »

Sequim
Sequim
Reply to  Salim
12 dias atrás

O FX-2 foi decidido em dezembro de 2013 pela presidenta Dilma Roussef. Sua ânsia de falar mal acabou por atropelar os fatos.

LUIS NATAL
LUIS NATAL
Reply to  Jhon
12 dias atrás

Jhon, tarde para que? Nos últimos anos nosso principal vetor de interceptação são os A-29 + E-99. Ainda temos 4 a 5 anos para a total operacionalidade dos F-39.

Gabriel
Gabriel
Reply to  Jhon
12 dias atrás

Para fins operacionais, demorou muito. Mas o objetivo principal não foi operacional (não havia guerra), e sim desenvolvimento de base tecnológica, aquisição de know how, geração de empregos, essas coisas. Valeu a pena sim, na minha opinião, a demora não foi ruim, por esse lado.

Nilson
Nilson
Reply to  Jhon
12 dias atrás

Vamos olhar pelo lado positivo. Não fizeram falta, pois não tivemos conflitos. E os que estão chegando por último voarão muitos anos ainda, mais do que voariam se tivessem chegado no início do programa. Considerando que os F-39 serão poucos, foi bom alguns F-5M chegarem mais tarde. Mais sorte do que juízo, lógico.

Jose Carlos
Jose Carlos
13 dias atrás

Com a tecnologia “amadurecendo” e barateando, os F5 poderiam ser transformados em “super” drones quando já houver uns cento e poucos F39 à disposição.

Wilson França
Wilson França
Reply to  Jose Carlos
12 dias atrás

Conclusão: nunca serão transformados em drones.

Matheus Augusto
Matheus Augusto
Reply to  Jose Carlos
12 dias atrás

Cento e poucos ? Kkkkkk

Se tivermos 72 Gripens pode levantar a mão pro céu.

RENAN
RENAN
13 dias atrás

Uma aeronave impressionante
Espero que as melhores sejam mantidas para uso no futuro para treinamento de pilotos
E que as piores sejam transformadas em drones, seja para um abate bvr ou para um ataque suicida.
Mas que seja usadas com muito valor.

Camargoer
Camargoer
Reply to  RENAN
13 dias atrás

Caro Renan. O F5M é um caça de linha de frente. Ele continuará servindo como arma de combate até a entrada em serviço de todos os Gripens (inclusive um segundo lote) mas acho difícil pensar neles como aviões de treinamento.

RENAN
RENAN
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Amigo não estou me referindo ao presente, e sim no futuro.
Para este guerreiro o tempo não faz efeito

Rodrigo Maçolla
13 dias atrás

Se entendi bem ? este F-5FM entregue ontem é uma das células “ex-jordânia” ?

Funcionário da Petrobras
Funcionário da Petrobras
Reply to  Rodrigo Maçolla
12 dias atrás

Sim.

Funcionário da Petrobras
Funcionário da Petrobras
13 dias atrás

Será que o negócio feito com a Jordânia valeu mesmo a pena?
Somente aproveitaram três aeronaves, além de outras peças de reposição no processo de canibalização, sem contar o dispêndio realizado para modernizá-los.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Funcionário da Petrobras
12 dias atrás

Olá Petros. Eu também acho que a FAB poderia ter modernizado todas os jordanianos. Essa despesa teria sido marginal em relação ao todo. Contudo, o objetivo da FAB eram as células de F5F, que são poucas disponíveis. Na época, ficamos sabendo que a Jordânia só venderia os “F” se fossem comprados alguns “E”. Isso encareceu o pacote, mas a FAB precisava dos “F” para substituir os antigos “B” defasados.

Funcionário da Petrobras
Funcionário da Petrobras
Reply to  Camargoer
12 dias atrás

Aí faz algum sentido.Venderam o pacote todo e a FAB teve que comprar os “micos”. TInha essa dúvida, mas não tinha certeza.
É a velha história, quando vendia LP e fita K7. Erámos obrigados a comprar todas as músicas somente por causa de uma [rs].
Quanto aos F-5E da Jordânia, pelo que ví pessoalmente nos Domingos Aéreos de alguns anos atrás, estavam bem surrados e acho que não tinham condições de voo.

