Home Aviação de Ataque Detalhes da aquisição do F-35 pela Polônia

Detalhes da aquisição do F-35 pela Polônia

3604
51

De acordo com a Carta de Oferta e Aceitação assinada em 31 de janeiro em Deblin, as entregas polonesas de F-35A começarão em 2024, com as seis primeiras das 32 aeronaves sendo entregues até 2025.

A Diretoria de Armamento da Polônia disse que as entregas continuarão a uma taxa anual de quatro a seis aeronaves, com a aeronave final a ser entregue em 2030.

“As seis primeiras aeronaves serão temporariamente desdobradas em uma das bases aéreas dos Estados Unidos da América, com o objetivo de treinar as tripulações e as equipes de terra da Força Aérea Polonesa”, disse um representante da Inspeção de Armamento. Eles estarão baseados na Base Aérea de Luke, no Arizona, onde o programa F-35 tem seu centro de treinamento internacional.

Espera-se que os primeiros F-35 cheguem à Polônia entre 2025 e 2026 e, de acordo com a Embaixada dos EUA na Polônia, a Força Aérea Polonesa declarará a Capacidade Operacional Inicial IOC) com o F-35A em 2028.

Configuração

“Os jatos F-35A serão entregues em configuração que seria padrão para todos os usuários que recebem os jatos fabricados em série e planejados para serem entregues entre 2024 e 2030. Eles serão equipados com o software Block 4 mais recente. O acordo também inclui um pacote de modernização que prevê que as atualizações introduzidas mais tarde sejam implementadas nas aeronaves entregues antes dessas atualizações. A Diretoria de Armamento também confirmou que os jatos poloneses serião equipados com paraquedas de frenagem.

Pacote extras

A Inspeção de Armamento disse que a Polônia receberá apenas um motor sobressalente, num total de 33 para 32 aeronaves.

O contrato também inclui:

  • equipamento de apoio no solo e equipamento para pilotos,
  • equipamento de treinamento em solo para bases aéreas, centro de treinamento integrado e 8 simuladores de missão completa,
  • Pacote completo de suporte logístico no âmbito da Global Support Solution, válido até 2030,
  • Sistema de TI de suporte operacional para o F-35A,
  • Treinamento para 24 pilotos até o nível de instrutor e para 90 membros do pessoal de suporte técnico, ambos nos EUA.
Piloto de F-35 treinando em simulador

Finanças

“O valor do contrato LOA que abrange a entrega de 32 jatos F-35A com motores Pratt & Whitney F-135 e um único motor sobressalente, juntamente com um pacote de logística e treinamento, é definido em US$ 4,6 bilhões.

“Considerando o imposto sobre o valor agregado relacionado ao valor do suprimento de equipamento militar na Polônia, o valor do negócio, na data de conclusão, é definido como 20,7 bilhões de PLN. O preço unitário de um único F-35A (motor incluído) é de US$ 87,3 milhões líquidos, de acordo com a Inspeção de Armamentos.

Também foi enfatizado que o Contrato possui um perfil complexo e inclui a aquisição de todo o equipamento necessário para garantir as operações da aeronave adquirida.

Todo o acordo será financiado pelo orçamento do Ministério da Defesa e os pagamentos deverão ser feitos aos EUA entre 2020 e 2030.

F-35A – armamentos em exposição – foto Lockheed Martin – Code One Magazine

FONTE: Defence24.com

Subscribe
Notify of
guest
51 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Leandro Costa
Leandro Costa
5 meses atrás

Bom lembrar que a taxa de câmbio entre o PLN e o R$ é de basicamente 1/1…

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
5 meses atrás

O mais legal é que o negócio é com os EUA, lá eles não deixam de entregar seque um parafuso que esteja contratado… e pensar que em Anápolis ainda se aguarda algumas pecinhas dos F-103…

