Home Aviação de Ataque F/A-18 e EA-18 atingem 80% da capacidade de missão enquanto os F-35...

F/A-18 e EA-18 atingem 80% da capacidade de missão enquanto os F-35 têm dificuldades

5159
22
Um F/A-18E Super Hornet e um F-35C Lightning II a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN 72). Foto: Marinha dos EUA
Um F/A-18E Super Hornet e um F-35C Lightning II a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN 72). Foto: Marinha dos EUA

Os Boeing F/A-18E/F Super Hornet da Marinha dos EUA (USN) e os EA-18G Growler superaram uma taxa de capacidade de missão de 80%, cumprindo uma diretiva estabelecida pelo ex-secretário de defesa Jim Mattis no ano passado.

Mas a principal aeronave de combate da USN, a variante de porta-aviões Lockheed Martin F-35C Lightning II, não alcançará a meta de 80% do Departamento de Defesa dos EUA (DoD), anunciou a USN em 24 de setembro.

O secretário de Defesa, Mark Esper, disse ao Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA durante sua audiência de confirmação em julho que foi parcialmente o resultado da falta de canopis, entre outras questões.

A USN diz que a taxa de capacidade da missão para o F/A-18E/F e EA-18G foi de cerca de 50% no ano passado. Uma taxa de 80% se traduz em 343 caças F/A-18E/F e 95 caças EA-18G, diz o serviço.

Mattis em 2018 havia pedido que as aeronaves de caça e ataque dos EUA ultrapassassem uma taxa de capacidade de 80% até setembro de 2019.

As taxas de capacidade da missão são a porcentagem de frotas capazes de executar pelo menos uma missão designada durante um período de tempo. A taxa é importante, pois fornece ao DOD uma compreensão aproximada de quão pronta qualquer frota de aeronaves está para realizar missões de combate.

F-35C Lightning IIs e F/A-18E/F Super Hornets

A USN diz que aumentou as taxas de capacidade das missões emprestando as melhores práticas do setor comercial, o que resultou em melhores práticas de manutenção. Esper disse em sua audiência que essas reformas incluíam inspeções periódicas, adicionando pessoal de manutenção extra, melhorando o processo de produção de componentes e melhorando a coleta e circulação de dados da cadeia de suprimentos.

Também se espera que os Lockheed Martin F-16 da Força Aérea dos EUA (USAF) atinjam uma taxa de capacidade de missão de 80%.

Além do F-35C da USN, a variante convencional F-35A da USAF e a variante de decolagem curta e aterrissagem vertical do US Marine Corps F-35B não devem alcançar a meta da taxa de capacidade da missão.

O mesmo ocorre com a frota do Lockheed Martin F-22 Raptors da USAF, que sofre de falta de manutencão da capacidade de baixa observação, agravada por danos na base da força aérea de Tyndall causados ​​pelos efeitos do furacão Michael em outubro de 2018, disse Esper.

FONTE: FlightGlobal

22
Deixe um comentário

avatar
10 Comment threads
12 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
18 Comment authors
Entusiasta MilitarBruno Vinícius CampestriniGabriel BRMatheus SantiagoThales Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Gabriel
Visitante
Gabriel

Teoricamente se 1 F-35 é mais eficiente na execução de missão que 1 F/A-18E, mesmo com uma teórica disponibilidade menor, ainda seria mais eficaz.

Essas são as famosas comparações sem sentido, pois o F-35 é um caminho sem volta.

Simples assim.

Felipe Alberto
Visitante
Felipe Alberto

Exato, disponibilidade x qualidade x capacidade = produtividade. Essa matemática de teoria da dependência é muito interessate e reveladora sobre a qualidade dos projetos.

Nilton Reis Jr
Visitante
Nilton Reis Jr

Ultimamente o brazil atingiu a taxa de 170% em passar pano, pelamor!

Thiago Telles
Visitante
Thiago Telles

É um caminho sem volta. Até concordo. Isso nao quer dizer q é o melhor caminho. O gorila do século.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Este é o ponto.

