Home Aviação de Transporte Operação COVID-19: FAB transporta materiais e profissionais de saúde

Operação COVID-19: FAB transporta materiais e profissionais de saúde

2332
40

As aeronaves KC-390 Millennium, C-130 Hércules e C-97 Brasília cumpriram as missões entre o domingo (05) e esta quarta-feira (08)

A Força Aérea Brasileira (FAB), em apoio à Operação COVID-19, realizou entre o domingo (5) e esta quarta-feira (8), missões de Transporte Aéreo Logístico. As aeronaves KC-390 Millennium, C-130 Hércules e C-97 Brasília transportaram profissionais de saúde que atuam no enfrentamento ao novo Coronavírus, além de equipamentos hospitalares para a Região Norte. As missões foram coordenadas pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE), junto ao Centro de Operações Conjuntas (COC) do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde.

Brasília – Manaus

Um KC-390 Millennium, pertencente ao Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT) – Esquadrão Zeus, decolou de Brasília (DF), nesta quarta-feira (08), carregado com cerca de 1,8 tonelada de insumos hospitalares e álcool em gel. O FAB 2853 pousou em Manaus (AM), onde desembarcou os materiais que serão usados no combate à pandemia do novo Coronavírus nas capitais do Amazonas e do Amapá.

O Comandante da aeronave, Major Aviador Bruno Américo Pereira, destacou a importância da atuação da FAB na Operação COVID-19. “Nesse período de enfrentamento à pandemia, as aeronaves KC-390 ratificam seu importante papel para a sociedade brasileira”, disse.

Rio de Janeiro – Boa Vista

Nesta terça-feira (07), uma aeronave C-130 Hércules, pertencente ao Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1°/1° GT) – Esquadrão Gordo, transportou 8,5 toneladas de materiais entre o Rio de Janeiro (RJ) e Boa Vista (RR). O FAB 2477 decolou da Ala 11 – Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, e pousou na Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista. Ao todo, foram transportadas 142 camas que serão utilizadas pelo Hospital de Campanha de Roraima.

O Comandante da aeronave, Capitão Aviador Roberto Lopes Gomes, falou sobre a sensação de cumprir a missão em apoio à Operação COVID-19. “Levar ajuda aos pontos mais distantes da Nação e apoiar a integração do território brasileiro sempre foi motivo de vibração dos integrantes do Esquadrão Gordo”, declarou.

O Loadmaster (Mestre de Cargas) do FAB 2477, Sargento Daniel Pereira Alfano da Silva, disse que esta é a segunda missão que participa em apoio às atividades na Região Amazônica. “Muita disposição em participar desse momento. Nos formamos para sempre estar à disposição da Força Aérea”, comentou.

Manaus – São Gabriel da Cachoeira

No domingo (05), um C-97 Brasília, pertencente ao Sétimo Esquadrão de Transporte Aéreo (7º ETA) – Esquadrão Cobra, decolou da Ala 8 – Base Aérea de Manaus (AM), com destino a São Gabriel da Cachoeira (AM). O FAB 2006 transportou médicos do Exército Brasileiro (EB) para atuarem no município amazonense.

O Comandante da aeronave e do Esquadrão Cobra, Tenente-Coronel Aviador Rodrigo Fonseca da Silva Rosa, destacou a participação na missão. “É com orgulho que transportamos os profissionais da área de saúde que atuam na Operação COVID-19”, salienta.

Boa Vista – Brasília

Nesta segunda-feira (06), o KC-390 Millennium, pertencente ao Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT) – Esquadrão Zeus, decolou da Ala 7 – Base Aérea de Boa Vista (RR), com profissionais de saúde que prestaram assistência às comunidades indígenas em Roraima. O destino do FAB 2853 foi a Ala 1 – Base Aérea de Brasília (DF) e também a Base Aérea de São Paulo.

Um dos pilotos da aeronave, Major Aviador Daniel Elias Souza, ressaltou que o KC-390 Millennium tem potencializado o apoio logístico durante a operação. “A aeronave tem sido fundamental para transportar com rapidez e segurança materiais e profissionais para atuarem frente à COVID-19”, garante.

Operação COVID-19

A Operação COVID-19, coordenada pelo Ministério da Defesa, mobiliza militares por todo o Brasil. Homens e mulheres das Forças Armadas atuam no enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus, em apoio à população. As ações envolvem descontaminação de espaços públicos, doações de sangue, transporte de medicamentos e equipamentos de saúde, distribuição de kits de alimentos para pessoas de baixa renda, entre outras.