Camargoera
Camargoera
Reply to  Ricardo Bigliazzi
5 meses atrás

Caro Ricardo. Como discutido antes, essa contrato foi feito por meio do FMS que é uma negociação governo-governo. No caso, o DoD faz o contrato com a Lockheed e depois repassa as aeronaves para a Polônia em função dos pagamentos que eles fizerem ao governo dos EUA. O valor é bem alto, mas não contemplou offset (eles estão consumindo suas divisas com impacto na balança de serviços). Pelo que entendi, o contrato não contempla armas. Acho que não dá para comparar o fornecimento de peças de um caça de 40 anos com um novinho

nonato
nonato
5 meses atrás

Tudo muito demorado.
Enquanto isso, é torcer para a Rússia ficar quieta.
10 anos…
🤦🏽‍♀️

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  nonato
5 meses atrás

Tem o que na Polônia que interessa à Rússia? Acho que só a passagem para à Alemanha mesmo, de resto a Rússia tritura a Polônia de olhos fechados. É um paiseco sem muito futuro.

Flanker
Flanker
Reply to  Defensor da liberdade
5 meses atrás

Paiseco sem muito futuro? Sabe de nada…..

Mosczynski
Mosczynski
Reply to  Defensor da liberdade
5 meses atrás

Seu apelido não condiz com suas palavras e com geografia. Devia estudar um pouquinho antes de escrever bobagem.

Renato B.
Renato B.
Reply to  nonato
5 meses atrás

Isso não é o aluguel de um Onix 1.0 mas a compra de um dos aviões mais avançados e complexos que existem, com o pacote logístico necessário.

smichtt
smichtt
5 meses atrás

“…e 8 simuladores de missão completa”
Não seria uma proporção alta para o número de acft, ou é assim mesmo?

Guilherme Poggio
Reply to  smichtt
5 meses atrás

Lembrar que o F-35 não tem versão biposta. E que treinar piloto em simulador sai mais barato do que no ar.

smichtt
smichtt
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

Obrigado, Poggio.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Guilherme Poggio
5 meses atrás

O que sugere que vão fazer um investimento massivo em treinamento para formar pilotos rápido.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
5 meses atrás

O valor de cada caça é de US$ 87,3 milhões, vezes 32 dá 2,793 bilhões de trumps. Como o valor total foi de 4,6 bilhões, isso dá 1,8 bilhão em um motor, treinamento e manutenção.

Eita bicho barato de operar 🙂

Camargoera
Camargoera
Reply to  Clésio Luiz
5 meses atrás

Esse é o valor das aeronaves. Os outros US$ 2,5 bilhões são os treinadores, a motor adicional, a logistica, o treinamento dos pilotos e mecânicos….

Junior
Junior
Reply to  Camargoera
5 meses atrás

Duas coisas interessantes nesse pacote, eles compraram 32 caças, mas compraram apenas um motor reserva, não precisa nem dizer que apenas um não será suficiente. Outro detalhe é que esse contrato não abarca os armamentos desses 32 caças, portanto os poloneses vão ter que gastar muito mais do que esses 4,6 bilhões, para mim vai passar de 5 bilhões fácil, isso sem contar o $$$$$$$ para operar esse caça, eles que estão acostumados com o F-16 talvez tomem um susto depois dos primeiros voos com o F-35

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Camargoera
5 meses atrás

É bom atentarmos para a possibilidade de que os motores sejam comprados separadamente da aeronave. Então é possível que o valor das aeronaves seja divulgado sem motor, sendo que o valor dos motores podem ser incluídos no valor restante. Óbvio que é apenas uma possibilidade, e não sei exatamente qual a probabilidade disso.

