terça-feira, junho 22, 2021

Gripen para o Brasil

F/A-18 e EA-18 atingem 80% da capacidade de missão enquanto os F-35 têm dificuldades

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Um F/A-18E Super Hornet e um F-35C Lightning II a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN 72). Foto: Marinha dos EUA
Um F/A-18E Super Hornet e um F-35C Lightning II a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN 72). Foto: Marinha dos EUA

Os Boeing F/A-18E/F Super Hornet da Marinha dos EUA (USN) e os EA-18G Growler superaram uma taxa de capacidade de missão de 80%, cumprindo uma diretiva estabelecida pelo ex-secretário de defesa Jim Mattis no ano passado.

Mas a principal aeronave de combate da USN, a variante de porta-aviões Lockheed Martin F-35C Lightning II, não alcançará a meta de 80% do Departamento de Defesa dos EUA (DoD), anunciou a USN em 24 de setembro.

O secretário de Defesa, Mark Esper, disse ao Comitê de Serviços Armados do Senado dos EUA durante sua audiência de confirmação em julho que foi parcialmente o resultado da falta de canopis, entre outras questões.

A USN diz que a taxa de capacidade da missão para o F/A-18E/F e EA-18G foi de cerca de 50% no ano passado. Uma taxa de 80% se traduz em 343 caças F/A-18E/F e 95 caças EA-18G, diz o serviço.

Mattis em 2018 havia pedido que as aeronaves de caça e ataque dos EUA ultrapassassem uma taxa de capacidade de 80% até setembro de 2019.

As taxas de capacidade da missão são a porcentagem de frotas capazes de executar pelo menos uma missão designada durante um período de tempo. A taxa é importante, pois fornece ao DOD uma compreensão aproximada de quão pronta qualquer frota de aeronaves está para realizar missões de combate.

F-35C Lightning IIs e F/A-18E/F Super Hornets

A USN diz que aumentou as taxas de capacidade das missões emprestando as melhores práticas do setor comercial, o que resultou em melhores práticas de manutenção. Esper disse em sua audiência que essas reformas incluíam inspeções periódicas, adicionando pessoal de manutenção extra, melhorando o processo de produção de componentes e melhorando a coleta e circulação de dados da cadeia de suprimentos.

Também se espera que os Lockheed Martin F-16 da Força Aérea dos EUA (USAF) atinjam uma taxa de capacidade de missão de 80%.

Além do F-35C da USN, a variante convencional F-35A da USAF e a variante de decolagem curta e aterrissagem vertical do US Marine Corps F-35B não devem alcançar a meta da taxa de capacidade da missão.

O mesmo ocorre com a frota do Lockheed Martin F-22 Raptors da USAF, que sofre de falta de manutencão da capacidade de baixa observação, agravada por danos na base da força aérea de Tyndall causados ​​pelos efeitos do furacão Michael em outubro de 2018, disse Esper.

FONTE: FlightGlobal

- Advertisement -

20 Comments

Subscribe
Notify of
guest
20 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gabriel

Teoricamente se 1 F-35 é mais eficiente na execução de missão que 1 F/A-18E, mesmo com uma teórica disponibilidade menor, ainda seria mais eficaz.

Essas são as famosas comparações sem sentido, pois o F-35 é um caminho sem volta.

Simples assim.

Felipe Alberto

Exato, disponibilidade x qualidade x capacidade = produtividade. Essa matemática de teoria da dependência é muito interessate e reveladora sobre a qualidade dos projetos.

Nilton Reis Jr

Ultimamente o brazil atingiu a taxa de 170% em passar pano, pelamor!

Thiago Telles

É um caminho sem volta. Até concordo. Isso nao quer dizer q é o melhor caminho. O gorila do século.

Wellington Góes

Este é o ponto.

Entusiasta Militar

Vejamos …

Quando voou o F-18 pela primeira vez ?

Nao da pra comprar aeronaves de perfil diferente, aviônica diferente… devemos dar tempo ao tempo … o F-35 esta em desenvolvimento

Felipe Alberto

Levando em conta apenas os valores médios é necessário multiplicar o numero de caças necessários para as missões pelo inverso da taxa de capacidade, ou seja, com 50% (ou 0,5) são necessários 1/0,5 = 2. Assim são necessários 2 esquadrões para que se tenha 1 em capacidade de missão.

Com esse incremento de 50% para 80%, um Porta-Aviões com 4 esquadrões que tinha a efetividade média de 2 esquadrões, agora possui a efetividade média de 3,2 esquadrões com os mesmo 4 esquadrões embarcados. Isso é uma melhoria de 60%!

Washington Menezes

Único detalhe contra F 35 revelado em matéria aqui no PA é que o mesmo não pode sustentar vôo supercruise por mais de 50 segundos, pois sofre deformação no revestimento e em partes da estrutura, logo ele não tem esta disponibilidade comentada aqui comparado o SH.

Michel Moreira

A materia diz apenas que o F-35C não atingiu a taxa desejada mas também não diz a taxa atingida que poderia servir se parâmetro pra saber se está tão ruim assim.

Matheus Santiago

Na verdade nenhuma variante do F-35 atingiu a capacidade e está no próprio texto: “Além do F-35C da USN, a variante convencional F-35A da USAF e a variante de decolagem curta e aterrissagem vertical do US Marine Corps F-35B não devem alcançar a meta da taxa de capacidade da missão.” Segundo o GAO, apenas 27% dos caças F-35 em todo o mundo tiveram capacidade total para missões entre maio e novembro de 2018, e 50% dos caças tiveram disponibilidade para apenas uma missão no mesmo período. O diretor executivo do JPO, o vice-almirante Mathias Winter disse esperar que a frota… Read more »

Michel Moreira

Continua sem informa o percentual de disposição dos mesmos.

Nilton L Junior

O caro sai caro.

Ricardo Bigliazzi

Um projeto base com mais de 30 anos de operação e só 80%???? Esses americanos são incompetentes mesmo.

Legenda do comentário: Foi usado ironia em sua mais forte dose.

JPC3

Super Hornet tem pouco mais de 20 anos.

Kommander

Esse que é o mal do brasileiro, os cara deixam o fanatismo falar mais alto. 30 anos… ai ai

Clésio Luiz

Desde 2001 a frota de caças dos EUA está em constante combate no Oriente, boa parte dela caças supersônicos e bombardeiros estratégicos fazendo serviço de A-10 e A-29. São quase vinte anos. Mesmo aparelhos 20 anos mais novos estão mais voados que os F-5EM de primeiro lote da FAB. Assim não tem frota que aguente.

Se eles querem ter a frota pronta para enfrentar um inimigo de verdade, tem que parar de dar tapa em bêbado e reagrupar. Caso contrário, correm o risco de não terem o grosso da frota em bom estado quando mais precisarem.

Sérgio Luís

Publico e Notório

Thales

Jaca que chama?

Gabriel BR

O F-18 é meu avião favorito

Gabriel BR

O Ponto chave é que essa taxa de disponibilidade inviabiliza que varias forças aéreas o empreguem como o caça multimissão único.

Reportagens especiais

‘Se é bonito, voa bem’ – o Dassault Mirage

Mirage é um nome dado a vários tipos de aviões a jato projetados pela empresa francesa Dassault Aviation (anteriormente...
- Advertisement -
- Advertisement -