Home Aviação de Ataque Sierra Nevada recebe contrato da USAF para fornecer aeronaves de ataque leve

Sierra Nevada recebe contrato da USAF para fornecer aeronaves de ataque leve

10464
56
A-29 Super Tucano
A-29 Super Tucano

A Sierra Nevada Corp. (SNC) fabricará duas aeronaves de ataque leve para a Força Aérea dos EUA (USAF) sob um contrato de US$ 128,9 milhões, que também cobre serviços de apoio e de peças associados.

A USAF obrigará US$ 63 milhões nos fundos de produção dos anos fiscais de 2018 e de 2019 no momento da concessão, disse o Departamento de Defesa na quarta-feira.

A SNC executará o trabalho sob o contrato de fonte única em Jacksonville, Flórida, até 23 de agosto de 2024.

O Departamento de Defesa anunciou o contrato quatro meses depois que a USAF emitiu solicitações de aeronaves de ataque leve a uma equipe da SNC-Embraer e à Textron.

A Força Aérea dos EUA disse em outubro que compraria de duas a três aeronaves de cada fabricante como parte dos esforços de capacitação e interoperabilidade com aliados dos EUA e nações parceiras.

FONTE: govconwire.com

56 COMMENTS

  1. Não devem estar certos esses números… 128 milhões de dólares por dois tucanos mais peças e apoio…
    Haja peças e serviços de apoio pra gastar tanto…

        • Se colocar “Designed in Brazil” daí que eles não compram… Eles parecem ter que ser convencidos a acreditar que é um produto 100% americano… Ainda mais na gestão Trump com o velho sentimento de patriotismo americano classe média dos anos 80.

        • Exatamente, Fábio, os mesmos de sempre eram contra as multinacionais, mas agora o bife virou, NÓS SOMOS AS MULTINACIONAIS!!!!! Aceitem que dói menos, o mundo mudou, antes eles construíam aqui e mandavam o lucro pra fora, agora é o contrário, e não ha nada demais nisso.

          • Ainda está longe de ser o contrário, a balança pende e muito ainda pras industrias das velhas potências… Mas já é um caminho que se abre.

    • Creio que os norte-americanos vem utilizando uma estrátégia muito bem montada/elaborada… É muito interessante ver como agem cirurgicamente para defender suas empresas (interesses)…

      Tem de tirar o chapéu pros caras! E, é lamentável ver como tem gente inocente (pra dizer o minimo…) sendo feito de bobo nesse mundo…

      Gostaria de alertar, que, quando faço determinadas observações, seja a este ou algum outro governo de determinado país, trata-se de procurar enxergar, entender como estes agem na defesa da agenda de seus interesses. Nada xenófobo. Apenas procuro pensar fora da caixa, sempre!

      Estou sem tempo para discorrer sobre…. fica para outra hora!

      Digo apenas que “o esforço” de ataque leve apóia a “estratégia de defesa dos EUA” para combater o extremismo violento em escala global, junto com aliados e parceiros. Evidente aqui, que os EUA querem deter poder de dotar com capacidade de ataque leve parceiros em todo o globo. Dota-los com poder aéreo na guerra irregular, maximizar a capacidade de investimento financeiro destes em sistemas norte-americanos e tirar proveito das tecnologias inovadoras existentes nesta área em particular. Afinal, uma opção de aeronave de ataque leve não apenas oferece valor e flexibilidade adicionais, mas também acelera a modernização das forças parceiras atuais e potenciais associadas que não exigem caças avançados.

      O AT-6 Wolverine deve ser usado pelo Comando de Combate Aéreo (ACC) na Base Aérea de Nellis, Nevada, para “teste e desenvolvimento contínuos de táticas e padrões operacionais para redes táticas e exportáveis ​​que melhoram a interoperabilidade com parceiros internacionais”.

      O A-29 Super Tucano deve ser usado em Hurlburt Field, Flórida, pelo Comando de Operações Especiais da Força Aérea (AFSOC) para “desenvolver um programa piloto de instrutor para a missão de Consultoria de Aviação de Combate, para atender a crescentes solicitações de assistência de ataques leves em nações parceiras” .

      É isso aí…

      Grato

      • Prezado PRAEFECTUS
        “O AT-6 Wolverine deve ser usado pelo Comando de Combate Aéreo (ACC) na Base Aérea de Nellis, Nevada, para “teste e desenvolvimento contínuos de táticas e padrões operacionais para redes táticas e exportáveis ​​que melhoram a interoperabilidade com parceiros internacionais”.
        Ocorre que o governo americano já está enviando 4 AT-6 para a Tunísia, enquanto o ST ( do qual só comprou duas unidades) deve ser usado em Hurlburt Field, Flórida, pelo Comando de Operações Especiais da Força Aérea (AFSOC) para “desenvolver um programa piloto de instrutor para a missão de Consultoria de Aviação de Combate, para atender a crescentes solicitações de assistência de ataques leves em nações parceiras”
        Será que a Tunísia não teve chance de avaliar o ST? ou ficou na base do “cavalo dado não se olha o pelo”

  2. O A-29 é um ótimo vetor para ataque a forças assimétricas e sem poder aéreo, a um custo infinitamente menor que qualquer avião a jato.
    Mas devem ficar somente reservado para forças aéreas amigas dos USA e com pouco poder econômico.
    O trabalho executado pelo Tucano cada vez mais será feito por drones em forças que os possuem.