De qualquer maneira, como a Polônia já opera os F-16, os armamentos que servem nos Viper também servirão nos F-35, o que torna possível que mais armamentos e motores sobressalentes sejam adquiridos posteriormente.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Leandro Costa
5 meses atrás

Olá Leandro. Você tem razão. Provavelmente o arsenal de mísseis e bombas da Polônia esta dentro da validade e o pessoal da logística tem treinamento para opera-los. Talvez mais para frente, quando o atual arsenal precisar ser reciclado, pode ser que eles resolvam adquirir armas mais modernas e compatíveis com o F35

Flanker
Flanker
Reply to  Clésio Luiz
5 meses atrás

Mais os oito simuladores…..e qiando o texto fala em todo o equipamento de solo, é toooodo…..mesmo…..é muita coisa! Ferramental, máquinas, bancadas, etc….tu sabes bem….
No pacote tb se incluem indenizações que surgirem durante o programa…..e a aeronave, realmente, não é barata de operar!…Isso nós sabemos!

MARCELO Nascimento
MARCELO Nascimento
5 meses atrás

Mas e os armamentos?

Sergio
Sergio
5 meses atrás

Imaginem o seguinte cenário: Um F-35 decola de um porta aviões para fazer uma interceptação. Durante a decolagem o piloto sente um tranco no assento que lhe reflete na espinha cervical. Paciência. A missão não pode ser abortada por causa de uma dorzinha. Ao atingir a velocidade de interceptação ele nota que o revestimento do caça começa a se “desmanchar” tornando o caça invisível em um alvo maior que um C-130 Hércules. Tudo bem. A missão não pode ser abortada por causa de uma “pinturinha”. Ao identificar o alvo no radar o piloto percebe que é um monomotor e resolve… Read more »

Pangloss
Pangloss
Reply to  Sergio
5 meses atrás

Sérgio, creio que um curso de produção literária pode fazer muito bem a seu interesse por ficção.
Continue tentando, não desista somente porque seu primeiro ensaio não ficou assim tão bom quanto você gostaria.

Sergio
Sergio
Reply to  Pangloss
5 meses atrás

KKKKK….Obrigado pelos elogios….Isso quer dizer que alguém leu….

pangloss
pangloss
Reply to  Sergio
5 meses atrás

Li, sim. Até o final. Por respeito ao autor.

Jeff
Jeff
Reply to  Sergio
5 meses atrás

“e manda uma chuva de Chaffs e Flares…” Pra uma rajada do canhão??? 🙂

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Sergio
5 meses atrás

O avião nem chega a pousar, os rebites errados causam corrosão que aparece bem na hora do avião atingir altos G’s… desmonta no ar mesmo…

Sergio
Sergio
5 meses atrás

São 2.769 relatórios de deficiência.
ISTO SERIA CÔMICO SE NÃO FOSSE TRÁGICO.

Teropode
Reply to  Sergio
5 meses atrás

Kkkkkk sim , muito cômico mesmo , sendo os tais relatorios de deficiencia verdadeiros e não um embuste para enganar os incautos.

André Macedo
André Macedo
Reply to  Sergio
5 meses atrás

O F-104 “Widowmaker” também vendeu igual água, vamos torcer pro F-35 não virar um, mas com o custo e as deficiências desse trambolho, juntamente com o contexto de corte nas verbas de Defesa dos países europeus, acredito que uma boa parte vai virar rainha de hangar, bom pra aprenderem a parar de engolir qualquer coisa que os americanos vendem só por ser dos “states”.
Sem falar que quando (!) Inventarem um radar que detecte aeronaves stealth o F-35 perde seu único trunfo real…

Doug Schuindt
Doug Schuindt
Reply to  André Macedo
5 meses atrás

Me desculpa, mas coisa que as aeronaves americanas não são é rainha de hangar. Pergunta aos venezuelanos se eles voam mais o F-16 ou o Su-30. Surpreendentemente os F-16 voam mais, mesmo com os embargos e restrições logísticas.