Na execução dessas atividades, os militares atuam organizados em 10 Comandos Conjuntos que cobrem todo o território nacional, bem como no Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE). Esses Comandos reúnem militares das três Forças (Marinha, Exército e Aeronáutica), que desenvolvem esforços no cumprimento das missões.

FONTE: Força Aérea Brasileira

Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MMerlin
MMerlin
1 mês atrás

Fundamental é pouco ainda. O KC-390 tem potencial para atender toda a cadeia logística militar, de saúde, administrativa e de segurança.
Falta apenas uma gestão eficiente dos recursos, distribuição e transporte por parte do governo, porque o gerenciamento da operação a FAB já tem capacidade total para fazer.

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

A FAB esta fazendo um excelente trabalho e que deveria ser mais reconhecido pelo público.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Só não é por que não é de interesse da grande mídia em divulgar isso. Aja visto que, de repente, a mídia, novamente, começou a esculhambar os militares. Vez ou outra sempre vejo notinha de rodapé de ”especialistas” criticando na maior cretinice o trabalho das Forças Armadas durante a pandemia e em demais situações. A grande mídia tem nojo das Forças Armadas e Auxiliares e isso já vem de décadas!

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Welington S.
30 dias atrás

Welington, se aqui, num fórum que achamos ser de entusiastas e conhecedores das operações das FFAA, tem muita gente que as esculhamba, imagine o cidadão leigo, nas ruas.

Johan
Johan
Reply to  Fabio Araujo
30 dias atrás

Fui mostrar a reportagem a um “amigo” e perdi a amizade. Depende, acho que alguns não gostam de boas notícias, notícia ruim é que dá “ibope”.

Observador
1 mês atrás

Belo trabalho.
Mas peço de um esclarecimento dos colegas.

Estas operações de transporte da FAB são bancadas com seus próprios recursos ou o governo federal paga os custos?

Pergunto porque o argumento usado por um oficial da FAB para melar a reativação da aviação de asas fixas no EB foi que a FAB possui 100 aeronaves de transporte disponíveis e só usa metade por falta de recursos.

Falta de recursos por parte do governo para utilizá-las ou um mau gerenciamento por parte da FAB de seus próprios recursos, e ao invés de resolverem isto, querem mais grana?

reginaldo
reginaldo
Reply to  Observador
1 mês atrás

O problema é que para cada avião, existente uma quantidade significativa de militares, muitos inclusive sequer nunca tocaram em um avião na vida. A grana é boa o que não existe é aproveito pleno dela. Minha opinião…

FernandoEMB
FernandoEMB
1 mês atrás

As missões realizadas em prol de outras organizações devem ser pagas.

Observador
Reply to  FernandoEMB
1 mês atrás

Então neste caso querem que o EB continue lhes pagando pelos serviços ao invés deste conquistar a autonomia de operação e gerenciamento de suas necessidades.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Observador
1 mês atrás

Se existe capacidade ociosa, muito mais barato, rápido e lógico usar esta capacidade do que montar uma estrutura e adquirir aviões próprios.
Se as forças armadas operam integradas então cada uma não precisa se virar sozinha.

Observador
Reply to  Fernando EMB
1 mês atrás

Se é mais barato e lógico então porque o EB decidiu que seria benéfico retomar operação com asas fixas e adquirir os Sherpa?

O fato de operarem integradas não exclui a possibilidade do EB contar com aeronaves de asa fixa para atividades em que julgue melhor terem um controle total de todas as etapas das operações de acordo com suas necessidades, como vemos em outros países.
Na minha opinião isto é estrategicamente necessário.

E os resistentes Sherpa proporcionariam um aumento de carga transportada para regiões remotas com pistas despreparadas.

Last edited 1 mês atrás by Observador
MMerlin
MMerlin
Reply to  Observador
1 mês atrás

Porque além da lógica, existe o fator humano, trazendo à tona as disputas por recursos e influência entre as três forças, ou seja, disputa de egos.
Mas existindo um sinergia maior dentro das FA a lógica apkntada pelo Fernando está correta.

