Home Aviação de Caça Inteligência Artificial vence piloto de F-16 da DARPA em ‘dogfight’

Inteligência Artificial vence piloto de F-16 da DARPA em ‘dogfight’

2743
23

WASHINGTON: Em um placar de 5 a 0, um “piloto” de Inteligência Artificial (IA) desenvolvido pela Heron Systems venceu um dos melhores pilotos de caça F-16 da Força Aérea dos EUA na competição de combate aéreo simulado da DARPA no dia 20 de agosto.

“É um salto gigante”, disse Justin Mock (indicativo de chamada “Glock”) da DARPA, que atuou como comentarista nas provas.

A IA ainda tem um longo caminho a percorrer antes que os pilotos da Força Aérea estejam prontos para entregar o manche para uma Inteligência Artificial durante o combate, disseram oficiais da DARPA durante a transmissão ao vivo dos testes do AlphaDogfight. Mas os testes de três dias mostram que os sistemas de IA podem manobrar uma aeronave com credibilidade em um cenário de combate simples e um contra um e disparar seus canhões em um combate clássico no estilo da Segunda Guerra Mundial.

Por outro lado, eles disseram, foi uma exibição impressionante de um agente de IA após apenas um ano de desenvolvimento. (O programa começou em setembro do ano passado com oito equipes desenvolvendo suas respectivos AIs.)

A Heron, uma pequena empresa de propriedade de mulheres e minorias com escritórios em Maryland e Virgínia, constrói agentes de inteligência artificial e também participa do esforço Gamebreaker da DARPA para explorar táticas para quebrar estratégias inimigas usando jogos do mundo real como plataformas. A empresa venceu outras oito equipes, incluindo uma liderada pela gigante da defesa Lockheed Martin – que ficou em segundo lugar nas “semifinais” do AlphaDogfight que colocaram os pilotos de IA uns contra os outros.

A equipe da Heron fez uma transmissão ao vivo de perguntas e respostas no Youtube. “Mesmo uma semana antes do Teste 1, tínhamos agentes que não eram muito bons em voar. Nós realmente mudamos tudo e, desde então, temos sido o número um”, disse Ben Bell, co-líder da Heron para o projeto. A equipe pretende publicar ainda este ano alguns dos detalhes sobre seu processo de aprendizagem por reforço para a IA, disse ele.

Os testes foram concebidos como um esforço de redução de risco para o programa Air Combat Evolution (ACE) da DARPA para detalhar como os pilotos humanos e máquinas compartilham o controle operacional de um caça a jato para maximizar suas chances de sucesso na missão. O conceito abrangente do ACE visa permitir que o piloto mude “de operador de plataforma única para comandante de missão”, encarregado não apenas de voar em sua própria aeronave, mas de gerenciar equipes de drones escravizados ao seu jato de combate. “O ACE visa oferecer uma capacidade que permite ao piloto atender a uma missão de comando aéreo mais ampla e global, enquanto suas aeronaves e sistemas não tripulados em equipe estão envolvidos em táticas individuais”, explica o site do programa ACE.

A IA da Heron Systems foi extremamente agressiva nos jogos, com seu piloto de IA consistentemente capaz de girar e acertar golpes mortais no F-16 simulado comandado por um piloto não identificado da Força Aérea dos EUA, com o indicativo de “Banger”, um graduado da Weapons School altamente seletiva da Força em Nellis AFB. A IA exibiu “habilidade de mira sobre-humana” durante a simulação, disse Mock.

Embora os testes não fossem de forma alguma “definitivos” das capacidades futuras de um piloto de IA ou mesmo de sua viabilidade, Mock disse, ao mesmo tempo “o que vimos foi que nesta área limitada, neste cenário específico, temos IA que funciona.”

A DARPA pretende levar o simulador usado nos testes e nas simulações para Nellis, onde outros pilotos da Força Aérea podem tentar derrotar os pilotos de IA. As próximas etapas serão passar a testar as capacidades dos pilotos de IA para realizar outros tipos de missões de combate aéreo.

Em algum lugar, o famoso Barão Vermelho está sem dúvida rindo de espanto.

FONTE: Breaking Defense

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Skynet

francisco Farias
francisco Farias
Reply to  Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Tá se aproximando.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  francisco Farias
2 meses atrás

2!!!!!!!!!!

1979
1979
Reply to  Ricardo Bigliazzi
2 meses atrás

Nunca viram Exterminador do Futuro ou Battlestar Galactica.
Máquinas não tem sentimentos. Isso ainda vai dar problema!

Angelo Chaves
Angelo Chaves
Reply to  1979
2 meses atrás

Tenho essa mesma impressão, e não somos só nós, pesquisadores sérios também tem opinião semelhante. (não que não sejamos sérios, mas não somos pesquisadores, pelo menos nesse assunto…rsrsrs)

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Foi bem interessante, mas ainda vai demorar um pouco para vermos isso na prática com a AI no comando de um caça de verdade!