André Macedo
André Macedo
Reply to  Doug Schuindt
5 meses atrás

Na verdade me referi mais ao custo de operação do que às falhas nesse quesito, sem falar nos custos de correção das mais de 2000 falhas

Camargoera
Camargoera
Reply to  Doug Schuindt
5 meses atrás

Olá Doug (puxa, eu sou fã do desenho do Douglas Fanny). Acho difícil comparar um F16 antigo com um SU30 novo. O primeiro tem uma manutenção mais barata, tem mecânicos com uma longa experiência e um mercado secundário de peças… o outro é um avião complexo e com manutenção cara, com mercado de peças mais restrito e não sei dizer que os venezuelanos conseguiram absorver todo o conhecimento…. pense como fica difícil comparar um F15 com um F16…

johnny
johnny
5 meses atrás

500 anos antes de descobrirem o brazil a polonia ja estava em guerra com seus vizinhos, a primeira guerra da polonia foi contra os barbaros alemaes ,a polonia ja estava na idade media e os alemaes naum ,ainda viviam em casas de madeira atrasados no tempo a cavalaria polonesa ficou por 300 anos sem perder uma guerra e foram muitas temos o pacto pulaski de defesa mutua com os americanos eles podem reativar o esquadrao konsiuzko que lutou na guerra russo polonesa de 1920 e tambem na batalha da inglaterra na SGM com cacas f22s da NATO e tambem com… Read more »

Fábio Jeffer
Fábio Jeffer
Reply to  johnny
5 meses atrás

Putz, que sem noção

Fábio Jeffer
Fábio Jeffer
Reply to  johnny
5 meses atrás

Sua linha cronológica ta completamente fora da realidade

Camargoer
Camargoer
Reply to  johnny
5 meses atrás

Brasil é com “S” e letra maiúscula. Há coisas interessantes em seu texto. Tenho a impressão que você tem dificuldades com o português. Sem problema. Use frases curtas e simples. Se preferir use sua língua que a gente traduz na leitura.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Camargoer
5 meses atrás

Camargo, com mais de 100 palavras sem o uso de pontuação fica difícil encontrar uma coesão, independente de qual seja o idioma nativo.
Talvez a tradução nos levasse ao mesmo caminho.

Camargoer
Camargoer
Reply to  MMerlin
5 meses atrás

Olá MM. De fato, poucas pessoas sabem escrever coerentemente sem pontuação (quem fez isso em português ganhou um Nobel). Eu também não consegui entender o texto dele. Alguns trechos até sugerem algumas ideias que poderiam ser interessantes de discutir, mas eu seria imprudente se tentasse defender qualquer ponto de vista dele. O texto original poderá ou não ser confuso. Esse que ele colocou em português com certeza está confuso. Sei la. Acho que nem seria possível negativar o que não se compreende.

Alexandre Santos
Alexandre Santos
5 meses atrás

Isso foi “doação” a economia polonesa não tem como pagar por isso.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Alexandre Santos
5 meses atrás

A Polônia investe pouco mais que 2% do PIB nas FA’s, o que representa US$ 13 bilhões anualmente. Este percentual é maior que a grande maioria dos países integrantes da Otan. E veja que o artigo fala que os primeiros devem chegar a 2025 e 2026 e os pagamentos feitos entre 2020 e 2030. A Polônia tem umas das economias mais emergentes da Europa. Acredite, ela consegue sim pagar pelos aviões.
E outra, ninguém “doa” um F-35. A redução de valores está se dando devido ao estabilização da linha de produção, que tem um efeito gradual.

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
5 meses atrás

Acho que acima de tudo a aquisição deste vetor pela Polônia demonstra um importante alinhamento com os EUA, Boa sorte ao poloneses que tenham exito na sua operação

Luiz Trindade
Luiz Trindade
5 meses atrás

É um contrato e tanto… Aqui no Brasil fora os Gripens que estão chegando, se conseguíssemos uma frota de 25 aeronaves F-15X para o primeiro GDA seria o caviar da FAB. Como sonhar ainda não custa nada… Eu sonho. Pq se recebermos os Gripens para o GDA, tem tudo para ficar somente por ae…

Fábio Jeffer
Fábio Jeffer
Reply to  Luiz Trindade
5 meses atrás

Caviar da FAB é o Gripen

MMerlin
MMerlin
Reply to  Fábio Jeffer
5 meses atrás

Nada. O caviar das FA’s é sempre de esturjão-beluga.