Observador
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Na minha opinião uma sinergia adequada só existiria se houvesse uma integração absoluta das FAs sob um núcleo de comando único, algo que sabemos fora de cogitação. Se observarmos as forças armadas mais eficientes do mundo, veremos que mesmo com uma sinergia de alto nível em suas forças, estes países não abrem mão de dotar seus exércitos com um certo nível de autonomia em se tratando de operações de transporte e CAS. Acho este modelo de interação adotado por aqui obsoleto, parado no tempo. Se houvesse um interesse real em evolução operacional e aumento de capacidades, a FAB deveria expandir… Read more »

MMerlin
MMerlin
Reply to  Observador
1 mês atrás

Seu ponto de vista só é sustentado enquanto estiver utilizando como exemplos as FA de países eficientes. Ora, fazendo uma analise técnica, você considera realmente a gestão financeira das nossas FA eficiente? Se sim, paro por aqui uma vez que nosso ponto de vista diverge em seu princípio básico. Se não, uma vez os recursos são escassos é indispensável essa sinergia para que cada Força consiga fazer bem o seu básico, utilizando serviços das demais que também fazem bem o seu básico. Um exemplo absurdo é a própria MB achar que precisa de um NAe cheio de aviões enquanto não… Read more »

Observador
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Amigo, uma pequena contradição no que você diz quando indaga sobre a eficiência da gestão financeira por parte das FAs, o que 99% de nós sabemos que é, eu não diria ineficiente mas propositadamente direcionada para sustentar uma farra de excesso de oficialato e pensões, e depois declara que “os recursos são escassos”. Como já estamos cansados de repetir, temos mais orçamento que países como Itália, Israel, Turquia, dentre outros de destaque. Não temos escassez de recursos mas sim um uso desavergonhado destes. Concordo com sua crítica sobre a MB mas no caso do EB operar alguns Sherpa, isto será… Read more »

MMerlin
MMerlin
Reply to  Observador
1 mês atrás

Contradição nenhuma. Pegue os valores da pasta, subtraia os gastos com pessoal e aí podemos dizer que o sobra são os recursos psra tornar as FA eficiente. Mas claro, depende do ponto de vista. A questão do uso dos Sherpa pelo EB já foi inclusive apontada aqui mesmo nos comentários, o motivo da compra, principalmente devido a questões logísticas, prontidão, agilidade e proximidade com a fronteira. Claro que o EB se preocupa com tropas que dependem do serviço, o que me deixou com a pulga atrás da orelha foi querer saber a qualidade do serviço prestado atualmente, feito pela FAB.… Read more »

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  MMerlin
30 dias atrás

A FAB atende, atendeu, e atenderá sempre que o EB necessitar. Meu filho voa no 1°/9° GAV e é só o que ele faz. O EB quer colocar os burros na frente da carroça.
Acho que a FAB poderia receber uns Leopard e Guarani pra defender suas Bases… E um Scorpenne pruns passeios no litoral.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Observador
30 dias atrás

A FAB não recebe NENHUM recurso do EB, da MB ou de outra Força para realizar missões em proveito delas. Não falem bobagens sobre assuntos que vocês não conhecem, pois vocês são civis e não conhecem a fundo o funcionamento das estruturas militares, tampouco sua gestão financeira, aquela das ¨farras com oficialato e pensões¨, não é assim que dizem? A FAB trabalha com um orçamento para manutenção e combustível, que é traduzido ao final em horas de vôo, que são distribuídas para os Grandes Comandos e suas UAE subordinadas. Nessa divisão, horas de vôo de vários equipamentos são designadas para… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Observador
30 dias atrás

A aquisição de mísseis de médio alcance está em estudo no MD, num grupo com integrantes das 3 Forças. O problema encontrado foi a diferença doutrinária entre as três. Exemplo: a FAB está preocupada com a defesa de ponto, e o EB preocupado com a defesa da tropa em movimento.Quanto às operações espaciais, acho que você esqueceu que a FAB possui um COPE , Centro de Operações Espaciais, moderníssimo prédio localizado em Brasília (com militares das três Forças), subordinado ao COMAE. Lá se controla e opera o nosso SGDC, e outros satélites que serão adquiridos.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Rinaldo Nery
30 dias atrás

Obrigado por compartilhar,mais uma vez, a realidade para confrontar os achismos.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Rinaldo Nery
30 dias atrás

Cmte, o senhor é uma ilha de conhecimento no meio desses “achismos”. Claro que existem falhas , como em qualquer organização, e o aprimoramento deve ser constante, torço pelo Projeto FAB 100 e por uma FAB mais enxuta e focada em sua atividade fim, mas aqui, neste forum, o negócio está muito ruim!!! Sumiram as cabeças sensatas!!!

