Home Aviação de Ataque Caças da Força Aérea da Bielorrússia pousam em autoestrada

Caças da Força Aérea da Bielorrússia pousam em autoestrada

3403
42

De acordo com o Plano de Treinamento da Força Aérea e das Forças de Defesa Aérea da Bielorrússia para o ano acadêmico de 2019/2020, de 4 a 7 de agosto de 2020, está sendo realizada a primeira etapa de um exercício tático operacional.

Durante o exercício, aeronaves MiG-29, Su-25, Yak-130, L-39 pousam em uma seção de aeródromo pré-preparada da rodovia M1 Minsk-Brest com sua subsequente preparação para um segundo voo e ataque contra alvos terrestres será realizado na área de tiro de Ruzhany.

O equipamento de aviação e as tripulações da 116ª Base de Aviação de Assalto dos Guardas e da 61ª Base de Aviação de Caça da Força Aérea e das Forças de Defesa Aérea participarão do treinamento nos trechos das estradas.

Está planejado cobrir a área de voo de ataques aéreos inimigos por caças Su-30SM das zonas de observação aérea e sistemas de mísseis antiaéreos Tor-M2, de posições na área da autoestrada.

Os helicópteros Mi-24 e Mi-8MTV-5 da 50ª base aérea mista realizarão missões para cobrir a autoestrada das ações de formações armadas ilegais e grupos de sabotagem e reconhecimento.

Pela primeira vez, o pouso em autoestrada será realizado por um cadete do 4º ano da Faculdade de Aviação da Academia Militar da República da Bielorrússia em uma aeronave de treinamento L-39.

O principal objetivo desta etapa do exercício é resolver os problemas do uso de seções de rodovias como campos de aviação alternativos e campos de aeródromos para a dispersão da aviação, treinando o pessoal de voo para missões de seções de estradas.

A Força Aérea e as Forças de Defesa Aérea da Bielorrússia praticam o pouso de aeronaves em autoestradas desde 2007. Em 2016, pela primeira vez no espaço pós-soviético, os pilotos bielorrussos pousaram um avião de ataque Su-25 à noite em autoestrada.

FONTE: Ministério da Defesa da República da Bielorrússia

Subscribe
Notify of
guest
42 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

O clima entre a Bielorrússia e Rússia esta esquentando, os bielorrussos estão temendo uma possível invasão russa.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Ele se aproveitou do recente exercício militar russo na região.

ScudB
ScudB
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

So ta esquentando na cabeça daquele “barata de bigode”. Inventou ameaça , tentou fazer das seguranças os mercenários da inventada “Wagner”.
A única coisa que os bielorrussos estão temendo que na segunda-feira vai aparecer o resultado tipo 83% em favor dele logo no primeiro turno.

Junior
Junior
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Só te digo uma coisa, nunca duvide do que um ditador é capaz de fazer para se manter no poder, as últimas eleições lá já foram fraudadas, ele sabe que o povo não iria mais engolir outra eleição fraudulenta descarada como foram as últimas, portanto foi bastante conveniente para ele esse papo de uma suposta ameaça russa

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Seria uma ditadura invadida por outra…kkkk tudo entre amigos!

Jacinto
Jacinto
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
1 mês atrás

E não foi isso o que ocorreu na 2ª Guerra mundial? Hitler invadindo o país de Stálin?

JS666
JS666
Reply to  Jacinto
1 mês atrás

A diferença é que o ditador da Bielorússia sempre foi capacho do Putin.

Jacinto
Jacinto
Reply to  JS666
1 mês atrás

O Putin tem muitos capachos, inclusive o Trump, que ao retirar as tropas dos EUA da Alemanha aumenta o poder de intimidação russo.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Jacinto
1 mês atrás

A Russia intimida mais a Alemanha não vendendo gás, petróleo e carvão a preços baixos do quê com tanques e caças.

Marcelo
Marcelo
1 mês atrás

muito bacanas, os Yak-130.

RenanZ
RenanZ
1 mês atrás

Estranho é que fiquei com inveja foi deste asfalto lisinho e reto, que pouquíssimos lugares do Brasil tem

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  RenanZ
1 mês atrás

Pagando os extorsivos pedágios de SP você tem isso…

ScudB
ScudB
Reply to  RenanZ
1 mês atrás

A estrada Brest-Minsk faz parte da E30 Europea e era parcialmente financiada pelas parceiras internacionais. Antigamente era de concreto.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  ScudB
1 mês atrás

Falouvo diferêncial, era de concreto, todas as estradas ou a maioria deles e, pois o ideal é ser de concreto com asfalto por cima. Aqui e que fazemos asfal fraco direto sobre terra as vezes só nivelada.

ScudB
ScudB
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 mês atrás

Acho que Vc não entendeu : era de concreto mesmo. Sem asfalto! Foram laminas de concreto “costuradas” com betume.

gordo
gordo
1 mês atrás

É interessante ver a doutrina Soviética nessas aeronaves, feitas para operar em pistas improvisadas e com manutenção de pessoal não especializado. Obviamente os caças pagam um preço por isso, mas em caso de uma guerra total vão operar. Uma vez o pai de um amigo comentou que em alguns momentos da vida é preferível ter um fusca andando que uma Ferrari encostada.
*operar em pistas improvisadas não é exclusividade Soviética/Russa, os Suecos que digam.

Marcelo
Marcelo
Reply to  gordo
1 mês atrás

os Yak-130 e os Mig-29 fecham totalmente as entradas de ar dos motores, abrindo fendas em seus dutos na parte de cima da fuselagem para evitar a ingestao de objetos. O Yak-130 foi pensado tambem para substituir os Su-25s cuja fabrica ficou na Georgia, mas isso acabou nao acontecendo.