Augusto
Augusto
5 meses atrás

Alguém aí já pagou muito mais caro por um carro só por causa das rodas personalizadas, pintura, ou o som instalado? Um Corolla por exemplo custava a partir de 115.000,00 (agora já não sei) o básico da linha. Aí vem o concorrente e te diz que Mitsubishi Lancer (carro que ninguém tem ou conhece) Tem isso e aquilo, e você leva por 150.000 (preços hipotéticos) depois que você topa considerando todas as vantagens que supostamente terá, descobre que o carro só existe no papel! E o que te mostraram funcionando era só um modelo já fora de linha e o… Read more »

Beserra(FN)
Beserra(FN)
Reply to  Augusto
5 meses atrás

Ok, depois do textão, você vê seu vizinho do Fusion tendo o carro apreendido na blitz, pois deve 3 anos de IPVA e licenciamento, o vizinho humilde do corola sem dinheiro para peças e o vizinho da frente com o 300C limpinho, parado na garagem, pois esta sem grana para o combustível. É então que você sai para trabalhar com seu Gripen E, que incluseive, tem peças que foram produzidas pela fábrica da sua família (WAD), estruturas e etc, e cumpre com suas missões, dentro do seu orçamento mensal. 😏

😉

Renato B.
Renato B.
Reply to  Beserra(FN)
5 meses atrás

E por isso vemos vários antigos carros importados na rua: alguns cheios de amassados ou mesmo abandonados num canto porque os donos não conseguem sustentar a manutenção nem vender por um preço que compense o investimento, casaram com o carro.

Junior
Junior
Reply to  Augusto
5 meses atrás

Cara, já tá chato isso de você atacar a escolha do gripen pelo Brasil em todos as matérias do blog, mesmo quando o assunto não é gripen e Brasil, que foi, você perdeu dinheiro por acaso com a escolha do gripen? Você trabalha em alguma empresa que era sócia dos outros concorrentes? Perdeu patrocínio de alguma empresa derrotada no certame do FX-2 em site o blog que você tem? Porque para perder tempo fazendo um textão desse em uma matéria que nada tem que ver com a escolha pelo Brasil do gripen, só pode ser por um desses motivos. Na… Read more »

MMerlin
MMerlin
Reply to  Augusto
5 meses atrás

Hm. Então, você manja tudo e o pessoal da COPAC não manja nada.
Nada contra alguém criticar um equipamento adquirido por uma das Forças de Defesa, mas agora criticar a qualidade técnica de uma aeronave utilizando como argumento automóveis? Tente dar uma pesquisada, busque dados técnicos, nem que seja do Wiki. Vamos enriquecer os comentários e não escrever uma redação falando de Gol, Biz e Astra.

bjj
bjj
Reply to  Augusto
5 meses atrás

Augusto, não é a primeira vez que você desdenha do Gripen (geralmente em função do F-35) portanto vou tentar, pela última vez, ser didático. Ao que parece, pela sua analogia, o Gripen seria o carro básico que foi personalizado e saiu caro, e o F-35 seria o veículo superior, que cumpre a função. O descabimento da comparação, se for essa, já começa aí. O Gripen, mesmo personalizado, é mais barato que o F-35 para adquirir. O F-35 polonês vai sair 144 milhões de dólares cada unidade, só com treinamento e logística. O nosso Gripen vai sair 150 milhões cada com… Read more »

Jeff
Jeff
5 meses atrás

O fato é que o F-35 vai dar certo. De qualquer jeito, vai ter que dar certo. Mesmo que fosse um tijolão gigante, iriam fazer voar e dar certo. Nada que alguns bilhões de dólares a mais não corrijam os problemas existentes e os que ainda virão. Faz parte de inovar e criar o inédito.