JuggerBR
JuggerBR
2 meses atrás

Fico na dúvida se as limitações físicas do piloto não foram levadas em conta. Em teoria o avião consegue puxar G’s maiores se estiver sem um ser humano sentado no cockpit.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  JuggerBR
2 meses atrás

Mas não esqueça que os materiais também tem limitações de esforço e isso reflete na resistências dos materiais as forças G’s, em alguns casos de acidentes as estruturas quebraram por conta de forças G’s excessivas antes dos pilotos perderem a consciência por conta da força G.

Jacinto
Jacinto
2 meses atrás

Quem acompanha o desenvolvimento de AI sabe: em qualquer atividade que exige computação contínua – e o dogfight é uma delas, na medida em que o que o piloto, quando manobra, está fazendo computações – o homem já não consegue superar a AI. Este resultado não surpreende e a questão hoje é somente a de ver como a AI será aproveitada no âmbito militar. Mas se pensarmos no F-35, que já tem grande capacidade computacional embarcada, não é difícil pensar em um cenário em que a AI é acrescida como um “mode” em que o piloto permanece mais como um… Read more »

FABIANO ANDRE IAPPE
FABIANO ANDRE IAPPE
Reply to  Jacinto
2 meses atrás

A.I não sente emoções, não tem necessidades fisiológicas, não sente a força G, A.I não se distrai. Então ela nos supera em todos os sentido.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  FABIANO ANDRE IAPPE
2 meses atrás

Mas por outro lado AI não tem imaginação, ela só sabe o que ensinaram, tá certo que ela pode aprender coisas novas, mas a inventividade humana não é possível ser copiada, podemos apanhar mas sempre vamos encontrar um meio de vencer!

FABIANO ANDRE IAPPE
FABIANO ANDRE IAPPE
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Concordo plenamente.
Mas e experiencia de combate e adquirida nos humanos por anos de estudo, treinamento e pondo em pratica. Mas todo piloto precisa de anos de treinamento.
A.I depois que inseridas, cada combate será agregada a um único banco de dados e replicada em cada avião com A.I. Ou seja já avião já sai da fabrica 100% pronto para o combate.

Jacinto
Jacinto
Reply to  FABIANO ANDRE IAPPE
2 meses atrás

E a cada simulação, sai um pouco melhor…

Jacinto
Jacinto
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

AI, para funcionar bem, precisa aprender a partir de um banco de dados. Eu imagino que os EUA têm um enorme banco de dados de combates reais e simulados e acho muito difícil um piloto inventar, na hora, uma manobra nunca vista; e mesmo que isso ocorra, vai funcionar poucas vezes porque a AI aprende…

Vivaldo J Breternitz
Vivaldo J Breternitz
Reply to  FABIANO ANDRE IAPPE
2 meses atrás

Além de tudio, é mais leve que um piloto…

Antunes 1980
Antunes 1980
2 meses atrás

Tudo se resume a carga G que um humano suporta em relação ao vetor comandado por Inteligencia Artificial.

Tiago Jeronimo Lopes
Tiago Jeronimo Lopes
2 meses atrás

Verdade, porém no último combate o piloto mudou a tática e mesmo assim perdeu, sem contar que ele fez várias curvas seguidas a 9G’s que dificilmente aguentaria em um cenário real.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
2 meses atrás

Eu assisti a prova ao vivo e realmente foi um massacre..

Hoje eu vi a análise no canal do C.W. Lemoine sobre este combate e muitas coisas eu concordo com ele e me fez entender porque é comum ver pilotos de caça e helicóptero consistentemente tomando pau da molecada no DCS World.

E ele fez a segunte pergunta..

Será que este AI teria o mesmo desempenho contra um “piloto” de videogame ?

Ele acha que não.

Welder
Welder
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 meses atrás

Isso, porem não se pode fantasiar depois de muito treino o máximo que um piloto humano conseguiria arrancar da IA seria um empate.
Somente uma IA pode vencer uma IA.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Welder
2 meses atrás

Isto é relativo…

Todo simulador seja o DCS, Arma3, aqueles navais que eu n lambeo o nome, etc… você lida com AI a favor e contra e treinando você vence.

Achar que para vencer a AI vamos precisar de um John Connor é viagem.

Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Carlos Eduardo Broglio Gasperin
2 meses atrás

Barão Vermelho não deve estar rindo mas agradecendo a Deus por não viver na presente era.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Carlos Eduardo Broglio Gasperin
2 meses atrás

Até porque foi poupado de ver seu sobrenome (von Richthofen) frequentar as páginas policiais do Brasil…

Sérgio Luís
Sérgio Luís
2 meses atrás

Uai alguém poderia esperar um resultado diferente!? Rsrsr