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Funcionário da Petrobras
11 dias atrás

Os F-5E jordanianos devem ser fonte de peças para os F-5M operacionais. Acabam por ser úteis.

Jef2019
Jef2019
13 dias atrás

Na verdade os caças F5 são lindos!!! Quem já teve a oportunidade de ver em show aereo deve ter se emocionado, a exemplo do AMX que vc só vê depois que ja passaram sobre sua cabeça …na verdade esses vetores deixarão saudades aos entusiastas..quanto a modernização, o alcance de 56 km não limita o uso de misseis mais modernos no cenario atual? Pelo que vi na simulação contra os Sukoi da venezuela isso seria um grande problema…seriam identificados primeiro e com misseis com maior alcance do outro lado…aliás me corrijam se estiver enganado, mas pelo que já li a respeito… Read more »

Rodrigo Maçolla
Reply to  Jef2019
12 dias atrás

Verdade, apesar desta camuflagem da FAB não ajudar muito… Ainda sim são muito bonitos !!!, com suas asas pequenas e os F então por ser de 2 lugares parecem uma “Agulha” são ainda mais esguios que os “monopostos”

é Realmente uma pena o F-20 Tigershark não ter vingado era um caça formidável ele seria a continuação da Família F-5, F-5 Tiger II e é bem provável que a FAB hoje os tivesse operando.

Last edited 12 dias atrás by Rodrigo Maçolla
Salim
Salim
Reply to  Jef2019
12 dias atrás

O radar e fraquinho, os do Ar são bem mais capazes. Em análise a brilhante simulação deste site (parabéns envolvidos ) o que fica claro e: doo viu bem antes caças inimigos, f5 foi visto depois atirar primeira salva mísseis ( menor rcs ) o grande desastre e que nosso bar derby tem alcance de 50 km e nem 25 km, tiveram que lançar derby no limite alcance, daí taxa sucesso cai bastante. Se tivéssemos bvr com alcance superior ( derby er 100 km alcance) acredito eu que taxa sucesso seria bem maior. Falta míssil capaz bar.

Salim
Salim
Reply to  Salim
12 dias atrás

Desculpem novamente erros, meu tablet tem vida própria rsss

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Jef2019
12 dias atrás

Respondendo a questão levantada sobre os radares. É verdade, o radar dos A4 da MB tem maior alcance que o dos F-5M, o A4 da MB foi equipado com o radar israelense EL/M 2032 com uns 150 Km de alcance enquanto os F-5M da FAB estão equipados com o radar italiano Grifo-F com um alcance máximo de 80 Km(Tem uma matéria da época do começo do programa que traz esse valor).
A razão disso eu desconheço.

jef2019
jef2019
Reply to  Wilson Look
12 dias atrás

Obrigado Wilson, exatamente algo assim eu já tinha visto a respeito…e é uma grande diferença de alcance. Também não entendo o porque disso. Já o A4 apesar de ter esse excelente radar para ataque ar solo continua a utilizar bombas burras…vai entender….

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Jef2019
11 dias atrás

lindo é o som da turbina,ensurdecedor…

Leonel Testa
Leonel Testa
12 dias atrás

Com a chegada dos F 39 eu acho que os F5 menos rodados deviam ficar em Manaus ate a sua desativaçao

Funcionário da Petrobras
Funcionário da Petrobras
Reply to  Leonel Testa
12 dias atrás

Quase certeza que acontecerá desta forma.

Flanker
Flanker
Reply to  Leonel Testa
12 dias atrás

E o que vc coloca no Grupo de Caça e no Pampa? Os 36 Gripen vão equipar o GDA e o Adelphi. Sem segundo lote de F-39 encomendado, produzido e entregue, vai ter F-5M em Santa Cruz, Canoas e Manaus…..caso contrário, não terão caças para voar.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
12 dias atrás

Considerando-se o nível de modernização que os F-5 tiveram ( praticamente um novo 4° geração + ), seu custo/benefício, e considerando-se o estado das Forças Aéreas de nossos vizinhos, esses F-5 duram mais uns 10 ou 12 anos tranquilamente, mesmo com um segundo lote de Gripen.