    • Discordo nas missões COIN, usar drones perto de soldados aliados pode dar muito errado, devido ao possível atraso (lag) entre a situação real e as informações que o operador do drone possui.
      Hoje lançar bomba em terrorista vai no máximo matar civis em caso de erro.

      • Exato…a própria usar já fez esse estudo que comprovou que o operador de drone não tem a consciência situacional de um piloto em missões COIN.

      • Drone não opera com armamento de tiro axial (metralhadoras ou canhões), aliás nem APKWS usam.
        E ao que eu me recorde qndo é que o ST operando no Afeganistão, executou alguma corrida de metralhamento apoiando tropas em combate????
        Apesar de 2 tripulantes humanos, também tem estado restrito a armamento terminalmente guiado.
        O que corrobora o que eu pessoalmente penso deste avião:
        .
        É uma boa desculpa pra se negar a venda de “Reaper”, pra uns e outros.
        .
        Ao ST falta e sempre faltará o desempenho cinemático do A-10 e do AV-8B, o que o deixa exposto a reação adversária mesmo em ambientes aparentemente não contestados.

        • Se ele já fez isso em combate, nao sei. Mas que existem diversos videos do ST utilizando a metralhadora em treino, isso eu já vi.
          Dependendo do ambiente em que o aviao está, até um SU 25 vai correr risco!!!

  3. Um baita avião, deu trabalho para muitos em sua fase inicial, mas hoje esta maduro para entregar tudo que dele se espera.

    Acredito que veremos muitos nas cores da USAF.

  4. Sierra Nevada??? É vejam no cartaz que dizem ser made in USA nem sequer mencionam a Embraer, o A-29 é o melhor avião de ataque leve do mundo, teve grande eficiência no combate ao Estado Islâmico, está sendo usado em todo o mundo, e aqora o apresentam como se fosse um produto da Sierra Nevada, um produto 100% brasileiro, Sierra Nevada e quem ganha o nome, e onde ficam nossos ente engenheiros aeronáuticos que trabalharam r desenvolveram está maravilha, nem serão lembrados. ADEUS EMBRAER, ADEUS TUCANOS , Á29 ADEUS FENONS, ADEUS OSIRES SILVA. QUANDO SE CRIA ALGO QUE PRESTA NO BRASIL, NAO PODE SER NOSSO😪😭😭😭😭😭

    • Gilson:
      Esta robustez que observastes deve ser a colocação de blindagens nas laterias da carlinga, ao lado dos pilotos. Realmente, a FAB considera tal blindagem desnecessária, dado o TO aqui no Brasil, onde a aeronave é empregada.

  5. “American made” é o meu ovo.Os caras apresentam a aeronave como se fosse deles.Esse é o resultado da falta de verdadeiros estadistas no Brasil.Os outros vem aqui e levam as poucas coisas boas que conseguimos fazer.O mesmo vai acontecer com o KC-390,as linhas de produção serão levadas para os USA e eles venderão a aeronave como se fosse deles(já criaram até uma tal de joint venture pra isso) e todo mundo vai esquecer que o produto é brasileiro.

  6. Eu acho que a FAB vai receber 1% de royalties por cada aeronave vendida seja pela SN ou pela EDS … então trump, vamos tirar o escorpião do bolso e comprar mais alguns kkk

  7. Mauricio R, o Mister M voltou a aparecer… bom sinal. É sinal de boas notícias para a Embraer. Pois ele só aparece nas boas notícias para ficar postando coisas negativas infundadas, fake News e pregar a desinformação.

    Mas que e sinal que as notícias são boas para Embraer isso é… pois ele só aparece quando isso ocorre.

    • Prezado FernandoEMB

      Concordo com o comentário do Maurício R. sobre o ST:
      “Ao ST falta e sempre faltará o desempenho cinemático do A-10 e do AV-8B, o que o deixa exposto a reação adversária mesmo em ambientes aparentemente não contestados.”
      E complemento: Para a função de interceptação de pequenas aeronaves do narcotráfico, o ST perde feio em velocidade para o F-22.
      Não sei se você concorda comigo.
      Abraço

      • João, perde feio para QUALQUER aeronave à reação. Mas, no F-22 você gasta 35 mil dólares por hora de vôo, por baixo. No A-29, não passa de 5 mil. E, nessa missão, os dois entregam a mesma coisa.

        • Caro Rinaldo…. Pois é, concordo 100%. Tem muito “entendido” aqui que adora analisar as coisas fora de um contexto, aí vira análise vazia. Ou pior, criam um contexto parcial de modo que seu ponto de vista pareça a verdade absoluta.

          • Prezado FernandoEMB
            Eu não resisti ao comentário do Maurício e resolvi fazer outro um pouco mais exagerado. Só isso. Ironia pura.
            Abraço

        • Caro comandante
          Eu apenas estava sendo irônico.
          Como o Maurício comparou com dois aviões a reação, eu também me senti no direito de comparar com outro, um pouco mais moderno…..
          Abraço

          • O A-10 é a aeronave da USAF para apoio tático (CAS, BAS, BAI), assim como o AV-8B é no USMC.
            E o MQ-8 “Reaper” que como o ST também é turbo-hélice, é a mesma coisa no ambiente do SOCOM.
            Se eu comparei, comparei a capacidade da aeronave, qnto a missões típicas voadas no OM e no Afeganistão.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here