Fábio Jeffer
Fábio Jeffer
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

Fábrica do Su-25 ficou na Geórgia?
Engraçado que depois do fim da URSS a Rússia incorporou mais desses caças a sua frota, e eles foram feitos na Russia

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  gordo
1 mês atrás

Verdade. A própria FAB já chegou no passado a fazer exercícios em estradas.

JuggerBR
JuggerBR
1 mês atrás

Primeiro, o Yak-130 pegou um belo vento de lado no pouso, com todo mundo filmando…
Segundo, devem ter preparado a pista pra operação, mas ainda assim, quando o Mig 29 decola, a poeira e a fumaça deixaram a pista sem visão pra uma segunda aeronave, se houvesse.

Marcelo
Marcelo
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Acho que foi o L-39 que pousou meio tortinho nao? Quando vi pensei que foi pelo fato de ser um cadete da Academia deles, conforme o texto.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 mês atrás

Sinceramente acredito que o Putin está se programando para invadir o país caso o ditador da Bielorrússia caia.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Carlos Campos
1 mês atrás

Lukashenko está com medo,prendeu russos e parece até que americanos…

carvalho2008
carvalho2008
1 mês atrás

Pois então, todas as forças aereas treinam a operação de taticas de dispersão por pistas rodoviarias. equipes, caminhões de peças, combustivel, estações de radar, etc…. é um absurdo marinhas e forças aereas não levarem o mesmo conceito para o mar afim de cobertura aeronaval da frota….. Impossivel um casco de 20 mil a 40 mil ton não prover uma estrutura muito mais bem elaborada e de melhor qualidade operacional do que operar em pistas de asfalto…se na estrada dá para fazer e bem, num navio tambem…basta doutrina…ainda mais com fragatas ou corvetas de escolta proxima apoiando….não há senso de comparação… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Gripen C/D em pista com nevecomment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Muitas vezes a pista da base ou rodoviaria pode ser bombardeada e daí, haver apenas poucos metros para operar.
Com base nesta preocupação, os americanos desenvolveram varios recursos auxiliares

Sistema RATO – Rocket Assisted Take Off
comment image
Um elemento de A-4 com decolagem auxiliada por foguetes

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Os F-5 tambem possuiam.comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Depois a USAF acabou tambem fazendo testes com ski jump. A ideia é alocar estas rampas no finais de trechos das pistas que sobrarem após um ataque. Estudaram detalhadamente o comportamento de varios modelos, F-16, F-15, A-4, F-4, A-7, F-18, F-14..

Os resultados foram muito bons.comment image
podia-se decolar com carga de combate e defesa aerea com redução de 66% da distancia corrida.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Mas antes destas preocupações da USAF, o corpo de engenharia dos fuzileiros já haviam provados que era possivel construir um aeroporto base aerea do zero, derrubando uma floresta e construindo uma pista totalmente funcional em 72 horas. Era o sistema SATS – Short Airfield For Tactical Suport
comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

o KIT SATS, incluia toda uma pista de 600 metros com piso de metal, cabos de parada e uma catapulta movimentada por uma turbina de avião J79.comment image?w=791

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Detalhe de um A-4 sendo encaixado no trenó que atua como sapatilha da catapulta. A decolagem é muito parecida com a decolagem naval em um porta aviões.comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Aviões leves como o A-4 decolavam em ate 100 metros de corrida. Sempre lembrando que este tipo de catapulta na terra obviamente está em altitude “zero”, ou seja no mar, voce decola ja a uns 50 metros de altura e mesmo que afunde um pouco, o avião que estava aumentando sua velocidade se recupera e sobe. Na terra não!!, se afunda, quer dizer que bateu no chão e não conseguiu subir. Pois então, esta catapulta CE-2 a turbina foi dimensionada para colocar o avião no ar com obstáculos de 50 pés na cabeceira da pista (arvores que se erguem ao… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Nesta foto, detalhe de parte da turbina que funciona como catapulta. basicamente o sopro da turbina ( não tem engrenagem envolvida) é injetado numa bomba centrifuga , parece uma bomba de agua gigante a qual por sua vez giro um eixo que liga ao cabo de aço de lançamento.comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Ou seja, a turbina consegue acelerar sem trancos, até 22 ton a 180 knots….foi dimensionada para operar inclusive com F-4 Phantom.
comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

E por ultimo, os cabos de parada…comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

comment image

Marcelo
Marcelo
Reply to  carvalho2008
1 mês atrás

Sim, havia lido sobre essa catapulta em solo , e fico me perguntando por que alguns navios não a utilizaram, talvez o consumo do J79 seja muito alto e também o ruído deve ser excessivo.

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Marcelo
1 mês atrás

Ela não é tão potente quanto uma a vapor e muito menos uma emals. Apesar de conseguir lançar um caça de ate 22 ton a 180 knots, a grande diferença deve estar na distancia para este trabalho Em um Nae, a catapulta faz tudo isto em apenas 70 metros de trilho. Esta terrestre creio eu precisava de uns 180 – 200 metros creio eu. Mas ai é que esta a beleza da coisa. Enquanto americanos ja possuiam as catapultas a vapor, o resto do mundo sem dinheiro criou a ski jump. A ski jump funciona para a grande maioria das… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás
Denis
Denis
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Excelentes informações, Carvalho. Valeu.

Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
1 mês atrás

Interessante os comentários com as informações sobre testes de meios alternativos de pouso e decolagem em pistas curtas ou não preparadas.

Enquanto isso na terra de Bananalandia, nem comento mais….