Arariboia
Arariboia
Reply to  Willber Rodrigues
12 dias atrás

Pera aí! 4 geração é forçar a barra. Se for 3,5 já esta de ótimo tamanho.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Arariboia
12 dias atrás

O caça, em sí, é 3° geração. Mas a aviônica é de 4°

Eduardo
Eduardo
Reply to  Arariboia
12 dias atrás

4º geração + então…

Funcionário da Petrobras
Funcionário da Petrobras
Reply to  Eduardo
12 dias atrás

5ª geração sô.

Maurício.
Maurício.
12 dias atrás

Uma coisa que eu percebo é que a maioria do pessoal gosta do F-5, já o A-4, coitado, a maioria crítica ele sem dó, eu gosto das duas aeronaves, embora ambas já deveriam estar em um museu, ainda mais em um país que gasta tanto dinheiro em defesa como o Brasil.

Henrique
Henrique
Reply to  Maurício.
9 dias atrás

O F-5 é caça puro sangue desde o início. Já o A4 é avião de ataque subsônico que alguns querem fazer crer que é “caça”.

Allan Lemos
Allan Lemos
12 dias atrás

As forças armadas brasileiras gostam de fazer festinha para tudo,é cerimônia de entrega disso,cerimônia de assinatura de contrato daquilo,palestras atrás de palestras. Tudo isso é dinheiro jogado no lixo.

Alexandre
Alexandre
12 dias atrás

Muito bom, provavelmente até 2030 esses caças F-5 M estarão em atividade, até o recebimento do primeiro lote dos caças Gripen, sendo 36 unidades no total.

Last edited 12 dias atrás by Alexandre
Funcionário da Petrobras
Funcionário da Petrobras
Reply to  Alexandre
12 dias atrás

Restarão poucos F-5M em serviço daqui a 10 anos, pode ter certeza.
Os mais fadigados estarão esquetados em alguma praça da terra tupiniquim.
Espero que o destino do 4856 seja o MUSAL, pois já vi gente falando que os EUA pegarão de volta após sua desativação.

Flanker
Flanker
Reply to  Funcionário da Petrobras
12 dias atrás

Os EUA pegarão de volta? Como assim? Pra pegarem vão ter que pagar! Se eles quosetwm preservar lá, vão ter que comprar de volta da FAB. Ele foi comprado….não foi doado ao Brasil.

Arariboia
Arariboia
12 dias atrás

Foi um bom projeto de modernização! Só que tardio e demorado. Era pra ser aposentado uma década atrás.
Já esta muito defesado em relação aos F-16AM/C e MIG-29PM/M2000 e SU-30MKV*
Principalmente em relação aos misseis BVR/alcance Radar e contramedidas.
Não falarei de célula etc…

Salim
Salim
12 dias atrás

F5 fornecer. Ótimo caça, se tivesse radar melhor, míssil br com maior alcance e rist, seria dócil de bater visto seu baixo rcs e manobrabilidade Com e99 e com bvr longo alcance e osso duro roer.

Rodrigo LD
Rodrigo LD
12 dias atrás

Espero que possam ser vendidos após a substituição pelo Gripen. Países como o Paraguai, Uruguai e Bolívia sequer possuem jatos supersônicos. Vê-los espetados e apodrecendo em praças públicas seria um crime.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Rodrigo LD
12 dias atrás

Será que depois de todo investimento no Gripen, investimento no programa F-5M vamos dar de bandeja um caça com características BVR para vizinhos? Acho que a nosso nova Estratégica de Defesa Nacional não permitirá isso.

Last edited 12 dias atrás by Marcelo
Eduardo
Eduardo
Reply to  Marcelo
12 dias atrás

6, 8 ou 10 caças desses não fariam diferença para nossa defesa com 36 F39, no mínimo, mais alguns F5 dentre outros aparatos.

Agora iriam ajudar na boa vizinhança, ajudar a fazer caixa e a embraer com manutenção.