Entusiasta Militar
Visitante
Entusiasta Militar

Vejamos …

Quando voou o F-18 pela primeira vez ?

Nao da pra comprar aeronaves de perfil diferente, aviônica diferente… devemos dar tempo ao tempo … o F-35 esta em desenvolvimento

Felipe Alberto
Visitante
Felipe Alberto

Levando em conta apenas os valores médios é necessário multiplicar o numero de caças necessários para as missões pelo inverso da taxa de capacidade, ou seja, com 50% (ou 0,5) são necessários 1/0,5 = 2. Assim são necessários 2 esquadrões para que se tenha 1 em capacidade de missão.

Com esse incremento de 50% para 80%, um Porta-Aviões com 4 esquadrões que tinha a efetividade média de 2 esquadrões, agora possui a efetividade média de 3,2 esquadrões com os mesmo 4 esquadrões embarcados. Isso é uma melhoria de 60%!

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Único detalhe contra F 35 revelado em matéria aqui no PA é que o mesmo não pode sustentar vôo supercruise por mais de 50 segundos, pois sofre deformação no revestimento e em partes da estrutura, logo ele não tem esta disponibilidade comentada aqui comparado o SH.

Michel Moreira
Visitante
Michel Moreira

A materia diz apenas que o F-35C não atingiu a taxa desejada mas também não diz a taxa atingida que poderia servir se parâmetro pra saber se está tão ruim assim.

Matheus Santiago
Visitante
Matheus Santiago

Na verdade nenhuma variante do F-35 atingiu a capacidade e está no próprio texto: “Além do F-35C da USN, a variante convencional F-35A da USAF e a variante de decolagem curta e aterrissagem vertical do US Marine Corps F-35B não devem alcançar a meta da taxa de capacidade da missão.” Segundo o GAO, apenas 27% dos caças F-35 em todo o mundo tiveram capacidade total para missões entre maio e novembro de 2018, e 50% dos caças tiveram disponibilidade para apenas uma missão no mesmo período. O diretor executivo do JPO, o vice-almirante Mathias Winter disse esperar que a frota… Read more »

Michel Moreira
Visitante
Michel Moreira

Continua sem informa o percentual de disposição dos mesmos.

Bruno Vinícius Campestrini
Visitante
Bruno Vinícius Campestrini

Que mancada do Pentágono ein. Em pleno século 21 e não conseguir controlar cadeia logística é de chorar.

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

O caro sai caro.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Um projeto base com mais de 30 anos de operação e só 80%???? Esses americanos são incompetentes mesmo.

Legenda do comentário: Foi usado ironia em sua mais forte dose.

JPC3
Visitante
JPC3

Super Hornet tem pouco mais de 20 anos.

Kommander
Visitante

Esse que é o mal do brasileiro, os cara deixam o fanatismo falar mais alto. 30 anos… ai ai

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Desde 2001 a frota de caças dos EUA está em constante combate no Oriente, boa parte dela caças supersônicos e bombardeiros estratégicos fazendo serviço de A-10 e A-29. São quase vinte anos. Mesmo aparelhos 20 anos mais novos estão mais voados que os F-5EM de primeiro lote da FAB. Assim não tem frota que aguente.

Se eles querem ter a frota pronta para enfrentar um inimigo de verdade, tem que parar de dar tapa em bêbado e reagrupar. Caso contrário, correm o risco de não terem o grosso da frota em bom estado quando mais precisarem.

Sérgio Luís
Visitante
Sérgio Luís

Publico e Notório

Thales
Visitante
Thales

Jaca que chama?

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

O F-18 é meu avião favorito

Bruno Vinícius Campestrini
Visitante
Bruno Vinícius Campestrini

Eu até quero gostar do Super Hornet, mas sempre que olho um lembro que é o substituto do F-14 😞

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

O Ponto chave é que essa taxa de disponibilidade inviabiliza que varias forças aéreas o empreguem como o caça multimissão único.