MMerlin
MMerlin
Reply to  Fernando EMB
1 mês atrás

Sem dúvida nenhuma!

LUIS NATAL
LUIS NATAL
Reply to  FernandoEMB
1 mês atrás

Fernando, com muito respeito te asseguro que a FAB já é paga todos os dias! Através de salários, equipamentos, edificações! Te digo mais, se tu és brasileiro e paga teus impostos corretamente, és também um dos financiadores deste importante e imprescindível trabalho que a FAB está realizando em todo o país. Abraço.

EDILSON
EDILSON
1 mês atrás
sergio ribamar ferreira
1 mês atrás

Fiquei emocionado. Parabéns à FAB. Espero que tenha mais aeronaves de transporte. KKC 390, Hércules C130, Brasília. Enfim. Parabéns. Isso a mídia nojenta não informa. Parabéns mil vezes à FAB.

Rommelqe
Rommelqe
1 mês atrás

Como está a programação de entrega ?

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Rommelqe
1 mês atrás

….dos próximos KC390?

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Rommelqe
30 dias atrás

Mais um até o final do ano, sendo 4 entregues em 2020. Me corrijam se eu errei….

sergio ribamar ferreira
1 mês atrás

Integração das três forças é essencial. O que o EB pode oferecer a FAB e a MB e vice-versa. Tudo tem planejamento. Sherpa para FAB e o EB poderia ficar tantos anos sem precisar pagar pelo transporte. Patrulha para MB e esta entregaria a aviação de caça naval para a FAB, sei lá, hipóteses. Só sei que deve existir integração. Grande abraço.

Fabricio Lustosa
Fabricio Lustosa
1 mês atrás

Leia-se: FAB transporta cloroquina e pastores evangelicos. Tudo de acordo com o governo federal.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Fabricio Lustosa
1 mês atrás

Bom dia Fabricio, assim como leva políticos de todos os partidos, ministros, juízes etc….

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Saldanha da Gama
1 mês atrás

O presidente da câmara dos deputados só falta ir na padoca de jatinho da FAB… Desde julho de 2016 já fez mais de 760 voos nas asas da nossa FAB.
Custo de um voo particular no avião Legacy (FAB tem alguns) entre Belo Horizonte e São Paulo (valor atual): R$220,500,00
Fonte: Aplicativo Flyadam.

Precisa mostrar mais de aonde está a fonte de nossas dores sociais?

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Saldanha da Gama
30 dias atrás

Saldanha, apesar de não concordar com o uso do GTE, que deveria servir somente ao Presidente, os únicos políticos que voam lá são os Presidentes da Câmara e Senado. Além dos Ministros em viagens oficiais. Acho que deputados e senadores, além de juízes, não podem solicitar. Mas, me corrijam, o Comandante Rinaldo pode esclarecer melhor!

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Marcelo Andrade
29 dias atrás

54 autoridades voam no GTE, salvo melhor juízo, determinados pela caneta do Molusco. Infelizmente. O GTE não é ¨amado¨ dentro da FAB.

rafael
rafael
1 mês atrás

Alguém sabe o paradeiro do 767 da fab?

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  rafael
30 dias atrás

Acabou o contrato de leasing e a aeronave foi devolvida ao arrendador.

Funcionário dos Correios
Funcionário dos Correios
30 dias atrás

Primeiramente quero enaltecer o trabalho das Forças Armadas durante essa pandemia.

ZamZam_PamPa
ZamZam_PamPa
30 dias atrás

Alguém saberia me informa quem foi o engenheiro brasileiro que produziu essa belo desenho de aeronave?

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  ZamZam_PamPa
30 dias atrás

Eu conheço o engenheiro que criou o conceito… E os vários engenheiros e projetistas que o definiram e desenharam (eu incluso).
Depois participarem do projeto várias centenas de pessoas… Aí conheço só algumas.

E.d
E.d
29 dias atrás

O verdadeiro teste de fogo dessa aeronave é quantas urnas eletrônicas consegue transportar.

Aí sim a milicada se sentira com sua missão constitucional plena.