Wilson França
Wilson França
Reply to  Marcelo
12 dias atrás

Tá preocupado com Uruguai e Paraguai?

Funcionário da Petrobras
Funcionário da Petrobras
Reply to  Rodrigo LD
12 dias atrás

Rodrigo, todo bem é durável e tem vida útil, e assim são as aeronaves. Qual vantagem desses países operá-los só porque não têm jatos supersônicos? O gasto em capacitar o pessoal e manter uma aeronave que, a cada ano fica mais cara para manter, não valeria a pena.
Não vejo problema alguns espetá-los em praça pública.
Seria mais vantajoso para esses países comprar caças mais novos.

Carlos Campos
Carlos Campos
12 dias atrás

Esse radar é bem fraquinho, deviam ter comprado um da Elta.

ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
12 dias atrás

Belo exemplo de dinheiro bem gasto. O F5M e o A1M são programas que permitiram à FAB uma capacidade dissuasória mínima para o contexto regional e prepararam nossos pilotos para a nova geração de caça que está chegando. Ainda dão um belo “caldo” essas máquinas renovadas!

Alex Tiago Do Prado
Reply to  ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
12 dias atrás

Será como ficaria o Amx com motor do gripen e eletronica do gripen sera que compensaria manter estrutura do amx ou remodelar o amx com a avionica e motorização e radar do gripen no geral com a tecnologia tudo novo ???? Acho que seria supersonico e com o menor peso do motor e menor tamanho teria mais espaço para combustivel. E acho que ia ficar bem mais em conta para produção

Last edited 12 dias atrás by Alex Tiago Do Prado
Flanker
Flanker
Reply to  Alex Tiago Do Prado
11 dias atrás

Quanto custaria essa brincadeira? Para remodelar, no máximo do máximo, umas 35/40 células, que só seriam operadas por nós….e como ele seria supersônico? Acha que é só botar um motor mais potente e ele se torna supersônico? E o desenho e perfil de asa, fuselagem, empenagens? O motor GE F414 do Gripen mede 3,9 metros de comprimento e pesa 1191 kg. O Spey, segundo o site Sistemas de Armas pesa 1096 kg. Segundo o mesmo site, na década de 1980 o estudo para remotorizar o AMX apontou um custo, apenas em engenharia , de 40 milhões de dólares, à época.… Read more »

Last edited 11 dias atrás by Flanker
Alex Tiago Do Prado
Reply to  Flanker
11 dias atrás

Flanker. Bom dia o motor atual pesa 700kg a mais e tem aproximadamente 1 metro a mais a uns 20 anos atras tinham cogitado colocar o ej200 o mesmo do taifonn que tbm e bem menor e pesa quase 900kilos pensei em logistica e pensei em celulas novas e clientes colombia argentina paises menores. Na decadacde 80 falavam em amx com possibilidade supersonica mas prefiriram economizar e nao deram a potenciabilidade maxima da celula porque deixaram a configuração do motor a seco sem o after burn ou o amx nao tem pos combustao porque sera??? Acredito que uns 600 milhoes… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Alex Tiago Do Prado
10 dias atrás

Só se construíssem células novas, pq o desenho atual do A-1 Não é feito para ser supersônico. E 600 milhões de dólares dariam para quantas dessas aeronaves novas? A ideia do EJ200 do Typhoon seria utilizá-lo sem PC. Com essa célula do A-1 Não tem como querer que ele seja supersônico.. ..eles não foi projetado pra isso…..então, teria que reconstruir praticamente tudo…..e qual o custo disso? Esquece, isso é loucura! Vamos utilizar ao máximo que der….pelo máximo de tempo possível os 14 A-1M (dos quais os últimos devem ser entregues modernizados em 2021) e focar o restante dos esforços no… Read more »

Last edited 10 dias atrás by Flanker
LUIS NATAL
LUIS NATAL
12 dias atrás

Alguém tem informação de como será a distribuição dos F-39? 2 ou 3 Esquadrões? Se vingar a atual configuração: Anápolis, Santa Cruz e Canoas!

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  LUIS NATAL
12 dias atrás

1° lote todo em Anápolis, pra facilitar a logística e treinamento

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Willber Rodrigues
10 dias atrás

Isso já foi postado aqui mil vezes. E ainda perguntam…

Jose Juscelino de Oliveira Neto
Jose Juscelino de Oliveira Neto
12 dias atrás

Quando os gripens chegarem, esses caças deveriam realizar suas atividades nas regiões norte e nordeste. Eu acho.

Flanker
Flanker
12 dias atrás

Não aparece no texto e na imagem, mas esse F-5FM é o FAB 4810. Os 3 FM ex-Jordânia foram matriculados 4810, 4811 e 4812. O 4811 caiu algum tempo atrás após decolar de Santa Cruz. O 4812 esta operacional. Entao, esse só pode ser o 4810.

Nonato
Nonato
12 dias atrás

Já que essas células estão aguentando o tranco, não seria possível novas modernizações, colocando itens ainda mais modernos?
Um radar AESA, mais eficiente?
colocar um meteor?
colocar um motor mais moderno?
reduzir a assinatura radar com tinta RAM?
IRST?
quem sabe voaria até 2050?
serviria para fazer número, a preços módicos.
ou quem sabe construir, do zero, um novo F 5 – 2020…

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Nonato
11 dias atrás

Olá Nonato. Essas células antigas, querendo ou não, tem limitações difíceis de superar. Por exemplo, não sabemos ao certo porque o radar italiano foi escolhido, em vez do Elta. Pode ser que seja a disponibilidade de energia possível de ser oferecida pela aeronave (mesmo modernizada). Não dá pra instalar um radar AESA moderno e potente, sem energia para alimentá-lo. Existe também necessidade de sistema de resfriamento robusto… tudo isso é complicado de adaptar em células tão antigas e com pouco espaço, como nos F-5. Os custos das mudanças que sugere seriam, portanto, inviáveis técnica e/ou economicamente.

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Nonato
11 dias atrás

Moderador, por favor, liberar a resposta para o Nonato. O Doberman reteve, mas sem nenhum motivo. Obrigado.

Salvador Costa
Salvador Costa
12 dias atrás

Agora podemos enfrentar o Irã sem problemas…

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
12 dias atrás

Que venham os Suíços e sejam modernizados na EMBRAER em consorcio com os Israeli.

Para nossas fronteiras na AS está muito bom.

Flanker
Flanker
Reply to  Carlos Alberto Soares
11 dias atrás

Os EUA já estão de olho nos F-5 suíços.

Pavan
Pavan
11 dias atrás

Uma pergunta, valeria a pena modernizar os mirages 2000 que estão armazenados pra versão mirage 2000-5 mk2??

Last edited 11 dias atrás by Pavan
Flanker
Flanker
Reply to  Pavan
11 dias atrás

Quais M2000 armazenados? Pelo que foi publicado aqui, tempos atrás, eles foram vendidos para uma empresa que oferece serviços de treinamento de combate, do OM ou da Europa, não lembro. E mesmo que estivessem na FAB ainda, custaria uma baba para modernizar ao padrão -5Mk2. A Índia fez isso com os seus M2000 e pagou segundo a internet, ao redor de 47 milhões de dólares por célula…..

Last edited 11 dias atrás by Flanker
Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Pavan
11 dias atrás

Não e já foram todos vendidos para uma empresa de treinamento americana, os que não foram estão no MUSAL e espetados por ai.

Atirador 33
Atirador 33
11 dias atrás

Se eu não estiver enganado, a história da modernização dos F5 antecede a história de um exercício Cruzex, em que os caças franceses com capacidade BVR abateram os caças F5 E da FAB, foi ai que a brigadeiraiada tomou um choque de realidade, após as primeiras aeronaves padrão F serem entregues, as mesmas mostraram seus valores aos mesmos caças franceses. Não me lembro onde li essa história.
Se alguém puder confirmar, corrigir ou desmentir essa história, eu acharia bem legal, pq não me lembro onde a li.
Abs

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Atirador 33
10 dias atrás

O choque de realidade aconteceu nos anos 90. Faltou dinheiro, que só chegou nos anos 2000.